Minha experiência com rádio | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
77520 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo | Salão Paulista de Arte Naïf
>>> UM JOÃO DO RIO INÉDITO
>>> Alma Despejada com Irene Ravache tem temporada no Teatro WeDo! com 24h de acesso
>>> OSGEMEOS participam de bate-papo do MAB FAAP
>>> Minicômios e Do observatório eu vi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
Últimos Posts
>>> Mostra Curtíssimas estreia sábado (26) no YouTube
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apenas manter a loja
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk
>>> Panorama Literário de 2006
>>> Outra América é Possível
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Meu destino é pecar
>>> Nem memórias nem autobiografia, mas Saramago
>>> O papel do escritor
>>> Aniversário
Mais Recentes
>>> Sun Tzu - Estratégias de Vendas de Gerald A. Michaelson pela M.Books (2005)
>>> O Discurso Secreto de Tom Rob Smith pela Record (2010)
>>> A Loira de Concreto de Michael Connelly pela Best Seller (1994)
>>> Mémorias de um revolucionário de Piotr Kropotkin pela Ccs (2021)
>>> Punhalada no Escuro de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Pecado dos Pais de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2002)
>>> O Ladrão Que Estudava Espinosa de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2002)
>>> O Ladrão no Armário de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2007)
>>> Três Obras Didáticas (Teatro brasileiro/Educação/Pedagogia) de Luiz de Assis Monteiro pela Confraria da Paixão (2021)
>>> O Vendido de Paul Beatty pela Todavia (2017)
>>> Lolita - Coleção o Globo de Vladimir Nabokov pela Globo (2003)
>>> As Brumas de Avalon a Senhora da Magia Livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1985)
>>> O Ideiador - Poema da Independência de Luiz Paiva de Castro pela Bonde (1972)
>>> O Fim de Tudo de Luiz Vilela pela Record (2016)
>>> Homens São de Marte Mulheres São de Vênus de John Gray pela Rocco (1996)
>>> A Última Delegacia de Patricia Cornwell pela Companhia das Letras (2005)
>>> Blocos uma História Informal do Carnaval de Rua de João Pimentel pela Relume Dumará (2002)
>>> O Poder do Pentagrama de Zaiplad Hcer pela Imprensa Livre (2001)
>>> A Moreninha de Joaquim M. de Macedo pela Cultrix (1968)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (2006)
>>> A Morte de Artemio Cruz de Carlos Fuentes pela Abril Cultural (1975)
>>> Apelo às Trevas de Dennis Lehane pela Companhia das Letras (2003)
>>> Teresa Filósofa - Clássicos Libertinos de Anônimo do Século XVIII pela L&pm (1991)
>>> Gastão de Orleans de Alberto Rangel pela Cia Ed. Nacional (1935)
>>> Casa de Pensão 13 - Obras Imortais da Nossa Literatura de Aluisio de Azevedo pela Três (1973)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/4/2005
Minha experiência com rádio
Julio Daio Borges

+ de 9000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Como ouvinte, sou do tempo em que o Emílio Surita, muito longe do Pânico de hoje (digo, o televisivo), apresentava um programa à tarde com a finada Mônica, na Jovem Pan 2. Ele era mais um locutor cativando fãs e tentando conquistar espaço. O Djalma Jorge, seu personagem, era um hit - e as inserções humorísticas, da Pan, eram as melhores antes dos Sobrinhos do Ataíde, na 89 FM, muito depois. Estávamos mais ou menos no meio da década de 80.

Eu estava na escola. No ginásio. A Jovem Pan, então, cresceu, ameaçou virar televisão - e embregou para nunca mais (eu jamais gostei da sua fase eletrônica posterior). Era Fagner e Jane Duboc goela abaixo, quase de bloco em bloco, e propagandas intermináveis, que me faziam mexer no dial. A Pan tornou-se campeã de audiência e eu pulei fora.

Pouco antes, de tão fanático, fui até ao show da Jovem Pan, no ginásio do Ibirapuera. Todos os eventos eram lá (alguém lembra do The Cure?). Eles transmitiam a chegada dos artistas como se fosse o Oscar, e o rock brasileiro, no auge (antes da queda), me fez vibrar. Não por muito tempo, porque eu, meu irmão e minha prima tivemos de ir embora antes da meia-noite, para não virar abóbora. Lembro que ia entrar o Lobão...

Meu amor radiofônico provavelmente começou na Cidade, que também tinha o seu programa cafona, o Love Songs (existe até hoje?). Era um prato cheio para um adolescente, ou pré-adolescente, apaixonado que não saía de casa, por muito novo, num sábado à noite, e que podia se consolar com baladas mela cueca, como "Crazy for you", da Madonna.

Agora, na minha memória, confundo tudo, mas penso que o Beto Rivera (alguém lembra dele?) me ensinou algum inglês na Teletradução. Era depois ou antes do hit parade, precedendo a Hora do Brasil, na Cidade ou na Pan, onde o locutor, com sua voz aveludada, destrinchava as letras do A-ha, do Toto, do Simple Minds (eu gostava, eu gostava).

O mesmo Beto Rivera eu fui encontrar, anos depois, muitos anos depois, comendo hambúrguer na madrugada de São Paulo. Ele me era tão familiar que eu poderia abraçá-lo, mas me limitei a um aperto de mão e a indagar - na falta de outro assunto - sobre a mulherada que o assediava (se é que havia alguma). O Rivera apresentava, também, na TV, o Clip Trip (ou qualquer coisa assim, na Gazeta). Eu e meus colegas de fim de ginásio ríamos dele, da sua falta de jeito, mas descobrimos coisas, sobre por exemplo o título do então último disco do Van Halen, que sem o Beto Rivera seria impossível. Estávamos alguns anos antes da MTV.

Na transição dos 80 para os 90, migrei para a 89 FM. Era completamente outra coisa. Não havia, ainda, embarcado na onda do hardcore - e do jabá roqueiro desenfreado. Era alternativa mesmo, e lançava uns apelos ecológicos que, depois da Eco-92, se tornaram lugar-comum e até obrigação de todos. Eu me meti a andar de skate (os esportes radicais engatinhavam) e ia para o half ao som de The Church, R.E.M. (antes de "Losing my religion") e The Mission. Havia um certo ativismo no ar e eles colocavam faixas engajadas como "Beds are burning", do Midnight Oil, e "Mandela day", do mesmo Simple Minds da Jovem Pan (gravada ao vivo naquele show pela libertação de Nelson Mandela, antes da presidência).

Continuei fiel por alguns anos e assisti à sua conversão ao culto das guitarras distorcidas, porque, naquele então, eu também me convertia. A 89 FM se dispunha a divulgar conjuntos considerados abomináveis, como Sepultura e Ratos de Porão, pelos quais eu militava. E mantinha, ainda, uma espécie de reportagem jornalística, garimpando novidades. Exemplos disso foram: o Rock Report, histórico, do Fabio Massari; e, na era pré-cambriana, o Novas Tendências, do José Roberto Mahr, que eu confundia com o José Emílio Rondeau, marido da Ana Maria Baiana. O Paulo Lima cornetava o Trip 89, antes da consagração da revista, e eu me lembro nitidamente dele narrando as peripécias do surfista Pi-cu-ru-ta Sa-la-zar.

Por falta de opção, segui com a 89 FM na faculdade, na explosão do grunge, embora no colegial minha "rádio" fosse mesmo a MTV (dos primórdios) e o programa do Serginho Groisman na TV Cultura (também nos primórdios). Minha descoberta subseqüente da MPB não teve praticamente eco no dial. Premido pelo rock'n'roll interminável de meus colegas de engenharia, permaneci na inércia da 89.1 Mhz, ainda que intelectualmente ela estivesse longe de satisfatória.

Então eu me abastecia de CDs e acredito que nunca comprei tantos como naqueles anos. Não havia outra fonte para Caetano, Gil, Elis, Milton e outros. Ao mesmo tempo, os grandes selos desovavam, industrialmente, as obras completas desses monstros. O que eu não conseguia comprar - pois minha autonomia de vôo não era ilimitada -, eu alugava numa locadora de discos que descobri perto de um shopping. Minha curiosidade pelas origens do rock também se misturou a essa fase e, numa ida (ou duas) aos Estados Unidos, trouxe, de uma tacada só, dezenas de CDs e alguns boxes.

Meu divórcio das rádios seria, progressivamente, definitivo, na medida em que, para cada salto meu em sofisticação estilística (para o jazz, por exemplo), correspondia uma queda no padrão de qualidade geral da dita Freqüência Modulada (para o axé, por exemplo). Meus usos, a partir daí, seriam bastante específicos e, com a juvenilização eterna, de produtos e serviços, qualquer pessoa que tenha se tornado adulta, nesse período, seguiu pelo mesmo caminho. Para meu alívio, e de muitos mais, contribuiu o desenvolvimento do toca-CDs para carros, visto que os primeiros modelos só faziam pular e exigiam do motorista malabarismos arriscados, ao ter de dirigir e de trocar, com a mão, os disquinhos.

Vi, ainda, do fim da década de 90 pra cá, o nascimento da CBN que, quando comecei a estagiar de verdade (e me sentia como que inserido no mercado de trabalho), era a minha rádio predileta. Chorei, por exemplo, subindo uma travessa da avenida 9 de Julho, quando noticiaram que o Paulo Francis havia morrido e transmitiram depoimentos aos montes. Em matéria de música, trombei com a 89,7 FM, da anunciada Nova MPB (que, de MPB mesmo, tinha muito pouco); com a Mix, que, de início, soou simpatiquinha, fazendo um contraponto ao puro ruído da 89, para a geração dos anos 80 (a minha), mas que foi um amor que não durou; e, por último, com a Kiss, cujo diretor eu conheci, e que tinha uma boa proposta, mas que, por ser previsível - como o próprio rock, aliás -, rapidamente perdeu a graça (e o sabor da novidade).

Hoje navego entre algumas dessas (sem esperança) e algumas outras, de que eu espremo um ou outro minuto de valor. Em 2004, ouvi muito a Cultura FM (e até fui entrevistado lá), mas, em 2005, não me identifiquei com as metas da nova direção, que, a meu ver, extinguiu alguns dos melhores programas, como os de Dante Pignatari, Cynthia Gusmão e Marta Fonterrada. Ainda assim, "freqüento" lá de vez em quando. A Eldorado é a preferida da minha namorada e eu pesco nela eventualmente alguma coisa interessante - como o quase sempre bom programa da Patrícia Palumbo, na hora do almoço. Também algumas tentativas de modernização, que, apesar de soarem confusas, com tantos retalhos e rótulos na programação, trazem dicas salvadoras como as, quase sempre (idem), do Nelson Motta. A Eldorado tem a qualidade de ser low-profile: ao contrário das outras, não incomoda. Completando - do erudito para o MPB e o jazz, para o rock - a Brasil 2000 FM, que vale pelo Garagem (do André Barcinski, às segundas à noite) e, quase diariamente, pelo happy hour do Kid Vinil. Tem uma saudável abertura ao novo, que a maioria das estações, a exemplo das gravadoras conservadoras, abandonou - a não ser que seja um patrocínio "feito" para estourar. Não é um quadro animador, eu assumo, mas penso que essas três não adotam a postura acomodada das demais, que, salvo raríssimas exceções, trabalham na mesma velha forma do desastre: eu falo, você me escuta - e pronto.

Mas por que todo esse inventário de preferências e audições? Porque o rádio está mudando. Alguns radialistas já perceberam, outros, não - ainda assim, as transformações acontecem de hora em hora. E vieram pra ficar.

Continuando com esta história, eu percebi isso quando descobri a Rádio UOL. Nos primórdios do Digestivo, fui fazer uma matéria sobre o Trio Mocotó, que eu havia encontrado no Palace, num show da Zélia Duncan, e, ao entrar no site deles, topei com uma entrevista lá, provavelmente em Real Audio. Cliquei e fiquei escutando maravilhado. Antigamente (no início dos anos 2000), o UOL matinha um banco de entrevistas com todas as personalidades que hospedava em seu portal. Lá nessa lista eu passei manhãs, enquanto trabalhava, acompanhando várias. O locutor não era grande coisa, mas as perguntas eram boas e, invariavelmente, acompanhadas de uma trilha sonora razoável. Me ocorre agora a do Millôr e de artistas, a meu ver, tão estapafúrdios quanto, sei lá, Ná Ozzetti.

Logo em seguida, cruzei com o Empoeirado, do Ed Motta, que, para mim, foi uma revelação. Era um programa inteligente, na mesma Rádio UOL, que o Ed soltava toda semana e que tocava músicas impensáveis em rádios convencionais. Orbitava em torno de suas descobertas em sebos e, claramente, não tinha a menor relação com "as mais tocadas" ou o top ten - por definição, pelo set criativo de raridades, era justamente o anti-hit parade. O que, para alguém como eu - que sempre buscou informação -, era o melhor dos mundos. Percorri as edições do Empoeirado uma por uma, desde o começo, e descobri uma porção de coisas, em música brasileira, por exemplo, que só iria escutar nos próximos anos. Como Moacir Santos (aliás, se não fosse um amigo que me gravou todos os seus álbuns, eu não iria passar do Ouro Negro e das faixas apresentadas pelo Ed Motta).

Em anos recentes, quando mudei para o escritório, e não tinha som, pesquisei mais sobre e localizei, dessa vez, rádios de verdade, na internet. A AccuRadio foi a primeira e mais óbvia, mas, nem por isso, desinteressante. Dividia as estações por estilo e podia ser tão específica quanto se quisesse. Entrei numa opção da década de 90 e tomei contato com velharias que, há séculos, não passavam pelo dial do meu carro. Graças à AccuRadio, fui conhecer, por exemplo, bandas como Travis, Weezer e até The Strokes, de quem eu ouvia muito falar mas que passaram quase em branco, nos últimos tempos, pela maioria dos programadores de FM. Ou seja: não é que eu estava sendo extremamente exigente quanto à safra de novos talentos em Freqüência Modulada, mas é que, em matéria de novidade, nem o mainstream mais eles tocavam.

Para outras webradios e para, inclusive, as rádios nos sites das gravadoras, como a da Tratore, foi um pulo. Voltei, então, para a Rádio UOL e, modificada, ela me mostrou que eu poderia agora escutar um álbum inteiro de um artista sem precisar comprar (com um do Brad Mehldau). Era melhor do que as jukeboxes ou os headphones de lojas como a Cultura, a Siciliano e a Fnac, das quais eu era assíduo freqüentador, antes de adquirir qualquer item musical. Naquela época, topei, no site do New Musical Express, com o novo disco do U2, que era segredo de estado, completo, inteiramente disponível - incluindo a faixa inédita não lançada no Brasil.

Enfim, nós ainda não paramos para medir as conseqüências disso a médio e longo prazo, mas é tentador dizer que é o começo do fim das rádios antigas. Você sintoniza qualquer estação no seu carro e, por mais variada que ela seja, nunca vai te oferecer um leque de opções como a Live365, por exemplo. São rádios inteiras, montadas por pessoas como eu e você, com a vantagem de se poder parar, avançar, retroceder, obter informações, comprar o disco, etc. Eu sei que a maior parte das pessoas não tem paciência ou simplesmente não se interessa em buscar o "novo", como eu, mas, mesmo para essas, existem pacotes prontos, formatados, em que só se deve clicar e que são, no mínimo, mais estimulantes do que qualquer programador médio de FM.

O problema das rádios comerciais é praticamente o mesmo das grandes gravadoras e, por extensão, da mídia dita de massa (ou wannabe): com a fragmentação, o maior número de opções, a audiência cai ou fica fracionada, então, dentro desse modelo ultrapassado, só lhes resta o tiro certeiro, o investimento nos nomes mais manjados (de retorno certo ou menos incerto), na trilha sonora mais batida, nos hits, de preferência, envelhecidos e desgastados. Traduzindo: o cast diminui, restando apenas os monstros sagrados, cujas canções se deve repetir ad nauseam, como um mantra, ano a ano - relançando-as em formatos alternativos ma non troppo, como o acústico, o eletrônico, o sampleado, o regravado, o "em dueto", o "de bar". Algumas vezes, soa como a descoberta da América, mas, na maioria dos casos, é apenas a mesma droga (reembalada).

Se eu e você olharmos para essas estações, do sistemão, vamos concluir que elas estão roendo a própria corda e que, em algum momento, alguém vai se encher dessa história - como muita gente já vem se enchendo do mass media. À maneira de um disco arranhado, o establishment midiático repete as mesmas fórmulas e permanece impenetrável ao que acontece lá fora - porque tem medo de ceder territórios e porque, afinal de contas, vem fazendo isso há anos.

Eu me entristeço porque, conforme visto, tenho boas recordações de quando as rádios eram mais inteligentes e mais interessantes (ou nem tanto assim, mas tentavam). É apenas uma questão de tempo para a internet chegar até o aparelho de som do carro e as webradios estenderem a gama de possibilidades até o infinito - esmagando as estações convencionais. Tenho, naturalmente, pena dos profissionais de rádio que fizeram a minha cabeça - mas se eles estiverem minimamente antenados, procurarão diversificar o seu portfolio, porque o velho modelo está com os dias contados e porque, daqui a pouco - se não se atualizarem -, permanecerão como mais uma relação de nomes, numa crônica aparentemente nostálgica, com esta de agora.


Julio Daio Borges
São Paulo, 15/4/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
02. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
03. Canção de som e fúria de Carina Destempero
04. A fada do dente sou eu de Ana Elisa Ribeiro
05. Cinzas e sombras de Vicente Escudero


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
04. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/4/2005
09h38min
Fala ai Juliao, emocionante depoimento. Tambem passei por diversas fases de audicao de radios: Jovem Pan, Cidade, Antena 1(minha mae adorava). Eh, Anos 80! Comecinho dos noventa: "A vez do Brasil", na 89 FM - nao tenho sua memoria, nem lembro o nome do locutor. Clip Trip, Beto Rivera, com aquele cabelo que depois os sertanejos usaram muito, comprido, em cima picotado, ou algo assim, ha ha ha! Materia Prima, ateh fui lah no colegial. Tudo isso ajudou a moldar parte da minha personalidade. Uma certa ingenuidade inocente que com certeza jah era! Cara, tudo a ver. Seu texto trouxe anos a tona. Ainda vao dizer que vc eh o porta-voz de uma geracao. Pena o final triste - minha filha nao vai ter isso. Espero que tenha pela Internet ou por "algum meio que possa ser inventado" (ops, parece copyright) mas acho dificil pela imensa fagmentacao existente. Isso vai criar publicos especificos e menos chance de se encontrar alguem para expressar o seu sentimento, a nao ser que o faca assim tao especialmente como vc... Cara, muitos abracos, Daniel
[Leia outros Comentários de Daniel Petrini]
23/4/2005
08h46min
No Rio a secura por uma 89 FM era grande na minha epoca... Lembro que uma das "fontes" para o tal rock com atitude era o Lado-B do Fabio Massari na MTV. A Radio Cidade tinha um programinha tambem... Quanto 'as web-radios, acho que ainda sinto ausencia de programações consistentes. De garimpagem. Me parecem mais djs caseiros, e nao um Fabio Massari reapresentando Buzzcocks um dia, e no dia seguinte o Pere Ubu que tem a ver com eles, e o novo do Frank Black que era fa e coisa e tal. Um pouco de pesquisa, um salário legal, e curiosidade não fazem mal ao dj/programador. O Rio na radio é o ó... Exceto para futebol. Aí gosto mesmo de ouvir uma rádio lá de Porto Alegre, e algumas vezes a Rádio Globo.
[Leia outros Comentários de Ram]
22/9/2006
01h54min
Beleza de depoimento. Lembro do programa Djalma Jorge Show que eu ouvia todo sábado às 10 da noite. Na época, 1987, com 17 anos, me ligava no rádio quase o dia todo. A programação era vasta e não havia a "trash music" das bandinhas farofeiras atuais (muito menos hip "bosta" hop ou tati quebra-barraco :P ). Hoje nem ligo mais o rádio, porque NÃO DÁ!!! Quando a música "breganeja" começou a ser executada em emissoras como a Transamérica, a casa caiu para as ondas das FMs... A qualidade dos programas passou do chão e desliguei definitivamente o rádio. Hoje, com 36 anos, não chego perto de um rádio há pelo menos 16 anos!!! Quando quero ouvir uma boa música dos anos 80, baixo da internet via Emule... A propósito: existem vários programas do Djalma no Emule, pra quem quiser relembrar os bons e velhos tempos! Falei...
[Leia outros Comentários de Jaime - BSB]
28/12/2006
20h34min
Graças a você, caro amigo, descobri que o engraçadíssimo Djalma Jorge é o personagem do Emílio Surita da Jovem Pan. Esta é uma curiosidade que sempre tive, é claro, por ser fã do programa do Djalma, desde os anos 80, nos saudosos sábados, entre as fases da adolescência, namoro e "gandaia", tudo de bom!
[Leia outros Comentários de Carlos BH]
16/3/2008
20h24min
Meu prezado Julio, sinto decepcioná-lo: sou radialista em São José dos Pinhais, cidade da região metropolitana de Curitiba, e, com toda certeza, informo-lhe que Djalma Jorge foi um personagem do Tutinha, proprietário da Rádio Jovem Pan, e não do Emilio Surita, uma das "crias" do Tutinha e o precursor de todas estas cópias sem a menor originalidade dos dias atuais... Abraços.
[Leia outros Comentários de Henrique Rodrigues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A história de Carmen Rodrigues
Ana Luiza Libânio
Literare Books International
(2012)



Educação Inclusiva Módulos I e II - Ped Em Dvd
Vários Autores
Iesde
(2010)



Total English Intermediate Students Book / Workbook With Key
Antonia Clare/j J Wilson
Pearson Longman
(2010)



Gatão Apaixonado
Tim Obrien
Rocco (rj)
(2001)



Em Bruckenkurs
Michaela Perlmann Balme/susanne Schwalb
Hueber
(2004)



La Resurreccion: Historia de La Poscrisis Argentina
Eduardo Levy Yeyati e Diego Valenzuela
Sudamericana (buenos Aires)
(2007)



Chuang Tsu Inner Chapters
Gia Fu Feng e Jane English
Vintage Books
(1974)



Sobre o Amor e Outros Ensaios
Roberto Curi Hallal
7 Letras
(2005)



A Origem do Islã: a Saga de Maomé e o Nascimento do Islamismo
Desvendando a História, Número 3
Escala



O Vale do Parapanema
Fundação Telefônica (capa Dura)
Fundação Telefônica
(2011)





busca | avançada
77520 visitas/dia
2,7 milhões/mês