Oito países e uma língua reunidos pelo cinema | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
56501 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Spanish Town All Stars: de SP a Spanish Town
>>> Céu lança discografia em vinil no Sesc Belenzinho
>>> Sesc Belenzinho traz Cesar Camargo Mariano Trio no projeto Estação Brasileira
>>> Sesc Belenzinho realiza apresentações do espetáculo de dança Mulheres do Àse - Performance Ritual
>>> Zé Guilherme lança novo videoclipe com faixa do álbum ALUMIA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> A Nova Era do Rádio
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Em defesa de Nuno Ramos e da arte
>>> O blog no espelho
>>> Head to head
>>> Uma seleção de fracassados
>>> Se minha gramática falasse
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Doce presença
Mais Recentes
>>> Além do rio de Ziraldo pela Melhoramentos (1996)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Guyton & Hall pela Elsevier Saunders (2011)
>>> Morreu tio eurico! Rubião ficou rico! de Lilian Sypriano pela Formato (2007)
>>> Aprendiz de inventor de João anzanello carrascoza pela Atica (2012)
>>> Lembrançinhas pintadas lá do fundo de Pedro bandeira pela Objetiva (2006)
>>> Histologia Essencial de Leslie P. Gartner e James L. Hiatt pela Elsevier Saunders (2012)
>>> O princípio da Capacidade Contributiva no Estado democrático de Direito de Marcelo Saldanha Rohenkohl pela Quartier Latin (2007)
>>> Um fio de prosa de Diversos autores pela Global (2004)
>>> The top floor de David Evans pela Summertown Publishing (2011)
>>> O santinho de Luis fernando verissimo pela Alfaguara (2002)
>>> Fundamentos da Bioquímica de Fernanda Galante e Marcus Vinicius Ferreira de Araújo pela Rideel (2014)
>>> As aventuras do capitão cueca de Dav pilkey pela Cosacnaif (2019)
>>> Dicionário Compacto Ilustrado de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva, Roberto Carlos Lyra da Silva, Dirce Laplaca Viana pela Yendis (2011)
>>> Capitao cueca e a revoltante revanche da robocueca radiotiva de Dav pilkey pela Cosacnaif (2013)
>>> Diario de um banana Rodrick é o cara de Jeff kinney pela VeR (2012)
>>> 1000 Curiosidades insólitas que um garoto deveria saber para descobrir que no mundo so tem louco de Anibal litvin pela VeR (2010)
>>> Vencer o Cancer de Mama de Antonio Carlos Buzaid e Fernando Maluf pela Dendrix (2015)
>>> Martini seco- coleçao rosa dos ventos de Fernando sabino pela Atica (1987)
>>> Quase 1.000 Absurdos de Todos Os Tempos de Anibal litvin pela VeR (2011)
>>> Diario de um banana segurando vela de Jeff kinney pela VeR (2012)
>>> A lógica do consumo de Martin Lindstrom pela Nova Fronteira S.A. (2009)
>>> Essais sur l'Histoire des Idées Socialistes de l'Antiquité à la Fin du XVIII Siècle de V. Volguine pela Editions du Progrès (1981)
>>> As aventuras de ook e gluk de Jorge beard pela Cosacnaify (2011)
>>> Mentes e manias TOC: Transtorno Obsessivo-Compulsivo de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2011)
>>> O meu pé de laranja lima de José mauro de vasconcelos pela Melhoramentos (2014)
>>> O Jovem Torless de Robert Musil pela Record (1986)
>>> Scott pilgrim contra o mundo de Bryan lee o´malley pela Quadrinos na cia (2010)
>>> A droga do amor de Pedro bandeira pela Moderna (2014)
>>> Novo Código Tributário Alemão de Vários pela Forense (1978)
>>> Diario de um banana, maré de azar de Jeff kinney pela VeR (2013)
>>> Todos contra dante de Luis dill pela Seguinte (2014)
>>> O princípio da Boa-Fé e o Planejamento Tributário de Elcio Fonseca Reis pela Quartier Latin (2008)
>>> The walking dead, a ascensão do governador de Robert kirkman pela Galera (2014)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio verne pela Melhoramentos (2010)
>>> O menino no espelho de Fernanda sabino pela Record (2014)
>>> Asa da palavra de Adriano bitarães netto pela Maza (2005)
>>> A odisséia de Homero pela Dlc (2013)
>>> Percy jackson e os olimpianos de Rick riordan pela Intrínsica (2014)
>>> Eu sou malala de Malala yousafzai pela Companhia das letras (2013)
>>> Histórias Para ler no Cemitério de Alfred Hitchcock Apresenta pela Record (1973)
>>> Os Irmãos Leme de Paulo Setúbal pela Saraiva (1959)
>>> Medeia de Eurípedes pela Martin claret (2013)
>>> Diario inventado de Flavia Saravy pela FTD (2010)
>>> A Colmeia de Camilo José Cela pela Bertrand Brasil (1992)
>>> Planejamento Fiscal - Aspectos Teóricos e Práticos de Pedro Anan Jr (Coordenação) pela Quartier Latin (2005)
>>> Cegueira Moral de Zygmunt Bauman & Leonidas Donskis pela Zahar (2014)
>>> Luna clara e apolo onze de Adriana Falcão pela Salamandra (2013)
>>> Ludi e os fantasmas da Biblioteca Nacional (Nova Ortografia) de Luciana Sandroni pela Manati (2011)
>>> Memórias de Uma Guerra Suja de Cláudio Guerra pela TopBooks (2012)
>>> Imposto de Renda Pessoa Jurídica - Teoria e Prática de Pedro Anan Jr. (Coordenador) pela Quartier Latin (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/6/2005
Oito países e uma língua reunidos pelo cinema
Marcelo Miranda

+ de 2000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

1.
Nos doze primeiros dias de junho deste ano, aconteceu o 1º Cineport - Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa, sediado em Cataguases, pequena cidade mineira de 67 mil habitantes. Para quem não sabe ou não ligou o nome à pessoa, Cataguases é a terra onde Humberto Mauro, grande pai do cinema brasileiro, fez boa parte de sua carreira de sucesso, ainda dos anos 20 (depois ele se mudaria para o Rio de Janeiro e, no final da vida, retornaria ao interior, onde seguiria filmando até morrer, em 1983). Sem falar que é um dos centros do modernismo brasileiro, espaço em que se dividem obras artísticas de Tarsila do Amaral, Oscar Niemeyer, Djanira e Cândido Portinari, além de ser berço da lendária revista Verde, editada na cidade por nomes como Rosário Fusco e Ascânio Lopes.

Ou seja, de cultura Cataguases entende. O Cineport chegou como cereja de bolo para devolver o município à categoria de catalisador das artes. Não apenas no cinema: o evento reuniu, além de 83 filmes, diversas exposições de pinturas e fotografias, lançamento de livros, apresentações musicais e teatrais. O cinema é a sétima arte; o Cineport conseguiu juntar todas as outras seis num único período de tempo e espaço, criando verdadeiro congraçamento cultural. Aumentando ainda mais essa imponência, a proposta inovadora teve boa repercussão e recepção: apresentar e debater as cinematografias de todos os oito países da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). Brasil, Portugal, Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, Timor Leste, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde estavam presentes. Nem todos tiveram filmes exibidos, como Timor, pelo simples fato de lá não existir produção cinematográfica. Nesse caso, trabalhos temáticos eram mostrados - como o documentário brasileiro Timor Lorosae - O Massacre que o Mundo Não Viu, de Lucélia Santos, sobre a guerra de independência no país mais jovem do mundo.

Apenas três países tiveram filmes no formato 35mm. Portugal, Angola e Brasil disputaram o Troféu Andorinha em quinze categorias típicas de um festival (filme, diretor, ator, roteiro e por aí afora). A andorinha foi escolhida símbolo por ser a ave que, ao longo de todo o ano, migra entre Brasil, Europa e África. Na falta de trabalhos em película, houve a competição dos digitais, em que Moçambique se destacou. A proposta de fazer uma confraternização entre as nações deu muito certo: o cinema serviu de porta de entrada para outros mundos, outros povos, outros costumes, todos sob a mesma língua, o português. Mais do que apreciarmos o que se cria em cinema nesses lugares, assistir a raridades angolanas como Comboio da canhoca, O herói e Na cidade vazia torna-se algo mágico, a partir de quando descobrimos que gerar um filme num continente tão miserável é tarefa hercúlea, "heróica", como disse Orlando Fortunato, diretor presente no evento. A magia aumenta ainda mais ao percebermos a qualidade dessa obra, a urgência em tentar transmitir por muitas imagens e poucas palavras o estado de inquietação e dor vivido por um povo marcado pela guerra. E, quem sabe ainda mais que tudo, captar esses sentimentos escutando os atores falando português - um português carregado, distante do que estamos acostumados, mas ainda a velha e boa língua de Camões e Drummond.

Guiné-Bissau foi outro país que fez bonito no Cineport. Flora Gomes, considerado o mais conhecido e bem sucedido diretor africano, foi homenageado com a exibição de A Minha Voz (Nha Fala), musical otimista e coloridíssimo em que o renascimento é a palavra de ordem. Em vez de se entregar ao pessimismo em potencial de quem vive na África, Flora seguiu caminho inverso. Fez uma fábula sobre segundas chances, sobre a compreensão e aceitação do novo. Conta a história de Vita, jovem que vai estudar em Paris mas precisa cumprir a promessa que fez à mãe: jamais cantar, ou morrerá. Imagine a protagonista de um musical proibida de cantar! Nesta premissa peculiar, Flora Gomes encantou o público, que novamente pôde compartilhar dessa maravilha escutando a língua que nos une a esses países.

Frente a tamanha impressão positiva dos cineastas africanos, os portugueses ficaram em segundo plano - apesar de seus filmes também serem peça rara em terras tupiniquins. José Fonseca e Costa foi homenageado, tendo dois de seus trabalhos mostrados: O Fascínio e Cinco Dias, Cinco Noites. Na competição, alguns sucessos internacionais, como A Costa dos Murmúrios e O Milagre Segundo Salomé. Mas o maior dos destaques foi Noite Escura, sufocante drama familiar em que acompanhamos as últimas horas de uma garota com sua família, antes dela ser vendida a mafiosos russos. Os planos fechados (lembrando o belga O Filho, dos irmãos Dardenne), que expressam a angústia dos personagens, mais a narrativa seca e o elenco primoroso tornaram este o melhor exemplar lusitano no Cineport. Tanto ele quanto os demais passaram idéia de que o cinema em Portugal se preocupa com o íntimo das pessoas, focando dúvidas e anseios de uma população que, como disse a diretora Margarida Cardoso (de A Costa... ), é marcada pelo constrangimento do colonialismo do passado. Presenciar, num festival de cinema, o encontro de antigas colônias com sua antiga metrópole, todos falando o mesmo idioma, foi algo de mais estranho no Cineport. Uma estranheza positiva, mostra de que a cultura é mesmo um caminho que pode trazer paz e entendimento ao homem. Aliada à língua em comum, é mistura para não dar errado. O Cineport não resolveu velhas rusgas. Talvez jamais resolva. Mas é um passo inicial de respeito.

O Brasil acabou ficando em último plano porque os filmes eram parte da safra 2004 - exceto Como Era Gostoso o Meu Francês (1971) e Memórias do Cárcere (1984), ambos de Nelson Pereira dos Santos e mostrados em sua homenagem. Fora estas duas obras-primas, os trabalhos exibidos já estiveram nas nossas telas no ano passado. A oportunidade foi melhor para os cineastas de fora, que puderam conferir uma cinematografia cheia de bons momentos (Garotas do ABC, O Outro Lado da Rua, Contra Todos) e outros nem tanto (Olga). No saldo final, deve ter ficado a noção de que o cinema brasileiro é inquieto demais, preocupado em tentar entender e explicar o que, afinal, está acontecendo no país. Interessante foi o comentário de Margarida Cardoso: deixando claro que viu poucos filmes recentes do Brasil, disse em entrevista a este que escreve que sente os nossos diretores sem capacidade de enfrentar "a dor", não encarando seus medos ou mesmo tentando demonstrar não existir uma dor. Que dor é esta, fica a cargo de cada um entender...

O Cineport foi promovido pela Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, instituição de Cataguases. A idéia, a partir dessa primeira edição, é revezar o país-sede do evento entre Brasil, Portugal e África. A ambição é grande. Em hora dessa, é indispensável que se relembre de Humberto Mauro, tão pioneiro e ambicioso em tudo que fez, e seguir em frente. Detalhes e premiações podem ser conferidas no site oficial do festival.

2.
Ser escritor no Brasil é fácil. Difícil é publicar livros. Colegas do Digestivo já trataram do assunto de forma brilhante (leia, por exemplo, este texto do xará Maroldi, ou este outro do Luis Eduardo Matta). Iniciativas para resolver esse beco quase sem saída existem aos montes, mas ainda não são suficientes. De qualquer forma, projetos como o Casa Verde de Porto Alegre merecem aplausos. Formado oficialmente em junho de 2004, reúne hoje oito escritores com o objetivo de escrever e publicar. Senão pelas vias "normais", que seja pelas alternativas. Caco Belmonte, Christina Dias, Filipe Bortolini, Flávio Ilha, Laís Chaffe, Luciana Veiga, Luiz Paulo Faccioli e Marcelo Spalding criaram selo próprio e se aventuram pelos meandros editoriais. O resultado ficou muito bom: é o livro Fatais (2005, Casa Verde, 126 páginas).

São vinte contos em que a inquietação, a dor e o pessimismo são presenças marcantes. Talvez essas pequenas histórias reflitam, de certa maneira, o próprio pensamento dos autores em sua função de escritores em busca do melhor, batendo de frente com muros às vezes intransponíveis e tendo que vencer na marra. Não deve ser à toa que a maioria dos contos no livro seja escritos em primeira pessoa. Algo de auto-identificação está ali. Claro que, assim como no cinema, a literatura permite extravasar sentimentos, ir além do que a realidade e suas convenções nos permitiriam. Assim, crimes, traições, maldades, tudo permeia a antologia reunida em Fatais.

O livro é enriquecido pela visão distinta de cada autor para o que conta. Se Caco Belmonte se expressa por historietas rápidas, cuja resolução nos pega de surpresa mas já estava implícita desde o começo, Flávio Ilha gasta 14 páginas para contar como a própria arte da escrita pode ser enganadora e manipulativa. Alguns, como Filipe Bortolini, usam a narrativa policial para falar do acaso e das tragédias cotidianas; outros, como Christina Dias, vão fundo no coração dos personagens, lembrando a introspecção tão bem delineada na literatura de Clarice Lispector; ou Laís Chaffe ou Luciana Veiga, que tematizam a família e as relações tempestuosas e ao mesmo tempo singelas e doces de seus membros. E há ainda Luiz Paulo Faccioli, que lida diretamente com a morte. Todos talentosos, com passagens por oficinas literárias e boa formação acadêmica. Provavelmente são capazes de terem publicados seus trabalhos. Não tendo oportunidades, decidiram andar sozinhos. Num universo tão mesquinho que é o mercado literário atual, provavelmente esta é a solução para quem não abre mão de escrever, este grande "prazer? mania? necessidade? maldição?", nas palavras de Laís Chaffe.

Para ir além






Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 20/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sinédoque São Paulo de Duanne Ribeiro
02. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
03. O primeiro e pior emprego de Marta Barcellos
04. A difícil arte de saber mais um pouco de Ana Elisa Ribeiro
05. 'Um Conto Chinês' e o absurdo da vida de Carina Destempero


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/6/2005
19h46min
Marcelo, também tive a chance de estar em Cataguases e percebi como um festival grande se encaixa perfeitamente em uma cidade tão pequena, fisicamente. A grandiosidade de Cataguases está em cada canto que olhamos, onde sempre tem uma luz a iluminar alguma obra de Portinari, por exemplo. Talvez, em uma outra cidade, não dariam luz para obras tão importantes, mas o povo de lá sabe o quanto é importante resgatar sua história tão cheia de cultura. E não poderia deixar passar o nome da fundação onde foram realizadas as principais cerimônias do evento: Fundação Humberto Mauro. Mesmo os que nunca tiveram a curiosidade de saber quem ele era, neste festival teve a chance de conhecer um homem tão importante para a cidade. Cataguases está de parabéns, porque levou o cinema para pessoas que ainda o consideram coisa de elite ou inacessível. Os ingressos esgotados quase todos os dias, ainda pela manhã, são um exemplo disso. Parabéns pelo texto que está tão delicado e sensível quanto o festival.
[Leia outros Comentários de Flávia Medeiros Coca]
21/6/2005
11h35min
Como boa conhecedora de minha terra, acredito que não poderiam ter escolhido melhor palco que Cataguases para este espetáculo em reunião de culturas, que foi o Cineport. Não pude estar presente ao evento, mas imagino a sua grandiosidade não somente em proporções - como foi escrito acima pelo nosso fiel colunista, Marcelo Miranda - mas também em despertar, em todos os povos presentes, um encanto ainda maior pela sétima arte!
[Leia outros Comentários de Maurícia Medeiros Co]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AÍDA
GIUSEPPE VERDI
FTD
(2012)
R$ 35,50



A FÊMEA DA ESPÉCIE
JOYCE CAROL OATES
RECORD
(2008)
R$ 19,00



ALEGRIA, ALEGRIA - CAETANO VELOSO (LITERATURA-MÚSICA BRASILEIRA)
CAETANO VELOSO
PEDRA Q RONCA
(1977)
R$ 120,00



DIETA NOTA 10 - COMER E EMAGRECER É MAIS SIMPLES DO QUE VOCÊ IMAGINA
DR. GUILHERME DE AZEVEDO RIBEIRO
BERTRAND BRASIL
(2006)
R$ 14,42



CADEIRAS PROIBIDAS - 5ª EDIÇÃO
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1988)
R$ 4,90



TODOS OS FOGOS, O FOGO
JULIO CORTÁZAR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1984)
R$ 15,00



DISCOVERING WINE HARDCOVER
JOANNA SIMON
MITCHELL BEAZLEY
(2018)
R$ 50,00



5º CAVALEIRO
JAMES PATTERSON
ARQUEIRO
(2011)
R$ 6,00



ROUSSEAU - COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1978)
R$ 20,94



A PORTEIRA DO MUNDO
HERMILO BORBA FILHO
MERCADO ABERTO
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
56501 visitas/dia
1,0 milhão/mês