Apresentação autobiográfica muito solene | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Jeanette Rozsas
>>> Mais Kaizen
>>> O Cabotino reloaded
>>> Deleter
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Clínica de Guitarra de Brasil
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Circo Roda Brasil
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Um Ano Para Enriquecer de Napoleon Hill pela Record (1998)
>>> Leituras De Escritor de Moacyr Scliar pela Sm (2015)
>>> Formaciones Económicas Precapitalistas de Carlos Marx pela Anteo (1973)
>>> A Revolução das Bonecas de José Carlos Oliveira pela Sabiá (1967)
>>> Por Que Ninguém Me Disse Isso Antes?: Ferramentas Para Enfrentar Os Altos E Baixos Da Vida de Julie Smith pela Mixfly (2022)
>>> O Positivismo Jurídico: Lições Da Filosofia Do Direito de Norberto Bobbio pela Icone (1995)
>>> O Falecido Mattia Pascal de Luigi Pirandello pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Inovaçao: A Arte De Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua De Papel (2010)
>>> Illustrated Directory Of Guitars de Ray Bonds pela Barnes & Noble (2006)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Amar e Ser Amado de Pierre Weil - Roland Tompakow Ilustrações pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Manual De Introdução Ao Estudo Do Direito de Rizzatto Nunes pela Saraiva (2009)
>>> Maneiras De Amar - Como A Ciencia Do Apego Adulto Pode Ajudar Voce A Encontrar ¿ E Manter ¿ O Amor de Amir Levine pela Sextante (2021)
>>> Guia Atemporal Das Noivas Com Estilo de Carol Hungria pela 3R Studio (2018)
>>> Os Cinco Príncípios Essenciais De Napoleon Hill de Napoleon Hill pela Citadel Press (2022)
>>> Os Dez Mandamentos Da Etica de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> O Quarto Em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Venda À Mente, Não Ao Cliente de Jurgen Klaric pela Planeta Estrategia (2017)
>>> Processo Decisório de Max H. Bazerman pela Elsevier (2004)
>>> O que é leitura de Maria helena martins pela Brasiliense (1982)
>>> Atriz de Mônica de castro pela Vida E Consciencia (2009)
>>> Trilhando a linha do tempo da reforma de Aecep pela Aecep
>>> Reflexões Sobre a Vaidade dos Homens de Matias Aires pela Martins (1966)
>>> Infinitos de John Banville pela Nova Fronteira (2011)
COLUNAS >>> Especial Apresentações

Quarta-feira, 27/8/1975
Apresentação autobiográfica muito solene
Ana Elisa Ribeiro
+ de 9200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Minha mãe engravidou sem querer, mas já era casada com meu pai. Ambos recém-formados. Ela, assistente social. Ele, médico. Aquela casa com uns ares de consultório, os vizinhos que vinham pedir atestado, as crianças que chegavam de urgência. Meu pai puto porque só apareciam quando os médicos oficiais estavam de férias na praia. Minhas primeiras lições de ética foram ali, escondida atrás da porta do consultório meio improvisado. Os vizinhos pedindo atestado pra não trabalhar, pra não fazer aula de Educação Física. E meu pai, médico sério, rasgando o verbo e dizendo que isso não era com ele, picaretagem dá problema no CRM e ele não mente, jamais. E o vizinho saía meio agressivo, achando que meu pai é que estava errado.

Nasci na madrugada do dia 27 de agosto de 1975. Não sei se era quente ou frio. Provavelmente uma noite dessas temperadas. Fui morar no mesmo bairro em que moram meus avós e em que moro até hoje. E venho repetindo a história familiar, especialmente a das mulheres, faz tempo.

Meu nome é Ana Elisa porque a sorte decidiu assim. Escapei do azar de me chamar Gilca e da sina de ter nome estrangeiro. Ana Elisa saiu no sorteio, depois que meus pais tiraram um papelzinho de uma bacia cheia de nomes piores.

Tenho mais três irmãos, todos mais novos. Fui severa a vida inteira com eles e acho que serei com meu filho. Escuto histórias em discos de vinil colorido desde bebê, quando minha mãe investia na inteligência verbal dos filhos.

A curiosidade pela escrita me veio desde muito cedo, quando ainda inventava garranchos e fingia que lia imensos épicos improvisados pros titios e avós, ainda babões com a primeira sobrinha e neta.

Ganhei muitas coleções de livros infantis, clássicos da literatura oral do mundo inteiro, discos com histórias dramatizadas e via bons programas de tevê. A Xuxa ainda não havia invadido a telinha e a Simony ainda parecia magrinha e frágil.

Dos livros infantis, passei à coleção Vaga-lume. Mais tarde, os clássicos canônicos da estante de minha avó e os livros infanto-juvenis da tia Silvinha. Apesar do colégio, continuei lendo bravamente o que queria e escrevendo páginas e páginas de um diário que um dia minha mãe violou.

A escola me mandava ler. Eu lia. Aprendi cedo a simular boas redações de colégio e a me virar com a linguagem que eu queria sob o teto mais livre da minha casa, onde ninguém vinha me dar notas.

Passei a adolescência inspirada por Émile Zola. Impressionante. E minha avó tinha qualquer preferência por russos e franceses, o que não me fez mal.

Quando pude, passei a comprar meus livros e a cultivar minha pequena biblioteca particular. Queria o conforto de rabiscar, tecer comentários, ler por quanto tempo eu quisesse sem precisar de carimbo de renovação.

Sou gratíssima às bibliotecas públicas de minha cidade, que me deram muitas chances, sendo uma a mais importante: a de conhecer poesia.

Aos 17 anos, já achava que o que eu arriscava escrever era poesia. E jamais m'esquecerei do dia em que li Ana Cristina César e Paulo Leminski pela primeira vez. Foi isso que dividiu minhas águas.

A despeito dos não-leitores de literatura da minha casa, fui galgando a literatura com paixão. E voltei-me para ela até ganhar um concurso do maior jornal dos mineiros, O Estado de Minas.

Aos 19 anos, decidi publicar meu primeiro livro. Bem-acompanhada pela amiga Luciana Tonelli, entrei na Coleção Poesia Orbital, que comemorava com 70 poetas os 100 anos de Belo Horizonte. E então conheci Fabrício Marques e Marcelo Dolabela.

Entrei para a Faculdade de Letras, a despeito dos comentários maldosos que me faziam os bem-sucedidos palpiteiros: faça Direito, faça Medicina. Mas não me abatiam com seus hábitos pouco criativos.

Fiz um puta curso de Letras. Tive pavor das aulas de Literatura da faculdade. Até hoje sinto certo desconforto quando vejo os nomes das disciplinas: O conto, teoria e prática. Ahá.

Mas fiz mestrado em Lingüística. Tornei-me professora e editora. Dou aulas na PUC e na UFMG. Edito livros jurídicos. E às vezes, diante das diferenças de salário e de modus vivendi, até me arrependo de não ter feito Direito. Mas isso ainda não me convence. E os tailleurs bem-arranjadinhos não me movem.

Detesto maquiagem e não gosto de vestidos. Tenho dois coturnos de estimação. Apesar do que parece, não sou e nem nunca fui lésbica. Ando, neste momento, às voltas com uma gravidez que evolui célere para o quarto mês. E o que eu achava improvável, aconteceu: meu "marido" é o escritor fluminense Jorge Rocha, autor desta obra-prima embrionária junto comigo. E não foram exatamente as mãos que usamos para esta produção.

Aos 26 anos, publiquei meu segundo livro, pela editora Ciência do Acidente, junto dum catálogo de feras. Perversa foi meu livro mais cuidado e andou me facilitando bastante a vida. Tenho um novo livro na gaveta, prontinho, mas o parto vai ficar caro, então aguardo por contingência mais adequada para lançá-lo.

Aos 28 anos, tenho uns planos para 2004-05, além dos de trocar fraldas. Continuo lendo muito e trabalhando muitas horas por dia. Escrevo muito porque me parece algo inerente à minha vida. Julio Daio chegou até mim nem sei por quê. Acho que porque tenho um blog na Internet, a Estante de Livros. E desde então nos tornamos amigos e ele me chamou pra escrever no Digestivo.

Já colaborei num monte de jornais impressos e em revistas eletrônicas, mas o Digestivo é o ciberlugar em que mais tenho me exibido. Nem mesmo meu blog vê tanto o ar da minha graça. Também há textos meus na Fraude e na Agência Carta Maior.

Alimento o sonho de que muita gente goste do que eu escrevo. Mas não deixo de dormir por isso. Vou fazendo o que dá e morro de medo de São Paulo espalhar seus tentáculos e engolir o país. Belo Horizonte tem produção cultural rica, mas não tem grana e nem bons secretários de cultura. Mas os escritores e bailarinos e artistas plásticos e músicos são tão bons quanto em qualquer outro lugar.

Advirto o leitor que sou muito insolente por escrito, mas pessoalmente sou uma tímida e quieta mineira de traços mediterrâneos. E sou alérgica a dipirona.

Obs.: A foto aí em cima foi montada pelo Fred Muzzi. Nunca estive em Nova York e odeio viajar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 27/8/1975

Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
04. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


Mais Especial Apresentações
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2004
21h19min
Bem legal a história da Ana Elisa. Tive o privilégio de ser sua aluna na Pucminas e conhece-la foi a mais grata surpresa ao ingressar na faculdade. Ela "de cara" vai contra toda a visão que possuimos de um professor de lingua portuguesa (produção de texto) que se imagina em uma instituição de ensino superior... Quem dera todos seguissem seu exemplo.
[Leia outros Comentários de Fernanda]
4/7/2004
16h28min
A Ana Elisa foi a melhor professora de Língua Portuguesa que tive na vida! Fui aluno dela no curso de Geografia da PUC-MG no 2º semestre de 2003. Ela é um exemplo de professora que eu queria sempre ter a minha disposição. Abraços!
[Leia outros Comentários de José Antônio Venuto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jurupari
Francisco Brasileiro
Martins
(1948)



Direito Das Sucessoes
Carlos Roberto Gonçalves
Saraiva
(2002)



Museus do Rio
Neusa Fernandes e Sonia Gomes Pereira
Francisco Alves
(1973)



O que fazer quando a fé parece fraca e a vitória perdida
Kenneth E. Hagin
Graça



Poemas para a amiga e outros dizeres
Helena Parente Cunha
Mulheres
(2014)



100 Dias Em Paris
Tania Carvalho
Ímã
(2013)



Manual do Trabalho Doméstico
Sergio Pinto Martins
Altas
(2002)



Dante Alighieri - o Poeta Filósofo
Carlos E. Zampognaro
Livros Escala
(2011)



Livro Administração Práticas Administrativas Em Escritorio
Eladio Asensi e Outros
Senac Nacional
(2013)



O Negro em Versos
Luiz Carlos dos Santos e outros
Salamandra
(2005)





busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês