O crime e o castigo de um clássico | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TDEZESSEIS
>>> Curso de direção de palco é gratuito nos dias 16 e 17/12
>>> Ultima apresentação da peça (A) Dor (A)
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> Pela estrada afora
>>> Jorge Amado universal
>>> Aquele que por via de regra se sai mal
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> Samba Meu, o show de Maria Rita
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Teatro no interior
>>> A Queda
Mais Recentes
>>> Coleção História das Américas - 14 Volumes de Vários Autores pela W. M. Jackson
>>> Bíblia Sagrada de Cnbb pela Cnbb (2008)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro - Volume 1 e 2 de Robert L. Wolke pela Zahar (2002)
>>> Como Falar Com Um Viúvo - Romance de Jonathan Tropper pela Sextante (2010)
>>> Box as Crônicas de Gelo e Fogo - Edição de Bolso de George R. R. Martin pela Leya (2012)
>>> A Bíblia Ilustrada - 125 Famosos Quadros Bíblicos - Edição Bilíngue de Gustave Doré pela Sinai (1962)
>>> The Great Gatsby de F. Scott Fritzgerald pela Helbling Languages (2011)
>>> Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus: Um guia prático para melhorar a comunicação e conseguir o que você quer nos seus relacionamentos de John Gray pela Rocco (1997)
>>> Um Livro para Curar o Coração e a Alma de Joan Borysenko pela Cultrix (1999)
>>> Simplesmente acontece de Cecelia Ahren pela Novo Conceito (2014)
>>> Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister de Goethe pela Ensaio (1994)
>>> Episódio Humano - Prosa 1929 - 1930 de Cecília Meireles pela Batel (2022)
>>> A sexta mulher de Suzannah Dunn pela Record (2010)
>>> Competência Social - Mais que Etiqueta uma Questão de Atitude de Lícia Egger Moellwald e Hugo Egger Moellwald pela Totalidade (2009)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> [email protected] de Therese Fowler pela Novo Conceito (2013)
>>> O Caminho da Autotransformação de Eva Pierrakos pela Cultrix (2007)
>>> Como eu era antes de você de Jojo Moyes pela Intrinseca (2013)
>>> Dicionário de Símbolos de Jean Chevalier e Alain Gheerbrant pela José Olympio (1990)
>>> Key Philosophical Writings de Descartes pela Wordsworth (1997)
>>> Roteiro para um Narrador: Uma Leitura dos Contos de Rubem Fonseca de Ariovaldo José Vidal pela Ateliê Editorial (2000)
>>> Um Amor, Um Café & Nova York de Augusto Alvarenga pela D'Plácido (2014)
>>> À primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2016)
>>> Friedrich Nietzsche: 1. Infancia y Juventud de Curt Paul Janz pela Alianza Universidad (1981)
>>> Deuses Animais de Elizabeth Loibl pela Edicon (1984)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Quinta-feira, 10/2/2005
O crime e o castigo de um clássico
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 12700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

"Precisamos de livros que nos afetam como um desastre, que nos magoam profundamente, como a morte de alguém que amamos mais do que a nós mesmos. Um livro tem que ser como um machado para quebrar o mar de gelo que há dentro de nós."
(Franz Kafka)

Apesar do barulho ensurdecedor que a contemporaneidade vazia do mundo faz para tentar me capturar, fujo para o exílio da meia-penumbra de um quarto, e só, absolutamente só, mergulho num amplo universo criado por um escritor que me rouba do desesperado e inútil chamado exterior. Estou lendo um livro... E acrescento a essa minha aventura solitária, dia após dia, a leitura de outros livros.

O resultado é que alguns desses livros lidos colam-se a mim como que se tornando, posso dizer, minha segunda pele. Há mesmo, sem exagero metafórico, algo do resultado da leitura deles que atua no meu próprio sangue. A partir daí caminho pelo mundo levando comigo as suas vibrações eternas, que me fazem ver, pensar e sentir de uma forma inteiramente diferente de quando eu ainda não os havia lido. Só estes livros fazem história dentro de mim, pois me tornam sempre diferente do que eu era. Para o meu bem ou para o meu mal.

O tempo do mundo é diferente do tempo da leitura. Lá fora a velocidade é gritante, massacrante, sem profundidade, estéril, cobrando da vida das pessoas uma ação imediatista, sem meditação (o resultado disso é que todos acabam, com suas existências premeditadas, apenas esperando que alguém lhes diga que passo dar ou que comportamentos ter - bem-vindos à escravidão totalitária da vida moderna!).

Aqui, dentro do livro, é o contrário: o tempo se faz profundo, lento, silencioso e arrebatado pelo risco iminente. A linguagem não se congela e o pensamento transborda num rumor infinitamente inusitado; por vezes, tomado por alegrias que explodem em átomos vibrantes de luzes multicoloridas, outras vezes, enlameado por sentimentos que são tão densos como o temor da morte. Mas tudo vibra... para além do simulacro.

O silêncio daquela noite fria, o perfume e o sabor do chá preparado entre um capítulo e outro, o peso do livro, o seu volume, o cheiro de suas folhas envelhecidas, a cor e a textura de sua capa me habitarão para sempre, numa forma de lembrança indescritível, junto com a carga elétrica da existência de seu assustador personagem: Raskolnikov. Pois, afinal, eu estava lendo o clássico Crime e Castigo, do escritor russo Dostoievski.

Fico trancado em casa alguns dias, mergulhado no volume, lendo-o sem a mínima pressa, sendo interrompido apenas por um telefonema de um amigo: quer minha companhia para uma cerveja, quer sair um pouco de casa, respirar ar puro. Ele também deveria estar trancado em casa há vários dias, fazendo sabe-se lá o quê, talvez lendo. Saímos, sentamos numa mesa de bar e conto a ele que eu não estava aqui, na cidade, mas, virtualmente, em São Petersburgo, seguindo os passos de Raskolnikov. Ele me fala de suas leituras de A morte de Ivan Ilitch e Anna Karenina, outros clássicos russos que ele admira, contando de como também se transportou de forma extraordinária para outros mundos ao lê-los. Ele olha ao lado, para as mesas do bar, fazendo o seguinte comentário: "vê como tudo é sempre igual, podemos passar meses sem vir aqui e tudo parece que foi congelado numa mesmice irremediável, sinto-me até culpado de tê-lo retirado de sua vibrante São Petersburgo, mais vibrante do que o mundo ao nosso redor".

Comento com ele a idéia de Ítalo Calvino sobre os clássicos: "É clássico aquilo que tende a relegar as atualidades à posição de barulho de fundo (...). É clássico aquilo que persiste como rumor mesmo onde predomina a atualidade mais incompatível".

Apenas uma cerveja e decidimos cada qual voltar ao seu próprio ninho. Retomo a leitura e rapidamente estou perante o crime de Raskolnikov, um crime sem finalidade palpável, sem nenhum interesse em ser uma manifestação contra a injustiça social. Um crime que é apenas um pretexto para uma experimentação existencial. Atordôo-me em meio à leitura, não sabendo mais se penso em Raskolnikov ou se ele pensa-se em mim. Fui eu que cometi aquele crime? Não sinto náusea. Algo tomou meu ser, transformando-me, através de uma assustadora possessão demoníaca, no personagem de Dostoievski. A vida global de Raskolnikov, com todas as propriedades de sua personalidade, se transmuta na minha própria existência. Não há mais como pensar o livro, o autor, a época ou o assassinato senão pensando a mim mesmo. Não existe mais o livro como algo separado de mim. Parafraseando o próprio Raskolnikov: "as suas convicções agora são as minhas? Poderei ter acaso outros sentimentos, outras idéias que não sejam as dele?".

E o que eu era antes, todo meu passado, afinal, meus pensamentos de outrora, minhas aspirações, meus projetos, essa paisagem que me é conhecida e luminosa, tudo, tudo isso me parecia enterrado num abismo profundo e quase invisível sob meus pés. Tudo evolava-se no espaço e eu via desaparecer todas essas coisas, parecendo, neste instante, ter-me desligado de mim mesmo, como se o laço que me prendia ao meu passado fosse brutalmente cortado com uma tesoura. A possessão se completou...

Ao contrário do que muita gente gosta de dizer, os livros, ou a arte em geral, nem sempre nos humanizam ou nos sensibilizam para o nosso bem ou para o bem da humanidade. Da mesma forma que alguns livros despertam nossa sensibilidade para os sentimentos profundos da alegria, do amor ou para a poesia da existência, outros livros oferecem o perigo de nos tornar mais frios, mais sofríveis, mais melancólicos, mais destrutíveis e, como o Werther de Goethe nos mostrou ao produzir uma onda de suicídios, um livro pode nos tornar perigosos para nós mesmos.

E Crime e Castigo, o que tornou-se para mim? Tornou-se o lugar onde a minha alma foi submetida às influências mais estranhas, sombrias e... perigosas. A arte substituiu em mim a vida.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O suficiente para ser feliz de Ana Elisa Ribeiro
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre de Ana Elisa Ribeiro
03. Últimas Notas Sobre A FLIP de Ricardo de Mattos
04. A Classe Média de Andréa Trompczynski
05. Como não comprar livros de Lisandro Gaertner


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/2/2005
13h29min
Cara Fernanda, obrigado pela leitura e pelo comentário. Fica meio difícil sair e respirar um pouco de ar puro aqui em campinas para sentir a vida melhor. talvez esta seja uma das razões pelas quais eu me tranque em casa para ler e só ler... jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
9/3/2005
17h56min
Jardel, leio bastante. Não consigo ficar distante de um livro. "Crime e Castigo" já o li. Poderia citar outros, mas me chamou a atenção em seu texto o desejo de passar aos leitores o prazer da leitura. Pois bem, recorro a Gadamer em "Verdade e Método" que diz: "quando compreendemos um texto nos vemos tão atraídos por sua plenitude de sentido como pelo belo". Entretanto, afirma Gadamer que "... não existe compreensão que seja livre de todo preconceito, por mais que que a vontade do nosso conhecimento tenha de estar sempre dirigida, no sentido de escapar ao conjunto dos nossos preconceitos." Em resumo, penso que o texto de um livro, quer seja prosa ou verso não pertence ao seu autor. Coloco-lhe a seguinte questão: penso que a minha leitura de "Crime e Castigo" não seja a sua leitura. A sua leitura de "Crime e Castigo" de fevereiro de 2005 não será talvez a mesma leitura em 2006, por quê? Acredito que se levássemos a Joyce todas as leituras que fizeram do seu "Ulisses" talvez ele desconhecesse a própria obra. Isto porque não há uma concordância lógica e natural entre leitor e texto. Gadamer diz que "à dialética da interpretação sempre precedeu a dialética de pergunta e resposta. É esta que determina a compreensão como um acontecer." E arrisco-me a dividir com você um resposta à colocação que lhe fiz: não há um único "Crime e Castigo", mas vários e aí reside o belo do texto. Bem, coloquei a questão.
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
11/3/2005
07h32min
Caro Luiz, obrigado pela leitura do texto. concordo com seus comentários, apesar de achar meio cansativo tanta teoria. mas assim é, ler é um prazer e uma grande dor.
[Leia outros Comentários de jardel]
29/3/2005
15h38min
Crime e Castigo é um dos livros mais marcantes que li. A primeira leitura eu fiz ha' uns 10 anos, ainda na adolescência, e a segunda (e, por enquanto, última) eu fiz mês passado. Nesses dez anos - como é natural - muito de mim foi mudando, e isso refletiu, sobremaneira, no entendimento do livro. Não há como negar que o prazer da releitura foi ainda maior que o da leitura. E diversos convites pra tomar um chope foram prazerosamente trocados pela "solidão" dessa releitura. Diferentemente de você, porém, meus amigos não compreendiam muito bem como eu poderia preferir estar sozinha sábado à noite em casa, lendo um livro tão "grosso" a estar bebericando em algum barzinho barulhento. Mal sabiam eles que eu estava acompanhada de Raskolnikov (que, com Julien Sorel, são os meus personagens prediletos da literatura) e um profundo labirinto psicológico.
[Leia outros Comentários de Simone]
29/3/2005
17h09min
Simone, obrigado pela leitura e pelos comentários sobre sua própria experiência de leitura. realmente, alguns livros valem mais do que a companhia de nossos humanos irmãos. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
24/7/2009
16h53min
Fico um pouco preocupada com algumas leituras que faço, mas não resisto. Sou um pouco depressiva, atormentada, mas procuro trabalhar isso com bons pensamentos e sintonia com Deus. Estou lendo "Crime e Castigo", de Dostoiévski, terminei de ler "A Náusea", de Sartre. Me pergunto muitas vezes o que procuro com este tipo de leitura, que às vezes me deprime profundamente, aguçando meu lado existencial, pois termino por me transportar e me identificar nos mesmos conflitos dos personagens. Mas mesmo assim me fascinam essas leituras, me instigam e vou lendo e fazendo minha terapia, terminando por acreditar que muitos percebem a existência da mesma forma que eu percebo e termino por deduzir a subjetividade da existência humana.
[Leia outros Comentários de Luciana Sá Barreto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Na Poeira dos Séculos
Alceu Costa Filho
Petit
(2003)



Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber - 11º Edição
Antonio Carlos Vilela
Melhoramentos
(2003)



Poeminhas da Terra
Márcia Leite
Pulo do Gato
(2016)



Uma Reportagem Maldita ( Quero)
Plinio Marcos
Do Autor



Relações Internacionais
Sergio Luiz Aguiar
Capes
(2002)



O Médico Espanhol
Matt Cohen
Imago
(1989)



Por que as Mulheres vivem mais que os Homens?
Dra. Royda Crose
rosa dos tempos
(1999)



Mundo, Vida e Esperança Pelo Espírito Emmanuel
Angela Coutinho
elevação
(1999)



Ágape
Padre marcelo Rossi
globo
(2010)



Producao de Texto Interlocucao e Gêneros
Maria Luiza Abaurre; Maria Bernadete M. Abaurre
Moderna Didáticos
(2010)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês