O silêncio de nosso tempo | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Terça-feira, 8/12/2009
O silêncio de nosso tempo
Guilherme Diniz

+ de 4000 Acessos

Penso eu que, musicalmente, nossa época seja marcada por profundo vazio estético. Se por um lado a tecnologia foi capaz de nos proporcionar fácil acesso aos mais variados estilos e compositores, nem por isso a música determina ou influi decisivamente no modo como nós, ouvintes e consumidores, pensamos o mundo; ou seja, antes que ela ocupe lugar de destaque em nossas vidas, pouco ou quase nada sabemos identificar na nossa visão de mundo o que por ela se deixou influenciar.

Em vez dela cumprir papel de preponderância nesse processo de formação e entendimento, parece que a música apenas preenche espaços vazios criados artificialmente por nossa inaptidão de entender o universo do qual fazemos parte. E essa contradição não se resume apenas à composição musical como manifestação específica da arte enquanto gênero, mas arte considerada em si mesma, como realização da vida humana.

Essa crise, antes de se projetar como manifestação artística, existe como reflexo da perda da identidade do homem como construção social. No fantástico livro O Discurso dos Sons, o musicólogo alemão Nikolaus Harnoncourt procura traçar as raízes dessa metodologia, onde toda dimensão musical, elaborada necessariamente para refletir valores, ideias, idiossincrasias e contradições de um momento histórico, se vê transformada em mera peça ornamental, uma simples mercadoria.

Mas como dito, essa contradição não existe apenas enquanto fenômeno musical. Na pintura, nas artes plásticas em geral, por exemplo, ocorre algo semelhante. Em vez de procurarmos a arte como condicionamento histórico, reino onde essas contradições do mundo real são aclaradas e potencializadas, procuramos nos refugiar em obras artísticas onde esse poder de síntese já se encontra diluído. E por uma razão muito simples: como as nossas condições históricas daquelas se diferem, fica fácil assimilá-las, pois que em nada nos perturba.

E esse descompasso propõe, ao que parece, servir à perpetuação de um estilo artístico moderno de caráter conservador, na medida em que ele tenta resgatar e se influenciar pelas obras antigas. Contudo, se aquelas são belas na medida em que hoje não nos incomoda e não nos empurra a maiores questionamentos, a criação moderna, ao pretender unicamente o belo, nega justamente a função de uma obra de arte: abarcar, de forma aprimorada, aquilo que nos determina como frutos de certas predisposições sociais, econômicas e materiais, enfim, um modo de produção.

Para Nikolaus Harnoncourt, "depois que a música deixou de ser o centro de nossa vida, tudo mudou de figura; como ornamento, ela tem que ser antes de tudo bela. Não deve, de forma alguma, perturbar ou assustar". Porém, como ele mesmo ressalta, isso é definitivamente impossível. Como ela se projeta como reflexo de nossa vida espiritual, quer dizer, do momento presente, essa confrontação é inevitável.

Em sentido diverso, essa questão parece nos remeter a outra celeuma mais antiga, a de estabelecer qual seria a arte mais verdadeira ou autêntica. Nesse campo, duas posições logo se formaram. De um lado, aqueles que pretendiam uma arte pura, que conhecemos sob o lema parnasiano de "arte pela arte". Aqui ela se basta enquanto tal, um objeto a aprimorar um fim em si mesmo, configurado a não querer ― nem dever ― um objetivo que não aquele que vise sua própria perfeição.

Do outro, uns que pretendiam explicar as relações estéticas como julgamentos de manifestações da vida, para utilizarmos aqui uma conhecida expressão do crítico literário russo Tchernychevsky. O fato é que Plekanov ― no seu livro A Arte e a Vida Social ― tinha razão ao escrever que "a tendência à arte pela arte aparece onde existe um desacordo entre os artistas e o meio social que os cerca". O seu exemplo, voltado especificadamente para a literatura, pode muito bem ser estendido para o campo musical.

A prova disso pode ser encontrada quando observamos a forma com que atualmente a música é executada, onde as composições são transportadas para o presente ou são executadas como se estivessem sob olhar daqueles que a conceberam. A primeira concepção, como ressalta Harnoncourt, "é mais natural e comum às épocas em que há uma música contemporânea realmente viva". Não sem razão, é a opção escolhida pelos grandes musicistas e intérpretes.

O que importa aí é reconhecer que a assimilação dessa música, ao progredir no tempo, faz com que a forma de compreendê-la varie naturalmente conforme ulteriores composições tomem posições mais acertadas do que ela em relação a determinado momento histórico, fazendo com que aquela antiga composição rapidamente não mais corresponda a outra coisa que não uma amostra das forças que existiam no passado.

Assim, se crítica presente nesse trabalho permanece válida naquilo que lhe é essencial, sua substância, interpretá-la de acordo com o tempo de execução pode resgatar esse aspecto sem que com isso ela seja descaracterizada enquanto tal. Isso, contudo, não retira o valor de uma composição. Mozart, Wagner e Beethoven, por exemplo, não deixam de ser os grandes compositores que são porque não podemos compreender suas músicas da forma como o tempo deles a compreendia.

Esse tema está além dessa discussão; a questão é saber em que medida a arte, nesse caso a música, influi decisivamente em nossas vidas, e por que isso está a deixar de acontecer. De modo contrário, uma forma mais moderna de entender a música foi estabelecida, que é a de recriá-la conforme o tempo de sua concepção. Diversamente da outra interpretação, esta demonstra claramente a inexistência de uma música moderna. Faz ver, a olhos vistos, a ausência de uma identidade musical própria e autêntica.

O problema é saber, então, a quem interessa esse afastamento antinatural do homem em relação à música, quer dizer, do homem com sua própria historicidade e capacidade de compreender e transformar o mundo ― cui bono? Afinal, se Nietzsche acertou ao dizer que a vida só se justifica enquanto fenômeno estético, uma vida onde ela se encontra ausente não se justifica de forma alguma.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, O Rinoceronte Voador.


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 8/12/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
02. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos de Julio Daio Borges
03. Sobre o caso Idelber Avelar de Julio Daio Borges
04. Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias de Isabella Ypiranga Monteiro
05. O Nobel de Tranströmer de Luiz Rebinski Junior


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês