Um rio para lavar a dor | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Bipolar: Memórias de Extremos de Terri Cheney pela Larousse (2008)
>>> O Psicótico: Aspectos da Personalidade de David Rosenfeld pela Vozes (1993)
>>> O Efeito Sombra de Deepak Chopra pela Lua de Papel (2010)
>>> Dicionário Técnico de Psicologia de Álvaro Cabral pela Cultrix (1997)
>>> Gerações: Mal-entendimento e Verdades Históricas de Haydée Faimberg pela Sp (2001)
>>> Aspectos Clínicos do Desenvolvimento na Infância e Adolescência de Melvin Lewis pela Artes Medicas (1993)
>>> Teoria Psicanalítica das Neuroses de Fenichel pela Atheneu
>>> Adolescência: Uma Interpretação Psicanalítica de Peter Blos pela Martins (1994)
>>> Introdução á Metapsicologia Freudiana - 3 Volumes de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Jorge Zahar (1991)
>>> Psicologia da Conduta de José Bleger pela Artes Medicas (1984)
>>> Sol Nas Almas de Waldo Vieira pela Boa Nova (2010)
>>> Como Freud Trabalhava de Paul Roazaen pela Companhia das Letras (1999)
>>> Não é Fácil Ser Jovem de Rando Kim pela Sextante (2013)
>>> Crônicas do Mundo aos Revés de Flávio Aguiar pela Boitempo (2011)
>>> Guia de Bolso do Gerente de Stephen G. Haines pela Hrd (2002)
>>> Neuromarketing de Alex Born pela Uprema (2007)
>>> Aline 2: TPM - Tensão Pré Monstrual de Adão Iturrusgarai pela LPM Pocket (2007)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Pioneiro (2000)
>>> O Mala de Mario Kostzer pela BelasLetras (2011)
>>> Pergunte a Alice de Cristina Barczinsky pela Record (1971)
>>> A Queda de Diogo Mainardi pela Record (2012)
>>> Os Quinzes Anos de Carol de Patricia de Freitas Barboza pela Rbg (2002)
>>> Revista Brasileira de Psicoterapia Volume 6 N. 1 de Dpml pela Dpml (1999)
>>> Dez Quase Amores de Claudia Tajes pela Lpm (2001)
>>> Homens São de Marte Mulheres São de Vênus de John Gray pela Rocco (1997)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/10/2005
Um rio para lavar a dor
Guilherme Conte
+ de 9400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Maria Luísa esbanja talento e versatilidade (Foto: André Gardenberg/Divulgação)

A simples volta de Os Sete Afluentes do Rio Ota aos palcos paulistanos já seria motivo de comemoração. Em meio aos eventos que lembram os 60 anos da bomba atômica sobre Hiroshima, no entanto, a montagem se torna ainda mais oportuna.

Ela é baseada no espetáculo do dramaturgo, diretor e cineasta canadense Robert Lepage, à frente do grupo Ex-Machina, de 1994. Esta versão é dirigida pela ótima Monique Gardenberg e co-dirigida por Michele Matelon. O elenco difere um pouco do que formava o espetáculo em 2003, que contava com Giulia Gam e Beth Goulart.

O rio Ota corta a cidade de Hiroshima e se forma por sete afluentes. No dia 6 de agosto de 1945, as vítimas da bomba corriam a ele para amainar os efeitos das queimaduras. Em algumas horas, estava cheio de corpos.

A partir desta imagem, foram construídas sete histórias, entrelaçadas ora por fortes vínculos, ora por tênues laços. Elas vão desde o campo de concentração de Terezin, em 1943, até a moderna Hiroshima, em 2000.

A peça começa com um soldado americano incumbido de fotografar interiores de casas em Hiroshima, para estudos sobre os efeitos da bomba. Ele, então, apaixona-se por uma hibakusha - uma sobrevivente.

De certa forma, todos os personagens são sobreviventes. Seja da bomba, seja de um campo de concentração, seja da dor ou da própria mediocridade. Em comum, eles fogem da mesma coisa: da solidão. Em Hiroshima ou em Nova York.

Interessante diálogo entre o ocidente e o oriente (Foto: André Gardenberg/Divulgação)

Na união do bom texto, do elenco impecável e de uma direção criativa e inteligente, nasce uma facilidade extrema de transitar entre o riso e o choro. É profundamente emotiva, sem cair no sentimentalismo fácil comum a esse tipo de espetáculo.

Os atores estão afinadíssimos. É um time de respeito, que conta com gente como Caco Ciocler (dos filmes Bicho de Sete Cabeças e Quase Dois Irmãos), Simone Spoladore (do filme Lavoura Arcaica) e Helena Ignez (dos filmes Assalto ao Trem Pagador e O Bandido da Luz Vermelha). Quem rouba a cena, no entanto, é a brilhante Maria Luísa Mendonça, provando que é uma das principais atrizes do teatro brasileiro.

Sua versatilidade enche os olhos, encantando como uma criança que escapa do campo de concentração ou como uma senhora hibakusha no balanço da maturidade. Sem falar nos delicados butôs que desenha com leveza impressionante (ao lado do ótimo Felipe Kannenberg). Saí do teatro apaixonado por ela, em meio a uma platéia que se esvaiu em aplausos.

Boa parte da grandeza do espetáculo se deve à ótima direção de Monique Gardenberg, que também assina Baque, em cartaz no Teatro Vivo até o dia 30. Seu maior mérito está em manter o foco do espetáculo em suas 5 horas de duração (há um intervalo de 25 minutos após 2h30). Não é força de expressão: nem sentimos o tempo passar.

O uso de projeções e recursos audiovisuais (também presente, mas sem tanto acerto, em Baque) enriquece a montagem e cria um interessante diálogo. A trilha sonora é muito boa e dá atualidade à montagem. Destaque também aos belos cenários de Hélio Eichbauer, aos figurinos de Marcelo Pies e ao trabalho corporal de Márcia Rubim e Dani Hu.

Mais que uma reflexão sobre a guerra e o trauma da dor e da violência, Os Sete Afluentes do Rio Ota é um belíssimo mosaico da segunda metade do século XX. Um espetáculo inesquecível.

Para ir além
Os Sete Afluentes do Rio Ota - SESC Pinheiros - R. Pais Leme, 195 - Pinheiros - (11) 3095-9400 - Sábado, 20h; domingo, 18h - R$ 30,00 - Até 06/11.

Aldeotas: Camilo assina poesia de rara sensibilidade (Foto: Divulgação)

O mundo num pedaço de terra

O retorno, depois de um grande afastamento, é difícil. O confronto de nossas lembranças com a realidade é inevitável. Mudanças, ausências, saudade. A infância, resguardada no pedestal da memória, desce à dureza do curso da vida.

É deste embate que nasce Aldeotas, de Gero Camilo. Ele também estrela o espetáculo, ao lado de Marat Descartes. A direção fica a cargo da talentosa Cristiane Paoli Quito.

A memória de Levi (Camilo), desde que era um pequeno garoto em Coti das Fuças, é reconstruída no palco. Do quintal nasciam grandes aventuras com o amigo Elias (Descartes). Num piscar de olhos, o cajueiro virava um disco voador.

O trabalho dos atores e a direção, aparentemente imperceptível, são impressionantes: no palco, um tapete e algumas folhas de papel. Dali nascem banhos de açude, namoros, prostíbulos, tertúlias e brigas ao pé da cozinha.

A peça é uma grande poesia, tecida com sensibilidade e pureza, que leva a um riso fácil. O texto de Camilo revela um olhar atento aos mínimos detalhes e uma memória repleta de belas imagens.

Sua riqueza, no entanto, está em não cair na idealização gratuita. Ao mesmo tempo em que o resgate de sua infância traz uma boa dose de afeto e saudade, fica transparente uma sociedade difícil e repressora, com raízes no machismo e no preconceito. Os contornos da memória se ancoram em rara lucidez.

É um belo mergulho na infância, tempo em que as preocupações resumiam-se a qual seria a brincadeira do dia seguinte. Crescer é muito difícil, lembrar mais ainda. O jovem Levi, em suas pequenas grandes aventuras, nos mostra o quão importante é sonhar.

Para ir além
Aldeotas - Teatro Augusta - R. Augusta, 943 - Cerqueira César - (11) 3151-2464 - Quarta e quinta, 21h - R$ 20,00 - Até 27/10.

Notas

* Ano que vem se completam 100 anos de morte do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen (1828-1906). E as comemorações já começaram: o SESC Anchieta traz a montagem de O Pequeno Eyolf (R. Dr. Vila Nova, 245 / sexta e sábado, 21h; domingo, 19h / R$ 20,00 / Até 06/11), inédita no Brasil. A direção fica por conta do competente Paulo de Moraes, o cérebro por trás da Cia. Armazém de Teatro, de Curitiba (a criação mais recente do grupo, A Caminho de Casa, está em cartaz no SESC Belenzinho, de sexta a domingo, até 13/11). Além dela, diversas palestras e leituras dramáticas estão programadas, como Solness, o Construtor (direção de Mário Bortolotto, 13/10) e O Inimigo do Povo (sob a batuta de Sérgio Ferrara, 27/10). Vale ficar ligado na programação do SESC.

* No Casarão do Belvedere (R. Pedroso, 267, Bela Vista / (11) 3842-5522 / todos os espetáculos custam R$ 10,00) está rolando a mostra da Cia. Os Fofos Encenam, até o fim do mês. É uma boa oportunidade para conhecer o trabalho deste grupo, jovem mas de uma maturidade notável. Além da ótima Assombrações do Recife Velho, que segue em cartaz de quinta a domingo (21h), também são apresentadas Deus sabia de tudo e não fez nada, de Newton Moreno (sextas, 24h), e A mulher do trem, de Maurice Hennequin e George Mitchell (sábados, 15h30). Preste atenção nos textos do pernambucano Moreno (da maravilhosa Agreste), um dos principais autores da nova dramaturgia brasileira.

* Um dos clássicos do dramaturgo Bertolt Brecht, A Alma Boa de Setsuan (1941) recebe boa leitura pela Cia. Teatro do Incêndio, dirigida por Marcelo Marcus Fonseca, no Teatro Arthur Azevedo (Av. Paes de Barros, 955 - Mooca / Sexta e sábado, 21h; domingo, 19h / R$ 10,00 / (11) 6605-8007 / Até 13/11). É interessante notar a atualidade do texto, ainda mais em tempos de mensalão. O bom elenco é o carro-chefe da montagem. Destaque para a bela Camila Turim, que esbanja talento alternando-se na pele da prostituta Shen Te e de seu rico e inescrupuloso primo.

* Os interessados em teatro têm uma boa fonte de consulta: a Enciclopédia de Teatro do Itaú Cultural. Com 650 verbetes divididos entre "Personalidades", "Companhias e Grupos" e "Espetáculos", faz um bom apanhado da produção brasileira desde 1938. A coordenação é da pesquisadora Johana Albuquerque. Fácil, simples, rápido e grátis.


Guilherme Conte
São Paulo, 12/10/2005

Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2005
01. Fantasmas do antigo Recife - 31/8/2005
02. Um rio para lavar a dor - 12/10/2005
03. Crônicas de solidão urbana - 30/6/2005
04. Sobre o gênio que é Harold Pinter - 26/10/2005
05. A redescoberta da(s) leitura(s) - 7/12/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/10/2005
22h28min
O texto expressa com simplicidade o teor do grande espetaculo. E' uma oportunidade para conhecer a peça, já que ao tirar o extrato da minha conta conferi que não tenho grana pra bancar o espetaculo... Obrigado.
[Leia outros Comentários de Patricia Lara]
16/10/2005
01h58min
belíssima crítica, mais uma vez... abraço!
[Leia outros Comentários de André Cintra]
19/10/2005
14h56min
Rapaz, queria saber sua opinião sobre o uso de legendas na peça (ao menos na temporada passada havia esse recurso). Será que o texto não poderia ser todo em português?
[Leia outros Comentários de Damasceno]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tabelas Estatísticas para Biologia Medicina e Agricultura
Fisher e Yates
Polígono
(1971)



Livro - Do Espírito Geométrico-pensamentos: Grandes Obras do Pensamento-61
Blaise Pascal
Escala
(2006)



Cuidando do Seu Planeta - Eca! o Lixo
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2010)



Rota dos Amantes
Roberto Brant Campos
Asadepapel
(2012)



No Fundo do Rio Amazonas
Glorinha Novaes
Melhoramentos
(1986)



Ler e Escrever, Muito Prazer!
Beatriz Cardoso e Madza Ednir
Atica
(2002)



How We Believe, 2nd Edition: Science, Skepticism, and the Search
Michael Shermer
Holt Paperbacks
(2003)



Namoro Relacao de Amor e Sexo 2ªed
Flavio Gikovate
Moderna
(1997)



Por um Fio
Drauzio Varella
Cia das Letras
(2004)



O País dos Mexíveis
Carlos Eduardo Novaes
Nordica
(1990)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês