Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
>>> Viagem no Tempo Expansão da Consciência Temporal de Colin Bennett pela Ediouro (1987)
>>> Fraternidade Rosacruz ( O enigma da vida e da morte) de Max Heindel pela Edição do Autor
>>> A L'Ombre des Monastères Thibétains de Jean M. Riviére pela Victor Attinger (1956)
>>> O Espirito Consolador de Padre V. Marchal pela Pensamento (1930)
>>> Los Misterios Rosacruces de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Rosa Cruz de Krumm Heller pela Kier (1944)
>>> Los Raja y Hatha Yogas de Ernesto Wood pela Schapire (1949)
>>> Autodefensa Psiquica de Dion Fortune pela Luiz Cárcamo (1979)
>>> Filosofia Elementar da Rosacruz Moderna de J. Van Rijckenborgh pela Lectorium Rosicrucianum (1975)
>>> Jesus (La Mision de Cristo) de Eduardo Schuré pela Victor Hugo (1944)
>>> Amor e Sabedoria de Emmanuel de Clovis Tavares pela Calvário (1970)
>>> Rosa Esoterica de Krumm Heller pela Kier (1938)
>>> Manual Informativo do Membro da Sociedade Teosófica de Armando Sales pela Sociedade Teosófica (1951)
>>> Cartas da prisão de Frei Betto pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Los Antiguos Simbolos Sagrados de Ralph M. Lewis F.R.C. pela Suprema Gran Logica de Amorc (1950)
>>> El Hijo de Zanoni de Sévaka pela Mexicana (1975)
>>> Em Busca da Verdade de Ruth Montgomery pela Record (1967)
>>> Recolecciones de un Místico ( La Fraternidad Rosacruz) de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Enseñanzas de un Iniciado de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Principios Rosacruces de H. Hogar y los Negocios pela Gran Logica Suprema de Amorc (1929)
>>> Cristificacion Lecciones de Cultura Superior del Alma de R. Swinburne Clymer pela Kier (1946)
>>> Astrodiagnosis guia para la Curacion de Max Heindel pela Kier (1946)
>>> Misterios de las Grandes Operas de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Libertadores da América a Maçonaria e a Emancipação dos povos Americanos de A. Tenório D'Albuquereque pela O Malhete (1959)
>>> Filosofia Rosacruz en perguntas y Respuestas de Max Heindel pela The Rosicrucian
>>> Mensagens de vida de Carlos Augusto pela Celd (1995)
>>> O Espírito de Cornélio Pires de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1966)
>>> Filigranas de Luz de Divaldo P. Franco pela Alvorada (1986)
>>> Gabriel Delame sua vida seu apostolado e sua obra de Paul Bodier pela União Espírita Francesa (2001)
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/8/2004
Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5800 Acessos

"A arte é o prolongamento humano de uma fecundidade cósmica"
(Jean Starobinsky)

O leitor brasileiro de poesia deve agradecer ao tradutor Bruno Palma pelas duas acuradas e inteligentes traduções de Saint-John Perse (1887-1975). A primeira empreitada foi traduzir Anabase (Anábase), editado pela editora Nova Fronteira em 1979 (infelizmente fora de catálogo, exigindo uma reedição), e a segunda, Marcas Marinhas (Amers), publicado este ano com extrema competência editorial por Plinio Martins Filho, pela Ateliê Editorial. Vale ressaltar que as duas edições são bilíngües.

O tradutor Bruno Palma, que há mais de 40 anos tem se dedicado a estudar e traduzir Perse, ganhou o Prêmio Jabuti em 1980 pela tradução de Anábase e, em 1989, foi agraciado com uma comenda do governo francês que reconheceu o seu trabalho de divulgação do poeta francês no Brasil. Recebeu também o Prêmio Academia Brasileira de Letras de tradução de 2004, pela tradução de Amers, de Saint-John Perse.

Na edição de Marcas Marinhas, cuidadosamente preparada por Bruno Palma, consta, além do próprio poema, a tradução de um texto esclarecedor, escrito pelo próprio Perse, comentando a temática do seu poema. Palma enriquece a edição com uma introdução (de alta competência), notas explicativas sobre a tradução, cronologia e uma vasta bibliografia sobre o poeta. São ingredientes que podem não só facilitar, mas também enriquecer a aproximação do leitor com a poesia de Perse.

Saint-Jonh Perse, considerado por muitos o maior poeta francês do século XX, é o pseudônimo de Marie-René Alexis Saint-Leger Leger, nascido na ilha de Guadalupe, em 1887, e falecido em 1975.

Tentar encontrar um tema específico para Marcas Marinhas, este longo poema em prosa, editado originariamente em 1957, é perda de tempo. O poema é tão vasto em significações quanto o oceano. Segundo o tradutor, "de certo modo, Perse nos convida a uma viagem mar adentro sem perder contato com a terra e a vida dos homens. Em Marcas Marinhas toma o mar como ilustração daquilo que ele chama insubmissão do espírito moderno, que é o desejo de ultrapassar tudo que o limita, mediocrisa, aprisiona moral e espiritualmente. Marcas Marinhas é, pois, o drama da insatisfação humana, do homem ansioso por livrar-se de tudo o que o diminui e sufoca." (entrevista a Álvaro Faria, na Jovem Pã - 25/03/2004).

E é o poeta, com sua criação poética, o medium mais apropriado para tal. Segundo Bruno, "Perse cria-se investido de uma missão, como poeta, de traduzir em linguagem compreensível pelo resto dos homens a iluminação que lhe advém do encontro com o Absoluto, que é o próprio Ser, na sua essência, no seu mistério mais profundo".

Para isso, Perse transforma a metáfora no meio estilístico mais adequado à fantasia ilimitada de sua mente criativa. Servindo-se dela, destrói qualquer tentativa de dialogar com a realidade concreta ou, mesmo, lógica. Nesse sentido, realiza o que podemos chamar, pensando na tradição moderna que vai de Rimbaud, Mallarmé e Valéry até Eliot, de poesia pura. Uma poesia que não se preocupa com noções fechadas, limitadoras, que podem torná-la prisioneira de significados únicos. Ao contrário, escreve uma poesia que é o próprio efervescer movente da pluralidade das imagens criadoras (vertiginosas, mágicas, inquietantes, melodiosas, amplas e profundas em suas curvas e contracurvas).

Faz uso de um recurso que une imagens que quando aproximadas tornam-se desconcertantes, revelando sentidos inesperados, naquele registro que Ezra Pound chamou de "turbilhão irradiante, em meio ao qual revoam as idéias". Por exemplo: "Que astro falaz de córneo bico embaralha ainda a cifra e invertera os signos sobre a mesa das águas?"

E não poderia ter escolhido o poeta imagem melhor do que a do mar, que se transforma continuamente e cria uma multiplicidade irreal de encantamentos em seu fluir e refluir, para num ressoar de palavras compor o poema "como as altas temperaturas sob as quais as combinações atômicas se dissociam para se reunirem num agrupamento completamente diverso" (Proust).

"E foi o mar que eu escolhi, simbolicamente, como espelho oferecido a esse destino - como lugar de convergência e irradiação: verdadeiro lugar geométrico e mesa de orientação, ao mesmo tempo reservatório de forças eternas, que possibilitam ao homem, esse incansável migrador, cumprir-se e ultrapassar-se".

O mar é a grande metáfora da revelação do mais profundo interior do homem, e em Perse mar, poema e poeta se misturam tornando-se um único Ser - como diz no poema: "e do próprio Mar não se tratará, mas do seu reino no coração do homem".

Se existe realidade neste poema, ela só existe enquanto linguagem poética, vivência máxima da expressão dos mundos recriados pela magia do poeta. O poeta e a poesia subvertem o mundo, mesmo quando colando, de forma quase ou senão surreal, nacos do real, colocando-se à disposição da fantasia irreal. Em Marcas Marinhas quem tem a voz é a linguagem mágica da poesia e não a linguagem reles da comunicação. Mais uma vez o poeta poderia ser expulso da República, pelo seu "falar demoníaco", mas também o crepitar mais profundo da vida novamente foi salvo pela poesia.

No seu discurso pelo prêmio Nobel, em dezembro de 1960, assim Perse definiu a poesia: "Ela não é arte de embalsamador ou de decorador. Não cria pérolas cultivadas, nem trafica simulacros ou emblemas, e não poderia contentar-se com nenhuma festa musical. A si alia, em seus caminhos, a beleza, aliança suprema, porém não faz dela seu fim nem seu pábulo único. Recusando-se a dissociar da vida a arte, e do amor o conhecimento, ela é ação, é paixão, é poder e novação sempre, que dilata os limites. O amor é seu lar, a insubmissão sua lei, e seu lugar está em toda parte, por antecipação. (...) Presa ao seu próprio destino e livre de toda ideologia, ela se conhece igual à própria vida, que por si mesma nada tem a justificar. E é com um mesmo amplexo, como com uma só grande estrofe viva, que ela abraça, no presente, todo o passado e todo o futuro, o humano com o sobre-humano, e todo o espaço planetário com o espaço universal".

Ler Marcas Marinhas é um risco para quem só tem a razão como guia... No entanto, vale correr o risco quando se tem a oportunidade de um banho na maré espumante e cósmica da criação.

Se pensarmos em termos do sublime deste poema, podemos dizer com Longino que "palavras realmente belas são a própria luz do espírito".

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 9/8/2004


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2004
01. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
02. Maior que São Paulo, só o Masp - 19/1/2004
03. Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho - 7/1/2004
04. Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse - 9/8/2004
05. Tàpies, Niculitcheff e o Masp - 27/12/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PSICANÁLISE E SAÚDE DO TRABALHADOR: NOS RASTROS DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO
LUCIANNE SANT'ANNA DE MENEZES
PRIMAVERA
(2012)
R$ 18,00



BIOLOGIA - ORIGEM DA VIDA E ECOLOGIA - MODULO 1 - ENSINO MÉDIO
LAURENCE
NOVA GERAÇÃO
(1999)
R$ 7,00



HELENA
MACHADO DE ASSIS
ED. ÁTICA
(1990)
R$ 5,90



A HORA DO DESCONTO - FÁBULAS RECONTADAS EM VERSOS E COMENTADAS
PEDRO BANDEIRA
MODERNA
(2011)
R$ 39,90



HOMENS E VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES
ALESSANDRA CARLA SANTOS DE VASCONCELOS CHAVES UND VERA LÚCIA DE AZEVEDO LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



A CHAVE DO TAMANHO - OBRAS COMPLETAS DE MONTEIRO LOBATO
OBRAS COMPLETAS DE MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1957)
R$ 9,00



PASS KEY TO THE GRE TEST
SHARON WEINER GREEN
BARRONS
(2003)
R$ 37,50



AGOSTO NO CAIRO 1956
URBANO TAVARES RODRIGUES
INSTITUTO CAMÕES
(1999)
R$ 18,70



O EROTISMO
FRANCESCO ALBERONI
CIRCULO DO LIVRO
(1986)
R$ 10,00



PRODUÇÃO DE TEXTO 360
MARIA INES CAMPOS E REGINA BRAZ ROCHA
FTD
(2016)
R$ 195,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês