Da música eletrônica ao romance egípcio | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arte, cultura e democracia
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Casimiro de Brito
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Só uma descrição
>>> 7 de Agosto #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Almanaque Wicca 2006 de N/a pela Pensamento (2019)
>>> Data Science do Zero - primeiras regras com python de Joel Grus pela Alta Books (2016)
>>> Python para Análise de Dados - tratamento de dados com pandas, numpy e ipython de Wes McKinney pela O'Reilly (2018)
>>> A História de The Zondervan Corporation pela Sextante (2012)
>>> Em Guarda de William Lane Craig pela Companhia das Letras (2011)
>>> A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy de Lawrence Sterne pela Companhia das Letras (1998)
>>> The Book of Genesis de Robert Crumb pela W. W. Norton & Company (2009)
>>> Armada de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Jogador Número 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Senhorita Christina de Mircea Eliade pela Alaúde (2011)
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração - Edição Compacta de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Drácula de Bram Stoker; Becky Cloonan pela HarperCollins (2012)
>>> La Misere du Monde de Bourdieu, Pierre pela Seuil (1993)
>>> O Poder Americano e os Novos Mandarins de Noam Chomsky pela Record (2006)
>>> O Banqueiro do Mundo - Lições de Liderança do Diplomata das Finanças Globais de William R. Rhodes pela GloboLivros (2012)
>>> O Sinal - O Santo Sudário e o Segredo da Ressurreição de Thomas de Wesselow pela Paralela (2012)
>>> Conectado - O Que a Internet fez com Você e o Que Você Pode Fazer Com Ela de Juliano Spyer pela Zahar (2007)
>>> Economia nua e crua - O Que é, Para que Serve, Como Funciona de Charles Wheelan pela Zahar (2014)
>>> A Era do Inconcebível - a Desordem do Mundo Não Deixa de nos Surpreender de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Letras (2010)
>>> A sacada - Como empreendedores Inteligentes Superam Desafios de Norm Brodsky e Bo Burlingham pela Best Business (2009)
>>> Blowback - Os custos e as consequências do império americano de Chalmers Johnson pela Record (2007)
>>> Um breve história do século xx de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2008)
>>> A Virada - O CEO que Ergueu os Negócios na AT&T e GM de Ed Whitacre e Leslie Cauley pela Elsevier (2013)
>>> A Doutrina dos 20% de Ryan Tate pela Elsevier (2012)
>>> Descubra o Seu Economista Interior de Tyler Cowen pela Record (2009)
>>> A Crise e Seus Efeitos - As Culturas Econômicas da Mudança de Manuel Castells, Gustavo Cardoso, João Caraça pela Paz e Terra (2013)
>>> Surtando em Wall Street - Memórias de um operador do Lehman Brothers de Jared Dillian pela Zahar (2014)
>>> Java Como Programar 6º Edição de Paul Deitel e Harvey Deitel pela Pearson Prentice Hall (2007)
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios de Karan Girotra e Seguei Netessine pela Elsevier (2014)
>>> Código de Processo Civil Anotado... Atual. Até a Lei N. 10. 444, De... de Sálvio de Figueiredo Teixeira/Min. STJ/STE/ Autografado pela Saraiva (2003)
>>> Para Viver em Paz. O Milagre da Mente Alerta de Thich Nhat Hanh pela Vozes (1985)
>>> Uma Paixão no Deserto de Honoré de Balzac pela Paulinas (1988)
>>> Direito Penal - Volume 1/ Encadernado de Giuseppe Bettiol pela Revista dos Tribunais (1966)
>>> Bicho-do-mato de Martha Azevedo Pannunzio pela José Olimpio (1985)
>>> O jogo do bicho como jogar e ganhar de Gehisa Saldanha pela Ediouro (1986)
>>> Contos da Carochinha (Biblioteca Infantil- 11 Volumes Encadernados) de Figueiredo Pimental (e Colaboradores) pela Livr. Quaresma/ RJ. (1956)
>>> 30 anos à frente do Museu Lasar Segall de Mauricio Segall pela Museu Lasar Segall (2001)
>>> Da Prescrição Penal de Antonio Rodríguez Porto pela José Bushatsjy (1977)
>>> Cuerpo Del Derecho Civil de Bartolomé Rodriguez de Fonseca pela Tip.de Narciso Ramirez Y.C (1874)
>>> Freakonomics. O Lado Oculto E Inesperado De Tudo Que Nos Afeta de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner pela Campus (2007)
>>> A Semântica de Pierre Giraud pela Difel (1975)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene pela Rocco (2000)
>>> Convenções da Oit de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2009)
>>> Manual de Português- 3ª e 4ª Séries (ginasiais) de Celso Cunha pela Livr. São José/ RJ. (1964)
>>> As Nulidades no Direito do Trabalho de Ari Pedro Lorenzetti pela Ltr (2008)
>>> O Sucesso Segundo DEUS de Antônio Carlos Costa pela Pórtico (2016)
>>> O Que É Correto: A Verdade na Analise... (Num. Autenticado) de Dr. Candido Lago pela Typographia Am. / RJ. (1932)
>>> Projetos Culturais - técnicas de modelagem de Hermano Roberto Thiry-Cherques pela FGV (2008)
>>> Dama de Copas de Cecília Costa pela Record/ RJ. (2003)
>>> Guinada de Cecília Vasconcellos pela Record/ RJ. (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 22/6/2004
Da música eletrônica ao romance egípcio
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 3500 Acessos

À época do lançamento do disco Mutations, em 1997, o cantor e compositor norte-americano Beck sugeriu que os estilos musicais já haviam sido todos criados. Nesse cenário, restaria aos artistas, de um modo geral, fazer variações com misturas e referências tão ecléticas quanto inusitadas. (Beck, por exemplo, tem uma canção chamada "Tropicália" que mescla a bossa nova com os samplers eletrônicos). No Brasil, a música eletrônica, o novo enfant gaté do cenário pop, tem feito coro ao discurso de Beck. Em muitos casos, tem ido além. Mais do que utilizar samplers e referências da MPB dos anos 60 e 70, a nova onda que ora aparece é a auto-referência. É o caso do álbum Trama DB Sessions, by DJ Patife e Mad Zoo (tomara que Ariano Suassuna não leia o nome do disco tampouco a alcunha dos autores). Ao que parece, o objetivo é, como se podia esperar, casar nossa música com a diversidade rítmica sedutora do estrangeiro. No entanto, a sensação que o ouvinte tem é que muito já se conhece desse enlace e, para o bem e para o mal, não se pode esperar muito dele daqui para frente.

Isso se deve ao fato de que muito do que consta no disco - apesar do tom de ineditismo da parceria - não avança no que se refere à experimentação de estilos e ritmos. A impressão que se tem, aliás, é de que já ouvimos essa fórmula alguma vez, ainda que sejamos incapazes de dizer quando. Exemplo disso são as faixas que contam com a participação especial de Fernanda Porto, como "Amor errado", "Sambassim" e "Tudo de bom".

Evidentemente, os amantes deste gênero não vão notar nesse detalhe uma desvantagem, uma perda. Pelo contrário. O fato dessas Sessions soarem conhecidas faz com que o público adepto do D&B reafirme a sua opção cativa pelo estilo. E as "batidas" de "Noite do prazer" e "Sem pensar" se encaixam perfeitamente nessa linha. Ressalte-se, contudo, que foi justamente a ruptura - em algum momento, lá atrás - a partícula fundamental para que essa mescla de gêneros se tornasse cool. Ao "remixar" o repertório já trabalhado, Patife e Mad Zoo pecam pela falta da mesma ousadia que os alçaram à Europa como figuras célebres no campo da música eletrônica.

A batalha de Tebas de Nagib Mahfuz

A lista de laureados com o Prêmio Nobel de Literatura é tão diversa quanto extensa. Nem todos concordam com os vencedores - o que é, de certa forma, natural. Há, inclusive, quem diga que a premiação se deve à influência política em detrimento do juízo estético deste ou daquele escritor (isso explicaria, por exemplo, a vitória de Sir Winston Churchill em 1953, bem como a do escritor russo Alexsander Soljenítsin, em 1970). Com efeito, o fato é que graças a notoriedade de um Prêmio desse porte muita gente trava contato não somente com autores e narrativas até então desconhecidas, como também com culturas que, de uma forma geral, estão fora da realidade de boa parte dos leitores comuns. Vencedor do Prêmio Nobel em 1988, o escritor egípcio Nagib Mahfuz é um bom exemplo disso. Em A batalha de Tebas, publicado originalmente em 1944 e que agora sai pela editora Record, o romancista consegue aliar o que há de melhor nas descrições dos costumes de uma cultura às discussões que são universais no âmbito da literatura.

No final do Médio Império, o Egito Antigo (dos quinhentos anos) esteve sob o domínio dos hicsos, cuja principal característica era a violência com a qual se instalou durante três dinastias na capital Mênfis. A história do romance versa sobre esse período conturbado na região. Na primeira parte, narra as circunstâncias da morte do faraó Sekenen-rá e a tomada de poder de Tebas pelos hicsos. Já na segunda, passados dez anos, aborda a vingança planejada pelos descendentes de Sekenen-rá. Depois, no desfecho, descreve a batalha final de Ahmus, herdeiro e vingador da morte de Sekenen-rá, contra os usurpadores hicsos. Em que pese a perspectiva histórica e religiosa, a obra é um clássico romance de aventura, cujos heróis e vilões têm seus perfis registrados, assim como o cenário onde a ação se desenvolve - neste caso, as cidades que servem como campos de batalha - é desenhado pela contundente e precisa escrita do autor egípcio.

Desse modo, são descritos, inicialmente, os acontecimentos que antecedem o "golpe de Estado". Desde a visita do porta-voz dos hicsos até o conflito propriamente dito. Nota-se, a partir disso, como os detalhes são amarrados para que exista a compreensão não somente do ocorrido, mas também dos meandros que cercam a tradição dos faraós egípcios. Nesse aspecto, a devoção deste povo pela fé e pelo simbolismo, mais precisamente pelo culto às imagens, fica evidente em algumas passagens: "Meu senhor, certamente o deus Amon não aceitará que se construa, junto ao seu, um templo para Set, o deus do mal; nem que a sua límpida terra se sacie com o sangue dos hipopótamos sagrados; e nem que o guardião de seu reino se despoje de sua coroa, tendo sido ele o primeiro governador do Sul a usá-la por sua ordem. Não, meu senhor, Amon não aprovará isso nunca". A propósito, é curioso observar que uma crítica comum que se seguiu ao livro de Mahfuz foi a de que a obra, talvez por ter detalhado alguns ritos e tradições, se imponha pelo nacionalismo egípcio. Entretanto, faz-se necessário lembrar que esse "nacionalismo" também existe em outros exemplos da literatura universal - tal como A cidade e as serras, de Eça de Queiroz, ou, no século XX, na trilogia do escritor americano William Faulkner O Povoado; A cidade; e A mansão, para citar dois exemplos. Em verdade, a crítica à obra de Mahfuz se dá pelo fato de boa parte dos leitores não enxergar o escritor (e sua obra) longe dos temas que seriam "naturais" a um autor árabe, como as lendas e o misticismo recorrente nas histórias. No entanto, o que se vê é o desenvolvimento de uma narrativa com temas elementares tanto ao interessado ou como ao desinteressado na história dos faraós e dos egípcios em geral.

Tome-se a descrição dos conflitos como exemplo. É certo que muito já se leu sobre esse tipo de narrativa. Ainda assim, Mahfuz explora como ninguém os recursos da linguagem para trazer o ambiente para os olhos do leitor. Como ocorre na morte de Sekenen-rá: "Naquele momento trágico, foi atingido por uma flecha que lhe atravessou o braço, fazendo com que a espada caísse de sua mão trêmula. Muitos soldados da guarda real gritaram: 'Cuidado, senhor, cuidado!' O adversário, porém, fora mais rápido que o aviso, desferindo-lhe um golpe no pescoço com todas as suas forças. (...) Ouviam-se os gritos dos egípcios por todos os lados: 'O rei está caído...Lutem por nosso rei'". Em outra passagem, nota-se a bela articulação entre a descrição da atmosfera e o caráter das personagens: "Deparou-se com um rosto que reunia beleza e orgulho, pois manifestava sedução e inspirava reverência. Seus olhos azuis denotavam superioridade e determinação. Ela não fez caso da saudação; ficou olhando o lugar onde estava o anão e perguntou com voz melodiosa, encantando os ouvidos de quem escutava".

Em certa medida, A batalha de Tebas também pode ser lido como uma interpretação da rica História do Egito, que, apesar de muito explorada em documentários, ainda possui seus detalhes escondidos do grande público, assim como a literatura moderna daquele país. Nesse sentido, a obra de Nagib Mahfuz - que tem outros livros publicados no Brasil (O Beco do Pilão, O jogo do destino) - é uma grande porta de entrada.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 22/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Impressões de Marta Barcellos
02. Letras de Pilar Fazito
03. O óbvio ululante da crônica esportiva de Luiz Rebinski Junior
04. Ligações e contas perigosas de Ana Elisa Ribeiro
05. A simplicidade do humano em Pantanal de Taís Kerche


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DO VALOR DA CAUSA E SUA IMPUGNAÇÃO
LUIZ CLAUDIO AMERISE SPOLIDORO
LEJUS
(1997)
R$ 5,00



MEMORIAS REVISITADAS: O INSTITUTO AGGEU MAGALHAES NA VIDA DE SEUS
ANTONIO TORRES MONTENEGRO E TANIA FERNANDES
FIOCRUZ
(1997)
R$ 17,82



TURISMO IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS
AMALIA INES G. DE LEMOS
HUCITEC
(1996)
R$ 10,00



A SOCIOLOGIA DA VIDA ECONÔMICA
NEIL J. SMELSER
BIBLIOTECA PIONEIRA
R$ 11,00



ANTOLOGIA - AMOR ENTRE LETRAS
VÁRIOS AUTORES
ALL PRINT
(2011)
R$ 8,30



AS AVENTURAS DE ALENCAR ALMEIDA
GUILHERME AZEVEDO
V
(2005)
R$ 4,20



A SEMÂNTICA DE DAVIDSON
JONATAN HENRIQUE PINHO BONFIM
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CASE SOLARI LOCALI
PETER VAN DRESSER
FRANCO MUZZIO & C
(1979)
R$ 20,00



MENINO ANTIGO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
JOSÉ OLYMPIO
(1974)
R$ 10,00



GUIA INTERNET DE CONECTIVIDADE
CYCLADES BRASIL
CYCLADES
(1996)
R$ 4,00





busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês