Eu mereço um lugar ao sol | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Cinema

Quarta-feira, 16/6/2004
Eu mereço um lugar ao sol
Julio Daio Borges

+ de 4000 Acessos




Digestivo nº 179 >>> O Brasil viveu seus anos 60 nos anos 80. A geração dos 60, do “é proibido proibir”, era politizada demais, depois foi séria demais – em suma, tinha um projeto de país ou de vida, muito arraigado, para se deixar dissipar. A geração dos anos 80, não: já havia esquecido (ou nunca soube) o que era política, endinheirada (pós-milagre econômico), preferiu cair na esbórnia. A essa geração pertenceu Cazuza. E por isso ele é uma figura tão significativa até hoje. Como, aliás, comprova o novo filme de Sandra Werneck sobre sua pessoa. Cazuza cresceu no seio de uma família burguesa (João Araújo, seu pai, foi presidente da Som Livre). Em meio ao conforto material, caiu no mundo e – antes de ser artista – “queria se divertir” (como afirma Daniel de Oliveira em uma de suas falas). Cazuza foi morar sozinho, mas era sua mãe (a amantíssima Lucinha Araújo) quem trazia gasolina quando faltava no carro. Cazuza quis se lançar como músico, mas provavelmente nada teria acontecido se não fosse por “Big John” e Ezequiel Neves (seu produtor na Som Livre e seu comandado). Rebelde sem causa, exagerado, carente profissional – pintou o retrato da sua turma, a “do abraço”, através da música, que, a partir de certo momento (pós-Aids), transformou em diário confessional. Na sessão especial para a imprensa, o estado-maior da “Folha” (Pedro Alexandre Sanches e quejandos) chorava copiosamente: a luz de Cazuza, uma estrela cadente de vida curta, havia novamente se apagado. Mas o ídolo ficou. Talvez o primeiro e único roqueiro (autêntico) do Brasil. Pois roqueiro não serve para viver muito (Lobão); nem para sobreviver a si próprio (Herbert Vianna); nem para virar estátua de um tempo que passou (Paul McCartney). Cazuza se eternizou, apesar da doença, como um apolo irresistível das areias do Rio – por quem dobraram os joelhos Ney Matogrosso e Caetano Veloso, entre outras “personas sexuais”. Hoje ninguém mais se atira no precipício, até por uma questão de saúde pública – mas sua índole, de poeta romântico, se perpetuou para além das músicas. Afinal, para ser artista no século XX era preciso sair bem na foto e ter uma tumultuada biografia. Cazuza foi exemplar nas duas coisas – e Sandra Werneck soube preservar esse brilho fosco.
>>> Cazuza: o tempo não pára
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Amar la Trama, de Jorge Drexler (Música)
02. O Brasil na capa da Economist (Imprensa)
03. Passado, presente e futuro das mídias sociais, por Erik Qualman (Internet)
04. Revista Florense (Imprensa)
05. Revista Serrote, a nova do IMS (Além do Mais)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Português Linguagens 7ª Série Manual Professor
Willian Roberto Cereja Thereza Cochar Magalhães
Atual
(2006)



Economia Bandida (lacrado)
Loretta Napoleoni
Bertrand Brasil
(2010)



DEF 2000/01 Dicionário de Especialista farmacêuticas
Não informado
Jornal Brasileiro de Medicina
(2000)



Finanças Corporativas
José Carlos Franco de Abreu Filho
Fgv
(2008)



Teoria do Reforço para Professores
Madeline Hunter
Vozes
(1981)



Guerra Civil
Stuart Moore
Novo Século
(2016)



Como Lidar com a Mídia
Paulo Henrique Amorim
Geração
(2019)



Completa Biblioteca do Ensino Atual - História, Soc., Filos e Psic.
Não informado
Difusão Cultural do Livo
(2006)



O Caso - Sem Aviso - O Bagalô - Segundas Chances
r Lee Child - David Rosenfelt - Sarah Jio - Nick Trout
Seleções Reader`s Digest
(2015)



Brasil Iluminado
Gustavo Soares
Arteensaio
(2011)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês