O silêncio de nosso tempo | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 8/12/2009
O silêncio de nosso tempo
Guilherme Diniz

+ de 3500 Acessos

Penso eu que, musicalmente, nossa época seja marcada por profundo vazio estético. Se por um lado a tecnologia foi capaz de nos proporcionar fácil acesso aos mais variados estilos e compositores, nem por isso a música determina ou influi decisivamente no modo como nós, ouvintes e consumidores, pensamos o mundo; ou seja, antes que ela ocupe lugar de destaque em nossas vidas, pouco ou quase nada sabemos identificar na nossa visão de mundo o que por ela se deixou influenciar.

Em vez dela cumprir papel de preponderância nesse processo de formação e entendimento, parece que a música apenas preenche espaços vazios criados artificialmente por nossa inaptidão de entender o universo do qual fazemos parte. E essa contradição não se resume apenas à composição musical como manifestação específica da arte enquanto gênero, mas arte considerada em si mesma, como realização da vida humana.

Essa crise, antes de se projetar como manifestação artística, existe como reflexo da perda da identidade do homem como construção social. No fantástico livro O Discurso dos Sons, o musicólogo alemão Nikolaus Harnoncourt procura traçar as raízes dessa metodologia, onde toda dimensão musical, elaborada necessariamente para refletir valores, ideias, idiossincrasias e contradições de um momento histórico, se vê transformada em mera peça ornamental, uma simples mercadoria.

Mas como dito, essa contradição não existe apenas enquanto fenômeno musical. Na pintura, nas artes plásticas em geral, por exemplo, ocorre algo semelhante. Em vez de procurarmos a arte como condicionamento histórico, reino onde essas contradições do mundo real são aclaradas e potencializadas, procuramos nos refugiar em obras artísticas onde esse poder de síntese já se encontra diluído. E por uma razão muito simples: como as nossas condições históricas daquelas se diferem, fica fácil assimilá-las, pois que em nada nos perturba.

E esse descompasso propõe, ao que parece, servir à perpetuação de um estilo artístico moderno de caráter conservador, na medida em que ele tenta resgatar e se influenciar pelas obras antigas. Contudo, se aquelas são belas na medida em que hoje não nos incomoda e não nos empurra a maiores questionamentos, a criação moderna, ao pretender unicamente o belo, nega justamente a função de uma obra de arte: abarcar, de forma aprimorada, aquilo que nos determina como frutos de certas predisposições sociais, econômicas e materiais, enfim, um modo de produção.

Para Nikolaus Harnoncourt, "depois que a música deixou de ser o centro de nossa vida, tudo mudou de figura; como ornamento, ela tem que ser antes de tudo bela. Não deve, de forma alguma, perturbar ou assustar". Porém, como ele mesmo ressalta, isso é definitivamente impossível. Como ela se projeta como reflexo de nossa vida espiritual, quer dizer, do momento presente, essa confrontação é inevitável.

Em sentido diverso, essa questão parece nos remeter a outra celeuma mais antiga, a de estabelecer qual seria a arte mais verdadeira ou autêntica. Nesse campo, duas posições logo se formaram. De um lado, aqueles que pretendiam uma arte pura, que conhecemos sob o lema parnasiano de "arte pela arte". Aqui ela se basta enquanto tal, um objeto a aprimorar um fim em si mesmo, configurado a não querer ― nem dever ― um objetivo que não aquele que vise sua própria perfeição.

Do outro, uns que pretendiam explicar as relações estéticas como julgamentos de manifestações da vida, para utilizarmos aqui uma conhecida expressão do crítico literário russo Tchernychevsky. O fato é que Plekanov ― no seu livro A Arte e a Vida Social ― tinha razão ao escrever que "a tendência à arte pela arte aparece onde existe um desacordo entre os artistas e o meio social que os cerca". O seu exemplo, voltado especificadamente para a literatura, pode muito bem ser estendido para o campo musical.

A prova disso pode ser encontrada quando observamos a forma com que atualmente a música é executada, onde as composições são transportadas para o presente ou são executadas como se estivessem sob olhar daqueles que a conceberam. A primeira concepção, como ressalta Harnoncourt, "é mais natural e comum às épocas em que há uma música contemporânea realmente viva". Não sem razão, é a opção escolhida pelos grandes musicistas e intérpretes.

O que importa aí é reconhecer que a assimilação dessa música, ao progredir no tempo, faz com que a forma de compreendê-la varie naturalmente conforme ulteriores composições tomem posições mais acertadas do que ela em relação a determinado momento histórico, fazendo com que aquela antiga composição rapidamente não mais corresponda a outra coisa que não uma amostra das forças que existiam no passado.

Assim, se crítica presente nesse trabalho permanece válida naquilo que lhe é essencial, sua substância, interpretá-la de acordo com o tempo de execução pode resgatar esse aspecto sem que com isso ela seja descaracterizada enquanto tal. Isso, contudo, não retira o valor de uma composição. Mozart, Wagner e Beethoven, por exemplo, não deixam de ser os grandes compositores que são porque não podemos compreender suas músicas da forma como o tempo deles a compreendia.

Esse tema está além dessa discussão; a questão é saber em que medida a arte, nesse caso a música, influi decisivamente em nossas vidas, e por que isso está a deixar de acontecer. De modo contrário, uma forma mais moderna de entender a música foi estabelecida, que é a de recriá-la conforme o tempo de sua concepção. Diversamente da outra interpretação, esta demonstra claramente a inexistência de uma música moderna. Faz ver, a olhos vistos, a ausência de uma identidade musical própria e autêntica.

O problema é saber, então, a quem interessa esse afastamento antinatural do homem em relação à música, quer dizer, do homem com sua própria historicidade e capacidade de compreender e transformar o mundo ― cui bono? Afinal, se Nietzsche acertou ao dizer que a vida só se justifica enquanto fenômeno estético, uma vida onde ela se encontra ausente não se justifica de forma alguma.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, O Rinoceronte Voador.


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 8/12/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
04. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
05. Nova Gramática do Poder de Marilia Mota Silva


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CLAVÍCULA DE SALOMÃO - 1ª EDIÇÃO
IRENE LIBER
PALLAS
(2004)
R$ 47,70



LIVRO DE JOGOS
UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL
ESCOTEIRA
(1980)
R$ 45,00
+ frete grátis



OS SETE MINUTOS
IRVING WALLACE
RIOGRÁFICA
(1986)
R$ 9,09



COMO ORGANIZAR A NOSSA RÚSSIA - ALEXANDRE SOLJENITSIN (LITERATURA RUSSA)
ALEXANDRE SOLJENITSIN
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 15,00



ESAÚ E JACÓ 2
MACHADO DE ASSIS
CLUBE DO LIVRO
(1956)
R$ 5,00



FOME DE PÃO E DE BELEZA
FREI BETTO
SICILIANO
R$ 19,90
+ frete grátis



ASSÉDIO SEXUAL NA EMPRESA; IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO CIVIL SOBRE O
REVISTA DO TRTEEMATRA: ANO 4 NÚMERO 5
AMÉRICA JURÍDICA (RJ)
(2000)
R$ 30,28



CONTOS ORIENTAIS
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 25,00



JULGADOS DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA
LUCILVA PEREIRA DA SILVA
EDIPRO
(1993)
R$ 17,00



NA LUZ DO EVANGELHO
SEBASTIÃO ANSELMO - PELO ESPÍRITO TETSUE
PETIT
(1993)
R$ 5,00





busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês