Fantasmas do antigo Recife | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> A nova escola
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
Mais Recentes
>>> Aços e Ferros Fundidos 6ª Ed de Vicente Chiaverini pela Associação Brasileira de Metal (1990)
>>> Historias Disparatadas de Vic Parker pela Silver Dolphim (2021)
>>> O Monge e o Filosofo: o Budismo Hoje de Jean-françois Revel e Matthieu Ricard pela Mandarim (1998)
>>> Kaplan GMAT 800, 2005-2006 de Vários Autores pela Kaplan Publishing (2005)
>>> Crónica de la Colonia Galesa de la Patagonia de Abraham Matthews pela El Regional (1975)
>>> Le New York de Paul Auster de Gérard de Cortanze , James Rudnick pela Du Chêne (1993)
>>> Effective horsemanship de Noel Jackson pela Arco Publishing (1967)
>>> Livro - Guias de campo- O ceu de Guias de campo pela Escala educacional
>>> Eclipse de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Famílias Terrivelmente Felizes de Marçal Aquino pela Cosac Naify (2003)
>>> Crepusculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> O Olho Mais Azul de Toni Morrison pela Companhia das Letras (2019)
>>> The White Face de Carl Ruthven Offord pela Robert M. McBride Company (2023)
>>> Belas Maldições de Neil Gaiman Terry Pratchett pela Bertrand do Brasil (2017)
>>> Um dia minha alma se abriu por inteiro de Iyanla Vazant pela Sextante (2000)
>>> Marley e eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Na Companhia de Soldados - o Dia-a-dia da Guerra do Iraque de Rick Atkinson pela Bertrand Brasil
>>> Leila Diniz de Joaquim Ferreira dos Santos pela Companhia das Letras (2008)
>>> A casa das sete torres de Nathaniel Hawthorne pela Nova Fronteira (2019)
>>> A cabana de William P Young pela Sextante (2008)
>>> Política - uma brevíssima introdução de Kenneth Minogue pela Jorge Zahar (1998)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrinseca (2012)
>>> Ensino da Gramática. Opressão? Liberdade? de Evanildo Bechara pela Atica (1995)
>>> Os cem melhores poemas brasileiros do século de Italo Moriconi pela Objetiva (2001)
>>> Cadê meu travesseiro? de Ana Maria Machado pela Salamandra (2004)
COLUNAS

Quarta-feira, 31/8/2005
Fantasmas do antigo Recife
Guilherme Conte
+ de 10900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Se é válida a definição de que o teatro é a arte de contar histórias, Assombrações do Recife Velho é exemplo do que há de melhor nessa difícil seara. Sem dúvida um dos grandes espetáculos do ano.

A peça marca a inauguração do Espaço Cultural Dna. Julieta Sohn - Casarão do Belvedere, um antigo casarão tombado, encravado no coração do bairro do Bixiga. É o terceiro trabalho da companhia Os Fofos Encenam (os outros dois, Deus sabia de tudo e não fez nada e A mulher do trem voltam aos palcos em outubro, em mostra).

É uma livre adaptação - acrescida por histórias colhidas pelo autor - do livro homônimo (1955) do sociólogo Gilberto Freyre, assinada e dirigida pelo pernambucano Newton Moreno. Esse fato por si só já seria suficiente para abrir os olhos a este espetáculo: Moreno é o autor da belíssima Agreste, uma das peças mais aclamadas dos últimos tempos por aqui.

O universo da peça evoca as mesmas raízes nordestinas de Agreste. Aqui temos um Pernambuco profundamente marcado pela colonização holandesa. É o chão de Ariano Suassuna, de Miguel Arraes. Histórias ingênuas, sinceras: o Boca-de-Ouro; o Papa-Figo; filhos que voltam para visitar suas casas; um finado marido que insiste em visitar sua viúva; Dona Benvinda, que morreu três vezes, "a morta-viva que virou celebridade".

Assombrações, por outro lado, fundamenta-se em uma estrutura diferente: é uma coletânea de histórias de fantasmas do antigo Recife. Alterna gargalhadas fáceis com momentos de profunda emoção, além de um arrepiante maracatu. É uma grande poesia, um espetáculo que não se quer que acabe.

No início somos convidados a acompanhar os personagens aos fundos do casarão. Lá "proseamos" e ouvimos histórias, esperando a "festa". E entramos. Um universo mágico abraça o público, o envolve e encanta. As duas horas passam voando.

O elenco é absolutamente impecável. Os personagens desfilam numa galeria fascinante. Em nenhum momento sequer os atores perdem o pé. Lembra o trabalho do excelente grupo LUME, da UNICAMP, que passou por aqui em ótima mostra, em julho, no SESC Belenzinho. Menção também aos belos figurinos, de época, criados por Leopoldo Pacheco e Carol Badra.

Vale ficar atento, uma vez que são só 25 lugares por apresentação. Só o casarão já valeria a visita. Imperdível.

Para ir além
Assombrações do Recife Velho - Casarão do Belvedere - Rua Pedroso, 267 - Bela Vista - Quinta à sábado, 21h; domingo, 19h - R$ 10,00 - (11) 3842-5522 - Até 13/11.

Leituras de um clássico, além dos moinhos

Em meio às comemorações dos 400 anos do primeiro livro de Dom Quixote, de Miguel de Cervantes, o público paulistano tem a chance de conhecer duas boas leituras bem distintas, dessa que é a segunda obra mais traduzida no mundo. A primeira é a Bíblia.

Muito engraçado é Quixote, o monólogo estrelado e concebido por Carlos Moreno, o imortal garoto Bombril, em cartaz no Teatro Folha. Fábio Namatame é responsável pela direção, cenografia, figurino e co-assina o texto. É uma reestréia: a original estreou por aqui em 2000. Mais sintética, no sentido de percorrer a obra completa, o caminho que segue, com muita eficiência, é o humor.

Moreno: o riso como transformação

O começo da montagem já é inusitado: Moreno recebe, "entre o segundo e o terceiro sinal", o público que ainda está entrando. Numa cadeira, lê o jornal e discute com a platéia sobre as notícias do dia, atualidades, o tempo. Na conversa constrói uma ponte para discutir a função do teatro e sobre a obra.

"O fundamental é ter na transformação da realidade, tornar o mundo um lugar melhor para se viver", diz Moreno. "Quixote olhava para as coisas e via outras, e o teatro é um pouco isso", continua. "É um universo infinito de realidades que podemos criar. É por isso que faço teatro. É o que sei fazer para tentar melhorar o mundo."

O que salta aos olhos é a extrema versatilidade de Moreno. A naturalidade com que passa de um personagem a outro (destaque para uma impagável Maritornes, criada da estalagem que Quixote achou que era um castelo) faz parecer que é fácil. Mérito só atingido por grandes atores. Sua empatia para com a platéia é imediata - herança dos tempos de "1001 utilidades". É de um carisma sincero, inevitável.

A tônica do espetáculo é o olhar de Quixote e sua obstinação. Esse olhar de mutação, que se recusa a ver as coisas tais quais como são. O poder da imaginação ganha em Cervantes lugar de honra e a montagem é extremamente respeitosa a esse ponto. O humor como transformação.

Em uma leitura completamente diversa, muito mais filosófico-reflexiva, é que se sustenta A Sombra de Quixote, criação da Casa Laboratório para as Artes do Teatro São Paulo - Pontedera. A peça tem dramaturgia do italiano Stefano Geraci, direção de Cacá Carvalho e co-direção de Roberto Bacci. Segue em cartaz até outubro em um dos galpões do SESC Belenzinho.

Partindo da metáfora da sombra - que rende um belo jogo de luzes no início -, a peça discute a relação da ilusão e da realidade. Vivemos aprisionados em uma armadura. Um dia, maduros, a deixamos e nos encantamos eternamente. A essência de Cervantes por um viés marcadamente poético.

A Sombra de Quixote: reflexão filosófica

A montagem é fruto de um intenso trabalho de pesquisa capitaneado pelo talentoso Cacá Carvalho (do memorável monólogo A poltrona escura, mergulho de cabeça no universo de Luigi Pirandello) e pelos italianos da Pontedera. A opção do recorte, sem a pretensão de dar, de uma forma ou de outra, conta da totalidade da obra, foi um acerto: flui naturalmente, não se perde.

O elenco, jovem, é irregular; a impressão é que falta maturidade para um trabalho de tal envergadura. Mas dois atores saltam aos olhos: Emerson Ribeiro faz um Quixote ensandecido, que convence. Seu biotipo, inclusive, é mais condizente com o papel que o de Moreno. O dono do palco, porém, é Leonardo Ventura, impagável como Sancho Pança. É um grande ator, imediato destaque.

Destaque também para o cuidado visual. A armadura de Quixote, feita de latas (ervilha, óleo etc.), é ótima. O cenário é sóbrio e faz interessante contraste com os panos e cores, principalmente nos belos momentos de dança.

Integra a Mostra SESC de Artes Mediterrâneo. Um espetáculo bom, muito interessante, mas ainda a amadurecer. Ademais, é uma bela homenagem aos 400 anos de Quixote.

Para ir além
Quixote - Teatro Folha / Shopping Pátio Higienópolis - Av. Higienópolis, 618, piso 2 - Higienópolis - Quarta e quinta, 21h - R$ 14,00 - (11) 3823-2323 - Até 15/09.

A Sombra de Quixote - SESC Belenzinho / Galpão 2 - Av. Álvaro Ramos, 915 - Belenzinho - Sexta a domingo, 21h - R$ 15,00 - (11) 6602-3700 - Até 09/10.

Notas

* O Grupo Tapa reestréia amanhã, 1º de setembro, a ótima montagem de Major Bárbara, genial peça do irlandês Bernard Shaw. Mas fique esperto: é curtíssima temporada - até 11/09 - no teatro Artur Azevedo (Av. Paes de Barros, 955, Mooca/ Quinta à sábado, 21h; domingo, 19h; R$ 10,00). Em 2001 ela levou, entre outros prêmios, os APCA de melhor diretor, para Eduardo Tolentino, e de melhor ator para o brilhante Zecarlos Machado. Veemente recomendação deste colunista.

* Hoje começa no Instituto Cultural Capobianco (quartas, 21h - confira a programação completa no site) o Projeto Quarto de Pensão, coordenado pelo ator/diretor/autor/tradutor Vadim Nikitin. A idéia é interessante: o processo de criação de um espetáculo, aberto ao público. Além dos ensaios - Subterrâneo (ou 2497 Rublos & Meio), baseada em conto de Fiódor Dostoiévski - haverá palestras com gente do calibre de Zé Celso Martinez Corrêa e Boris Schneiderman. Tarimbado, Nikitin traduziu recentemente obras de Dostoiévski para a Editora 34 (inclusive o volume que traz Sonho de um homem ridículo, cuja montagem está em cartaz no mesmo Instituto). Promete.


Guilherme Conte
São Paulo, 31/8/2005

Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2005
01. Fantasmas do antigo Recife - 31/8/2005
02. Um rio para lavar a dor - 12/10/2005
03. Crônicas de solidão urbana - 30/6/2005
04. Sobre o gênio que é Harold Pinter - 26/10/2005
05. A redescoberta da(s) leitura(s) - 7/12/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/9/2005
09h24min
Caro Guilherme Conte, percebo que, a cada dia, suas críticas estão mais encorpadas e reflexivas. Julgo que isso é fruto não apenas de um talento natural, mas também de um esmerado esforço em se debruçar, com afinco e cuidado, sobre a cena teatral paulistana. Parabéns. Abraços e a estima de Rodrigo Antonio.
[Leia outros Comentários de Rodrigo Antonio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Bricabraque (2005)
Hugo Passolo
Companhia Ed Nacional
(2005)



Triste Fim de Policarpo Quaresma (com Questões do Enem)
Lima Barreto
Cered Objetivo
(2004)



Fisico Quimica
Vera Lucia Duarte
Atual
(1982)



Livro - Memórias Póstumas de Brás Cubas - Col Núcleo de Literatura
Machado de Assis
Núcleo
(1996)



No Carrossel do Zodíaco
Maria R. Mizrahi
Berkana
(1996)



O Caçador de Pipas - Confira!
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2005)



Vocabulário para Ortodontia & Ortopedia Funcional dos Maxilares
Ana Julia Perrotti-garcia
Sbs
(2003)



Mangá Blade 24
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Misturas e Substâncias Reações Químicas - Série Ciências para o 1
Angélica Ambrogi, Julio Cezar Foschilini Lisb
Hamburg
(1973)



Vila Sésamo o Livro das Perguntas - a Terra
Vários Autores
Folio
(2007)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês