Digestivo nº 179 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
>>> Estômago, com João Miguel
Mais Recentes
>>> Visual Basic For Windows 3. 0 Guia Autori de Ross Nelson pela Makron (1994)
>>> A Obra Secreta da Lembrança de Rui Luis Rodrigues pela Fonte Editorial (2013)
>>> Lie With Me de Stephanie Tyler pela Dell (2010)
>>> Rede de Sonhos de Felipe Pan pela Novo Século
>>> Atitudes Inteligentes, Resultados Surpreendentes de Noélio Duarte pela Atitude (2011)
>>> Canteiros de Saturno de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (1998)
>>> Depois de Você de Jojo Moyes; Beatriz Horta pela Intrinseca (2016)
>>> Armageddon; the Cosmic Battle of the Ages de Til Lahaye; Jerry B. Jenkins pela Thorndike (2003)
>>> A Mediunidade sem Lágrimas de Eliseu Rigonatti pela Pensamento
>>> The Power of Five: Evil Star de Anthony Horowitz pela Walker Books (2013)
>>> Do Ideal ao Real - um Caminho de Vida de Pedro Schimid pela Graphium
>>> Performace. Ensaio de Tania Alice pela Confraria do Vento (2010)
>>> Curso de Direito Comercial - Vol. II de Darcy Arruda Miranda Jr. pela Revista dos Tribunais (1982)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississippi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> A Natureza Cura de George Teasdale pela Vida Plena (1979)
>>> Office 2016 para Aprendizagem Comercial de Najet M. K. Iskandar Issa; Richard Martelli pela Senac Sp (2016)
>>> Historia e Memória de Vigário Geral de Ecio Salles; Maria Paula Nascimento Araujo pela Aeroplano (2008)
>>> E Agora, Tarsila? - Dilemas da Reforma Trabalhista de Homero Batista Mateus da Silva pela Rt (2017)
>>> Moderna Plus Química 3 - Química na Abordagem do Cotidiano Parte III de Tito Canto pela Moderna (2009)
>>> O Tesouro do Templo de Eliette Abécassis pela Ediouro (2003)
>>> A Solidariedade de Papa Francisco; Marcelo Figueroa pela Benvira (2013)
>>> O Florescer do Amor de Valerie King pela Nova Cultural (2006)
>>> A Palavra é Amor de Machado de Assis e Outros pela Scipione (1988)
>>> A Natureza e as Embalagens - a Mata Atlântica - Col. Juca Brasileiro de Patricia Engel Secco pela Ministério da Cultura
>>> Outra Vida de Rodrigo Lacerda pela Alfaguara Brasil (2009)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 16/6/2004
Digestivo nº 179
Julio Daio Borges

+ de 4800 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Cinema >>> Eu mereço um lugar ao sol
O Brasil viveu seus anos 60 nos anos 80. A geração dos 60, do “é proibido proibir”, era politizada demais, depois foi séria demais – em suma, tinha um projeto de país ou de vida, muito arraigado, para se deixar dissipar. A geração dos anos 80, não: já havia esquecido (ou nunca soube) o que era política, endinheirada (pós-milagre econômico), preferiu cair na esbórnia. A essa geração pertenceu Cazuza. E por isso ele é uma figura tão significativa até hoje. Como, aliás, comprova o novo filme de Sandra Werneck sobre sua pessoa. Cazuza cresceu no seio de uma família burguesa (João Araújo, seu pai, foi presidente da Som Livre). Em meio ao conforto material, caiu no mundo e – antes de ser artista – “queria se divertir” (como afirma Daniel de Oliveira em uma de suas falas). Cazuza foi morar sozinho, mas era sua mãe (a amantíssima Lucinha Araújo) quem trazia gasolina quando faltava no carro. Cazuza quis se lançar como músico, mas provavelmente nada teria acontecido se não fosse por “Big John” e Ezequiel Neves (seu produtor na Som Livre e seu comandado). Rebelde sem causa, exagerado, carente profissional – pintou o retrato da sua turma, a “do abraço”, através da música, que, a partir de certo momento (pós-Aids), transformou em diário confessional. Na sessão especial para a imprensa, o estado-maior da “Folha” (Pedro Alexandre Sanches e quejandos) chorava copiosamente: a luz de Cazuza, uma estrela cadente de vida curta, havia novamente se apagado. Mas o ídolo ficou. Talvez o primeiro e único roqueiro (autêntico) do Brasil. Pois roqueiro não serve para viver muito (Lobão); nem para sobreviver a si próprio (Herbert Vianna); nem para virar estátua de um tempo que passou (Paul McCartney). Cazuza se eternizou, apesar da doença, como um apolo irresistível das areias do Rio – por quem dobraram os joelhos Ney Matogrosso e Caetano Veloso, entre outras “personas sexuais”. Hoje ninguém mais se atira no precipício, até por uma questão de saúde pública – mas sua índole, de poeta romântico, se perpetuou para além das músicas. Afinal, para ser artista no século XX era preciso sair bem na foto e ter uma tumultuada biografia. Cazuza foi exemplar nas duas coisas – e Sandra Werneck soube preservar esse brilho fosco. [Comente esta Nota]
>>> Cazuza: o tempo não pára
 



Música >>> No altar do vento
Theo de Barros é hoje um senhor que, em foto, lembra muito o ator Sérgio Mamberti. Foi um dos integrantes do genial Quarteto Novo, que contava ainda com Hermeto Pascoal (apenas um flautista albino, vesgo e habilidoso) e que foi relançado – em disco – no lote que a EMI resgatou dos arquivos da Odeon. Um álbum de 1967, imperdível. Também o CD novo de Theo de Barros, pela Maritaca – certamente um dos melhores trabalhos a surgir este ano. Delicado, cuidadoso, equilibrado, perfeito. Só com composições suas, à exceção de uma única faixa; muitas com letra de Paulo César Pinheiro. O bom gosto começa com a escolha dos convidados e segue pelos arranjos redondos e aveludados, passando pela sua própria interpretação – uma voz exata, que não incomoda e que não transmite falhas. E se alguém sente saudades de Tom Jobim, mas não agüenta mais ouvir as mesmas canções, deveria tentar, por exemplo, “Natureza” – cantada por Mônica Salmaso, rendendo como nunca. É Mônica também que brilha na bela suíte “Sete Violas”. A mesma que tem, ainda, Renato Braz, as flautas de Teco Cardoso e as cordas da Osesp. Chico Buarque, o letrista, paira sobre “Amor de Poeta” e “Zé Menino”, embora sua “influência” aqui seja um tanto quanto anacrônica. Já Cido Bianchi brilha ao piano acústico em “Aquele Carinho” e “Meu Retrato”, para citar apenas duas. Na primeira metade desse “Theo”, descobrimos que o segredo talvez esteja em peças polidas que variam entre 1 e 3 minutos. Não mais que isso. “Cinema”, porém, na segunda metade, com quase 5 minutos, põe essa certeza abaixo. “Começou a partir daquele encontro/ O pavor do conflito e do confronto”. Também “Remanso”, de um violão límpido e precisamente rebuscado. O violão de Theo de Barros – um músico tão completo que, às vezes, ainda se esquece qual é a sua especialidade. [Comente esta Nota]
>>> Theo - Theo de Barros - Maritaca
 



Além do Mais >>> L’Invitation au Voyage
Lamentavelmente, o público brasileiro de concertos hoje tem apenas uma vaga lembrança do que foi, um dia, a ópera. Assim, são fundamentais as apresentações de solistas como José Van Dam, que giram o mundo dando um gostinho do que foi o universo de Rossini, Bizet e até Mozart. Na Sala São Paulo, durante a abertura da Temporada 2004 do Mozarteum Brasileiro, o público (não de assinantes) se esbaldou com as caras & caretas, mesmo com as representações trágicas, que Van Dam emprestou a Berlioz (“La damnation du Faust”) e ao autor de “As Bodas de Fígaro”. Van Dam tem personalidade e, como observou Lauro Machado Coelho, propagou sua interpretação em todas as direções, graças a uma voz potente e a uma colocação de notas exata. De pronúncia clara e acentuação precisa, o baixo-barítono permitiu que os versos de Paul Verlaine (musicados por Debussy) e de Charles Baudelaire (por Henri Duparc) fossem apanhados no ar, mesmo pelos incautos que não conheciam a língua em que foram escritas “As Flores do Mal”. E a platéia quase entoaria “Mentre ti lascio” e “La calunia”, de Rossini (no bis), se dominasse melhor o italiano e se não se sentisse tão intimidada. (A ópera afinal foi, afirmam, diversão popular. Embora não pareça, nos tempos atuais, houve um momento em que até o teatro era considerado mais “sério” do que a ópera.) Acompanhou José Van Dam, Maciej Pikulski, ao piano. E nos intervalos se podia tropeçar em gravatas e em decotes proferindo sentenças em polonês castiço, direto do consulado em São Paulo. O pianista, muito mais jovem que Van Dam, e seu acompanhante desde 1993, manteve a exuberância contida de quem se sabe em segundo plano. Para a alegria geral, contudo, esbanjou técnica numa releitura de Liszt para “Il Trovatore”, de Verdi. Foi um dos pontos altos da apresentação. (Talvez evocando o cinematográfico encontro de Nelson Freire e Martha Argerich, que está programado pelo Mozarteum no segundo semestre.) Enfim, se a ópera é um gênero morto – em termos de montagens e de orçamentos megagalácticos –, José Van Dam mostrou que, nos corações das pessoas, ela não é não. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA

>>> Cafés Filosóficos
* As origens da cozinha paulista: a cozinha dos imigrantes - Marina de Camargo Heck (4ª f., 16/6, 19h30, VL)
* Amor: casar ou ficar só - Flávio Gikovate
(5ª f., 17/6, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Conhecimento: imagens e ações - Nilson José Machado
(3ª f., 15/6, 19hrs., VL)
* A Grande Virada: Bristol Myers Squibb - Letícia Colombini
(5ª f., 17/6, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* História dos Esportes - Orlando Duarte
(2ª f., 14/6, 19hrs., CN)
* O melhor da gastronomia e do bem-viver - Sinval Medina
(3ª f., 15/6, 18h30, CN)
* Edifícios Corporativos: Aflalo & Gasperini - Paulo Olivato
(5ª f., 16/6, 18h30, CN)
* Chico Buarque - Fernando Barros e Silva
(Sáb., 19/6, 12hrs., CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Orquestra Barroca de São Paulo
(2ª f., 14/6, 20hrs., VL)
* Black and Blue: Louis Amstrong II - Traditional Jazz Band
(6ª f., 18/6, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Duo Ás de Cordas
(Dom., 20/6, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural



>>> Circuito Erdinger & Kiss FM
Acontece nesta quarta-feira, dia 16/6, a partir das 21 hrs., no Public Bar (Rua Delfina, nº 110 - Vila Madalena - Tel.: 11 3813-1367), onde estará se apresentando a banda The Noni Brothers.

* a Erdinger é parceira do Digestivo Cultural
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2004
14h37min
Simplesmente muito bom.
[Leia outros Comentários de Paulo César]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Novos Segredos da Borboleta
Toni Tucci
Record
(1980)



Vento, Areia e Amoras Bravas
Agustina Bessa-Luís
Petrópolis
(2009)



Os Fundamentos da Física- Física 1- Moderna Plux- 11ª
Ramalho; Toledo; Nicolau
Moderna
(2015)



Due Mesi Dopo
Agatha Christie
Oscar Mondadori



Clínicas Pediátricas da América do Norte Infecções Raras
William T. Speck
Interamericana
(1979)



Ser Protagonista Produçao de Texto Caderno de Competencias do Enem
Sm Didaticos
Sm Didáticos
(2015)



Memorial de Aires - Série Bom Livro
Machado de Assis
Ática
(1985)



Qualidade e Produtividade nos Transportes Plt 408
Amir Mattar Valente e Outros
Cengage



Herculanum 2ªed(1999) 6º ao 15 Milheiro.
Wera Krijanowskaia e J. W. Rochester
Lake
(1999)



Direito Administrativo
Maria Sylvia Zanella Di Pietro
Atlas
(2005)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês