Os extremos do amor virtual | José Knoplich | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> Perguntas sagradas
Mais Recentes
>>> Noli me tangere e poemas selecionados de José Rizal pela Ex libris (1886)
>>> América Pré-colombiana de Joathan Norton Leonard pela José Olympo (1967)
>>> Lixo e limpeza urbana: entender para educar. de Emílio Maciel Eigenheer e João Alberto Ferreira pela UERJ: Depext (2011)
>>> Enciclopédia dos Museus. Museu de Belas-artes Boston de Diversos Autores pela Mirador (1969)
>>> Fumar ou não fumar. A decisão é sua. de Lair Ribeiro pela Prestígio (2001)
>>> 70 Anos - Gerações a Serviço da Advocacia de Aasp. - Associação dos Advogados de São Pauço pela Dba (2013)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1997)
>>> The heart of the city towards the humanisation of urban life de Varios Autores pela Lund humphries (1952)
>>> Bagagem de Adélia Prado pela Record (2012)
>>> Dicionário de Símbolos de Jean Chevalier Alain Cheerbrant pela José Olympio (1991)
>>> Figuras de Linguagem, Col. Tópicos de Linguagem, Gramática de Hélio de Seixas Guimarães e Ana Cecília Lessa pela Atual (1988)
>>> O Ritmo da Vida de Matthew Kelly pela Sextante (2006)
>>> Kama Sutra para lésbicas. Para viver livremente a sexualidade. de Alicia Gallotti pela Planeta (2005)
>>> Operação Cavalo de Tróia 5 - os Outros Mundos de J. J. Benitez pela Mercuryo (1996)
>>> Folclore do Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Fundo de Cultura (1967)
>>> O Ladrão de Raios - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Um de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ponto Cego de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Um Jogo Chamado Futuro de Douglas Rushkoff pela Revan (1999)
>>> América Pré-colombiana de Joathan Norton Leonard pela José Olympo (1967)
>>> Vampiros Emocionais - Como Lidar Com Pessoas Que Sugam Você de Albert J. Bernstein pela Campus (2001)
>>> Mesopotâmia: o Berço da Civilização de Samuel Noah Kramer pela José Olympio (1969)
>>> Alimentos Prejudiciais como Substituí-los de Rômulo França pela Do Autor (2008)
>>> Deus quer que Você seja Feliz de Fábio Teruel pela Do Autor
>>> Antologia Mediúnica do Natal de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1943)
>>> Como Evitar Preocupações e Começar a Viver de Dale Carnigie pela Companhia Nacional (1987)
COLUNAS >>> Especial Internet

Terça-feira, 13/8/2002
Os extremos do amor virtual
José Knoplich

+ de 5000 Acessos

Os jornais internacionais e os nacionais volta e meia descrevem casos de assassinatos e violências, resultantes de encontros presenciais (reais, concretos) marcados depois de um excitamento resultante de contatos anônimos e/ou sob pseudônimos, portanto virtuais, fantasiosos ou românticos que evoluem mal, sob o aspecto dos interesses iniciais desses encontros on-line, que era a procura de amor eterno, por uma via pouco usual.

Os jornais noticiam somente os casos que resultam em desgraças e tragédias, pois essas notícias vazam, sem o consentimento dos protagonistas. Dois exemplos desse tipo de noticiário: uma menina palestina atraiu um adolescente israelense, para um encontro, quando esse foi morto, por outras pessoas, dentro das tragédias do conflito do Oriente Médio; e, faz poucos dias, um brasileiro matou uma adolescente americana, de 13 anos, nos Estados Unidos, que marcou um encontro sexual por e-mail, e foi asfixiada durante o ato, porque queria experimentar sensações sado-masoquistas. Com menor freqüência são noticiados casos bem resolvidos, provavelmente devido ao desinteresse dos próprios protagonistas, que preferem deixar o seu caso particular envolvido na atmosfera romântica (que exclui a procura do companheiro pela internet).

Para começar, as atividades sexuais on-line, por si só, revelam uma tão ampla liberdade (e fantasia), que os envolvidos também têm dificuldades de definir essas fronteiras com parâmetros do mundo real. O que é permitido e o que não é? Quando o contato on-line é para valer e fazer um novo relacionamento ou é uma brincadeira? Os parceiros de um romance estável, praticam uma infidelidade cibernética, participando de bate-papos eróticos? E se contarem para o companheiro?

Mas tudo se complica quando essas mesmas pessoas resolvem transferir esses relacionamentos para o mundo real, pois acabam trazendo todos os comprometimentos e dificuldades psicológicas, sociais e econômicas que qualquer relacionamento real traz, e que a internet minimizou ou até mesmo eliminou, no sexo on-line. Às vezes, as conseqüências do encontro real são devastadoras, mas outras vezes são de filmes americanos ou de contos de fadas, com final feliz.

Nos Estados Unidos, já existem mais de 10 livros publicados sobre o tema e inclusive outros sairão até o fim do ano. Esse assunto já propiciou várias teses acadêmicas e discussões em Universidades. Dos livros publicados, dois chamam a atenção, pela postura que adotam sobre o tema: "Virtual Addiction: Help for Netheads, Cyberfreaks, and Those Who Love Them" (New Harbinger Publications, Oakland, Califórnia, Setembro de 1999), escrito por David N. Greenfield, psicólogo, com doutorado e colaborador. Um outro livro que foi recentemente publicado (Novembro de 2001) "Infidelity on the internet: Virtual Relationships and Real Betrayal", escrito por uma psicóloga, com doutorado na área, Marlene M. Maheu e colaboradora.

David Greenfield é o fundador e administrador do Center for internet Studies (www.virtual-addiction.com.)), com sede em Connecticut. Esse Centro é um fórum para educar, treinar e prevenir os comportamentos negativos resultantes do excesso de uso (ou seja: do vício) da internet. Esse Centro tem sua atividade focada para a comunidades de negócios, escolas, universidades, departamentos de saúde mental, convênios médicos e de apoio a famílias.

Esse autor afirma que as pessoas que passam mais de 4 horas na internet aumentam os casos de depressão e isolamento social. Apesar da maravilha que é a internet, existe um lado obscuro que precisa ser melhor estudado pois numa enquete, que se fez com cerca de 18.000 internautas, encontrou 6% de pessoas que se enquadravam nos critérios médicos de portadores de problemas graves de comportamento compulsivo e que se poderia considerar como viciados em internet (da mesma forma como existem pessoas que são compulsivas para jogar no bingo, no Jóquei Clube, com baralho etc). Outros 4% apresentavam essa compulsão de forma mais moderada. De qualquer maneira, pode-se afirmar que uma apreciável porcentagem de pessoas podem considerar que a internet causou conseqüências negativas em suas vidas, trazendo dificuldades no trabalho, de relacionamento, no casamento etc. A pergunta que o autor faz é se essas pessoas não teriam um comportamento de "viciadas", comparando a intensidade que ficam ligadas na rede, nos assuntos relacionado a sexo, como têm os indivíduos que são compulsivos em ler jornal, assistir a TV, ouvir novela, etc. A resposta do autor é: se a empolgação é igual, então todas essas atividades são equivalentes. O autor constatou que aproximadamente 50% das respostas dessa enquete afirmavam que quando estavam ligados na rede, não percebiam que o tempo passava (essa é mesma sensação que tem os jogadores viciados e apreciadores de TV).

No meu entender, a diferença é que, na rede, o compulsivo é ativo, ou seja, ele pode procurar o tema que quiser e desenvolver a sua fantasia. Isso não ocorre por exemplo com quem assiste TV. Só pode assistir o que os canais produzem; pode até rever os programa várias vezes, pode passar para outro programa em outro canal, mas não pode fazer um programa próprio. Na internet, ele pode procurar um tema filosófico, científico, pode se comunicar com outro internauta, etc., com infinitas variações de temas, quantas vezes quiser e a qualquer hora do dia ou da noite. E qual o assunto mais procurado na rede? Sexo e depois companhia (se estiverem juntos melhor ainda). Todas as pesquisas mostram que são as mulheres que mais usam os e-mails e a internet para procurar companhia e sexo associados.

Essa capacidade de procurar, programar e obter quase uma resposta imediata às suas fantasias, pelo e-mail, pelos mecanismo de comunicação instantânea, excitam demais os internatas compulsivos. Podem aumentar as fantasias; podem se corresponder como homem sendo mulher ou criança; podem se comportar como homossexual. Não há controle, não há censura.

A linha de pensamento do livro do Dr. Greenfield, em relação à idéia do amor virtual, parte do princípio de que a internet propicia uma liberdade muito, muito ampla, associada a idéia que a criatividade (a fantasia) não tem limites nem geográficos nem físicos, pois tudo é permitido. Em relação aos temas amor e sexo, essa liberdade, num indivíduo reprimido fatalmente, poderá - de início - viciar, depois perverter, deixando seqüelas na vida pessoal do jovem e do adulto, trazendo malefícios para a sua vida profissional, social e mental. Nesse caso, a internet, o computador, seria uma espécie de casa de bingo, uma sucursal do Jóquei Clube ou de um cassino. A internet teoricamente seria a liberdade que o movimento hippie, pregava na década de 80, com Paz e Amor. Os advogados e os psiquiatras americanos envolvidos nos inúmeros casos, que resultam em dolo, já estão estudando como caracterizar a culpabilidade no encontros marcados pelo e-mail e no sexo estimulado pela internet (chamados em inglês de : on-line dating e cybersex).

A psicóloga, Marlene M. Maheu, autora do segundo livro citado, é editora do Selfhelp Magazine desde 1994 e também tem um site de prestação de serviços (http://drmarlenemaheu.com/bio.html). Adota uma postura mais otimista em relação a internet e ao amor virtual, achando que a rede é um lugar que se pode, aprender, treinar e melhorar a saúde mental em relação a diversos assuntos polêmicos e inclusive ao amor, estudando o tema da infidelidade conjugal virtual.

Escreveu anteriormente em colaboração o livro "E-Health, Telehealth and Telemedicine: A Guide to Startup and Success", em 2001, editado por Jossey-Bass, defendendo a tese que se pode - com o auxílio da internet - fazer consultas sobre temas de psicologia, saúde mental (como largar de fumar), ajudando os tímidos e introvertidos a resolverem seus problemas. Esse tipo de consulta, permitida nos Estados Unidos, é teoricamente proibida na internet brasileira. "E-health" é um termo similar ao termo "e-Commerce", significando uma comercialização de serviços psicológicos pela internet, para quem tem essas fantasias sexuais, associadas ou não à idéia de que fato constitui uma infidelidade para com o companheiro.

O seu segundo livro, também em colaboração chama-se, "Infidelity on the internet". Saiu publicado pela editora Sourcebooks, no final de 2001, e tem muito a haver com o tema do amor virtual. A tese das autoras é que a infidelidade praticada na internet é mais inocente do que a real e, muitas vezes, é na realidade uma maneira de liberar fantasias sexuais que não comprometem homens e mulheres, quando tem controle sobre o compromisso assumido.

As autoras consideram esse livro um manual de sobrevivência, no campo da infidelidade, sugerindo vários testes para monitorar o grau de comprometimento do leitor com o sexo cibernético. Esse livro, ao contrário do anterior, acha que tanto adolescentes como adultos podem, na "brincadeira" da internet, ter alguns benefícios e crescer nessa área. Cita alguns exemplos: treinar a abordagem com o sexo oposto, vencendo a timidez; avaliar o grau de ousadia; verbalizar o nível de suas fantasias - tudo sob controle, evidentemente, se possível, com serviços de psicologia oferecidos pelo site, mas complementado com conversas telefônicas ou presenciais.

As autoras não vêm os perigos de uma compulsão, a não ser em casos muito raros e oferecem um meio de controlar esse novo problema, para não atrapalhar na realidade diária dos internautas com certos cuidados externos e auxílio profissional. Chamam a atenção para pessoas que, mesmo com o auxílio psicológico, se mantêm presas na realidade virtual, tentando ignorar e fugir dos compromissos reais. As autoras sugerem em exemplos desses casos crônicos várias soluções que se poderiam aplicar. A idéia é que esse amor virtual seja monitorado, mantendo a fantasia que aquece o coração e o pensamento, sem deixar que a compulsão interfira nas vidas social (das famílias ameaçadas) e na vida pessoal (dos envolvidos).


José Knoplich
São Paulo, 13/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
02. O que você vai ser quando crescer? de Fabio Gomes
03. Carregando o Elefante de Marilia Mota Silva
04. Liberdade! de Elisa Andrade Buzzo
05. Vida conjugal de Guilherme Pontes Coelho


Mais José Knoplich
Mais Especial Internet
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poesia Completa: Poemas Longos - Tomo Dois
Luiz Delfino (capa Dura) Dedicatória
Edições Acl (florianópolis)
(2001)



Direito do Marketing
Fernando Guerardini Santos
Revista dos Tribunais (sp)
(2000)



Études de Textes Français. Nouvelle Série. Tome Ii : Xvie Siècle
Roland Derche
Sedes
(1965)



Beijing: China Travel Kit Series
Xu Mingqiang
Foreign Language Press
(1997)



La Tortue Sauvage des Maures Ou Tortue Dhermann
Bernard Devaux
Sang de La Terre
(1988)



Processo Civil
Fernando da Fonseca
Juspodivm
(2012)



Guia Londres. o Guia de Viagem Mais Fácil de Usar
Publifolha
Publifolha
(2009)



Remuneração Estratégica a Nova Vantagem Competitiva
Thomaz Wood Jr.; Vicente Wood Jr.
Atlas
(1999)



Troca-troca
Maria Helena Portilho
Conquista
(1989)



Nosso Cães
Alberto Apfel
Melhoramentos





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês