Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
COLUNAS

Segunda-feira, 9/8/2004
Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5400 Acessos

"A arte é o prolongamento humano de uma fecundidade cósmica"
(Jean Starobinsky)

O leitor brasileiro de poesia deve agradecer ao tradutor Bruno Palma pelas duas acuradas e inteligentes traduções de Saint-John Perse (1887-1975). A primeira empreitada foi traduzir Anabase (Anábase), editado pela editora Nova Fronteira em 1979 (infelizmente fora de catálogo, exigindo uma reedição), e a segunda, Marcas Marinhas (Amers), publicado este ano com extrema competência editorial por Plinio Martins Filho, pela Ateliê Editorial. Vale ressaltar que as duas edições são bilíngües.

O tradutor Bruno Palma, que há mais de 40 anos tem se dedicado a estudar e traduzir Perse, ganhou o Prêmio Jabuti em 1980 pela tradução de Anábase e, em 1989, foi agraciado com uma comenda do governo francês que reconheceu o seu trabalho de divulgação do poeta francês no Brasil. Recebeu também o Prêmio Academia Brasileira de Letras de tradução de 2004, pela tradução de Amers, de Saint-John Perse.

Na edição de Marcas Marinhas, cuidadosamente preparada por Bruno Palma, consta, além do próprio poema, a tradução de um texto esclarecedor, escrito pelo próprio Perse, comentando a temática do seu poema. Palma enriquece a edição com uma introdução (de alta competência), notas explicativas sobre a tradução, cronologia e uma vasta bibliografia sobre o poeta. São ingredientes que podem não só facilitar, mas também enriquecer a aproximação do leitor com a poesia de Perse.

Saint-Jonh Perse, considerado por muitos o maior poeta francês do século XX, é o pseudônimo de Marie-René Alexis Saint-Leger Leger, nascido na ilha de Guadalupe, em 1887, e falecido em 1975.

Tentar encontrar um tema específico para Marcas Marinhas, este longo poema em prosa, editado originariamente em 1957, é perda de tempo. O poema é tão vasto em significações quanto o oceano. Segundo o tradutor, "de certo modo, Perse nos convida a uma viagem mar adentro sem perder contato com a terra e a vida dos homens. Em Marcas Marinhas toma o mar como ilustração daquilo que ele chama insubmissão do espírito moderno, que é o desejo de ultrapassar tudo que o limita, mediocrisa, aprisiona moral e espiritualmente. Marcas Marinhas é, pois, o drama da insatisfação humana, do homem ansioso por livrar-se de tudo o que o diminui e sufoca." (entrevista a Álvaro Faria, na Jovem Pã - 25/03/2004).

E é o poeta, com sua criação poética, o medium mais apropriado para tal. Segundo Bruno, "Perse cria-se investido de uma missão, como poeta, de traduzir em linguagem compreensível pelo resto dos homens a iluminação que lhe advém do encontro com o Absoluto, que é o próprio Ser, na sua essência, no seu mistério mais profundo".

Para isso, Perse transforma a metáfora no meio estilístico mais adequado à fantasia ilimitada de sua mente criativa. Servindo-se dela, destrói qualquer tentativa de dialogar com a realidade concreta ou, mesmo, lógica. Nesse sentido, realiza o que podemos chamar, pensando na tradição moderna que vai de Rimbaud, Mallarmé e Valéry até Eliot, de poesia pura. Uma poesia que não se preocupa com noções fechadas, limitadoras, que podem torná-la prisioneira de significados únicos. Ao contrário, escreve uma poesia que é o próprio efervescer movente da pluralidade das imagens criadoras (vertiginosas, mágicas, inquietantes, melodiosas, amplas e profundas em suas curvas e contracurvas).

Faz uso de um recurso que une imagens que quando aproximadas tornam-se desconcertantes, revelando sentidos inesperados, naquele registro que Ezra Pound chamou de "turbilhão irradiante, em meio ao qual revoam as idéias". Por exemplo: "Que astro falaz de córneo bico embaralha ainda a cifra e invertera os signos sobre a mesa das águas?"

E não poderia ter escolhido o poeta imagem melhor do que a do mar, que se transforma continuamente e cria uma multiplicidade irreal de encantamentos em seu fluir e refluir, para num ressoar de palavras compor o poema "como as altas temperaturas sob as quais as combinações atômicas se dissociam para se reunirem num agrupamento completamente diverso" (Proust).

"E foi o mar que eu escolhi, simbolicamente, como espelho oferecido a esse destino - como lugar de convergência e irradiação: verdadeiro lugar geométrico e mesa de orientação, ao mesmo tempo reservatório de forças eternas, que possibilitam ao homem, esse incansável migrador, cumprir-se e ultrapassar-se".

O mar é a grande metáfora da revelação do mais profundo interior do homem, e em Perse mar, poema e poeta se misturam tornando-se um único Ser - como diz no poema: "e do próprio Mar não se tratará, mas do seu reino no coração do homem".

Se existe realidade neste poema, ela só existe enquanto linguagem poética, vivência máxima da expressão dos mundos recriados pela magia do poeta. O poeta e a poesia subvertem o mundo, mesmo quando colando, de forma quase ou senão surreal, nacos do real, colocando-se à disposição da fantasia irreal. Em Marcas Marinhas quem tem a voz é a linguagem mágica da poesia e não a linguagem reles da comunicação. Mais uma vez o poeta poderia ser expulso da República, pelo seu "falar demoníaco", mas também o crepitar mais profundo da vida novamente foi salvo pela poesia.

No seu discurso pelo prêmio Nobel, em dezembro de 1960, assim Perse definiu a poesia: "Ela não é arte de embalsamador ou de decorador. Não cria pérolas cultivadas, nem trafica simulacros ou emblemas, e não poderia contentar-se com nenhuma festa musical. A si alia, em seus caminhos, a beleza, aliança suprema, porém não faz dela seu fim nem seu pábulo único. Recusando-se a dissociar da vida a arte, e do amor o conhecimento, ela é ação, é paixão, é poder e novação sempre, que dilata os limites. O amor é seu lar, a insubmissão sua lei, e seu lugar está em toda parte, por antecipação. (...) Presa ao seu próprio destino e livre de toda ideologia, ela se conhece igual à própria vida, que por si mesma nada tem a justificar. E é com um mesmo amplexo, como com uma só grande estrofe viva, que ela abraça, no presente, todo o passado e todo o futuro, o humano com o sobre-humano, e todo o espaço planetário com o espaço universal".

Ler Marcas Marinhas é um risco para quem só tem a razão como guia... No entanto, vale correr o risco quando se tem a oportunidade de um banho na maré espumante e cósmica da criação.

Se pensarmos em termos do sublime deste poema, podemos dizer com Longino que "palavras realmente belas são a própria luz do espírito".

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 9/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
04. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2004
01. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
02. Maior que São Paulo, só o Masp - 19/1/2004
03. Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho - 7/1/2004
04. Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse - 9/8/2004
05. Tàpies, Niculitcheff e o Masp - 27/12/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINERVINO FRANCISCO SILVA (LITERATURA DE CORDEL)
MINERVINO FRANCISCO SILVA
HEDRA
(1999)
R$ 14,00



UM POMBO E UM MENINO
MEIR SHALEV
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 10,00



BEIJING - CHINA
JD BY BOOK
JD BY BOOK
(2002)
R$ 20,92



ANJOS E DEMÔNIOS - CAPA DO FILME
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 13,55



A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO
STIEG LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 6,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



PAES SEM SEGREDO
SARA LEWIS
MARCO ZERO
(2010)
R$ 30,00



CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



LAÇOS ETERNOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2003)
R$ 19,90



COURS SUPÉRIEUR DORTHOGRAPHE
E. BLED / O. BLED
CLASSIQUES HACHETTE
(1954)
R$ 28,84





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês