Por que a discussão política tem de evoluir | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
Mais Recentes
>>> Psicometria Genética (lacrado) de Sara Pain pela Casa do Psicologo (1995)
>>> Solidão de John T. Cacioppo, William Patrick pela Record (2011)
>>> Coaching de Relacionamentos a Dois (lacrado) de Ritah Oliveira pela Qualitymark (2017)
>>> Mitos e Realidades da Qualidade no Brasil de Marco A. Oliveira pela Nobel (1994)
>>> História Global Ensino Médio Volume Único de Gilberto Cotrim pela Saraiva (2016)
>>> Olhos de Madeira de Carlo Ginzburg pela Companhia das Letras (2001)
>>> A Formação da Professora Alfabetizadora - 6ª Ed. de Regina Leite Garcia pela Cortez (1998)
>>> Cinema Brasileiro no Século 21 de Franthiesco Ballerini pela Summus (2012)
>>> Microsoft Project 2007 Gestão e Desenvolvimento de Projetos de Maurício Moreira pela Erica (2009)
>>> O Dinheiro do Diabo (novo) de Pedro Ángel Palou pela Benvirá (2012)
>>> Fernando Pessoa - Homoerotismo Psicanálise Sublimação (lacrado) de Durval Checchinato pela Companhia de Freud (2012)
>>> Linhas de Fuga (lacrado) de Susana Scramim, Marcos Siscar, Alberto Pucheu pela Iluminuras (2016)
>>> Brandscendência - o Espirito das Marcas (lacrado) de Mario Ernesto René Schweriner pela Saraiva (2010)
>>> Fernando Pessoa - Resposta à Decadência (lacrado) de Haquira Osakabe pela Iluminuras (2013)
>>> A Practical Way to English 2 de Joseph Troster pela Não Encontrada (1982)
>>> Ética Concorrencial (lacrado) de Oscar Pilagallo pela Campus / Elsevier (2014)
>>> Viagem à Palestina - Prisão a Céu Aberto de Adriana Mabilia pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Made in Japan: Akio Morita e a Sony de Edwin M. Reingold e Mitsuko Shimomura pela Cultura (1986)
>>> Nunca é Tarde Demais de Amy Cohen pela Best Seller (2009)
>>> O Sujeito Não Envelhece - Psicanálise e Velhice de Ângela Mucida pela Autêntica (2007)
>>> Contabilidade Introdutória de Sérgio de Iudícibus pela Atlas (1994)
>>> Perdidos por Aí (lacrado) de Adi Alsaid pela Verus (2015)
>>> The Picture in the Attic de Richard Macandrew / Cathy Lawday pela Cengage Learning (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Minna - Coleção Premio Nobel de Literatura de Karl Gjellerup pela Delta (1963)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/8/2015
Por que a discussão política tem de evoluir
Julio Daio Borges

+ de 3000 Acessos

Ontem, no meio de comentários no Facebook, me vi tirando uma conclusão óbvia - que talvez sirva para você, que tenta, como eu, dividir suas opiniões políticas na internet.

Eu virei para dois militantes eletrônicos e falei: "A diferença é que nós [eu e mais alguns outros] estamos tentando discutir ideias aqui. E vocês estão fazendo militância. Assim não dá para discutir. Boa sorte na sua militância."

Eu realmente cansei de discutir com gente maliciosa, que, deliberadamente, não quer prestar atenção no que você fala, mas só quer te atacar, pessoalmente, para você desistir do debate. Assim, acham que impõem sua visão de mundo. Ainda acham...

Vou reproduzir, aqui, muitos dos cacoetes, que eu percebi, e que podem te ajudar a se defender, igualmente, de ataques infundados:

* Não é porque eu votei no Aécio, na última eleição, que eu seja "aecista". Não tenho de defender o Aécio Neves em todas as situações - e nem quero. Aliás, *crítico*. Mas, para os militantes, se você critica a Dilma, ou o Lula, eles atacam o Aécio de volta - como se você tivesse alguma coisa a ver com isso (ou como se isso desculpasse o Lula e a Dilma)...

* Não é porque eu votei no PSDB, nas últimas eleições, que eu voto PSDB pro resto da vida. Isso não me transforma em "militante" do PSDB e nem num "quadro" do partido. Aliás, eu tenho muitas críticas ao papel do PSDB como oposição. E votei no PSDB, muitas vezes, sim - mas, em muitas delas, por falta de alternativa! Contudo, para a militância eletrônica, ter votado no PSDB te transforma, automaticamente, em "tucano" - e você não pode apontar os erros do PT sem ter de ouvir que "o governo do PSDB fez igual ou pior". Alô, alô: eu não sou nem filiado ao partido. Eu não tenho de defendê-lo. E o fato de eu ter votado no PSDB não me desautoriza a criticar os demais partidos.

* Não é porque eu votei "contra" o PT na última eleição que eu sou de "extrema direita". Que eu defendo a intervenção militar etc. Eu não defendo! Só que eu não sou "de esquerda". E eu posso criticar a esquerda, sim, mesmo não sendo "extrema direita".

* Não é porque eu me sinto mais "de direita" agora que eu não posso criticar a direita brasileira, qualquer que seja. Eu posso, sim! E eu crítico. Porque não acho que essa "direita" me representa. Aliás, nem existe direita, de fato, no Brasil. Não acho que existam ideologias, de fato, no Brasil (mas, sim, conveniências políticas).

* E não é porque eu me sinto mais à direita agora que eu não posso elogiar alguma medida "de esquerda", algum político mais à esquerda etc.

Resumindo: eu votei no Aécio mas não sou aecista. Eu votei no PSDB, mas não sou tucano. Eu votei contra a esquerda, mas não sou extrema direita. Eu me sinto direita hoje, mas posso elogiar a esquerda, eventualmente, também!

Ao contrário da militância eletrônica, eu não raciocínio por "categorias" fixas. Até porque isso, em política, não é raciocinar. Eu me considero um aprendiz no assunto. E eu posso mudar de opinião, sim. "Eu evoluo", como disse o Paulo Francis ao Caio Blinder (que o criticou, uma vez, por ter mudado de ideia).

Eu acho, por exemplo, que o senador Ronaldo Caiado é o maior político de oposição neste momento (e não o Aécio Neves e nem ninguém do PSDB). O FHC está aposentado e eu não acho que ele esteja sempre certo. Acho a postura do Alckmin em relação à Dilma, no mínimo, incoerente - para quem concentrou os votos "anti-PT" em nosso estado. E eu não queria o José Serra como ministro da fazenda. Não acho que ele seja melhor economista do que, por exemplo, o Joaquim Levy.

Eu acho, também, que um dos melhores cronistas deste momento político é o Fernando Gabeira. (Atenção: ele *não é* de direita.) Outro, que está brilhando, é o Merval Pereira. Mas isso não me faz concordar com as Organizações Globo. Aliás, sempre achei a postura "governista" da TV Globo nefanda (ainda mais agora)...

Eu gosto da TVeja. Acho o historiador Marco Antonio Villa, na televisão, brilhante. Talvez o nosso maior comentarista político, em TV, hoje. Gosto do Augusto Nunes, também. Mas isso não me faz concordar com a revista Veja. Acho que ela exagera - principalmente por querer antecipar notícias que, depois, não se confirmam. Por causa do Diego Escosteguy, que é uma estrela em ascensão - e não se diz nem de direita, nem de esquerda -, eu tenho preferido a Época.

E mesmo me considerando de direita, não sou fã do Olavo de Carvalho, nem do Jair Bolsonaro, nem do Silas Malafaia e nem do Eduardo Cunha. Tive uma briga enorme com os seguidores do Olavo há mais de dez anos. E considero a hegemonia do PMDB - de Sarney e de Renan - uma tragédia para o Brasil.

Como se vê, o mundo é muito mais complicado do que "esquerda" e "direita". Existem tons de cinza, como dizia o Daniel Piza. Infelizmente, é típico da militância eletrônica eleger "gurus", dividir o mundo em duas metades estanques e ficar repetindo palavras de ordem...

Acredito que faz parte da nossa imaturidade política - e da imaturidade da nossa *discussão política* - reduzir tudo a uma briga de torcidas. A realidade é muito mais complexa do que isso. Ocorre que dá mais trabalho lidar com todas as nuances. E um número razoável de pessoas (de direita, também) prefere "escolher um lado" e ficar demonizando o outro.

Deveríamos aproveitar este momento - onde a visão polarizada causou tantos estragos e já se esgotou - para tentar superar esta fase, em que, se você não concorda comigo, você é meu inimigo - e eu tenho de acabar com você. Não vamos construir um país assim. Não vamos avançar, politicamente, assim.

Para ir além
Compartilhar


Julio Daio Borges
São Paulo, 24/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América de Marcelo Miranda


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2015
01. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos - 25/5/2015
02. Regras de civilidade (ou de civilização) - 21/9/2015
03. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) - 30/11/2015
04. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs - 4/11/2015
05. 10 coisas que a Mamãe me ensinou - 10/5/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Produção de Coelhos Caseira Comercial Industrial
Márcio Infante Vieira
Nobel
(1978)



Poesia na Escola - Profissionais Coletânea Ano 2015
Editora Secretaria Municipal de Educação do Rj
Gl
(2016)



O tempo é um rio que corre
Lya Luft
Record
(2014)



Fábulas de Esopo
Lúcia Tulchinski
Scipione
(2009)



Bisa Bia, Bisa Bel
Ana Maria Machado
Salamandra
(2007)



Um Espírito Através do Cosmo
Dulcídio Dibo
Panorama
(1999)



Project para Profissionais
Eduardo Maraz
Digerati
(2009)



Entre Memórias e Narrativas
Nancy Campos Muniz
Ática
(2014)



Refeições de Verão Cozinha Criativa
Varios Autores
Caracter
(2010)



Reflexões
Graham Greene
Record
(1993)





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês