Livros do bem e do mal | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Terça-feira, 12/9/2006
Livros do bem e do mal
Marcelo Spalding

+ de 4000 Acessos

Poucos são os escritores que conseguem ser ao mesmo tempo acolhidos no seio da crítica e badalados pela indústria cultural, e raros os que têm essa dupla satisfação antes de completar trinta anos de idade. Caso de Daniel Galera.

Autor de dois romances e uma coletânea de contos (esta já traduzida para italiano), Galera nasceu em São Paulo em 1979 mas cresceu, começou a escrever e publicar em Porto Alegre. De biografia já recheada e interessantíssima, tendo sido um dos primeiros a ficar conhecido por causa da internet, onde publica desde 1996, Galera projetou-se para o Estado e viu seu nome ecoar no centro do país quando criou, junto com Daniel Pellizzari e Guilherme Pilla, a editora Livros do Mal. Com pequenas edições pagas pelos autores, publicou por lá Dentes Guardados (contos), em 2001, e Até o dia em que o cão morreu (romance), em 2003. Segundo o site da editora suas atividades foram suspensas em 11 de maio de 2004, mas até aquela altura o trio, além de nomes como Paulo Scott, já havia alçado vôo.

Mãos de Cavalo (Companhia das Letras, 2006, 192 págs.) é o primeiro trabalho de Galera depois deste vôo, e de quebra sai por uma das maiores editoras do país, legítima confirmação nacional de uma promessa local. Ambientado em Porto Alegre, o romance retrata o protagonista em três fases da vida em uma trama delicada sobre perda e culpa na formação de uma identidade. A inquietação do sujeito pós-moderno e a efemeridade das relações afetivas voltam ao centro da narração - como em Até o dia em que o cão morreu - mas sem o imobilismo de seu primeiro romance. A aposta em Mãos de Cavalo é mais na sutileza, no discurso do narrador em terceira pessoa, aqui não cabe e não precisa a dose exagerada de maconha, álcool e sexo da primeira história.

Talvez os primeiros e fiéis leitores de Galera achem Mãos de Cavalo politicamente correto demais se comparado aos "livros do mal", onde termos como "cagalhão", "mijo", "fodida", "enfiar o pau no cu", "filhadaputa", "porra" e "punheta" desfilam sem constrangimento pelo texto. Mas para este resenhista ficou a impressão oposta: Galera não precisa mais reforçar uma identidade, firmar um jeito de escrever, ser "do mal". Galera não precisa mais ser politicamente incorreto, o protagonista em Mãos de Cavalo pode abandonar a maior aventura de sua vida para ficar com esposa e filha, pode ser um médico bem sucedido e pode ter compaixão por um menino. Muito diferente do protagonista de Até o dia em que o cão morreu, sujeito atordoado e sem ânimo para qualquer trabalho ou estudo, hedonista, niilista ateu, que vê em Marcela uma boa transa, nos pais um dinheiro certo e no futuro uma chateação. Só isso. Sem remorsos, sem decisões.

Afora exageros que acompanham as edições e as matérias jornalísticas sobre Galera, trata-se de um grande autor, muito alinhado com o momento em que vivemos e dono de um texto ágil, rápido, cinematográfico, sem concessões à ignorância mas sem firulas anacrônicas. O que o destaca, sem dúvida, mas não chega a fazer dele, pelo menos ainda, o melhor de uma geração ou o símbolo "da tribo paranóica dos anos 90", como sugere Fabrício Carpinejar na contracapa de Até o dia em que o cão morreu.

Um crítico poderia dizer que o segredo do sucesso de seus dois romances é que eles seguem à risca a definição de Lukács para o gênero, "epopéia burguesa de um mundo sem Deus": em Galera nenhum personagem deixa de ser médico porque o vestibular nas federais é um funil intransponível para 95% dos jovens ou porque nas particulares cobram mais do que o salário de 90% das famílias, nenhum jovem de rua pede o resto do baseado ou o fundo da garrafa de cachaça, ninguém trabalha fritando batatinhas e lavando banheiros no McDonald's, ninguém passa oito horas num escritório de advocacia criminal para pagar os oitocentos reais da PUC à noite.

Preciso e precioso raio X de uma fatia da juventude contemporânea, Galera tem feito muito barulho e recebido muitos elogios primeiro pela qualidade de seu texto, que deixa transparecer um sujeito bem educado, de boas leituras, multilingüe, formado na universidade e em oficina literária, mas também por acertar na escolha desse recorte, expondo a juventude com a cara que a mídia a ela atribuiu.

Neste contexto "Livros do Mal" é mais do que uma boa sacada de marketing, é uma ironia com todas as editoras e todos os "livros do bem" de até então. Ironia inteligente num tempo em que ser bom é ser babaca e ser mau - ainda que não se saiba ao certo o que é ser mau - torna-se a única saída. Um tempo livre do politicamente correto onde um protagonista pode ser maconheiro, alcoólatra, vagabundo, filhinho de papai e ainda assim terminar em Nova York depois que o cão morreu.

Quase na contramão, Mãos de Cavalo já é a concessão do narrador para os "livros do bem". Agora temos um narrador com menos certezas e mais idade, seguro o suficiente para não fazer caricaturas e conhecido o bastante para não chocar pelas palavras. Resta saber se adiante veremos a vitória do bem ou do mal nesta batalha maniqueísta, o que no fundo também não interessa, desde que ganhe e permaneça a literatura.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 12/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I de Cassionei Niches Petry
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
03. A idade que habito de Marta Barcellos
04. A vida dos outros de Guilherme Pontes Coelho
05. Um clássico argentino de Daniel Lopes


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Semiologia Médica e Propedêutica Clínica 2
Fioravanti Di Piero
Do Autor
(1985)



Poder Popular no Século XXI
Hilary Wainwright
Xama
(2005)



Ruminâncias de um Camelo Aposentado
Pedro Abarca
Rumo
(1992)



Clebynho: o Babalorixa Aprendiz - 1ª Edição
Leandro Muller
Pallas
(2010)



Os Templários
Piers Paul Read
Imago
(2001)



As Grandes Batalhas da História Vols 1 e 2
Stéphane Audoin- Prefácio
Larousse
(2009)



Iluminação
Leo Gough
Pensamento
(2005)



Bridge En 7 Sesiones Sistema Natural
Magin Tusquets
Lumen
(1975)



Como Não Aprender Inglês - Erros Comuns do Aluno Brasileiro
Michael A. Jacobs
Do Autor
(1999)



101 Jogos para Motricidade Limitada e Espacos Reduzidos
Juan José Jurado & Manuel Lópes de La Nieta
Vozes
(2016)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês