Seleção, que sufoco | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Quarta-feira, 7/7/2010
Seleção, que sufoco
Adriana Baggio

+ de 4100 Acessos

O brasileiro é vítima de sua própria paixão. Como aquele tipo de amor que, de tão forte, sufoca a pessoa amada. Acontece entre homens e mulheres, pais e filhos, amigos. E, por que não, entre torcedor e seleção.

O amor do Brasil pelo futebol e, consequentemente, pelos jogadores que representam nosso país, talvez prejudique uma visão mais clara da situação, de tudo que envolve uma competição como a Copa do Mundo. Essa paixão cria um tipo de expectativa que hoje não é mais tão realizável quanto há alguns anos. A seleção brasileira por si só, e também em comparação com as seleções de outros países, já não pode ser vista como o escrete de 1970.

O amor pelo time do Brasil e a certeza sobre seu desempenho são mantidos vivos, alimentados a cada amistoso, a cada Olimpíada, a cada Copa América e Copa do Mundo. As novas gerações são iniciadas neste amor e já nascem apaixonadas, mesmo não tendo vivido os anos de glória do futebol brasileiro. E é tanto sentimento que perdemos o foco, deixamos de ver nas entrelinhas, nos recusamos a perceber que o futebol mudou e o futebol brasileiro também.

Aquelas jogadas incríveis, do tipo que Garrincha e Pelé fizeram nos bons tempos, são cada vez mais raras ― apesar de esperarmos por elas a toda hora, e acharmos que são elas que caracterizam nosso futebol. Os jogadores de hoje são piores? Acredito que não. Eles são diferentes, porque o jogo também está diferente. Jogadores ganham mais, são mais cobrados, têm uma outra expectativa de carreira. Ser um craque há algumas décadas era algo que surgia naturalmente. O cara era bom e a ideia de estar em forma era diferente de hoje. Não havia tantas coisas em jogo.

E hoje, como é? Um jogador desponta com seu talento, faz jogadas lindas no seu clube. Ganha destaque no campeonato nacional, é comprado por algum clube europeu e entra no esquema de lá. Muito dinheiro, futebol como profissão, corpo controlado até o limite. Alguns aguentam o tranco, crescem, amadurecem e aprendem como as coisas funcionam. Outros não dão conta de tanta cobrança, nem de tanto dinheiro e sucesso.

Em um campeonato mundial, hoje, não há mais tanta diferença entre as seleções. Os melhores jogadores de todos os países passam o ano jogando juntos, na Europa. Na Copa, passam a defender seus países. Mas trazem consigo o jeito de jogar e a atitude que desenvolveram em seus clubes. E se não há mais tanta diferença assim, o antológico futebol-arte do Brasil talvez já não exista, ou esteja bem mais diluído. Não perceber isso é o que nos faz, ainda, acreditar em uma grande supermacia do Brasil e a reclamar de qualquer jogo que não seja deslumbrante ou resultado que não seja retumbante. Será que os resultados meio apagados, mas corretos, que tivemos em alguns jogos, não é a tendência predominante daqui pra frente?

E neste contexto ainda tem o coitado do técnico. Sempre gostei de algumas coisas no Dunga: o jeito sério dele, às vezes interpretado como mau humor; a firmeza ao defender sua posição de líder de uma equipe; a independência (ou a tentativa de) em relação à imprensa.

Quando saiu a escalação para esta Copa, muitos criticaram a não convocação dos meninos do Santos e do Adriano. Pois bem, vamos ver: será que os meninos da Vila, por mais brilhantes que tivessem sido no campeonato nacional, teriam cacife para segurar a onda de uma Copa? E a adequação deles em uma tática de jogo totalmente diferente da que estavam acostumados ― mais ao estilo europeu que ao jeitinho brasileiro? E quanto aos outros jogadores, que vinham sendo preparados durante meses ou anos? E a imaturidade deles, natural da idade e da pouca experiência?

Com o Adriano, pior ainda. Um jogador brilhante, forte, mas instável e imaturo. Um atleta com problema de disciplina, sem controle emocional, não combina com uma preparação para Copa do Mundo. Será que a possibilidade de uma jogada genial compensaria toda instabilidade que uma pessoa assim poderia provocar no grupo? E qual a mensagem que ficaria, caso ele tivesse sido convocado? Quem trabalhou duro, foi fiel à estratégia e ao técnico é preterido por um jogador mais da fama do que desempenho real.

Se formos estabelecer uma comparação com o ambiente corporativo ― o que é cada vez mais pertinente em relação à nossa seleção, visto a quantidade de aspectos mercadológicos em jogo ― a atuação do Dunga era muito coerente. Foi-se o tempo em que as empresas aguentavam um funcionário genial, mas de temperamento instável ou indisciplinado. A genialidade não compensa o trabalho, o incômodo e o mau exemplo de uma figura assim. Portanto, valoriza-se muito mais a competência com regularidade, disciplina e fidelidade do que façanhas incríveis, mas esporádicas.

Mas o mundo dos negócios é frio, enquanto no futebol há calor e paixão. E por isso não levamos em conta esses aspectos. Sufocamos o técnico com pressão, e os jogadores com amor e expectativas. Achamos natural que nossa seleção entre de salto alto, apesar de não haver mais clima para isso. Continuamos acreditando que somos os melhores, quando há seleções menos tradicionais correndo por fora e mostrando bons resultados não com base em gênios, mas em treino e trabalho duro. Nos recusamos a acreditar que, para um jogador, talvez seja preferível perder uma Copa do que um bom contrato em seu clube.

Que nossa paixão continue. Podemos chorar, podemos ficar deprimidos, podemos até xingar todo mundo. Só não podemos mais alegar surpresa por perdermos uma Copa. O jogo já não é mais tão simples assim ― e não há craque ou técnico que possa reverter esta situação.


Adriana Baggio
Curitiba, 7/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
02. A aura da música de Luiz Rebinski Junior
03. Anonimato: da literatura à internet de Marta Barcellos
04. O criado e o mordomo: homens do patrão de Marcelo Miranda
05. Geração abandonada de Eduardo Carvalho


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005


Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês