Kafka, cartas imaginárias | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Livro - A Ararajuba - Série natureza brasileira 2 de Rubens Matuck pela Biruta (2003)
>>> Arsène Lupin e Victor, da Brigada Anticrime (como novo) de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Livro - Os Pássaros - Coleção Infanto Juvenil de Germano Zullo Albertine pela 34 (2013)
>>> Livro - Betina de Nilma Lino Gomes pela Maza (2009)
>>> Agente em campo (como novo) de John le Carré pela Record (2021)
>>> Fantasma sai de cena (muito bom) de Philip Roth pela Cia das letras (2008)
>>> Gota d’água - Coleção Teatro Hoje de Chico Buarque (Autor), Paulo Pontes (Autor) pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Privação Cultural e Educação Pré-Primária de Maria Helena Souza Patto pela Livraria José Olympio (1977)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> A Franco Maçonaria. Origem Historia e Influencia (raro exemplar) de Robert Ambelain pela Gnose (1990)
>>> O Desmonte de Amarildo Felix pela Patuá (2021)
>>> Diário de um Ladrão de Jean Genet pela Nova Fronteira (2005)
>>> Comédias para se ler na escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia de Gil Vicente pela Atica (2005)
>>> Eu não disse? (muito bom) de Mauro Chaves pela Perspectiva (2004)
>>> Os Sofrimentos Do Jovem Werther de Johann Wolfgang Von Goethe pela Martins Fontes (1998)
>>> O Quarto Reich (capa dura- ótimo estado) de M. A. Costa pela Livros de guerra (2018)
>>> A Inocência do Padre Brown (raro exemplar) de G. K. Chesterton pela Record
>>> Ventos de Quaresma (muito bom) de Leonardo Padura Fuentes pela Cia das letras (2008)
>>> Perseguido (muito bom) de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Cia das letras (2003)
>>> O Rei De Girgenti (muito bom) de Andrea Camilleri pela Record (2004)
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/6/2003
Kafka, cartas imaginárias
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 7000 Acessos

Kafka é um dos maiores escritores do século XX (eu, pessoalmente, o considero o maior de todos). É impossível pensar de forma razoável sobre o século XX, sem ter-se em mente, bem interiorizado, o universo de romances como "A Metamorfose" e "O Processo". Isso é apenas o começo, pois todos deveriam, a poder de chicote, ter que frequentar, ainda, suas fábulas, contos, sua "Carta ao Pai" e novelas.

Kafka não é apenas, como alguns pensam, um dos maiores pensadores do século - mas é, também, seu maior problema literário. Ao seu lado, evidentemente, temos Joyce e Beckett. É uma pena ver estudiosos se debruçando sobre aspectos sociológicos e/ou religiosos da obra de Kafka, perdendo, dessa forma, a oportunidade de decifrar, afinal, o que importa: os mistérios da surpreendente escrita kafkiana.

Tão importantes quanto sua própria obra literária, as cartas de Kafka despertam um fascínio enorme. São muito divulgadas, por exemplo, as cartas às duas mulheres com o qual manteve um relacionamento afetivo e com as quais chegou até o noivado: Milena e Felice. As cartas para Felice foram, inclusive, matéria do importante estudo "Um outro processo: as cartas de Kafka a Felice", por Elias Canetti.

Mas eis que aparece algo surpreendente: um romance espistolar, com cartas ficcionais de e para Kafka. Trata-se da obra Querido Franz, de Anna Bolecka, editado pela Record.

Formam um conjunto numeroso de cartas escritas por amigos e por namoradas-noivas de Kafka. Estas cartas formam um grande bloco de comunicação entre os personagens, tendo como figura central, evidentemente, Franz Kafka.

Estas cartas funcionam como matéria interpretativa do universo interior de Kafka. Ali estão expostos os problemas que todos os apaixonados pelo escritor conhecem: sua insegurança, sua infelicidade, sua vida absolutamente dedicada à escrita de sua obra, sua difícil relação com os outros humanos, sejam familiares ou amigos, etc.

Numa das cartas de Milena (a segunda noiva), o infeliz autor de "A Metamorfose" é definido de forma muito clara, nos termos seguintes: "Este homem de quase quarenta anos, três vezes noivo de duas mulheres, escolhidas, como ele mesmo afirma, com plena consciência, não se casou até agora. Mora na casa dos pais, com os quais não se relaciona como um filho, e que nunca considerou como sua. Passa a maior parte do tempo em um escritório lúgubre, desprovido de qualquer calor indispensável à vida, sentado diante de um funcionário que lhe inspira medo. Não pertence, de verdade, a qualquer grupo religioso, porque considera a religião como uma das máscaras mais escuras com as quais os homens cobrem o rosto de Deus".

Também encontram-se as poéticas e desesperadas cartas de Felice, tentando entender, e ao mesmo tenpo criticar, as inseguranças de seu amado noivo. Numa dessas cartas ela diz:

"Escrevo esta carta, querido Franz, com a intenção de quebrar o silêncio entre nós. Eu disse muito, você, quase nada. Eu quero uma palavra, mas uma palavra em que eu possa me apoiar.

Você afirma que aquilo que não está claro entre nós me enche de medo e que este medo abrange tudo que eu não entendo em você: as suas excentricidades, o seu estilo de vida, o seu trabalho. Isto não é verdade, eu não tenho medo, pois sinto que tenho forças suficientes para suportar tudo isto e conduzir você para a clara luz do dia. Não, eu não tenho medo das dificuldades da convivência com você, mas de uma coisa eu tenho medo com certeza - do seu medo. Foi este medo que fez você, quando ainda era criança, fechar os olhos e bater a torto e a direito, sem reflexão. Com os olhos fechados, não podia ver quem você afastava de si. Era eu. Eu queria ajudá-lo. Era exatamente eu quem poderia liberar você do medo do seu pai e dos seus outros medos.

Eu quis ajudá-lo porque acreditei que você era fraco. Você me falou muito sobre a sua fraqueza.

Fiquei convencida de que você é forte e teimoso.

Você me dizia que queria viver no mundo da Verdade. Mas você mentia, afirmando que a mentira é a única arma do fraco.

Você falava do seu amor por mim - mas eu vi que você não é capaz de amar nem a si próprio.

Você me disse uma vez que eu estou do lado do mundo que distribui os golpes e fere os outros. Você tem pavor de ferimentos, mas veja o que você faz comigo. No início eu pensava que era o objetivo que você queria alcançar. Agora entendi que eu nunca fui um objetivo, mas um caminho de fuga. Eu era para você mais do que um dos meios de se libertar da armadilha que você, Franz, considera a vida.

Eu até poderia conformar-me com isto, toda a ajuda que se possa dar ao outro é boa, mas em pouco tempo você passou a me ver como uma nova armadilha, possivelmente até mais terrível que todas as outras. Que mulher poderia aceitar algo assim! Diga-me você mesmo.

Perdemos nossa unidade, disto eu tenho certeza, apenas não sei onde procurá-la, e se algum dia a sua descoberta será possível.

Na noite passada, durante um sonho, senti algo desta unidade perdida que tínhamos. Sonhei que estava numa floresta. Andava entre velhas árvores, com mais de trezentos anos; hoje não há mais florestas assim, mas esta parecia ser de um passado pré-histórico, dos tempos em que éramos felizes. Finalmente cheguei a uma enorme clareira aquecida pelo sol.

Senti muito cansaço, de modo que me deitei na relva macia. No sonho, vi as florezinhas do musgo e os insetos esgueirando-se entre as ervas. Da floresta saíram animais. Chegaram perto de mim e me cercavam, confiantes e amistosos. Havia entre eles cervos, gatos-do-mato, texugos, roedores, serpentes e pássaros. Juntavam-se aos pares, como na Arca de Noé, e eu lhes estendia os braços e me sentia segura, mas quando pensei que um dia teria que me levantar, senti um medo repentino.

Eu sabia que, ao ficar de pé, eu iria perder esta divina sensação da plenitude que me invadiu quando estava deitada, feliz, entre os animais. Acordei agitada por dois sentimentos contraditórios - o da saciedade e o da inquietude. Envio-lhe um beijo.
"

Como se pode ver, Felicja tenta equacionar toda a problemática de sua relação com o escritor. O que é interessante perceber é que esta carta, embora ficcional, torna-se uma forma de entendimento da relação de Kafka com o mundo muito próxima às cartas verdadeiras trocadas pelo casal.

A reposta de Kafka a esta carta aparece da seguinte forma:

"Querida Felicja, o silêncio entre nós está preenchido até as bordas. Na verdade, não houve grandes mudanças. Eu converso com você sem palavras, à distância, e você, tão distante, está mais receptiva em relação a mim do que antes, quando nos olhávamos nos olhos. Eu me convenço de que não devo aproximar-me de você, porque você, ao me ver assim como só eu sei que sou, estaria pronta, por puro desespero, a chegar a atitudes extremas.(...)

Você sabe o que poderia significar o seu lindo sonho, em que você estava deitada na relva entre animais selvagens sentindo-se feliz?

Aquele que fica de pé - comanda, dá ordens, tem supremacia. Aquele que fica sentado - nem que seja no sofá da sala, permite que o mundo sinta o peso do seu corpo; embora não distribua golpes, achata, com seu peso, o inocente sofá.

Aquele que fica deitado, no entanto - com a cabeça aconchegada no suave musgo - não dá ordens, não exerce poder e não pesa sobre a terra.

Boa noite, minha pobre, pobre Felicja.
"

Quem conhece o conteúdo das cartas de Kafka a Felice se sentirá em casa dentro deste livro, podendo desfrutar de uma forma de investigação que supera a crítica literária: a criação artística como forma de interpretação.

Para ir além





Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 23/6/2003


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Procura- Se Hugo / 8ª Ed
Diléa Frate
Ediouro
(2002)



II Simposio Estadual do Café
Cetcaf
Cetcaf
(1996)



Cenas Brasileiras
Rachel de Queiroz
ática
(2002)



Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll; Adaptado por Débora J. Durães
Abril
(2011)



Não Faça Tempestade Em Copo DÁgua no Trabalho
Richard Carlson
Rocco
(1999)



Meditação dos Guias Interiores
Edwin C. Steinbrecher
siciliano
(1990)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1974)



Guia Prático para a Ascensão
Tony Stubbs
pensamento
(2004)



Antologia Poética
Manuel Bandeira
Global
(2013)



Inocência
Visconde Te Taunay
Escala
(1992)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês