Crônicas de solidão urbana | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> POETICAS de um outro || BELIZARIO Galeria
>>> Livro ajuda crianças a compreender novas configurações familiares
>>> Sesc Pinheiros recebe Paulinho Moska em ‘Beleza e Medo’,
>>> Sesc 24 de Maio recebe o espetáculo O Pessoa nas Pessoas com Mônica Salmaso e mais artistas
>>> Evento literário em BH reúne João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Anna Cunha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Big Brother da Palmada
>>> Família
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> A pequena grande obra de Josefina Vicens
>>> PARÁBOLA
>>> Haydn: 200 anos da morte
>>> Paquetá: Ilha Ditosa e Florida
>>> Listen Again
>>> Microcontos ou micropoemas?
Mais Recentes
>>> Coleção Eu Gosto Mais Matemática 2º ano(Edi. Refomulada) de Célio Passos pela Ibep (2012)
>>> Vida de Droga de Walcyr Carrasco pela Ática (2002)
>>> Box Música Clássica para Crianças de Folha de São Paulo pela Folha (2013)
>>> Dicionário De Direito, Economia E Contabilidade Português-Inglês de Marcilio Moreira de Castro pela Gen forense (2010)
>>> Mitos e Lendas - a Criação do Mundo de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Marca da escuridão - Livro 1 de Sylvia Day pela Faro Editorial (2015)
>>> Box Coleção Música Clássica para Crianças de Folha de São Paulo pela Folha (2013)
>>> En Busca De La Excelencia de Thomas J. Peters pela Atlantida (1982)
>>> A Ladeira da Saudade de Ganymédes José pela Moderna (2000)
>>> Wagner de Coleção Música Clássica para Crianças pela Folha (2013)
>>> Reino Colorido da Criança de Não Informado pela Farmar
>>> Round The World In Eighty Days - Level 5 de Jules Verne pela Penguin Readers (1999)
>>> Donoso Cortés Y Su Teoría Política de Santiago Calindo Herrero pela Badajos (1957)
>>> Jornada de Esperança Grandes Sucessos de Brian Aldiss pela Abril (1982)
>>> Regulamento Interno e dos Serviços Gerais (risg) de Ministério da Defesa pela Do Auto (1999)
>>> Uma História de Amor de Carlos Heitor Cony pela Ediouro (2002)
>>> Uma Canção Nas Trevas Grandes Sucessos de Edgar Wallace pela Abril (1982)
>>> Giovanni Grandes Sucessos de James Baldwin pela Abril (1981)
>>> A Comunidade do Rei de Howard Snyder pela Abu (2004)
>>> Tudo Que Você Sempre Quis Saber Sobre o Céu... de Robin Schmidt pela Gw (2005)
>>> Istambul Memória e Cidade de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Olhai os Lírios do Campo de Erico Verissimo pela Globo (2001)
>>> Passos de Gigante de Anthony Robbins pela Viva Livros (2013)
>>> Longe Daqui de Amy Bloom pela Nova Fronteira (2008)
>>> Longe Daqui de Amy Bloom pela Nova Fronteira (2008)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/6/2005
Crônicas de solidão urbana
Guilherme Conte

+ de 8500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Histórias em quadrinhos sempre foram marginalizadas. Por mais que grandes nomes como Robert Crumb não devam nada a muitos pintores e artistas plásticos por aí, o termo "quadrinista" ainda carrega um conteúdo depreciativo. A torcida é para que a excelente montagem de Avenida Dropsie, pela Sutil Companhia de Teatro, ajude a mudar um pouco esse quadro. Com direção do sempre criativo e competente Felipe Hirsch, a Sutil leva ao palco uma seleção de histórias (graphic novels) do norte-americano Will Eisner, tido como o pai dos quadrinhos, morto no último dia 3 de janeiro.

Eisner ficou famoso - e conquistou uma legião de fãs fiéis - como o criador de The Spirit, longevo HQ para adultos, sobre um detetive sem super-poderes ou complicadas engenhocas. Mas as histórias de Dropsie são de natureza diversa. Elas bebem da fonte de outras novels de Eisner, como Life force e Eisenshpritz. Mostram o cotidiano da Nova York de sua infância, no Brooklyn. Imigrantes judeus, soturnos músicos de jazz de calçada, vagabundos, donas de casa e todos os tipos de bêbados e vadios. O cenário e figurino impecáveis, aliados a uma produção inventiva (com uma impagável cena de chuva), nos transportam por vezes às cenas tais quais desenhadas por Eisner. Impressiona. Não menos criativa é a trilha sonora, que vai de música folclórica grega a Ramones, mas principalmente recheada com big bands da década de 1930, muito ao gosto dos filmes de Woody Allen. Grandes trilhas, aliás, são uma das marcas da Sutil, notabilizada em premiados espetáculos como A Vida é Cheia de Som e Fúria (2000) e Temporada de Gripe (2003).

Montagens inquietantes de peças fora da pauta do dia são uma constante dessa companhia curitibana fundada em 1993 pelo diretor Hirsch e pelo ator (e por vezes assistente de direção) Guilherme Weber, um dos melhores em cena. O elenco é afinado e realmente parece ter pulado dos desenhos de Eisner. Ora provocando risos, ora grandes silêncios na platéia, mostra um pequeno microcosmo de uma Nova York cáustica, por vezes sombria, engatinhando para sair da crise de 29. Reconhecemos pessoas comuns, que também poderiam ter vindo das páginas de E.B. White ou Gay Talese. É Nova York, mas poderia ser São Paulo ou qualquer outra grande cidade. A solidão da vida na metrópole. Pessoas enganando a fome, matando o tempo. Uma peça que faz rir, mas um riso nervoso. Afinal de contas, não é agradável se reconhecer no palco.

Para ir além
Avenida Dropsie - Teatro Popular do Sesi - Avenida Paulista, 1313 - Quinta (20h) e domingo, 19h, grátis - ingressos retirados com uma hora de antecedência [a dica nesses dias é chegar bem antes; filas enormes são comuns]. Sexta (21h) e sábado (20h), R$ 15,00. Até 28/08.
www.sutilcompanhia.com.br

Retrato visceral

Ei, você que está lendo isso aqui, mexa-se! Corra até alguma unidade do SESC para garantir seu ingresso. Há pouco tempo. Louise Bourgeois: faço, desfaço, refaço, da atriz paranaense Denise Stoklos, só fica em cartaz até o dia 3 de julho. E é imperdível.

A peça é baseada na vida da artista plástica francesa Louise Bourgeois. O texto, o cenário e a música também são de Louise, hoje com 94 anos. A concepção foi feita em conjunto pela dupla. E a parceria deu muito certo.

O perfil de Louise vai se construindo a partir de pensamentos, sentimentos, fluxos de consciência e escritos. Denise entrou de corpo e alma no papel. Sua interpretação transparece autenticidade durante todo o espetáculo, não há um segundo sequer de vacilação. Ela deixa mostrar toda a admiração e a obsessão que tem pela artista.

A vida de Louise, de fato, é muito interessante. Após largar o curso de Matemática da Sorbonne, em Paris, ela mergulha no cenário artístico da cidade e passa a freqüentar ateliês de diversos artistas. Queria ser pintora, contra a vontade do pai. Num desses ateliês, o de ninguém menos que o pintor Fernand Léger, achou sua vocação para a área que lhe trouxe a fama: a escultura.

Em 1938 muda-se, recém-casada com o historiador da arte Robert Goldwater, para os Estados Unidos, onde mora até hoje (atualmente em Nova York).

Ligada notadamente ao expressionismo abstrato, manteve intenso contato com artistas como Marcel Duchamp, Joan Miró e Le Corbusier. Sua obra é relevante; uma de suas esculturas mais famosas, "Spider", uma gigantesca aranha de bronze com mais de três metros de altura, está em exposição permanente no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, no Parque do Ibirapuera.

Além de excelente atriz e diretora, Denise briga também em outro campo: o teórico. Já tem sete livros publicados, entre peças, poesia, romance e textos sobre teatro, entre os quais o principal é Teatro Essencial, de 1993. Denise pensa um teatro engajado, agente de mudanças. Isso fica muito claro em suas atuações, sempre apaixonadas e vibrantes.

Se você nunca viu Denise e seus cabelos desgrenhados no palco, prepare-se para algo novo em sua vida. Goste ou não de seu teatro, muito particular, não há como não se impressionar com sua energia e extrema força em cena. O palco parece pequeno - ela preenche cada espaço, seu vozeirão ecoa em todos os cantos da sala. É de uma expressão comovente.

Para ir além
Louise Bourgeois: faço, desfaço, refaço - Sesc Belenzinho (teatro) - Av. Álvaro Ramos, 915 - Sexta a domingo, 21h, R$ 10 a 20. Até 03/07.
www.denisestoklos.com.br


Guilherme Conte
São Paulo, 30/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol
05. Por um 2015 sem carteiradas de Marta Barcellos


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2005
01. Fantasmas do antigo Recife - 31/8/2005
02. Um rio para lavar a dor - 12/10/2005
03. Crônicas de solidão urbana - 30/6/2005
04. Sobre o gênio que é Harold Pinter - 26/10/2005
05. Rindo de nossa própria miséria - 21/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/7/2005
08h36min
Viu? Não falei? E você querendo fazer propaganda e marketing...
[Leia outros Comentários de Ciça]
12/7/2005
03h28min
do texto podemos tirar varias conclusoes, dependendo do nosso interesse e da paixao pelo que lemos: excelente e fascinante o empenho dos profissionais.
[Leia outros Comentários de gilberto correia]
13/7/2005
13h19min
Grande Guilherme, parabéns pela excelente estréia no "Digestivo".
[Leia outros Comentários de André Cintra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Renegado
Honoré de Balzac
Clube do Livro
(1983)



Beauvoir Apaixonada (lacrado)
Irene Frain
Verus
(2013)



Gestão Financeira de Negócios
Aurélio Hess
Cart Impress
(2004)



A Nova era um Guia para Viver Em um Novo Tempo
Lorna St. Aubyn
Roca
(1992)



Morte e Vida Severina
João Cabral de Melo Neto
Nova Fronteira
(1994)



A mulher só - das relações degradantes à vida solitária
Harold Robbins
Abril Cultural
(1985)



O Tao da Liderança Pessoal
Diane Dreher
Ediouro
(1998)



Como Desenvolver Conteúdos Explorando as Inteligências Múltiplas
Celso Antunes
Vozes
(2002)



As Lágrimas da Girafa Novos Casos da Agência Nº 1 de Mulheres Detetive
Alexander Mccall Smith
Companhia das Letras
(2003)



Literatura Brasileira em foco IV - o eu e o outro
Ana Cristina & Fátima Cristinas Dias Rocha (orgs.)
Casa Doze
(2011)





busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês