Da música eletrônica ao romance egípcio | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
53050 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 22/6/2004
Da música eletrônica ao romance egípcio
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 3600 Acessos

À época do lançamento do disco Mutations, em 1997, o cantor e compositor norte-americano Beck sugeriu que os estilos musicais já haviam sido todos criados. Nesse cenário, restaria aos artistas, de um modo geral, fazer variações com misturas e referências tão ecléticas quanto inusitadas. (Beck, por exemplo, tem uma canção chamada "Tropicália" que mescla a bossa nova com os samplers eletrônicos). No Brasil, a música eletrônica, o novo enfant gaté do cenário pop, tem feito coro ao discurso de Beck. Em muitos casos, tem ido além. Mais do que utilizar samplers e referências da MPB dos anos 60 e 70, a nova onda que ora aparece é a auto-referência. É o caso do álbum Trama DB Sessions, by DJ Patife e Mad Zoo (tomara que Ariano Suassuna não leia o nome do disco tampouco a alcunha dos autores). Ao que parece, o objetivo é, como se podia esperar, casar nossa música com a diversidade rítmica sedutora do estrangeiro. No entanto, a sensação que o ouvinte tem é que muito já se conhece desse enlace e, para o bem e para o mal, não se pode esperar muito dele daqui para frente.

Isso se deve ao fato de que muito do que consta no disco - apesar do tom de ineditismo da parceria - não avança no que se refere à experimentação de estilos e ritmos. A impressão que se tem, aliás, é de que já ouvimos essa fórmula alguma vez, ainda que sejamos incapazes de dizer quando. Exemplo disso são as faixas que contam com a participação especial de Fernanda Porto, como "Amor errado", "Sambassim" e "Tudo de bom".

Evidentemente, os amantes deste gênero não vão notar nesse detalhe uma desvantagem, uma perda. Pelo contrário. O fato dessas Sessions soarem conhecidas faz com que o público adepto do D&B reafirme a sua opção cativa pelo estilo. E as "batidas" de "Noite do prazer" e "Sem pensar" se encaixam perfeitamente nessa linha. Ressalte-se, contudo, que foi justamente a ruptura - em algum momento, lá atrás - a partícula fundamental para que essa mescla de gêneros se tornasse cool. Ao "remixar" o repertório já trabalhado, Patife e Mad Zoo pecam pela falta da mesma ousadia que os alçaram à Europa como figuras célebres no campo da música eletrônica.

A batalha de Tebas de Nagib Mahfuz

A lista de laureados com o Prêmio Nobel de Literatura é tão diversa quanto extensa. Nem todos concordam com os vencedores - o que é, de certa forma, natural. Há, inclusive, quem diga que a premiação se deve à influência política em detrimento do juízo estético deste ou daquele escritor (isso explicaria, por exemplo, a vitória de Sir Winston Churchill em 1953, bem como a do escritor russo Alexsander Soljenítsin, em 1970). Com efeito, o fato é que graças a notoriedade de um Prêmio desse porte muita gente trava contato não somente com autores e narrativas até então desconhecidas, como também com culturas que, de uma forma geral, estão fora da realidade de boa parte dos leitores comuns. Vencedor do Prêmio Nobel em 1988, o escritor egípcio Nagib Mahfuz é um bom exemplo disso. Em A batalha de Tebas, publicado originalmente em 1944 e que agora sai pela editora Record, o romancista consegue aliar o que há de melhor nas descrições dos costumes de uma cultura às discussões que são universais no âmbito da literatura.

No final do Médio Império, o Egito Antigo (dos quinhentos anos) esteve sob o domínio dos hicsos, cuja principal característica era a violência com a qual se instalou durante três dinastias na capital Mênfis. A história do romance versa sobre esse período conturbado na região. Na primeira parte, narra as circunstâncias da morte do faraó Sekenen-rá e a tomada de poder de Tebas pelos hicsos. Já na segunda, passados dez anos, aborda a vingança planejada pelos descendentes de Sekenen-rá. Depois, no desfecho, descreve a batalha final de Ahmus, herdeiro e vingador da morte de Sekenen-rá, contra os usurpadores hicsos. Em que pese a perspectiva histórica e religiosa, a obra é um clássico romance de aventura, cujos heróis e vilões têm seus perfis registrados, assim como o cenário onde a ação se desenvolve - neste caso, as cidades que servem como campos de batalha - é desenhado pela contundente e precisa escrita do autor egípcio.

Desse modo, são descritos, inicialmente, os acontecimentos que antecedem o "golpe de Estado". Desde a visita do porta-voz dos hicsos até o conflito propriamente dito. Nota-se, a partir disso, como os detalhes são amarrados para que exista a compreensão não somente do ocorrido, mas também dos meandros que cercam a tradição dos faraós egípcios. Nesse aspecto, a devoção deste povo pela fé e pelo simbolismo, mais precisamente pelo culto às imagens, fica evidente em algumas passagens: "Meu senhor, certamente o deus Amon não aceitará que se construa, junto ao seu, um templo para Set, o deus do mal; nem que a sua límpida terra se sacie com o sangue dos hipopótamos sagrados; e nem que o guardião de seu reino se despoje de sua coroa, tendo sido ele o primeiro governador do Sul a usá-la por sua ordem. Não, meu senhor, Amon não aprovará isso nunca". A propósito, é curioso observar que uma crítica comum que se seguiu ao livro de Mahfuz foi a de que a obra, talvez por ter detalhado alguns ritos e tradições, se imponha pelo nacionalismo egípcio. Entretanto, faz-se necessário lembrar que esse "nacionalismo" também existe em outros exemplos da literatura universal - tal como A cidade e as serras, de Eça de Queiroz, ou, no século XX, na trilogia do escritor americano William Faulkner O Povoado; A cidade; e A mansão, para citar dois exemplos. Em verdade, a crítica à obra de Mahfuz se dá pelo fato de boa parte dos leitores não enxergar o escritor (e sua obra) longe dos temas que seriam "naturais" a um autor árabe, como as lendas e o misticismo recorrente nas histórias. No entanto, o que se vê é o desenvolvimento de uma narrativa com temas elementares tanto ao interessado ou como ao desinteressado na história dos faraós e dos egípcios em geral.

Tome-se a descrição dos conflitos como exemplo. É certo que muito já se leu sobre esse tipo de narrativa. Ainda assim, Mahfuz explora como ninguém os recursos da linguagem para trazer o ambiente para os olhos do leitor. Como ocorre na morte de Sekenen-rá: "Naquele momento trágico, foi atingido por uma flecha que lhe atravessou o braço, fazendo com que a espada caísse de sua mão trêmula. Muitos soldados da guarda real gritaram: 'Cuidado, senhor, cuidado!' O adversário, porém, fora mais rápido que o aviso, desferindo-lhe um golpe no pescoço com todas as suas forças. (...) Ouviam-se os gritos dos egípcios por todos os lados: 'O rei está caído...Lutem por nosso rei'". Em outra passagem, nota-se a bela articulação entre a descrição da atmosfera e o caráter das personagens: "Deparou-se com um rosto que reunia beleza e orgulho, pois manifestava sedução e inspirava reverência. Seus olhos azuis denotavam superioridade e determinação. Ela não fez caso da saudação; ficou olhando o lugar onde estava o anão e perguntou com voz melodiosa, encantando os ouvidos de quem escutava".

Em certa medida, A batalha de Tebas também pode ser lido como uma interpretação da rica História do Egito, que, apesar de muito explorada em documentários, ainda possui seus detalhes escondidos do grande público, assim como a literatura moderna daquele país. Nesse sentido, a obra de Nagib Mahfuz - que tem outros livros publicados no Brasil (O Beco do Pilão, O jogo do destino) - é uma grande porta de entrada.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 22/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad de Duanne Ribeiro
02. WikiLeaks, o melhor de 2010 de Vicente Escudero
03. Seleção, que sufoco de Adriana Baggio
04. Palácio dos sabores 1/5 de Elisa Andrade Buzzo
05. A Pérola de Galileu de Arcano9


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA GOUVERNANTE FRANÇAISE
HENRI TROYAT
FLAMMARION
(1989)
R$ 37,28



A REPÚBLICA DOS ARGONAUTAS
ANNA FLORA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 15,00



THE SLEEPING RIVER - COL. BRAZILLIAN LEGENDS SERIES
STEVE AND MARIA YOLEN
FTD
(1988)
R$ 7,00



A CRIANÇA EM DESENVOLVIMENTO
HELEN BEE
HARBRA
(1977)
R$ 11,80



O DIA DO REI DRAGÃO
MARY POPE OSBORNE
FAROL LITERÁRIO
(2013)
R$ 5,00



O MAGO
FERNANDO MORAIS
PLANETA
(2008)
R$ 50,00
+ frete grátis



A MONTANHA PARTIDA
ODETTE DE BARROS MOTT
BRASILIENSE
(1984)
R$ 36,65
+ frete grátis



CRIMES DE SONEGAÇÃO FISCAL
CLÁUDIO COSTA
REVAN
(2003)
R$ 18,00



ASCENÇÃO E QUEDA DO IMPÉRIO AMERICANO
NILSON ARAÚJO DE SOUZA
MANDACARU
(2001)
R$ 9,90



AO SUL DO SAARA
ATTILIO GATTI
MELHORAMENTOS
R$ 6,90





busca | avançada
53050 visitas/dia
1,8 milhão/mês