Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
>>> Um ano de blog
>>> Aracy Guimaraes Rosa
Mais Recentes
>>> Eu Fico Loko de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Paginas (2015)
>>> A Cidade de Melanie Wallace pela Benvira (2012)
>>> As Belas Coisas, Que é do Céu Contê-las de Dinaw Mengestu pela Nova Fronteira (2008)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> Pesadelos e Paisagens Noturnas - Vol.I de Stephen King pela Objetiva (2011)
>>> Temas de Psicologia Juridica de Leila Maria Torraca de Brito pela Relume Dumará (2005)
>>> Evangelho por Emmanuel - Comentários ao Evangelho Segundo Mateus de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2015)
>>> A Casa do Califa de Tahir Shah pela Roça Nova (2008)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Francisco - o Sol de Assis de Divaldo Franco e Cezar Braga Said pela Leal (2014)
>>> Salomé - o Encanto das Mulheres Que Surgem do Céu de Sandra Carneiro pela Vivaluz (2014)
>>> Eight early tantras of the great perfection - elixir ambrosia de Christopher wilkinson pela Christopher wilkinson (2016)
>>> O Homem Que Amava os Cachorros de Leonardo Padura pela Boitempo (2014)
>>> O fogo invisível: O segredo mais importante da humanidade está prestes a ser revelado de Javier Sierra pela Planeta (2018)
>>> Moreira da Silva: O último dos malandros de Alexandre Augusto pela Sonora (2013)
>>> O Bairro: Viva a Nossa Turma - Geografia e História de Aracy do R. Antunes; Maria de L. de A. Trindade pela Access (2013)
>>> Antes de Nascer o Mundo de Mia Couto pela Companhia das Letras (2016)
>>> Teogonia: A Origem dos Deuses- edição revisada e acrescida do original grego de Hesíodo pela Iluminuras (1995)
>>> Bíblia de Jerusalém - Média Encadernada de Deus e Vários autores pela Paulus (2004)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Abril Cultural (1979)
>>> Gente pequena também tem direitos de Malô Carvalho pela Autêntica (2012)
>>> Gramatyka? Dlaczego nie?!: Ćwiczenia gramatyczne dla poziomu A1 de Joanna Machowska pela Universitas (2014)
>>> Você e a Mediunidade de M. B. Tamassia pela O Clarim (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 12/12/2017
Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
Julio Daio Borges

+ de 5600 Acessos

Na minha pesquisa sobre Bitcoin, “Blockchain Revolution” - de Don e Alex Tapscott, pela editora do Senai-SP - foi o primeiro livro que encontrei, em português, traduzido no Brasil.

Apesar de caro, acabei comprando, no primeiro semestre deste ano. Muito por conta do índice, que parecia bem abrangente, e, também, pelos elogios, na contracapa, que faziam dele “o livro” sobre o assunto.

“Blockchain Revolution” prometia definir “blockchain” e justificar porque é “uma revolução”. Mas, principalmente, imaginar “aplicações” do blockchain nas mais diversas áreas: serviços financeiros; criação de empresas (modelos de negócio); internet das coisas (IoT); inclusão econômica; empreendedorismo; governo; democracia; até liderança.

E na contracapa - ou quarta capa - Marc Andreessen, cofundador da Netscape, encabeçava os elogios. Clay Christensen, autor de “The Innovator’s Dilemma”, na sequência, dizia que “se tornará um dos livros icônicos do nosso tempo”. Até Walter Isaacson, o biógrafo de Steve Jobs, quase no fim da lista, reforçava que o livro explicava por que o blockchain é “uma ideia revolucionária”. E, por último, Steve Wozniak, o cofundador da Apple, chamava o livro de “espetacular”.

Como eu tinha resenhado outro livro assinado por um Tapscott, sobre a Wikipedia, na década passada, na revista “GV-executivo”, eu sabia que os elogios não deviam corresponder “100%” ao livro. Mas já estava na minha mão, eu queria um livro sobre Bitcoin (e/ou assuntos correlatos) -, resolvi arriscar.

Não me arrependo de todo, mas, hoje, acho que o livro não vale o que custa (pelo menos, em reais). E não vale, sobretudo, o tempo para lê-lo inteiro. Na realidade, acredito que muito pouca gente, que começa, termina o livro (como eu terminei).

Em primeiro lugar, porque, na tentativa de ser muito abrangente, acaba sendo maçante. As aplicações do blockchain nos serviços financeiros, por exemplo, são óbvias - e já estão acontecendo... Mas não acho que uma empresa inteira possa ser administrada “via” blockchain - outro exemplo -, como o livro deixa sugerido...

Lógico que a ideia de “descentralizar” - como a rede peer-to-peer do Bitcoin - é interessante, e podemos - numa sessão de brainstorm - imaginar mil e uma aplicações. Mas será que tudo vai ser blockchain no futuro? Não acho. E eu queria aproveitar este texto para discutir o conceito de blockchain - em si -, e suas aplicações (para além do livro)...

Críticas

Em primeiro lugar, eu *não acho* que o blockchain, ou o Bitcoin, ou as criptomoedas, ou as ICOs, são a panaceia universal que estão vendendo.

O livro, por exemplo, fala em “resolver alguns dos maiores e mais complexos desafios econômicos e sociais” (pág. 56). Só que eu acho que nenhuma tecnologia, sozinha, resolve nada.

Resolver - o que quer que seja - depende das pessoas. E o sucesso do Bitcoin, a meu ver, não é o sucesso - apenas - da tecnologia. Mas, também, da ideologia “libertária” por trás (num momento pós-crise financeira, com a privacidade ameaçada e a política “tradicional” sem rumo - no mundo).

Sem contar o aspecto estritamente “social” da coisa. Satoshi Nakamoto, ou quem quer que ele seja, conseguiu lançar essa rede. E o engajamento, em torno dela, é crescente - há quase dez anos...

Por que tanta gente acha que “replicar” o blockchain, simplesmente, vai resolver o problema?

Ontem mesmo, assistindo a um vídeo, surgiu uma dúvida: blockchain *sem criptomoeda* funcionaria? Sem uma criptomoeda, qual seria o incentivo? Pelo que trabalhariam os “mineradores”?

Eis algumas das aplicações que o livro sugere: certidões de nascimento, de óbito e de casamento; títulos de propriedade e ações; certificados e diplomas; registros financeiros; registros médicos; resultados de eleições.

Me parecem muitos serviços que um governo prestaria. Mas se é para descentralizar, qual o sentido de um governo implementar tudo isso? E se não fosse um governo, qual o incentivo para *uma empresa* implementar tudo isso?

Às vezes me parece que muitas ideias para aplicação de blockchain sofrem do dilema da galinha e do ovo: precisa estar funcionando - como o Bitcoin - para haver incentivo... Mas quem vai começar isso? Um governo? Mas não era para ser descentralizado?

Ethereum

Uma coisa de que não posso reclamar, do livro, é que “Blockchain Revolution” me apresentou Vitalik Buterin e sua iniciativa, o Ethereum.

Pode parecer trivial agora falar do Ethereum - já que sua criptomoeda, o Ether, é a segunda em “market cap” (só atrás do Bitcoin)... Mas não era assim em 2016, quando o livro foi originalmente publicado (e nem no início de 2017, quando o editaram por aqui...).

E este reconhecimento eu devo aos Tapscotts (os autores do livro).

Feita a ressalva, prossigo na crítica:

O Ethereum é uma grande ideia, e alguém ia acabar tendo ela: se construir um blockchain, como o do Bitcoin, é todo um desafio de infraestrutura... Por que não criar logo uma rede - um “super” blockchain - que sirva de base para outros blockchains (outras criptomoedas e smart contracts)?

Apenas essa ideia já explicaria parte da valorização do Ether. O fato é que a maioria das ICOs tem como base... a plataforma do Ethereum.

Mas, se por um lado, o Ethereum é uma solução... Por outro lado, ele é um problema:

Se um blockchain, como o do Bitcoin, já é complicado em si, imagine um “super” blockchain... Lembrando que são mais de mil criptomoedas operando... (Agora, imagine boa parte delas “rodando” na plataforma do Ethereum...)

Se a infraestrutura de *uma* criptomoeda já é um desafio, imagine uma infraestrutura para (quase) todas as outras...

E já deu problema, claro - e a rede do Ethereum *já foi* afetada... Não por todas as outras criptomoedas (como poderia parecer) - mas, sim, por um simples joguinho, que “roda” no blockchain do Ethereum: CryptoKitties.

Conclusão

Por um momento, eu acreditei que “o blockchain”, essa quase entidade, poderia substituir toda a infraestrutura da internet...

Mas, hoje, eu olho e penso: “Será mesmo?”

Até que ponto vale implementar um novo blockchain, além dos que já existem (e até que ponto *não vale*)?

Foi o autor de “The Bitcoin Standard” - num podcast - que me fez, pela primeira vez, duvidar dos “poderes” do blockchain:

Imagine, no caso do Bitcoin, todo e qualquer computador - como um nó - armazenando as transações da rede toda? Agora, imagine que o Bitcoin fosse o “meio de pagamento” que prevalecesse, no mundo inteiro? Faria sentido que todo e qualquer computador mantivesse os registros de todas as transações (de todo o planeta)?

É quase utópico imaginar que toda a internet vai ser refeita - à imagem e semelhança do blockchain (do Bitcoin)...

E que teremos um “novo” Facebook (do blockchain), uma “nova” Amazon (idem), uma “nova” Apple, um “novo” Google...

Sem intermediários, 100% peer-to-peer, sem custos - e em tempo real...!

Depois de tudo o que custou - para construir a internet, nestes mais de 20 anos -, alguém acredita mesmo nisso? ;-)

Nota do Autor
Este texto continua "Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets".


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/12/2017


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
05. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quarta Viagem de Colombo. Rumo as Ilhas das Especiarias
Carlos Guilherme Mota
Scipione
(1992)



Direito das Pessoas e das Famílias Doutrina e Jurisprudência
Moacir Cesar Pena Jr
Saraiva
(2008)



Propaganda e Marketing para Vestibular, Calouros, Curiosos...
Enderson Rafael
Novas Idéias
(2006)



O Povo dos Lírios
Wilhelm S. J. Speyer
A. W. Speyer
(1956)



Jaque Mate Al Obispo Virrey
Gregorio Bartolomé
Fondo de Cultura Economica
(1991)



Fisica I Analise Dimensional Estatica
Terezinha Jocelen Masson
Pleides
(2003)



A Morte do Brasil
Ledo Ivo
Record
(1984)



Gandhi Sua Vida e Mensagem para o Mundo
Louis Fischer
Martin Claret
(1983)



Macmillan Eng. Grammar in Context With Cd-rom-int. Intermediate
Michael Vince
Macmillan Education
(2008)



Arte de bem navegar toda a vela
Fernando Moretti
Ars poetica
(1994)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês