Lucas Procópio, de Autran Dourado | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Dos Embargos de Terceiro de José Horácio Cintra G. Pereira pela Atlas (2002)
>>> Entre o Amor e a Guerra de Zíbia Gasparetto pela Espaço Vida e Consciência (1994)
>>> Consciência Moral e Consciência Jurídica de Mariá A. Brochado Ferreira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Abril cultural (1971)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (1994)
>>> Appassionata de Kurt Pahlen pela Melhoramentos (1991)
>>> As Pupilas do Senhor Reitor de Júlio Diniz pela Três (1984)
>>> Antibióticos na Clínica Diária de Almir L. Fonseca pela Epuc (1991)
>>> A 25a Hora de Virgil Gheorghiu pela Círculo do livro (1976)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Sociedade e Ambiente: território, desigualdade e vulnerabilidade de Zoraide Souza Pessoa (Org.) pela Livraria da Física (2014)
>>> Elementos de Direito Administrativo de Celso Antonio Bandeira de Mello pela Revista dos Tribunais (1987)
>>> Odisséia de Homero - adaptação: Roberto Lacerda pela Scipione (1997)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> A Outra Face do Poder Judiciário: Decisões Inovadoras ...(Encadernado) de Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka pela Del Rey/ Bhz.: Esc. P. Direito (2005)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Globo (2008)
>>> Administração do Tempo: Um Programa de Autodesenvolvimento de Luiz Augusto Costacurta Junqueira pela Cop Ed. (1992)
>>> O Enigma de Rama de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1991)
>>> Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engels pela Moraes Editores
>>> Sonhos de Robô de Isaac Asimov pela Record (1991)
>>> Verdadeiras Profecias de A.w. tozer pela Clássicos (2001)
>>> O Homem Eterno de G. K. Chesterton pela Mundo Cristão (2010)
>>> O Observador no Escritório de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1985)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro (Jornalista) pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro (Jornalista) pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/8/2002
Lucas Procópio, de Autran Dourado
Ricardo de Mattos

+ de 8600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Nunca Foi, Nunca Será"

Eis a síntese do romance Lucas Procópio (1.984), de Autran Dourado (1.926), escritor cuja obra vem sendo relançada. Esta síntese, este resumo da personagem principal que nomeia a obra, é fornecida discretamente em meio ao texto. E que texto! Autran Dourado não escreve suas obras. Senta-se numa poltrona, manda vir da cozinha um negocinho para comer e transforma seu leitor em ouvinte. Seu livro é simples, despretensioso, directo, ao contrário de outro mineiro que apesar de bom escritor, está mais esquecido, embora suas obras tenham sido adaptadas para o cinema e a televisão. Refiro-me a Agripa Vasconcelos, autor de Dona Beja, Chica Que Manda, etc. Ele sabia muito, mas seus conhecimentos encharcam suas obras. Autran Dourado tem um conhecimento muito amplo, mas seu tom não é professoral, sua conversa resulta consistente, sem dar a impressão de que saímos de uma palestra.

Desta vez, resolve contar a estória do coronel Lucas Procópio Honório Cota, em sua jornada pelo interior de Minas Gerais, ao que parece, na segunda metade do século XIX, acompanhado de um escravo forro e de um capataz. Lucas Procópio inspira-se directamente no "Dom Quixote" de Miguel de Cervantes. Mais que isso: acolhe-o como modelo de conduta. Acredita que Alonso Quijano tenha realmente existido, e Cervantes apenas teria trocado os nomes. Claro que existem Quixotes aos montes no mundo, mas daí a toma-los por modelo de conduta...

O coronel Lucas nasceu em uma família de mineradores, e com o esgotamento das jazidas de Diamantina, curte por um tempo a decadência financeira. Encontra no casarão onde mora um providencial baú com um pouco de ouro sonegado, e documentos de uma desconhecida propriedade no Sul de Minas, na cidade de Duas Pontes, para onde dirige-se.

Esta viagem tem por escopo além da posse da fazenda herdada, o cumprimento de uma missão atribuída a si mesmo pelo coronel: difundir o ideal de retorno, restauração, das Minas Gerais do século XVIII. Revela-se aí seu quixotismo. O personagem de Cervantes quer restaurar a época da cavalaria andante, o de Autran Dourado, a da mineração, mesmo não dizendo objectivamente o que pretende. Quer voltar às Minas de antes, mas prega de forma genérica, sem dizer que aspectos gostaria de ver vigorando novamente. Nem ele deve saber. Mesmo outros não os acompanhando em seus ideais, estes dois personagens vão vivendo como acham devido. A cartilha de Lucas Procópio é o poema "Vila Rica", de Cláudio Manoel da Costa. Para melhor expressar sua proposta, usa o uniforme de gala pertencente ao seu avô, com o respectivo tricórnio (aquele chapéu de três bicos, com plumas). Portanto, assim trajado e recitando poemas à menor solicitação, tem por recompensa o deboche dos habitantes das cidades e vilas em seu caminho. Na primeira cidade, Itapecerica, seu ânimo provocou uma rebelião completamente desvinculada daquilo que pregava. Não se deixa de rir nesse episódio, pois fica parecendo que nem o personagem entendeu o motivo da guerrilha. Ele queria o renascimento de uma época, não mandou pessoa alguma pegar em armas.

A figura do louco manso e fardado deve ser popular naquelas bandas, pois no conto "Os Pequenos Carapinas do Nada", temos a figura do coronel Sigismundo com as mesmas características. Aqui o cenário também é a cidade de Duas Pontes.

Como adiantado, Lucas viaja acompanhado de duas pessoas. Uma é Jerônimo, nascido príncipe Omoro Binte em sua aldeia natal na África. Filho de um rei, é capturado, enviado ao Brasil como escravo, comprado pela família de Lucas Procópio, por este encontrado em meio às lavras, alforriado e tornado empregado assalariado. Nesta jornada, Jerônimo espera fugir da companhia do patrão e do outro empregado assim que encontrar um quilombo, no qual também possa realizar seu ideal trazido já do continente de origem: reunir os povos iorubá em uma só nação. Tanto Lucas Procópio quanto Jerônimo têm noção de que seus sonhos não terão resultado algum. Entretanto, Lucas começa a ceder à realidade quando chega em Alfenas, aqui envolvendo-se com a política. Tendo desistido do renascimento mineiro, deixa de sonhar e passa a planejar um futuro concreto, começa a colocar os pés de volta ao chão. Lembra de seu recente passado de insanidade, arrepende-se e envergonha-se. Tem ainda uma recaída, mas passa. É neste ponto da vida de Lucas Procópio que Jerônimo troca seu sonho inicial pelo do patrão, passando a desejar também a restauração.

Essa troca de ideais foi uma escolha de Jerônimo. Como se vendo a impossibilidade da execução dos seus, adoptasse os de Lucas, tendo-os como factíveis. Tal desejo é evidentemente prenhe de inocência, pois se restaurado o bom, este pode vir acompanhado do mau, com evidente prejuízo para as pessoas da sua raça. Claro, em época de cogitação da abolição da escravatura, ele quer restaurar aquela onde este problema era ainda mais grave. Como a troca foi voluntária, e dado o nível do autor, acho mesquinho falar-se aqui que "até os sonhos dos povos escravizados foram substituídos pelos do povo dominante". A narrativa não dá margem a este tipo de leitura.

Outro acompanhante de Lucas Procópio é Pedro Chaves, capataz que apenas tolera seus devaneios. Acompanha-o porque também tem seus planos, sendo o único a realizá-los. É a figura do bronco maltratado e abandonado quando criança, que cresce e devolve ao mundo todo o mal recebido. Assassino, feitor típico da ficção e da realidade, sempre tem suas brigas com Jerônimo apartadas por Lucas. É indiferente à volta ou não dos "Áureos Tempos", pois seu destino só será alterado com a concretização do plano traçado.

O romance Lucas Procópio é dividido em duas partes: a primeira, intitulada Pessoa, a segunda, Persona. A primeira parte termina com a morte de Lucas Procópio, assassinado por Pedro Chaves. Morre Lucas Procópio sem realizar nem o que sonhou, nem o que PLANEJOU. Jerônimo some da narrativa, reaparecendo somente no final. Na primeira parte, Lucas Procópio é uma pessoa, na segunda, uma persona, "máscara" em latim. Máscara usada por Pedro Chaves depois que mata o original e usurpa-lhe as propriedades e o nome.

Esta usurpação é previsível, e não apenas a cidade de Duas Pontes é o elo entre as duas partes. Após toda a apresentação de Isaltina, ressurge Pedro Chaves apenas como "coronel". Muitos são os indícios dados, as informações fornecidas na primeira parte sobre Pedro Chaves são dissolvidas na segunda. Outro dado a levar o leitor à descoberta do ocorrido é o seguinte: o coronel da segunda parte é proprietário da "Fazenda do Encantado", nome dado em substituição ao anterior, do qual ele não gostava. Encantado é não só aquele dominado através de operações mágicas mas, popularmente, o sujeito deslumbrado, entusiasmado. O leitor descobre logo a substituição, mas a confirmação vem apenas nas últimas páginas. Por isso Jerônimo assume o papel de deus ex-machina, pois reconhecendo Pedro Chaves, confirma a suspeita.

Em texto feito para a revista francesa Ilustration (1), encontramos a seguinte afirmação do autor: "...eu decidi escrever para me compreender num ponto de vista existencial, e para compreender o meu país. Assim, escrever é uma maneira de dar testemunho de meu país e de minha época". Em Lucas Procópio, temos um idealista isolado, sem seguidores à altura. Este idealista é substituído por uma pessoa violenta e sem cultura, que usurpa o seu lugar, sem dar continuidade aos seus planos e sem manter sua conduta. O engodo só é descoberto mais tarde, com o sacrifício de quem traz a verdade à luz. Especule-se.

(1) ver o texto

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
03. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
04. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
05. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/8/2008
09h38min
"Lucas Procópio", de Autran Dourado, é um extraordinário romance. Reflete a formação do homem brasileiro contemporâneo cheio de ambição. A mulher é tratada como um objeto: torturada pelo marido e acaba sendo seduzida por um padre. Sai do espeto e cai na brasa. O substituto do personagem idealista pelo brutalhão é sinal de decadência. A violência contemporânea é resultado de diversos estágios de decadência desde a época colonial até hoje.
[Leia outros Comentários de Antonio de P Moura]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O COMUNISMO CRÍTICA DOUTRINÁRIA
GERALDO BEZERRA DE MENEZES
MEC
(1974)
R$ 10,00



DESPERTANDO SEU PODER PESSOAL PROGRAMAÇÃ NEUROLINGUÍNSTICA
LEOCLIDES MARCOM
CDP
R$ 29,90



ALIMENTAÇÃO DE FAMÍLIAS COM BAIXA RENDA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB
KEYLHA QUERINO DE FARIAS LIMA, NADJEANNY GOMES UND MÔNICA LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ALGUÉM LÁ EM CIMA TE ODEIA
HOLLIS SEAMON
PLANETA
(2015)
R$ 17,00



A VIDA MODO DE USAR
GEORGES PEREC
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 28,00



OLGA
FERNANDO DE MORAES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 12,00



SALA DE ARMAS
NÉLIDA PIÑON
ACHÉ
(1973)
R$ 25,90
+ frete grátis



O TAMBAQUI, UMA ESPÉCIE NATIVA PARA A PISCICULTURA
MARA MARIA IZAR DE MAIO GODOI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



METODOLOGIA PARA PRECIFICAÇÃO E MEDIÇÃO DA LUCRATIVIDADE
CAROLLINE MEDEIROS DE GOIS FILGUEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



MARKETING DE GUERRILHA PARA O SÉCULO XXI
JAY CONRAD LEVINSON
SARAIVA
(1995)
R$ 15,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês