O que este país tão longe ao sul tem a oferecer | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> Nem Aos Domingos
>>> Aprender poesia
>>> São Luiz do Paraitinga
Mais Recentes
>>> Box Moderna Plus Tempos, Leitores E Leituras de Moderna pela Moderna
>>> A Elite 02 de Kiera Cass pela Seguinte (2013)
>>> Pelo Buraco Da Fechadura Eu Vi Um Baile De Debutantes de Mario Prata pela Geração (2023)
>>> Nas Fronteiras Da Ciencia de Celso Martins pela Dpl (2001)
>>> Quem é você Alasca de John Green pela Martins Fontes (2014)
>>> The Journey To The West, Revised Edition de Anthony C. Yu pela University Of Chicago Press (2012)
>>> Instinto Materno de Barbara Abel pela Globo Livros (2023)
>>> A Teoria De Tudo de Jane Hawking pela Única (2014)
>>> Contraseña Libro Del Alumno - Volume 2 de Marilia Vasques Callegari pela Moderna (2015)
>>> A Cidade Antiga de Fustel de Coulanges pela Martins Fontes (1998)
>>> Geração Alpha Portugues 9 Ed 2019 - Bncc de Everaldo Nogueiragreta Marchettimirella L. Cleto pela Sm (2019)
>>> Desforra de Stella Maris Rezende pela Maralto (2023)
>>> Box Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2013)
>>> Geografia Em Mapas América E África de Graça Maria Lemos Ferreira pela Moderna (didaticos) (2014)
>>> Evolução Para O Terceiro Milênio de Carlos Toledo Rizzini pela Edicel (1987)
>>> Day Of Empire: How Hyperpowers Rise To Global Dominance and Why They Fall de Amy Chua pela Double Day (2008)
>>> Longe Das Aldeias de Robertson Frizero pela Dublinense (2021)
>>> Livro Infanto Juvenis A Ilha do Tesouro Série Reencontro Literatura de Robert Louis Stevenson - Ary Quintella pela Scipione (1997)
>>> Araribá Plus Português - 6º Ano de Mônica Franco Jacinto pela Moderna (2018)
>>> Livro Literatura Infantil - Teoria, Análise, Didática PLT 487 de Nelly Novaes Coelho pela Moderna (2000)
>>> Box Crossfire de Sylvia Day pela Paralela (2014)
>>> Matemática E Realidade - 6º Ano de Gelson Iezzi pela Atual Didáticos (2018)
>>> As Memorias De Cleopatra - A Filha De Isis de Margaret George pela Geracao Editorial (2000)
>>> Panoramas Geografia 7 Ano Aluno de Marcelo Moraes pela Ftd (2019)
>>> Reinações De Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 2/8/2011
O que este país tão longe ao sul tem a oferecer
Duanne Ribeiro
+ de 3700 Acessos

No início da peça Um Porto para Elizabeth Bishop, a poeta americana é retratada em sua chegada a Santos. Do navio, avista o horizonte, enxerga autocomiseração nos morros e insegurança nas palmeiras. São talvez os próprios sentimentos que se debatem nela própria o que vê. Ao mesmo tempo, é assim que compreende a nova terra, esta civilização cambaleante que seria o Brasil. Depois de longo percurso - da paixão por essa mesma terra e por uma mulher dessa terra, paixões feitas e desfeitas no tempo - a montagem a retrata mestre da arte de perder, de volta aos Estados Unidos, em um quarto de hotel, dançando ao som de um carnaval só rememorado.

De branco, quase no centro do palco, a personagem dança, delicadamente, só sentindo o ritmo, ombro e perna direita gingando, olhos fechados, enquanto a luz esmaece. Por alguns momentos, já sob aplausos, a atriz Regina Braga ainda acompanha a música - os lábios declinam sem som os versos, até que enfim se volta ao público. Há algo aqui que a mudou, por dentro; há algo de muito brasileiro que fez muito bem a ela. A peça delineia a personalidade de Bishop, descobre o país por seus olhos e, principalmente, parece por em destaque esse algo - parece responder a alguns versos da americana: é isso que este país tão longe ao sul tem oferecer? Mas esse algo é sequer real?

Um Porto para Elizabeth Bishop teve sua estreia há uma década. Por ocasião dos 500 anos do Descobrimento, Regina pediu à Marta Goés um texto para "falar do Brasil": o resultado foi esse monólogo pela ótica estrangeira. Neste ano, no qual se comemora o centenário de nascimento de Bishop, o espetáculo reestreou no Teatro Eva Herz, em São Paulo, com direção de José Possi Neto. O enredo é biográfico: a poeta, em 1951, viaja para cá, com o intuito de passar alguns dias. Permanece, no entanto, por 15 anos. Redescobre a alegria em relacionamento com a arquiteta Lota de Macedo Soares; lida com a sua vontade de criar, seu terror da falta de aprovação, seu vício em álcool.

Regina interpreta uma Bishop frágil, desejosa de atenção, que vê o mundo com ironia ou fascínio, recortada por momentos de autoconfiança e lucidez. Não sei o quanto isso se aproxima da poeta ou o quanto se harmoniza com sua obra, mas essa é a impressão que se pode ter: menos de alguém a um tempo forte e débil e mais de alguém que sabe ou pressente que a força comporta fraqueza e vice-versa. De algum modo, as coisas se desfazem e o que sobra é o indivíduo, menos e mais do que era. Como se lê em "Uma Arte":

Perdi duas cidades lindas. Um império
que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.
Mesmo perder você ( a voz, o ar etéreo, que eu amo)
não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser um mistério
por muito que pareça (escreve) muito sério.
[leia completo]

É essa a mulher que se encanta pelo Brasil. Porém, por qual Brasil? O que ela vê é, na verdade, sem novidade, é a interpretação (não só) estrangeira típica. Que é o Brasil? A beleza natural, sensual. Que somos os brasileiros? Um povo de cordialidade única. Se, de um lado, desorganizados e indolentes, sem a eficiência propriamente americana, de outro possuímos um afeto livre, afeito mais à alegria do que a preocupações. Ela diz: "O Rio de Janeiro é um cenário para uma cidade maravilhosa, mas não é uma cidade maravilhosa". Bishop fala de um país anterior, de fato subdesenvolvido, mas a plateia ri com cumplicidade dos comentários da personagem, o que evidencia que esses conceitos estão em funcionamento hoje também.

A poeta aprecia a familiaridade imediata de gente que a trata por "minha senhora" e, em seguida, por "minha filha". Descreve nossa obsessão por futebol: "Eles devem ter campos até dentro dos escritórios!" (essa imagem tem um equivalente no episódio de Os Simpsons no Brasil). Fala de política e construção: "Com tanta roubalheira, aqui não se pode distinguir entre direita e esquerda"; "Quero ver quanto tempo vai demorar para fazer esse parque com técnicos brasileiros". Essa é, ou era, a visão não só dela, mas de todo os Estados Unidos, sobre nós - o que não é difícil de ver na produção hollywoodiana derivada da política da boa vizinhança. É curioso, entretanto, que haja aquela conivência da plateia, na medida em que a relação entre os dois países mudou, assim como a posição brasileira no mundo.

Por a Fantasia Abaixo
Essa nova relação inclui mesmo o gosto de revanche. Em "Um Leve Sabor" (da Folha impressa, disponível aqui), Janio de Freitas o expressa: "Foi com prepotência, com mal disfarçado gozo pela humilhação imposta, com a força do neocolonialismo em sua forma financeira, que os Estados Unidos e a Europa tripudiaram sobre nós, em nossos decênios de desarranjos econômicos e financeiros (...) Hoje, experimentam o sofrimento que impuseram em tão larga escala". Ainda: "E isso, ao menos para mim, tem um sabor algo refrescante". Enquanto os países desenvolvidos driblam a falência, o Brasil vira hype. Como afirmou Roger Cohen, no New York Times: "Oil discoveries, a commodities boom, sound economic management, political stability, the World Cup in 2014 and the Olympics in 2016 have combined to produce a Brazil fever".

Gilberto Dimenstein dá voz à Nitin Nohria, professor de Harvard segundo o qual somos "um dos cinco países mais importantes para quem está preocupado em estudar os negócios". Eliane Cantanhêde informa que, em um ano, pulamos "de 15º para 5º lugar no ranking de países que mais receberam investimentos diretos", e destaca as manobras portuguesas para nos ter como compradores das suas empresas estatais (se se pensa que fomos colônia de Portugal, que absorveu seguidamente nossos recursos, a situação não é irônica?). Do momento em que Bishop desembarca em terra nacional até o presente, tudo se transformou; da primeira exibição de Um Porto..., também - as Torres Gêmeas ainda estavam de pé e a China não aparecia tão influente. A crença do público no cárater nacional descrito acima, no entanto, é a mesma. Por que?

Tenho duas hipóteses. A primeira é que nos apegamos ao lado negativo desse caráter que seria nacional. Veríamos as deficiências educacionais (por exemplo, na leitura), as más administrações, a política tacanha - e creríamos em uma pré-determinação a nos manter subdesenvolvidos, o jeitinho brasileiro como transcendental.

A segunda é que gostamos de nos acreditar esse povo cordial, de alegria frequente e afeto expansivo, formado pela diversidade. Nós nos identificaríamos, pela simpatia da imagem. Essa crença é problematizada em um momento do espetáculo em pauta. Com o suicídio da brasileira Lota de Macedo Soares, Bishop se questiona algo como: todo esse sentimento, esse clima, essa beleza no país - isso me ajudou tanto! Mas por que não você, Lota? É a pergunta que pode por a fantasia abaixo. Para nós, que nascemos neste carnaval de cordialidade, o que esse país tão longe ao sul tem a oferecer?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 2/8/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Encontre seu motivo para blogar de Adriana Baggio
02. Voz de um passado presente de Daniel Lopes
03. E Essa Violência Que Enternece? de Daniel Aurelio


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. Dexter Versus House - 4/10/2011
05. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Linguística Cómo Usar Correctamente el Idioma
Luis Miranda Podadera
Nauta
(2003)



Análise e interpretação da obra literária Volume 2
Wolfgang Kayser
Arménio Amado
(1970)



Revista Literatura Conhecimento Prático Nº 24
Franco de Rosa
Escala Educacional



A História de Fernão Capelo Gaivota
Richard Bach
Nordica
(1979)



Contos Escolhidos
Machado de Assis
Klick



El Cid - O Heroi da Espanha - Serie Reencontro
Paulo Reginato adaptador
Scipione
(1997)



Contabilidade de Gestão - Cálculo de Custos e Valorização ... (lacrado
Adélio Saraiva, Ana Isabel Rodrigues
Almedina
(2018)



El niño vagabundo
Guy Néron
Paideia
(1967)



Multiculturalismo - Diferenças Culturais e Práticas Pedagógicas
Org Antonio Flávio Moreira, Org Vera Maria Candau
Vozes
(2012)



The Definitive Guides to Managing the Numbers
Richard Stutely
Prentice Hall
(2003)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês