Liberdade é pouco | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Verklärte Nacht
>>> Ser intelectual dói
>>> Vivísimo vs. Google
>>> A conversa
>>> Ciclistas na Paulista ontem
>>> Entre as cordas, os contos são contundentes
>>> Um bom começo
>>> Das construções todas do sentir
>>> Gullar no Ofício
>>> Qualidade de vida
Mais Recentes
>>> Direitos Humanos e Mulheres Encarceradas de Caroline Howard pela Pastoral Carcerária (2006)
>>> 101 Maneiras de Ser Bom para Você Mesmo de Donna S. Watson pela Mandarim (2000)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> A Inteligência dos Cães Tudo Sobre o Qi e as Habilidades dos Cachorros de Stanley Coren pela Ediouro (1996)
>>> Filosofando - Introdução à Filosofia de Maria Lúcia de A. Aranha-maria Helena P. Martins pela Moderna (2000)
>>> Histórias do Mar da Póvoa de José de Azevedo pela Póvoa de Varzim (2008)
>>> A Hospedeira de Stephenie Meyer pela Intríseca (2009)
>>> O amor é um cão dos diabos - Livro de Bolso de Charles Bukowski pela L&PM Pocket (2021)
>>> Diário de um Banana - Livro 1 de Jeff Kinney pela V&R (2007)
>>> As Vantagens de ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco Jovens Leitores (2007)
>>> A Primeira Vista - Edição Simples de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Amy & Matthew de Cammie McGovern pela Galera (2015)
>>> A proposta de Katie Ashley - Livro 1 pela Pandorga (2012)
>>> O Dom de Sabedoria na Mente Vida e Obra Volume V de João Scognamiglio Clá Dias pela Não Encontrada (2016)
>>> Como Viver Eternamente de Sally Nicholls pela Geração Editorial (2008)
>>> Metrô 2033 de Dmitry Glukhovsky pela Planeta (2010)
>>> Olhe por Onde Você Anda - Calçadas de Porto Alegre de Airton Cattani, Armindo Trevisan e Sandra Pesavento pela Ufrgs (2007)
>>> O Imperador Vol. 2 - A Morte dos Reis de Conn Iggulden pela Record (2006)
>>> Desejo, Mercado E Religião (LIV00745) de Jung Mo Sung pela Vozes (1998)
>>> Tradução e Comunicação Revista Brasileira de Tradutores de Unibero/centro Universitário pela Unibero/centro Universitário (2001)
>>> Resumo de topografia tomo. 1 e tomo. 2 (vol. 1) de Departamento de publicidade do c. a. horacio lane pela Mackenzie (1951)
>>> Teoria Geral Setenta Anos Depois Ensaios Sobre Keynes de Fernando Ferrari Filho pela Ufrgs (2006)
>>> Resumo de topografia tomo. 1 e tomo. 2 (vol. 2) de Departamento de publicidade do c. a. horacio lane pela Mackenzie (1951)
>>> Revolução Constitucionalista de Marcos Aurélio Pereira pela Do Brasil (1989)
>>> Noturno de Guillermo del Toro e Chuck Hogan pela Rocco (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/8/2011
Liberdade é pouco
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4800 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Foto: Magaly Bátory

Dizem que os solteiros têm diante de si todas as possibilidades do mundo, que devem "focar", "investir", canalizar energia neles próprios e, ainda assim, quando o sol vai se pondo, depois de mais um dia de si para si, eles se entristecem, querem chegar em casa e dividir os prêmios e os medos, anseiam, pois, ser propriedade de outrem. Não têm cercas ao seu redor nem grilhões aos seus pés, mas se condenam pela velhice precoce aos trinta, a falta de perspectiva e cultivam uma autopiedade tragicômica - "vou passar o resto da vida sozinho", "o que falta em mim?"

Como o próprio nome diz, "desimpedidos", não há nada que os impeça, que obstrua, que atravanque sua passagem e suas vontades. Mesmo atarefados em seus afazeres, os solteiros acham tempo pra tudo. A facilidade é sua companheira. Uma disposição medonha toma conta de sua vida, uma necessidade de preencher as horas e de não deixar que se esgueire uma ponta de reflexão entre o dormir e o acordar. Durante o banho, aquele tempo mínimo, mas precioso para ter insights, revelações, melhor cantar alto e dissuadir a cabeça das subjetividades do momento.

É bem verdade, os solteiros se encontram com grande frequência, e evitam os casados e namorados. Quem quer segurar vela ou tem vocação para ser candelabro? Estes últimos aqueles fazem questão de desmerecer, aliás, os pombinhos chatos, afinal, eles só falam sobre cozinha, planejamento familiar, guardar dinheiro, enaltecem as uniões estáveis e bem-sucedidas. Eles estão, como se diz, "fazendo suas vidas", enquanto os descompromissados têm a obrigação social de "começar logo a vida" ou "entrar nela", como se fossem inaptos para tal ou necessitassem de uma bênção especial. As palavras-chaves dos pombos, comprometimento, segurança e estabilidade são capazes de assustar as almas mais finas e delicadas.

E se, no campo dos comprometidos - da mesma forma que os solteiros são atacados pelo spleen -, com o tempo tudo pode se tornar muito chato, lá se vai o papo, não há novas perspectivas diante da vida. Enquanto os solteiros tem os olhos bem abertos, os compromissados trataram de colocar uma venda, não de fetiche, mas nos moldes de um cabresto bem amarrado. E ai de quem sair da linha. O casal engorda, adquire manias e programas duvidosos, não vai além do shopping center, da macarronada na sogra, do Cinemark, não tem mais, enfim, aquele gosto pela peripécia e das descobertas numa cidade sem estrelas, pouco propícia à convivência aberta, em que se deve ter paciência para fuçar e descobrir os quase arqueológicos recantos culturais e naturais. A tendência ao desleixo e ao comodismo é típica de alguns seres humanos. É a paixão que rende largueza ao passo. Por isso, pombos, movimentem-se, deem a cara a bater, alonguem as asas e não se conformem com os restos de um dia fumacento.

Ao contrário, deveria, pois é, ser ao contrário, mas não é bem assim que funciona (quando temos certeza de algo devemos ficar preocupados e investigar esta tal certeza que parece evidente, mas que pode mascarar outras evidências afastadas) - o grupinho dos solteiros também não vê, apesar das tentativas infundadas, perspectiva diante da vida. Falta-lhe uma diretriz, um anzol com isca cintilante. Não adianta ir ao Espaço Unibanco, à Mostra Hitchchock, ao Ibirapuera, mergulhar no trabalho e no papo existencial-cabeça. Um solitário sempre repele outro solitário, chegam mesmo a evitar qualquer contato humano e quando alguém lhes dirige a voz respondem como que acuados, como se estivessem perante um juiz que lhes inquirisse o porquê de sua solidão.

Quando as conversas entre eles acontecem (as melhores são com os outros solteiros, nada de comprometidos, melhor não forçá-los a admitir suas próprias fraquezas), acabam sempre num suspiroso "que merda". Mas tudo bem, é preciso trabalhar e ele, o trabalho, sempre vem em levas gigantescas, então se nos enterramos nele madrugada afora não é decerto por falta de algo mais estimulante.

E na mesa do bar, na mais animada das conversas, os amigos solteiros mais falam sobre sexo, pois quando algo está afastado de sua vida nada mais justo do que transformá-lo na coisa mais importante do universo. Os poetas estão aí, na fase aparentemente mais plena de suas existências, no ápice de seu vigor, logo ao lado da descida da ladeira, maldizendo suas pequenas desilusões, ansiando do corpo um simples tratado de divisão: termino nesta linha para que você comece aqui e nos confundamos.

Uns estão livres, outros presos e parece enfim que nem todos se satisfazem com sua condição declarada. A questão é controversa. Enquanto isso, para o grupinho dos casados, tudo deve ser visto em dobro. Um pode? O outro não? Então não dá. São gêmeos siameses unidos por uns pontos internos invisíveis e frouxos. Chega a ser engraçado ter a sensação de conversar com um bicho de duas cabeças, dividir o olhar pela metade para não ferir nenhuma delas e cuidar para não relembrar aquelas histórias do tempo do onça, quando éramos todos adolescentes e apaixonados. Sim, aqueles corações também são delicados e basta um sopro para desestabilizar a mais sólida casa de Prático.

Os amantes bem que tentam um certo isolamento, mas este não dura muito, mostra a antológica crônica de Rubem Braga, que diz: "O mundo ia pouco a pouco desistindo de nós; o telefone batia menos e a campainha da porta quase nunca. Ah, nós tínhamos vindo de muito e muito amargor, muita hesitação, longa tortura e remorso; agora a vida era nós dois apenas".

Um dia os amantes cansam das uvas e... o que eles fazem? Primeiro convidam outros casais para sair com eles. Não, nada de swing, é só mesmo para ir no Fran's, "relembrar os velhos tempos", assistir um filme no shopping família, jantar bife acebolado. Trocam experiências saudáveis e receitas. Uma epopeia segura. Logo mais será a vez deles começaram a convidar os amigos solteiros, em busca de novas e grandes aventuras.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 18/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas de Cassionei Niches Petry
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. Submissão, oportuno, mas não perene de Guilherme Carvalhal
04. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final) de Jardel Dias Cavalcanti
05. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
02. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/8/2011
10h56min
Elisa, Liberdade é pouco? Eu posso dizer que é muito, muito bonito! Gostei, você escreve muito bem: me tornei seu fã. Você tem um nome incomum que só depois de muitos anos voltei a ver novamente: trabalhei com Antonio Buzzo, em São Paulo - não sei se tem algum parentesco. Parabéns!... Continue brindando os leitores do Digestivo Cultural com os seus ótimos escritos. Obrigado. Abraços.
[Leia outros Comentários de Jota Ipiranga]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Questionário Básico de Trabalho de Campo Linguístico
Mônica Rector (org)
Fund Casa de Rui Barbosa
(1983)



Tecnologia e Politica na Sociedade Engenheiros, Revindicação E
Lili Kawamura
Brasiliense (sp)
(1986)



O Curral das Bestas
Magnus Mills
Asa (porto Portugal)
(1999)



Como Progredir na Vida
Hans Holzer
Record
(1980)



O Segredo da Flor
F. Anselmo Fracasso
Vozes
(1971)



Poemas do Tempo - Autografado
Ninfa Parreiras
Paulinas
(2009)



O Analista de Bagé - 100ª Edição
Luis Fernando Veríssimo
L&pm (porto Alegre)
(1995)



Hepatology a Clinical Textbook
Stefan Mauss
Flying
(2010)



Instituições de Direito Civil II - Teoria Geral das Obrigações
Caio Mário da Silva Pereira
Forense
(2009)



Não seja vazio
Ronaldo Pazini, Douglas de Matteu
Literare Books International
(2019)





busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês