Entrelinhas | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
Mais Recentes
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
>>> Arte e Anarquismo de Pierre Ferrua/Michel Ragon/Gaetano Manfredonia/Dominique Berthet/C. Valenti pela Imaginário (2001)
>>> A propriedade é um roubo e outros escritos anarquistas (Filosofia) de Pierre-Joseph Proudhon pela L&pm (2008)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 3 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 2 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Gramática do Texto – Texto da Gramática de Samira Yousseff Campedelli & Jésus Barbosa Souza pela Saraiva (2001)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 1 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Matemática volume único ensino médio de Gelson Iezzi, Osvaldo Dolce e David Degenszajn pela Atual (2011)
>>> As Ilhas da Corrente de Ernest Hemingway pela Nova Fronteira (1970)
>>> Aprender e Praticar Gramática – Edição Renovada de Mauro Ferreira pela Ftd (2007)
>>> Poesia Sobre Poesia - Com Dedicatória de Affonso Romano de Santanna pela Imago (1975)
>>> A Agonia do Grande Planeta Terra de Hal Lindsey e C. C. Carlson pela Mundo Cristão (1973)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Record (1980)
>>> The Golden Tarot de Liz Dean pela Cico Books (2008)
>>> O Universo Numa Casca De Noz de Stephen Hawking pela Mandarim (2002)
>>> Novíssima Gramática Ilustrada Sacconi de Luiz Antonio Sacconi pela Nova Geração (2008)
>>> O Que Fiz para Merecer Isto? a Incompreensível Justiça de Deus de Anselm Grün pela Vozes (2007)
>>> Gramática - Português Fundamental de Douglas Tufano pela Moderna (2001)
>>> Antonio Lizárraga - Quadrados em Quadrados de Maria José Spiteri pela Edusp (2004)
>>> E se? de Randall Munroe pela Companhia das letras (2014)
>>> A outra vida de Susanne Winnacker pela Novo Conceito (2013)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> A garota que você deixou para trás de Jojo Moyes pela Intrínseca (2014)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Hellsing - Volume - 1 EAN: 9788545700319 de Kohta Hirano pela Jbc (2015)
>>> Tentação sem limites de Babi Glines pela Arqueiro (2014)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/10/2008
Entrelinhas
Guga Schultze

+ de 3500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A leitura, mais que a escrita, evolui com o tempo. Digo da leitura enquanto exercício individual, bem entendido. O leitor, o leitor assíduo, é um animal envolvido num processo evolutivo, um animal em mutação. É possível que, através dos anos, esse leitor sofra uma metamorfose no sentido inverso daquela proposta por Franz Kafka e, num belo dia, abandone sua condição de barata cega, de ovelha crédula, de vaca de olhos plácidos que contempla o vácuo e que rumina o capim incompreensivel dos textos. É possível, então, que esse leitor, depois de muitas e muitas leituras, acorde em sua cama transformado num espécime raro: um ser humano capaz de assimilar o que lê.

Já é um grande salto evolutivo. Fica menos pretensiosa a frase de Jorge Luis Borges, que dizia orgulhar-se mais dos livros que leu do que daqueles que escreveu. Borges, na verdade, estava se gabando de ser um bom leitor ― um pecado perfeitamente perdoável no velho bibliotecário cego, depois de décadas de leitura incessante ― e mesmo os leitores de Borges foram forçados a reconhecer que a frase, apesar da suposta pretensão, tem um significado que vai além disso. O fato é que Borges podia ler melhor do que a maioria dos escritores pode escrever, se essa comparação é possível.

Há poucos dias eu estava visitando um blog muito bom, cujo autor é igualmente muito bom no fraseado. Dedilha com muita propriedade o teclado e tal. No names, please. E resenhou um livro que, coincidentemente, eu já tinha lido. Isso é meio raro porque esses blogueiros mais jovens ― digamos assim, porque às vezes parecem jovens demais, num sentido não muito elogioso ― e que se interessam por literatura, lêem coisas das quais eu nunca ouvi falar. É uma quantidade enorme de livros de uma quantidade enorme de autores novos, geralmente um pouco mais velhos que os próprios blogueiros, e que estão, daquela forma intensa, juvenil e cheia de energia, redescobrindo a literatura. E, junto com ela, o óbvio literário, o déjà-vu, a já velhusca vanguarda, o realismo, o surrealismo (e, por que não, o sub-realismo), a bendita maldição de poetas gordinhos (tomaram danoninho demais na infância), o jornalismo gonzo, o jornalismo gozador ou simplesmente o jornalismo gozado.

Nem é esse o caso do supracitado blog mas, bem, ele resenhou o tal livro e eu, como os personagens de romances do séc. XIX, me quedei perplexo. Porque o texto é (continuando no séc. XIX) supimpa. Nada do que ele escreveu sobre o livro está fora de questão, a análise está linearmente correta, o texto é inteligente e tudo mais. Mas tudo está errado. De uma forma estranha porque sutil, está tudo errado.

A pergunta seguinte é dirigida a mim mesmo, claro: como é que você, seu sabichão de meia tigela, pretende saber se a leitura de alguém está errada ou não? A resposta é meio complicada mas, de novo, fica entre nós (eu e eu): não pretendo. O fato da resenha ser inteligente não é suficiente para mascarar que é uma visão óbvia. Como eu disse, é uma análise linear. E, por algum motivo (levaria páginas para desenvolver esse motivo), posso afirmar que o livro resenhado é bem mais volumoso do que, sei lá, suas duzentas e tantas páginas. E que a resenha não faz jus à calejada mão daquele escritor, quando este aborda um relacionamento entre membros de uma família e o faz de modo tão sutil.

Aqui se faz necessário o uso de uma palavra da qual eu não gosto nem um pouco: abordagem. A do escritor e a do leitor. No segundo caso, imagino piratas-leitores abordando um navio-livro, ou coisa parecida. O propósito é descobrir o ouro escondido, sem o qual a abordagem não vale a pena. Não é uma postura de todo má, diga-se de passagem. O leitor-pirata examina o navio de cabo a rabo, do tombadilho ao porão e chega a assustar os personagens que estão lá, "cadê o ouro, meu?".

Já fui um leitor-pirata, mas desisti da abordagem agressiva e hoje sou mais um leitor tipo passageiro-clandestino. Não levo armas, só um caderninho de anotações ― claro, é tudo metafórico. Quando embarco num livro novo o caderninho está no bolso e me dou conta de que ele já está cheio de anotações de outras viagens. Ler, afinal, vai se tornando uma espécie de exercício de literatura comparada. A gente vai percebendo aos poucos que a literatura, ou pelo menos uma parte considerável dela, se desloca lentamente para a dimensão que está entre as linhas do texto. Mais precisamente, a literatura está nas entrelinhas.

Por exemplo, entre duas linhas escritas de Paulo Coelho a gente pode ler algumas palavras: dâââ... oops!... argh!... núúúú!... afff!... , e ele vendeu cerca de cem milhões de livros pelo mundo. PC tem vendido perto de cem milhões de livros por aí. Cem milhões de livros, aproximadamente, foram vendidos por Paulo Coelho. Pelo mundo afora. A repetição é uma espécie de exorcismo; não tenho palavras melhores para expressar o inexpressável. Quando Kafka escreveu sua fábula bizarra, estaria ele se referindo a algum tipo de leitor?

Mas, voltando ao assunto das entrelinhas, estas carregam o peso, o lastro literário de uma obra, em termos gerais. E os gêneros literários variam na distribuição desse mesmo lastro. A poesia poderia ser definida como a verbalização explícita das entrelinhas. Poesia em si, acredito, é pura mensagem subliminar. Daí que eu não goste de poesia "cerebral" ou "construída com rigor". Rigor formal em poesia? Pra quê? A não ser que seja para criptografar uma idéia, mas poesia não é feita de idéias e a "mensagem" (sic) poética não é algo criptografável. A poesia concreta, por falar nisso, vive exclusivamente da leitura das entrelinhas. Um poeta concreto coloca, digamos, um punhado de palavras em círculo, em escadinhas ou dispersas pela folha. Palavras aparentemente coesas (por ressônancia fonética, por exemplo) e um outro crítico-poeta escreve um tratado de dez páginas e cinquenta mil toques datilográficos para explicar exatamente o sentido daquela coesão. A poesia concreta não sobreviveria sem um tratado desses.

Escrever bem é mesmo uma arte, mas é bom não confundir essa arte com o que está escrito. O que está escrito, em termos absolutamente literários, não tem importância nenhuma. O leitor-alma-de-jornalista acha que tem. Procura o que o autor está dizendo, quase que exclusivamente. Por isso existem as divisões genéricas dos textos, ditadas pelo senso comum: os ensaios, as teses, as cartas, os contos, as fábulas etc. Só para orientar o leitor. O leitor-jornalista adora informações, a coisa factual, e vai procurá-las até em textos de Clarice Lispector. O leitor-poesia (acho que é a minha categoria) não poderia se interessar menos pela obra de Nietzsche. Mais ou menos assim. Mas os autores e, entre eles, mesmo os que são artistas, não dizem nada de mais, no geral. Vinte livros verdadeiramente originais talvez possam ser achados, se muito, numa vida inteira de leituras.

Opiniões, opiniões, opiniões. As minhas são lançadas contra paredões mudos e voltam sempre num eco indefinível.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 29/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia de Carol Sanches de Jardel Dias Cavalcanti
02. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro
03. Um mês depois de Julio Daio Borges
04. Abelardo e Heloísa de Gian Danton
05. Paulo Leminski, o Paulo Coelho da Poesia de Luis Dolhnikoff


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
04. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
05. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2008
11h25min
Aí vem você para atormentar as mentes medíocres e jogar idéias que nos fazem desviar o olhar. Acho que estilo é isso. O desvio do óbvio. Seu texto mexe e remexe com as nossas convicções e nos traz uma certa inquietação, um certo mal-estar e nos deixa mais atentos, talvez, na próxima leitura. Acabei de ler um livro: "Animais em Extinção", de Marcelo Mirisola, e posso dizer que me surpreendeu. Não sei o que isso tem a ver com o seu texto, mas acho que gostaria de sua opinião, leitor passageiro - nem tanto clandestino. Guga seu texto é de se guardar para se consultar sempre que nos sentirmos atraídos por essa ou aquela resenha. Beijo.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
30/10/2008
12h26min
Olá! Acabei de chegar e dei de cara com um ótimo texto. Adorei a história do leitor passageiro. Já deixei de ser um leitor pirata também. Que delícia descobrir os tesouros soltos no navio e não esperar por um bem escondido. Seu texto é gostoso de se ler e seu estilo leve cativa. Sua última frase foi ótima. Opiniões. Não existem verdades absolutas nelas.
[Leia outros Comentários de Aline Qualtieri]
3/12/2008
17h07min
Estava procurando um texto que valia a pena dar uma paradinha e apreciar o que estava escrito. Escolhi o seu. Que maravilha. Está tudo lá. Tudo que eu estava procurando. Quando vi sua classificação me vi como leitor-poesia. Mas posso ter sido leitor-alma-de-jornalista. Já li muito e falta mais um tanto para ler. Aprender não tem fim...
[Leia outros Comentários de Anny]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teatro de Alcione Araujo 1 - Simulaçoes do Naufrag
Alcione Araújo
Civilizaçao Brasilei
(1999)
R$ 18,00



Caderno Uniabc de Engenharia - Ano 1 - N° 8
Universidade do Grande Abc
Uniabc
(1999)
R$ 5,00



Flug in Den Weltraum Treibstoff Sr
Hans Dominik
Gebruder Weiss Berlin
(1955)
R$ 59,88



Os Primeiros Almanaques de São Paulo
Arquivo do Estado de São Paulo / José S. Witter
Imesp
(1983)
R$ 18,70



Helena
Machado de Assis
Globo
(1997)
R$ 6,90



Auditoria de Sistemas de Informação
Joshua Onome Imoniana (3ª Edição)
Atlas
(2016)
R$ 58,28



Geografia Homem e Espaço 7ª Série
Elian Alabi Lucci
Ed. Saraiva
(2000)
R$ 5,00



Rainha Vitória Vol. 11 Coleção Grandes Personagens Historia Universal
Abril Cultural
Abril
(1970)
R$ 15,00



Pesquisa FAPESP Nº 260
Diversos Autores
Fapesp
(2017)
R$ 6,50



Princípios de Morfologia - 4ª ed.
Horácio Rolim de Freitas
Oficina do Autor
(1997)
R$ 16,90





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês