Liberdade é pouco | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Tumular de Thunder Dellú pela Avec (2021)
>>> A Canção de Bêlit - Tomo 1: A Tigresa e o Leão de Rodolfo Martínez & Robert E. Howard pela Avec (2021)
>>> A Liga Extraordinária apresenta: Nemo As Rosas de Berlin de Alan Moore pela Devir (2018)
>>> O Diabo no Corpo de Raymond Radiguet pela Brasiliense (1985)
>>> O Amante de Lady Chatterley de D. H. Lawrence pela Companhia Editora Nacional (1985)
>>> Meu Coração Desnudado de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> As Crias de Hastur - A Irmandade do Olho do Corvo - Tomo I de A. Z. Cordenonsi pela Avec (2021)
>>> Artemis Fowl O Menino Prodígio do Crime de Eoin Colfer pela Record (2001)
>>> História de Mayta de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1984)
>>> Superman & Batman As Duas Faces da Justiça (três edições. completa) de Karl Kesel e Dave Taylor pela Abril (2002)
>>> Multiverso Pulp Vol. 1: Espada e Feitiçaria de Duda Falcão (org.) pela Avec (2020)
>>> O Ciclope de Eurípedes pela Ofícios Terrestres (2021)
>>> Defensores nº 2 de Joe Kelly. Kano e Phil Jimenez pela Abril (2002)
>>> As Rãs de Mo Yan pela Companhia das Letras (2015)
>>> Linguagem Jornalística de Nilson Lage pela Ática (2003)
>>> DC Especial nº 8 - Poderosa de Paul Kupperberg e Mary Wilshire pela Abril Jovem (1991)
>>> The Demon-Haunted World - Science as a candle in the dark de Carl Sagan pela Headline (1997)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Saraiva (2008)
>>> A Fábrica Automática e a Organização do Trabalho de Angelo Dina pela Vozes (1987)
>>> Cavaleiro das Trevas III A Raça Superior Livro Cinco de Frank Miller, Brian Azzarelo, Andy Kubert pela Panini (2016)
>>> A arte da tese de Michel Beaud pela Best bolso (2018)
>>> Luluzinha Teen e sua turma nº 1 de Renato Fagundes pela Pixel (2009)
>>> Libro tardío del retorno / Le livre lent swa retrouvailles de Julio Heredia pela Bérénice (2004)
>>> Liga da Justiça nº 5 de Mark Waid. Bryan Hitch e Mike S. Miller pela Abril (2002)
>>> Cenas de um Casamento de Ingmar Bergman pela Nórdica (1977)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/8/2011
Liberdade é pouco
Elisa Andrade Buzzo
+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Foto: Magaly Bátory

Dizem que os solteiros têm diante de si todas as possibilidades do mundo, que devem "focar", "investir", canalizar energia neles próprios e, ainda assim, quando o sol vai se pondo, depois de mais um dia de si para si, eles se entristecem, querem chegar em casa e dividir os prêmios e os medos, anseiam, pois, ser propriedade de outrem. Não têm cercas ao seu redor nem grilhões aos seus pés, mas se condenam pela velhice precoce aos trinta, a falta de perspectiva e cultivam uma autopiedade tragicômica - "vou passar o resto da vida sozinho", "o que falta em mim?"

Como o próprio nome diz, "desimpedidos", não há nada que os impeça, que obstrua, que atravanque sua passagem e suas vontades. Mesmo atarefados em seus afazeres, os solteiros acham tempo pra tudo. A facilidade é sua companheira. Uma disposição medonha toma conta de sua vida, uma necessidade de preencher as horas e de não deixar que se esgueire uma ponta de reflexão entre o dormir e o acordar. Durante o banho, aquele tempo mínimo, mas precioso para ter insights, revelações, melhor cantar alto e dissuadir a cabeça das subjetividades do momento.

É bem verdade, os solteiros se encontram com grande frequência, e evitam os casados e namorados. Quem quer segurar vela ou tem vocação para ser candelabro? Estes últimos aqueles fazem questão de desmerecer, aliás, os pombinhos chatos, afinal, eles só falam sobre cozinha, planejamento familiar, guardar dinheiro, enaltecem as uniões estáveis e bem-sucedidas. Eles estão, como se diz, "fazendo suas vidas", enquanto os descompromissados têm a obrigação social de "começar logo a vida" ou "entrar nela", como se fossem inaptos para tal ou necessitassem de uma bênção especial. As palavras-chaves dos pombos, comprometimento, segurança e estabilidade são capazes de assustar as almas mais finas e delicadas.

E se, no campo dos comprometidos - da mesma forma que os solteiros são atacados pelo spleen -, com o tempo tudo pode se tornar muito chato, lá se vai o papo, não há novas perspectivas diante da vida. Enquanto os solteiros tem os olhos bem abertos, os compromissados trataram de colocar uma venda, não de fetiche, mas nos moldes de um cabresto bem amarrado. E ai de quem sair da linha. O casal engorda, adquire manias e programas duvidosos, não vai além do shopping center, da macarronada na sogra, do Cinemark, não tem mais, enfim, aquele gosto pela peripécia e das descobertas numa cidade sem estrelas, pouco propícia à convivência aberta, em que se deve ter paciência para fuçar e descobrir os quase arqueológicos recantos culturais e naturais. A tendência ao desleixo e ao comodismo é típica de alguns seres humanos. É a paixão que rende largueza ao passo. Por isso, pombos, movimentem-se, deem a cara a bater, alonguem as asas e não se conformem com os restos de um dia fumacento.

Ao contrário, deveria, pois é, ser ao contrário, mas não é bem assim que funciona (quando temos certeza de algo devemos ficar preocupados e investigar esta tal certeza que parece evidente, mas que pode mascarar outras evidências afastadas) - o grupinho dos solteiros também não vê, apesar das tentativas infundadas, perspectiva diante da vida. Falta-lhe uma diretriz, um anzol com isca cintilante. Não adianta ir ao Espaço Unibanco, à Mostra Hitchchock, ao Ibirapuera, mergulhar no trabalho e no papo existencial-cabeça. Um solitário sempre repele outro solitário, chegam mesmo a evitar qualquer contato humano e quando alguém lhes dirige a voz respondem como que acuados, como se estivessem perante um juiz que lhes inquirisse o porquê de sua solidão.

Quando as conversas entre eles acontecem (as melhores são com os outros solteiros, nada de comprometidos, melhor não forçá-los a admitir suas próprias fraquezas), acabam sempre num suspiroso "que merda". Mas tudo bem, é preciso trabalhar e ele, o trabalho, sempre vem em levas gigantescas, então se nos enterramos nele madrugada afora não é decerto por falta de algo mais estimulante.

E na mesa do bar, na mais animada das conversas, os amigos solteiros mais falam sobre sexo, pois quando algo está afastado de sua vida nada mais justo do que transformá-lo na coisa mais importante do universo. Os poetas estão aí, na fase aparentemente mais plena de suas existências, no ápice de seu vigor, logo ao lado da descida da ladeira, maldizendo suas pequenas desilusões, ansiando do corpo um simples tratado de divisão: termino nesta linha para que você comece aqui e nos confundamos.

Uns estão livres, outros presos e parece enfim que nem todos se satisfazem com sua condição declarada. A questão é controversa. Enquanto isso, para o grupinho dos casados, tudo deve ser visto em dobro. Um pode? O outro não? Então não dá. São gêmeos siameses unidos por uns pontos internos invisíveis e frouxos. Chega a ser engraçado ter a sensação de conversar com um bicho de duas cabeças, dividir o olhar pela metade para não ferir nenhuma delas e cuidar para não relembrar aquelas histórias do tempo do onça, quando éramos todos adolescentes e apaixonados. Sim, aqueles corações também são delicados e basta um sopro para desestabilizar a mais sólida casa de Prático.

Os amantes bem que tentam um certo isolamento, mas este não dura muito, mostra a antológica crônica de Rubem Braga, que diz: "O mundo ia pouco a pouco desistindo de nós; o telefone batia menos e a campainha da porta quase nunca. Ah, nós tínhamos vindo de muito e muito amargor, muita hesitação, longa tortura e remorso; agora a vida era nós dois apenas".

Um dia os amantes cansam das uvas e... o que eles fazem? Primeiro convidam outros casais para sair com eles. Não, nada de swing, é só mesmo para ir no Fran's, "relembrar os velhos tempos", assistir um filme no shopping família, jantar bife acebolado. Trocam experiências saudáveis e receitas. Uma epopeia segura. Logo mais será a vez deles começaram a convidar os amigos solteiros, em busca de novas e grandes aventuras.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 18/8/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
02. O império marítimo português para aquém da cultura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Para assistir no Dia dos Namorados de Clarissa Kuschnir


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
02. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. História de um papagaio de papel - 3/11/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/8/2011
10h56min
Elisa, Liberdade é pouco? Eu posso dizer que é muito, muito bonito! Gostei, você escreve muito bem: me tornei seu fã. Você tem um nome incomum que só depois de muitos anos voltei a ver novamente: trabalhei com Antonio Buzzo, em São Paulo - não sei se tem algum parentesco. Parabéns!... Continue brindando os leitores do Digestivo Cultural com os seus ótimos escritos. Obrigado. Abraços.
[Leia outros Comentários de Jota Ipiranga]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografia Yves Montand: a Vida Continua
Jorge Semprun
Nova Fronteira
(1983)



A Metamorfose
franz Kafka
Pé da Letra
(2017)



Os Irmãos Inimigos 408
Nikos Kazantzakis
Círculo do Livro



Como Serão as Coisas no Futuro
Richard W. Oliver
Negócio
(1999)



Anna Liza e o Consultório Feliz
Eoin Colfer
Galera Junior
(2017)



Infinito - Série Os Imortais Vol. 6
Alyson Noël
Intrínseca
(2011)



Livro Literatura Brasileira Castelos Tropicais
Clara Baccarin
Chiado
(2015)



Livro Administração Money Boss Você Vai Mandar no Seu Dinheiro!
Marcos Silvestre
Valores Editorial
(2017)



Brasil Nos Arquivos Britânicos E Irlandeses: Guia de Fontes
Oliver Marshall
‎ Centre for Brazilian Studies
(2007)



Gramática Española para Brasileños
Vicente Masip
Parábola
(2010)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês