Nem morta! | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/9/2020
Nem morta!
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3200 Acessos

E a morte virou tema, na hora do almoço. De repente, era só a hora do lanche, mas o fato é que a morte virou assunto. Talvez porque tenhamos de lidar com ela massacrantemente, nos últimos meses; porque ela tome grande parte do noticiário, dia e noite, embora alguns achem que não é nada demais; talvez porque ela tenha parecido mais próxima, ameaçadora, nas mãos do entregador, na máscara da senhora, na moça do supermercado, no vizinho médico que chega do plantão no elevador. Talvez seja o climão que todo mundo atravessa há meses. As pessoas agora morrem e é preciso pôr um aviso: não foi coronavírus. Ou não.

Lanchávamos ou almoçávamos, quando minha mãe resolveu fazer uns pedidos e dar umas informações importantes, para o caso de ela morrer. Não é ainda uma idosa à beira da cova, não padece de doença grave, não recebeu diagnósticos desenganadores. Nada. É que fez uns exames, toma uns remédios e vive neste planeta pestilento. Daí, com base em histórias desastrosas de famílias conhecidas, resolveu dar os exemplos que não deveríamos seguir e informou que anda orçando túmulos. OK, não deveria ser assim tão terrível. E então, depois de alguns segundos do espanto negacionista das filhas, ela passou a dizer, com objetividade, onde queria ser enterrada e como, inclusive que tinha o dinheiro guardado para o custeio do ritual, que não gastássemos os nossos, etc.

Está certíssima. Se não morreu subitamente, ao longo de uma vida arriscada para qualquer um, e já que morrerá idosa, de alguma causa serena (é o que esperamos), que deixe as coisas organizadas para quem fica. É esquisito, mas é também uma forma de cuidado e amor. Uma pena que sejamos tão bobos/as para tratar disso.

Um tio deixou tudo pronto, certo, líquido e fácil para nossos primos. Esteve adoecidíssimo, então não titubeou. Tinha posses, minha tia já era falecida, então ele resolveu tudo, de forma que a moçada ficasse tranquila para sempre. Perder os pais jamais será tranquilo, mas que ao menos não tivessem de gastar os tubos com a indústria cartorial da morte. E outros exemplos foram saltitando de nossas bocas, inclusive esses que dão um trabalho descomunal para quem fica nesta Terra, inclusive dívidas, além de dúvidas que apenas advogados careiros conseguem sanar.

Eu cá, não. Enquanto minha mãe orça túmulos num cemitério desses que parecem parque, sem a lagoa com pedalinhos, eu quero ser cremada. Aproveitei a conversa franca e tétrica para avisar. Mais que isso: aproveitei para exigir. Sem dó: cremem. Minha mãe quer ficar perto de uns parentes, na área sul ou sudeste do cemitério Tal, ali entre uma árvore e um arbusto. Sabe até a localização exata. Eu, não. É simples: tenho horror a ter endereço depois de morrer. Quero mesmo é sumir no ar. Ah, se fosse possível.

Enquanto minha mãe pensa no tamanho da cova, nos andares e nas tampas de concreto, eu penso na urna. Toda vez que a gente começa a se preocupar com algo, descobre um universo inteiro de novidades. Já pesquisou urna de gente cremada? Eu, sim. Há para todos os preços e gostos. E algumas coisas me surpreenderam. Gostei de uns modelos modernos, arredondados, com jeito de peça de arte. Nem são tão caros. O preço varia com o material e o design. Tem urna de madeira, semelhante a uma miniatura de caixão, e tem urna que parece vaso chique. Dá para enfeitar mesa de canto e tudo (evitar a mesa de jantar). Há pingente!! Isso me deixou boquiaberta. A pessoa pode ser cremada, virar um pó esbranquiçado e ser colocada dentro de um pingente lindíssimo, para quem quer carregar o ente querido no pescoço. Não, melhor não.

Minha mãe quer ficar ali deitada, na mesma posição - é o que se espera -, para todo o sempre. Pretende que paguemos uma espécie de condomínio para o resto da vida, já que teremos de manter seu endereço pós-morte. De vez em quando, alguém irá visitá-la, porá flores no túmulo, varrerá a poeira da lápide com seu nome gravado. Eu, não. De preferência, quero sumir na paisagem. Mas qual?

Minha irmã logo disse: mas o que faremos com suas cinzas? Respondi prontamente: não guardem. Jamais. Aí fui pesquisar o que dá para fazer, já que, segundo minha mãe, há regras para essa dispensa. Nem tanto, foi o que descobri, neste novo universo temático. As pessoas jogam no mar, opção que só me entristece. Passei a vida fugindo dele. Se me jogarem numa praia, será por pura malvadeza. Outras pessoas levam as cinzas para casa e montam uma espécie de altarzinho. Não, por favor, mórbido demais para o meu gosto. Há quem jogue numa praça, num local da cidade de que a pessoa morta gostava... mas não é toda livraria que vai aceitar uma coisa dessas. Nem todo restaurante, nem toda padaria. Prefiro não causar esse constrangimento aos meus amigos e amigas desses poucos espaços que gosto de frequentar, em vida. Pensamos: então no jardim da sua casa. É melhor ideia, acho. E aí descobri que há um tipo de urna funerária e um serviço que usam as cinzas do/a cremado/a para plantar uma árvore. Curti. Isso, sim, me pareceu mais simpático. Uma árvore tem simbologia tão forte, tão positiva. Por que não?

Minha casa, meu pequeno jardim, minhas pleomeles mais altas que o muro, minha varanda desajeitada. É isso. É de onde nunca quis sair, é para onde sempre quero retornar. Nada de ar, nada de mar, nada de rua. É aí que me finco. Nada de condomínio, nada de endereço, nada de quadra, nada de número, nada de vizinhança muito próxima, logo sob ou sobre a lage fina. Quero mais é desaparecer. Lendo sobre esta possibilidade, soube que a pessoa é cremada ali pelos mil graus, mas depois ainda precisa ser triturada, para então ser entregue à família. Não acho pior do que ser enterrada num buraco escuro e ser devorada por larvas. Soube também que ser cremada é mais ecológico e nem é mais caro. Achei que já tivesse então argumentos e motivos suficientes. Mas aí veio a questão religiosa. O catolicismo, por exemplo, não admite a ideia de que se creme alguém e leve para casa. As cinzas devem ficar em um local sagrado. Bom, se a escolha for da morta e a morta não ligar muito para religiões, acho que dá para contornar. Só é preciso lembrar de combinar as coisas com um/a parente também menos religoso/a.

Minha mãe já sabe como e onde. Fez lembrar a propaganda ótima de um famoso cemitério em Belo Horizonte: "se você não sabe quando, pelo menos saiba onde". Sensacional, não? Apropriado, até engraçado. Deve soar piada de mau gosto para os/as mais sensíveis. Mas é isso mesmo. Minha mãe sabe. Eu, também. Das cinzas para uma árvore no jardim de casa. Nada de praia, local de trabalho (pelo amor!), praça pública, lagoa, nada disso. Buraco escuro então, nem morta!


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 4/9/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
03. Quem é o abutre de Marta Barcellos
04. O irmão alemão, de Chico Buarque de Jardel Dias Cavalcanti
05. Meu beijo gay de Paulo Polzonoff Jr


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2020
01. Ler, investir, gestar - 17/1/2020
02. Nem morta! - 4/9/2020
03. Filmes de guerra, de outro jeito - 10/7/2020
04. Meu reino por uma webcam - 19/6/2020
05. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) - 27/11/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grandes Romances Universais Vol 10: o Bôbo / o Arco de Santana
Alexandre Herculano e Almeida Garrett
W M Jackson
(1955)



O Controle de Inconstitucionalidade das Leis
Luiz Fabião Guasque
Freitas Bastos
(2004)



La Construcción de La Vida y de La Muerte
Dorothy Rowe
Fondo de Cultura Economica
(1989)



Les Invasions Barbares
Pierre Riché
Puf (paris)
(1953)



City of Gold
Len Deighton (capa Dura)
Harper Collins
(1992)



Receitas da Tia Marlu
Marlu Coimbra
Jácomo



O Terceiro Milênio
José Maria Domenecht
Círculo do Livro
(1974)



Bases da Uro-oncologia
Eric Roger Wroclowski e Sidney Glina
Soc Bras Urologia
(2007)



De La Revolucion Industrial a La Actualidad - Terceira Edicion
Valentin Vazquez de Prada (capa Dura)
Rialp
(1964)



Educação para Segurança do Trabalho
Luis Hiromitsu Sasaki
Corpus
(2007)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês