O crime e o castigo de um clássico | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
>>> ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES ONLINE DO ESPETÁCULO O DESMONTE
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A PROPÓSITO DE UM POEMA
>>> Como E Por Que Ler O Romance Brasileiro
>>> Jornalista, um bicho de 7 cabeças e 10 chifres
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O amigo do escritor
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> SemiÓtica
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
Mais Recentes
>>> O Uraguai de Basílio Gama pela Leitura XXI (2009)
>>> Dexter Design de Um Assassino de Jeff Lindsay pela Planeta (2011)
>>> Dexter no Escuro de Jeff Lindsay pela Planeta (2010)
>>> Querido e Devotado Dexter de Jeff Lindsay pela Planeta (2009)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Sextante (2007)
>>> Querida Filha de Elizabeth Little pela Rocco (2017)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Viver é coisa Perigosa - Orientações para soluções de conflitos de Guilherme Schelb pela Do autor (2008)
>>> Contos (Literatura Francesa) de Voltaire pela Nova Cultural (2003)
>>> Mulherzinhas (Literatura Norteamericana) de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> O morro dos ventos uivantes (Literatura Inglesa/Britânica) de Emily Brontë pela Nova Cultural (2003)
>>> Naná (Literatura Francesa) de Emile Zola pela Nova Cultural (2003)
>>> Babbitt (Literatura norteamericana) de Siclair Lewis pela Nova Cultural (2003)
>>> Ivanhoé (Literatura Escocesa/Britânica) de Walter Scott pela Nova Cultural (2003)
>>> A mulher de Trinta Anos (Literatura Francesa) de Honorè de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Razão e Sensibilidade (Literatura Inglesa) de Jane Austen pela Nova Cultural (2003)
>>> Tom Jones (Literatura Inglesa) de Henry Fielding pela Nova Cultural (2003)
>>> Ninguém escreve ao coronel de Gabriel Garcia Marques pela Record (2014)
>>> Tragédias - Romeu e Julieta/Macbeth/Otelo, o mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Mazzaropi - Uma antologia do riso (Humorismo/Cinema brasileiro) de Paulo Duarte pela Imprensa oficial (2009)
>>> Cordel - Poeta Severino José (Literatura de Cordel) de Luiz de Assis Monteiro (Introdução e antologia) pela Hedra (2001)
>>> STP- Socialismo Teoria Y Prática 2 Febrero -1987 de Ekaterina Shalaieva pela Agência Prensa Nóvosti (1987)
>>> Moll Flanders de Daniel Defoe pela Nova Cultural (2003)
>>> Preceitos Áureos do Esoterismo de G. de Purucker pela Lorenz (1991)
>>> A Metamorfose de Franz Kafka pela Nova Cultural (2002)
>>> Macroeconomia de Olivier Blanchard pela Campus (1999)
>>> Energias Além das Formas de Marly Del Corona pela Casa Editorial Schimidt (1994)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Nova Cultural (2002)
>>> Noites do Sertão de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1976)
>>> A Arte da Ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> Farmacologia Clínica para Dentistas 2ªed. de Lenita Wannmacher - Maria Beatriz Cardoso Ferreira pela Guanabara Koogan (1999)
>>> Signos em Rotação de Octavio Paz pela Perspectiva (1990)
>>> Mulheres Empilhadas de Patrícia Melo pela Leya (2019)
>>> Extraordinário de R,J Palacio pela Intríseca (2014)
>>> O Homem Revoltado de Albert Camus pela Record (1996)
>>> Antologia Meus Contos Preferidos de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (2004)
>>> Educar Professores? de Beatriz Alexandrina de Moura Fétizon pela Universidade de São Paulo (1984)
>>> A Geração das Palavras: Skinner e Chomsky Vol 25 de Maria da Penha Villalobos pela Universidade de São Paulo (1986)
>>> A Televisão e os Adolescentes A Sedução dos Inocentes Vol 22 de Heloisa Dupas Penteado pela Universidade de São Paulo (1983)
>>> Revista do Instituto de Estudos Brasileiros n. 41 de Prof. Dra. Marta Rossetti Batista (Diretora) pela Universidade de São Paulo (1996)
>>> Os Ministérios na Igreja dos Pobres de Alberto Parra S. J. pela Vozes (1991)
>>> Direitos Humanos Direitos dos Pobres de Leonardo Boff e Outros pela Vozes (1991)
>>> A Cristandade Colonial Mito e Ideologia de Riolando Azzi pela Vozes (1987)
>>> A Militarização da Questão Agrária no Brasil de José de Souza Martins pela Vozes (1984)
>>> Holocausto Desafio à Teologia Cristã de S. Shapiro e Outros pela Vozes (1984)
>>> Odontopediatria 7ªed. de Ralph E. Mcdonald- David R. Avery pela Guanabara Koogan (2001)
>>> O Poder dos Donos de Marcel Bursztyn pela Vozes (1984)
>>> Homenagem a Ugo Foscolo Omaggio de Elvira Rina M. Ricci Professora Responsável pela Universidade de São Paulo (1979)
>>> No País das Fadas e Outras Histórias Fantásticas de H. G. Wells pela Paulicéia (1993)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Quinta-feira, 10/2/2005
O crime e o castigo de um clássico
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 11800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

"Precisamos de livros que nos afetam como um desastre, que nos magoam profundamente, como a morte de alguém que amamos mais do que a nós mesmos. Um livro tem que ser como um machado para quebrar o mar de gelo que há dentro de nós."
(Franz Kafka)

Apesar do barulho ensurdecedor que a contemporaneidade vazia do mundo faz para tentar me capturar, fujo para o exílio da meia-penumbra de um quarto, e só, absolutamente só, mergulho num amplo universo criado por um escritor que me rouba do desesperado e inútil chamado exterior. Estou lendo um livro... E acrescento a essa minha aventura solitária, dia após dia, a leitura de outros livros.

O resultado é que alguns desses livros lidos colam-se a mim como que se tornando, posso dizer, minha segunda pele. Há mesmo, sem exagero metafórico, algo do resultado da leitura deles que atua no meu próprio sangue. A partir daí caminho pelo mundo levando comigo as suas vibrações eternas, que me fazem ver, pensar e sentir de uma forma inteiramente diferente de quando eu ainda não os havia lido. Só estes livros fazem história dentro de mim, pois me tornam sempre diferente do que eu era. Para o meu bem ou para o meu mal.

O tempo do mundo é diferente do tempo da leitura. Lá fora a velocidade é gritante, massacrante, sem profundidade, estéril, cobrando da vida das pessoas uma ação imediatista, sem meditação (o resultado disso é que todos acabam, com suas existências premeditadas, apenas esperando que alguém lhes diga que passo dar ou que comportamentos ter - bem-vindos à escravidão totalitária da vida moderna!).

Aqui, dentro do livro, é o contrário: o tempo se faz profundo, lento, silencioso e arrebatado pelo risco iminente. A linguagem não se congela e o pensamento transborda num rumor infinitamente inusitado; por vezes, tomado por alegrias que explodem em átomos vibrantes de luzes multicoloridas, outras vezes, enlameado por sentimentos que são tão densos como o temor da morte. Mas tudo vibra... para além do simulacro.

O silêncio daquela noite fria, o perfume e o sabor do chá preparado entre um capítulo e outro, o peso do livro, o seu volume, o cheiro de suas folhas envelhecidas, a cor e a textura de sua capa me habitarão para sempre, numa forma de lembrança indescritível, junto com a carga elétrica da existência de seu assustador personagem: Raskolnikov. Pois, afinal, eu estava lendo o clássico Crime e Castigo, do escritor russo Dostoievski.

Fico trancado em casa alguns dias, mergulhado no volume, lendo-o sem a mínima pressa, sendo interrompido apenas por um telefonema de um amigo: quer minha companhia para uma cerveja, quer sair um pouco de casa, respirar ar puro. Ele também deveria estar trancado em casa há vários dias, fazendo sabe-se lá o quê, talvez lendo. Saímos, sentamos numa mesa de bar e conto a ele que eu não estava aqui, na cidade, mas, virtualmente, em São Petersburgo, seguindo os passos de Raskolnikov. Ele me fala de suas leituras de A morte de Ivan Ilitch e Anna Karenina, outros clássicos russos que ele admira, contando de como também se transportou de forma extraordinária para outros mundos ao lê-los. Ele olha ao lado, para as mesas do bar, fazendo o seguinte comentário: "vê como tudo é sempre igual, podemos passar meses sem vir aqui e tudo parece que foi congelado numa mesmice irremediável, sinto-me até culpado de tê-lo retirado de sua vibrante São Petersburgo, mais vibrante do que o mundo ao nosso redor".

Comento com ele a idéia de Ítalo Calvino sobre os clássicos: "É clássico aquilo que tende a relegar as atualidades à posição de barulho de fundo (...). É clássico aquilo que persiste como rumor mesmo onde predomina a atualidade mais incompatível".

Apenas uma cerveja e decidimos cada qual voltar ao seu próprio ninho. Retomo a leitura e rapidamente estou perante o crime de Raskolnikov, um crime sem finalidade palpável, sem nenhum interesse em ser uma manifestação contra a injustiça social. Um crime que é apenas um pretexto para uma experimentação existencial. Atordôo-me em meio à leitura, não sabendo mais se penso em Raskolnikov ou se ele pensa-se em mim. Fui eu que cometi aquele crime? Não sinto náusea. Algo tomou meu ser, transformando-me, através de uma assustadora possessão demoníaca, no personagem de Dostoievski. A vida global de Raskolnikov, com todas as propriedades de sua personalidade, se transmuta na minha própria existência. Não há mais como pensar o livro, o autor, a época ou o assassinato senão pensando a mim mesmo. Não existe mais o livro como algo separado de mim. Parafraseando o próprio Raskolnikov: "as suas convicções agora são as minhas? Poderei ter acaso outros sentimentos, outras idéias que não sejam as dele?".

E o que eu era antes, todo meu passado, afinal, meus pensamentos de outrora, minhas aspirações, meus projetos, essa paisagem que me é conhecida e luminosa, tudo, tudo isso me parecia enterrado num abismo profundo e quase invisível sob meus pés. Tudo evolava-se no espaço e eu via desaparecer todas essas coisas, parecendo, neste instante, ter-me desligado de mim mesmo, como se o laço que me prendia ao meu passado fosse brutalmente cortado com uma tesoura. A possessão se completou...

Ao contrário do que muita gente gosta de dizer, os livros, ou a arte em geral, nem sempre nos humanizam ou nos sensibilizam para o nosso bem ou para o bem da humanidade. Da mesma forma que alguns livros despertam nossa sensibilidade para os sentimentos profundos da alegria, do amor ou para a poesia da existência, outros livros oferecem o perigo de nos tornar mais frios, mais sofríveis, mais melancólicos, mais destrutíveis e, como o Werther de Goethe nos mostrou ao produzir uma onda de suicídios, um livro pode nos tornar perigosos para nós mesmos.

E Crime e Castigo, o que tornou-se para mim? Tornou-se o lugar onde a minha alma foi submetida às influências mais estranhas, sombrias e... perigosas. A arte substituiu em mim a vida.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis de Humberto Pereira da Silva


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/2/2005
13h29min
Cara Fernanda, obrigado pela leitura e pelo comentário. Fica meio difícil sair e respirar um pouco de ar puro aqui em campinas para sentir a vida melhor. talvez esta seja uma das razões pelas quais eu me tranque em casa para ler e só ler... jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
9/3/2005
17h56min
Jardel, leio bastante. Não consigo ficar distante de um livro. "Crime e Castigo" já o li. Poderia citar outros, mas me chamou a atenção em seu texto o desejo de passar aos leitores o prazer da leitura. Pois bem, recorro a Gadamer em "Verdade e Método" que diz: "quando compreendemos um texto nos vemos tão atraídos por sua plenitude de sentido como pelo belo". Entretanto, afirma Gadamer que "... não existe compreensão que seja livre de todo preconceito, por mais que que a vontade do nosso conhecimento tenha de estar sempre dirigida, no sentido de escapar ao conjunto dos nossos preconceitos." Em resumo, penso que o texto de um livro, quer seja prosa ou verso não pertence ao seu autor. Coloco-lhe a seguinte questão: penso que a minha leitura de "Crime e Castigo" não seja a sua leitura. A sua leitura de "Crime e Castigo" de fevereiro de 2005 não será talvez a mesma leitura em 2006, por quê? Acredito que se levássemos a Joyce todas as leituras que fizeram do seu "Ulisses" talvez ele desconhecesse a própria obra. Isto porque não há uma concordância lógica e natural entre leitor e texto. Gadamer diz que "à dialética da interpretação sempre precedeu a dialética de pergunta e resposta. É esta que determina a compreensão como um acontecer." E arrisco-me a dividir com você um resposta à colocação que lhe fiz: não há um único "Crime e Castigo", mas vários e aí reside o belo do texto. Bem, coloquei a questão.
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
11/3/2005
07h32min
Caro Luiz, obrigado pela leitura do texto. concordo com seus comentários, apesar de achar meio cansativo tanta teoria. mas assim é, ler é um prazer e uma grande dor.
[Leia outros Comentários de jardel]
29/3/2005
15h38min
Crime e Castigo é um dos livros mais marcantes que li. A primeira leitura eu fiz ha' uns 10 anos, ainda na adolescência, e a segunda (e, por enquanto, última) eu fiz mês passado. Nesses dez anos - como é natural - muito de mim foi mudando, e isso refletiu, sobremaneira, no entendimento do livro. Não há como negar que o prazer da releitura foi ainda maior que o da leitura. E diversos convites pra tomar um chope foram prazerosamente trocados pela "solidão" dessa releitura. Diferentemente de você, porém, meus amigos não compreendiam muito bem como eu poderia preferir estar sozinha sábado à noite em casa, lendo um livro tão "grosso" a estar bebericando em algum barzinho barulhento. Mal sabiam eles que eu estava acompanhada de Raskolnikov (que, com Julien Sorel, são os meus personagens prediletos da literatura) e um profundo labirinto psicológico.
[Leia outros Comentários de Simone]
29/3/2005
17h09min
Simone, obrigado pela leitura e pelos comentários sobre sua própria experiência de leitura. realmente, alguns livros valem mais do que a companhia de nossos humanos irmãos. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
24/7/2009
16h53min
Fico um pouco preocupada com algumas leituras que faço, mas não resisto. Sou um pouco depressiva, atormentada, mas procuro trabalhar isso com bons pensamentos e sintonia com Deus. Estou lendo "Crime e Castigo", de Dostoiévski, terminei de ler "A Náusea", de Sartre. Me pergunto muitas vezes o que procuro com este tipo de leitura, que às vezes me deprime profundamente, aguçando meu lado existencial, pois termino por me transportar e me identificar nos mesmos conflitos dos personagens. Mas mesmo assim me fascinam essas leituras, me instigam e vou lendo e fazendo minha terapia, terminando por acreditar que muitos percebem a existência da mesma forma que eu percebo e termino por deduzir a subjetividade da existência humana.
[Leia outros Comentários de Luciana Sá Barreto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PRÍNCIPE
NICOLAU MAQUIAVEL
PRINCIPIS
(2019)
R$ 14,00



SEDES DA COPA
STEPHAN CAMPINEIRO E DANIEL GONÇALVES
ARTE ENSAIO
(2012)
R$ 14,00



GUIA DO EMPREENDEDOR ESTRANGEIRO NA CHINA
JUAN ANTONIO FERNANDEZ- SHENGJUN
LEAP
(2010)
R$ 29,00



BELEZA SUSTENTÁVEL: COMO PENSAR, AGIR E PERMANECER JOVEM
CARLA GÓES SOUZA PÉREZ
INTEGRARE
(2010)
R$ 6,00



DICIONÁRIO DE DECISÕES TRABALHISTAS - 19ª EDIÇÃO
B. CALHEIROS BOMFIM E OUTROS
TRABALHISTAS
(1997)
R$ 5,00



OBESIDADE, NUTRIÇÃO E DIETA
DR. EMÍLIO PERES
CAMINHO
(1982)
R$ 12,00



LIÇÕES DE VIDA
ANNE TYLER
ED. IMAGO
(1989)
R$ 5,00



A BREVE SEGUNDA VIDA DE BREE TANNER
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 5,00



DIREITO DO TRABALHO
PEDRO PAULO TEIXEIRA MANUS
ATLAS
(1999)
R$ 5,90



OS DEZ MANDAMENTOS
LORON WADE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2007)
R$ 15,00





busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês