Digestivo nº 179 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
Mais Recentes
>>> Curso de Teologia dos Sacramentos de Ricardo Sada e Afonso Monroy pela Rei dos Livros (1991)
>>> Vidas Secas de Graciliano Ramos pela Record (1993)
>>> Lições De Confúcio Para A Carreira E Os Negócios de Enrique Benito pela Gente (2009)
>>> The Glass Menagerie de Tennessee Williams pela New Directions (1999)
>>> Desafio e Resposta de Alice Irene Hirschberg pela Cip (1976)
>>> O Fim Do Estado Nação de Kenichi Ohmae pela Campus (1999)
>>> Estatística para as Ciências Sociais de Wlademir Pereira / José Tiacci Kirsten / Walter a pela Saraiva (1980)
>>> Mosby Medical Encyclopedia, The Signet: Revised Edition de C. V. Mosby pela Signet (1996)
>>> Lideranca - 301 Dicas Para Construir Uma Carreira de Os Editores pela On Line (2024)
>>> Hebraeishes Und Arameisches Woerterbuch Zum Alten Testament de Georg Fohrer pela Gruyter (1989)
>>> Matemática Aplicada À Economia E Administração de L. Leithold pela Harbra (2024)
>>> Eletricidade Para A Engenharia de Délio Pereira Guerrini pela Manole (2003)
>>> Projeto de Usinas Hidrelétricas passo a passo de Geraldo Magela Pereira pela Oficina de Textos (2015)
>>> Oliver Twist de Charles Dickens pela J. M. Dent & Sons (1957)
>>> Fundamentos De Fisica: Mecanica - Vol.1 de David Halliday pela Ltc - Grupo Gen (2024)
>>> Oliver Twist de Charles Dickens pela Collins (1954)
>>> O ABC da Astrologia de Marco Natali pela Ediouro (1992)
>>> Tentativa De Mutação No Brasil (1988-2016) de Victor Hugo Veppo Burgardt pela Paco Editorial (2021)
>>> O Mistério do Deus-Homem de Jacques Leclercq pela Quadrante (1997)
>>> As Perspectivas da Psiquiatria de McHygh & Slavney pela Artes Médicas (1988)
>>> Lingua Absolvida (edicao De Bolso) de Elias Canetti pela Companhia De Bolso (2010)
>>> Fuel Cell de João Cabral pela Cassara (2012)
>>> Descrever o Visível de Marcius Freire; outro (orgs) pela Estação Liberdade (2009)
>>> Amor, Divino Amor - A Filosofia do Amor Divino de Shrila Bhaktivedanta Narayana Goswami Maharaja pela Braja (2013)
>>> Castical: Obras Italianas de Giordano Bruno pela Educs (2010)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 16/6/2004
Digestivo nº 179
Julio Daio Borges
+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Cinema >>> Eu mereço um lugar ao sol
O Brasil viveu seus anos 60 nos anos 80. A geração dos 60, do “é proibido proibir”, era politizada demais, depois foi séria demais – em suma, tinha um projeto de país ou de vida, muito arraigado, para se deixar dissipar. A geração dos anos 80, não: já havia esquecido (ou nunca soube) o que era política, endinheirada (pós-milagre econômico), preferiu cair na esbórnia. A essa geração pertenceu Cazuza. E por isso ele é uma figura tão significativa até hoje. Como, aliás, comprova o novo filme de Sandra Werneck sobre sua pessoa. Cazuza cresceu no seio de uma família burguesa (João Araújo, seu pai, foi presidente da Som Livre). Em meio ao conforto material, caiu no mundo e – antes de ser artista – “queria se divertir” (como afirma Daniel de Oliveira em uma de suas falas). Cazuza foi morar sozinho, mas era sua mãe (a amantíssima Lucinha Araújo) quem trazia gasolina quando faltava no carro. Cazuza quis se lançar como músico, mas provavelmente nada teria acontecido se não fosse por “Big John” e Ezequiel Neves (seu produtor na Som Livre e seu comandado). Rebelde sem causa, exagerado, carente profissional – pintou o retrato da sua turma, a “do abraço”, através da música, que, a partir de certo momento (pós-Aids), transformou em diário confessional. Na sessão especial para a imprensa, o estado-maior da “Folha” (Pedro Alexandre Sanches e quejandos) chorava copiosamente: a luz de Cazuza, uma estrela cadente de vida curta, havia novamente se apagado. Mas o ídolo ficou. Talvez o primeiro e único roqueiro (autêntico) do Brasil. Pois roqueiro não serve para viver muito (Lobão); nem para sobreviver a si próprio (Herbert Vianna); nem para virar estátua de um tempo que passou (Paul McCartney). Cazuza se eternizou, apesar da doença, como um apolo irresistível das areias do Rio – por quem dobraram os joelhos Ney Matogrosso e Caetano Veloso, entre outras “personas sexuais”. Hoje ninguém mais se atira no precipício, até por uma questão de saúde pública – mas sua índole, de poeta romântico, se perpetuou para além das músicas. Afinal, para ser artista no século XX era preciso sair bem na foto e ter uma tumultuada biografia. Cazuza foi exemplar nas duas coisas – e Sandra Werneck soube preservar esse brilho fosco. [Comente esta Nota]
>>> Cazuza: o tempo não pára
 



Música >>> No altar do vento
Theo de Barros é hoje um senhor que, em foto, lembra muito o ator Sérgio Mamberti. Foi um dos integrantes do genial Quarteto Novo, que contava ainda com Hermeto Pascoal (apenas um flautista albino, vesgo e habilidoso) e que foi relançado – em disco – no lote que a EMI resgatou dos arquivos da Odeon. Um álbum de 1967, imperdível. Também o CD novo de Theo de Barros, pela Maritaca – certamente um dos melhores trabalhos a surgir este ano. Delicado, cuidadoso, equilibrado, perfeito. Só com composições suas, à exceção de uma única faixa; muitas com letra de Paulo César Pinheiro. O bom gosto começa com a escolha dos convidados e segue pelos arranjos redondos e aveludados, passando pela sua própria interpretação – uma voz exata, que não incomoda e que não transmite falhas. E se alguém sente saudades de Tom Jobim, mas não agüenta mais ouvir as mesmas canções, deveria tentar, por exemplo, “Natureza” – cantada por Mônica Salmaso, rendendo como nunca. É Mônica também que brilha na bela suíte “Sete Violas”. A mesma que tem, ainda, Renato Braz, as flautas de Teco Cardoso e as cordas da Osesp. Chico Buarque, o letrista, paira sobre “Amor de Poeta” e “Zé Menino”, embora sua “influência” aqui seja um tanto quanto anacrônica. Já Cido Bianchi brilha ao piano acústico em “Aquele Carinho” e “Meu Retrato”, para citar apenas duas. Na primeira metade desse “Theo”, descobrimos que o segredo talvez esteja em peças polidas que variam entre 1 e 3 minutos. Não mais que isso. “Cinema”, porém, na segunda metade, com quase 5 minutos, põe essa certeza abaixo. “Começou a partir daquele encontro/ O pavor do conflito e do confronto”. Também “Remanso”, de um violão límpido e precisamente rebuscado. O violão de Theo de Barros – um músico tão completo que, às vezes, ainda se esquece qual é a sua especialidade. [Comente esta Nota]
>>> Theo - Theo de Barros - Maritaca
 



Além do Mais >>> L’Invitation au Voyage
Lamentavelmente, o público brasileiro de concertos hoje tem apenas uma vaga lembrança do que foi, um dia, a ópera. Assim, são fundamentais as apresentações de solistas como José Van Dam, que giram o mundo dando um gostinho do que foi o universo de Rossini, Bizet e até Mozart. Na Sala São Paulo, durante a abertura da Temporada 2004 do Mozarteum Brasileiro, o público (não de assinantes) se esbaldou com as caras & caretas, mesmo com as representações trágicas, que Van Dam emprestou a Berlioz (“La damnation du Faust”) e ao autor de “As Bodas de Fígaro”. Van Dam tem personalidade e, como observou Lauro Machado Coelho, propagou sua interpretação em todas as direções, graças a uma voz potente e a uma colocação de notas exata. De pronúncia clara e acentuação precisa, o baixo-barítono permitiu que os versos de Paul Verlaine (musicados por Debussy) e de Charles Baudelaire (por Henri Duparc) fossem apanhados no ar, mesmo pelos incautos que não conheciam a língua em que foram escritas “As Flores do Mal”. E a platéia quase entoaria “Mentre ti lascio” e “La calunia”, de Rossini (no bis), se dominasse melhor o italiano e se não se sentisse tão intimidada. (A ópera afinal foi, afirmam, diversão popular. Embora não pareça, nos tempos atuais, houve um momento em que até o teatro era considerado mais “sério” do que a ópera.) Acompanhou José Van Dam, Maciej Pikulski, ao piano. E nos intervalos se podia tropeçar em gravatas e em decotes proferindo sentenças em polonês castiço, direto do consulado em São Paulo. O pianista, muito mais jovem que Van Dam, e seu acompanhante desde 1993, manteve a exuberância contida de quem se sabe em segundo plano. Para a alegria geral, contudo, esbanjou técnica numa releitura de Liszt para “Il Trovatore”, de Verdi. Foi um dos pontos altos da apresentação. (Talvez evocando o cinematográfico encontro de Nelson Freire e Martha Argerich, que está programado pelo Mozarteum no segundo semestre.) Enfim, se a ópera é um gênero morto – em termos de montagens e de orçamentos megagalácticos –, José Van Dam mostrou que, nos corações das pessoas, ela não é não. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA

>>> Cafés Filosóficos
* As origens da cozinha paulista: a cozinha dos imigrantes - Marina de Camargo Heck (4ª f., 16/6, 19h30, VL)
* Amor: casar ou ficar só - Flávio Gikovate
(5ª f., 17/6, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Conhecimento: imagens e ações - Nilson José Machado
(3ª f., 15/6, 19hrs., VL)
* A Grande Virada: Bristol Myers Squibb - Letícia Colombini
(5ª f., 17/6, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* História dos Esportes - Orlando Duarte
(2ª f., 14/6, 19hrs., CN)
* O melhor da gastronomia e do bem-viver - Sinval Medina
(3ª f., 15/6, 18h30, CN)
* Edifícios Corporativos: Aflalo & Gasperini - Paulo Olivato
(5ª f., 16/6, 18h30, CN)
* Chico Buarque - Fernando Barros e Silva
(Sáb., 19/6, 12hrs., CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Orquestra Barroca de São Paulo
(2ª f., 14/6, 20hrs., VL)
* Black and Blue: Louis Amstrong II - Traditional Jazz Band
(6ª f., 18/6, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Duo Ás de Cordas
(Dom., 20/6, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural



>>> Circuito Erdinger & Kiss FM
Acontece nesta quarta-feira, dia 16/6, a partir das 21 hrs., no Public Bar (Rua Delfina, nº 110 - Vila Madalena - Tel.: 11 3813-1367), onde estará se apresentando a banda The Noni Brothers.

* a Erdinger é parceira do Digestivo Cultural
 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2004
14h37min
Simplesmente muito bom.
[Leia outros Comentários de Paulo César]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro de Bolso Literatura Estrangeira The Footprints of God
Greg Iles
Pocket Star Books
(2008)



Em Tempos de Liberdade
Ana Cristina Vargas; José Antônio e Layla
Vida e Consciência
(2011)



Pour Mon Mari Avec Amour
Helen Exley
Exley
(2005)



Edipo
Thorwald Dethlefsen
Cultrix
(2017)



A Herança De Stalin: Três Gerações De Amor E Guerra
Owen Matthews
Globo
(2009)



O Nível
Richard Wilkinson, Kate Pickett
Civilização Brasileira
(2015)



Dicionário prático de regência verbal
Celso Pedro Luft
Atica
(1993)



Por um Fio Drauzio Varella 2004
Drauzio Varella
Companhia Das Letras
(2004)



Estado governo sociedade para uma teoria geral da politica
Norberto bobbio
Paz e terra
(2007)



Revista: Discutindo Literatura - Ano 3, número 18 - Graciliano Ramos
Duda Albuquerque (Ed.)
Escala Educacional





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês