Apresentação autobiográfica muito solene | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Sociedade e Ambiente: território, desigualdade e vulnerabilidade de Zoraide Souza Pessoa (Org.) pela Livraria da Física (2014)
>>> Elementos de Direito Administrativo de Celso Antonio Bandeira de Mello pela Revista dos Tribunais (1987)
>>> Odisséia de Homero - adaptação: Roberto Lacerda pela Scipione (1997)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> A Outra Face do Poder Judiciário: Decisões Inovadoras ...(Encadernado) de Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka pela Del Rey/ Bhz.: Esc. P. Direito (2005)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Globo (2008)
>>> Administração do Tempo: Um Programa de Autodesenvolvimento de Luiz Augusto Costacurta Junqueira pela Cop Ed. (1992)
>>> O Enigma de Rama de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1991)
>>> Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engels pela Moraes Editores
>>> Sonhos de Robô de Isaac Asimov pela Record (1991)
>>> Verdadeiras Profecias de A.w. tozer pela Clássicos (2001)
>>> O Homem Eterno de G. K. Chesterton pela Mundo Cristão (2010)
>>> O Observador no Escritório de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1985)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
COLUNAS >>> Especial Apresentações

Quarta-feira, 27/8/1975
Apresentação autobiográfica muito solene
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Minha mãe engravidou sem querer, mas já era casada com meu pai. Ambos recém-formados. Ela, assistente social. Ele, médico. Aquela casa com uns ares de consultório, os vizinhos que vinham pedir atestado, as crianças que chegavam de urgência. Meu pai puto porque só apareciam quando os médicos oficiais estavam de férias na praia. Minhas primeiras lições de ética foram ali, escondida atrás da porta do consultório meio improvisado. Os vizinhos pedindo atestado pra não trabalhar, pra não fazer aula de Educação Física. E meu pai, médico sério, rasgando o verbo e dizendo que isso não era com ele, picaretagem dá problema no CRM e ele não mente, jamais. E o vizinho saía meio agressivo, achando que meu pai é que estava errado.

Nasci na madrugada do dia 27 de agosto de 1975. Não sei se era quente ou frio. Provavelmente uma noite dessas temperadas. Fui morar no mesmo bairro em que moram meus avós e em que moro até hoje. E venho repetindo a história familiar, especialmente a das mulheres, faz tempo.

Meu nome é Ana Elisa porque a sorte decidiu assim. Escapei do azar de me chamar Gilca e da sina de ter nome estrangeiro. Ana Elisa saiu no sorteio, depois que meus pais tiraram um papelzinho de uma bacia cheia de nomes piores.

Tenho mais três irmãos, todos mais novos. Fui severa a vida inteira com eles e acho que serei com meu filho. Escuto histórias em discos de vinil colorido desde bebê, quando minha mãe investia na inteligência verbal dos filhos.

A curiosidade pela escrita me veio desde muito cedo, quando ainda inventava garranchos e fingia que lia imensos épicos improvisados pros titios e avós, ainda babões com a primeira sobrinha e neta.

Ganhei muitas coleções de livros infantis, clássicos da literatura oral do mundo inteiro, discos com histórias dramatizadas e via bons programas de tevê. A Xuxa ainda não havia invadido a telinha e a Simony ainda parecia magrinha e frágil.

Dos livros infantis, passei à coleção Vaga-lume. Mais tarde, os clássicos canônicos da estante de minha avó e os livros infanto-juvenis da tia Silvinha. Apesar do colégio, continuei lendo bravamente o que queria e escrevendo páginas e páginas de um diário que um dia minha mãe violou.

A escola me mandava ler. Eu lia. Aprendi cedo a simular boas redações de colégio e a me virar com a linguagem que eu queria sob o teto mais livre da minha casa, onde ninguém vinha me dar notas.

Passei a adolescência inspirada por Émile Zola. Impressionante. E minha avó tinha qualquer preferência por russos e franceses, o que não me fez mal.

Quando pude, passei a comprar meus livros e a cultivar minha pequena biblioteca particular. Queria o conforto de rabiscar, tecer comentários, ler por quanto tempo eu quisesse sem precisar de carimbo de renovação.

Sou gratíssima às bibliotecas públicas de minha cidade, que me deram muitas chances, sendo uma a mais importante: a de conhecer poesia.

Aos 17 anos, já achava que o que eu arriscava escrever era poesia. E jamais m'esquecerei do dia em que li Ana Cristina César e Paulo Leminski pela primeira vez. Foi isso que dividiu minhas águas.

A despeito dos não-leitores de literatura da minha casa, fui galgando a literatura com paixão. E voltei-me para ela até ganhar um concurso do maior jornal dos mineiros, O Estado de Minas.

Aos 19 anos, decidi publicar meu primeiro livro. Bem-acompanhada pela amiga Luciana Tonelli, entrei na Coleção Poesia Orbital, que comemorava com 70 poetas os 100 anos de Belo Horizonte. E então conheci Fabrício Marques e Marcelo Dolabela.

Entrei para a Faculdade de Letras, a despeito dos comentários maldosos que me faziam os bem-sucedidos palpiteiros: faça Direito, faça Medicina. Mas não me abatiam com seus hábitos pouco criativos.

Fiz um puta curso de Letras. Tive pavor das aulas de Literatura da faculdade. Até hoje sinto certo desconforto quando vejo os nomes das disciplinas: O conto, teoria e prática. Ahá.

Mas fiz mestrado em Lingüística. Tornei-me professora e editora. Dou aulas na PUC e na UFMG. Edito livros jurídicos. E às vezes, diante das diferenças de salário e de modus vivendi, até me arrependo de não ter feito Direito. Mas isso ainda não me convence. E os tailleurs bem-arranjadinhos não me movem.

Detesto maquiagem e não gosto de vestidos. Tenho dois coturnos de estimação. Apesar do que parece, não sou e nem nunca fui lésbica. Ando, neste momento, às voltas com uma gravidez que evolui célere para o quarto mês. E o que eu achava improvável, aconteceu: meu "marido" é o escritor fluminense Jorge Rocha, autor desta obra-prima embrionária junto comigo. E não foram exatamente as mãos que usamos para esta produção.

Aos 26 anos, publiquei meu segundo livro, pela editora Ciência do Acidente, junto dum catálogo de feras. Perversa foi meu livro mais cuidado e andou me facilitando bastante a vida. Tenho um novo livro na gaveta, prontinho, mas o parto vai ficar caro, então aguardo por contingência mais adequada para lançá-lo.

Aos 28 anos, tenho uns planos para 2004-05, além dos de trocar fraldas. Continuo lendo muito e trabalhando muitas horas por dia. Escrevo muito porque me parece algo inerente à minha vida. Julio Daio chegou até mim nem sei por quê. Acho que porque tenho um blog na Internet, a Estante de Livros. E desde então nos tornamos amigos e ele me chamou pra escrever no Digestivo.

Já colaborei num monte de jornais impressos e em revistas eletrônicas, mas o Digestivo é o ciberlugar em que mais tenho me exibido. Nem mesmo meu blog vê tanto o ar da minha graça. Também há textos meus na Fraude e na Agência Carta Maior.

Alimento o sonho de que muita gente goste do que eu escrevo. Mas não deixo de dormir por isso. Vou fazendo o que dá e morro de medo de São Paulo espalhar seus tentáculos e engolir o país. Belo Horizonte tem produção cultural rica, mas não tem grana e nem bons secretários de cultura. Mas os escritores e bailarinos e artistas plásticos e músicos são tão bons quanto em qualquer outro lugar.

Advirto o leitor que sou muito insolente por escrito, mas pessoalmente sou uma tímida e quieta mineira de traços mediterrâneos. E sou alérgica a dipirona.

Obs.: A foto aí em cima foi montada pelo Fred Muzzi. Nunca estive em Nova York e odeio viajar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 27/8/1975


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Imitação da Vida e as barreiras da intolerância de Carla Ceres
02. Realidade de Daniel Bushatsky
03. O fim do futebol-arte? de Humberto Pereira da Silva
04. Bafana Bafana: very good futebol e só de Vicente Escudero
05. A vida dos outros de Guilherme Pontes Coelho


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


Mais Especial Apresentações
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2004
21h19min
Bem legal a história da Ana Elisa. Tive o privilégio de ser sua aluna na Pucminas e conhece-la foi a mais grata surpresa ao ingressar na faculdade. Ela "de cara" vai contra toda a visão que possuimos de um professor de lingua portuguesa (produção de texto) que se imagina em uma instituição de ensino superior... Quem dera todos seguissem seu exemplo.
[Leia outros Comentários de Fernanda]
4/7/2004
16h28min
A Ana Elisa foi a melhor professora de Língua Portuguesa que tive na vida! Fui aluno dela no curso de Geografia da PUC-MG no 2º semestre de 2003. Ela é um exemplo de professora que eu queria sempre ter a minha disposição. Abraços!
[Leia outros Comentários de José Antônio Venuto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TIMOR, O NOSSO DEVER FALAR
VÁRIOS AUTORES
APEL
(1999)
R$ 22,11



OCIDENTE X ISLÃ
VOLTAIRE SCHLLING
L&PM
(2006)
R$ 10,00



ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA ARGENTINA E DO BRASIL
JEFERSON LUÍS LOPES GOULARTE, JEFFERSON MARÇAL ROCHA UND ALZIRA ELAINE MELO LEAL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 413,00



O LIVRO DE OURO DA MITOLOGIA - HISTÓRIAS DE DEUSES E HERÓIS
THOMAS BULFINCH
EDIOURO
(2006)
R$ 53,91



ROTA DOS VENCEDORES
CESAR ROMÃO
ACADEMIA DE INTELIGE
(2009)
R$ 13,90



SOCIOLOGIA SISTEMÁTICA
KARL MANNHEIM
LIVRARIA PIONEIRA
(1962)
R$ 6,00



EM DEFESA DA MEMÓRIA JURÍDICA BANDEIRANTE
ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO
AASP
(2003)
R$ 15,00



PRINCIPIOS DA COMPETICAO EMPRESARIAL
LUPPA,LUIS PAULO
LANDSCAPE EDITORA LTDA-EPP
(2017)
R$ 15,88



MARKETING EM AÇÃO - UMA ABORDAGEM PARA LUCRAR CRESCER E RENOVAR
PHILIP KOTLER - DIPAK C. JAIN - SUVIT MAESINCEE
CAMPUS
(2002)
R$ 9,90



PLURALISMO DE INFORMAÇÃO NOS PALOP
SOPHIE NICK
PRINCIPIA
(2000)
R$ 57,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês