Bernard Shaw on the lake | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/8/2002
Bernard Shaw on the lake
Eduardo Carvalho

+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

George Bernard Shaw

Jamais confunda Niagara Falls com Niagara-on-the-lake. Apesar das duas pequenas cidades canadenses estarem na beira do rio Niagara, a vinte minutos de distância uma da outra, a diferença dos seus estilos é praticamente a mesma que existe entre os acidentes geográficos que acompanham os seus nomes.

Niagara Falls é barulhenta e extravagante como as suas cataratas. Apesar da monstruosidade da queda, contemplá-la por mais de dez minutos é um exagero incompreensível, mas que, com a cuidadosa infra-estrutura disponível - barcos, pontes, observatórios etc. -, vira uma atividade obrigatória. E, depois de cinco horas encantado - ou, talvez, enganado - com as infinitas possibilidades da natureza, o turista desavisado se diverte com as outras ratoeiras: suas ruas estão infestadas de restaurantes temáticos e cassinos cafonas. As borboletas dos seus parques são, como todas as borboletas, uma gracinha, e os jardins da cidade são mesmo coloridos e bem cuidados - mas os casais de noivos que desfilam por eles, saindo de limosines e posando para fotos, estragam quase tudo. Acredite: as Cataratas do Iguaçu, aqui ao lado, são mais simpáticas e ainda mais impressionantes. O que sobra é poluído ônibus lotados e pessoas agitadas, dispostas, como sempre, a enfrentar filas quilométricas e a pagar preços exagerados com um sorriso constante - estamos todos de ferias, afinal.

Shaw Cafe Estão, quero dizer. Eu não. Não nessas férias. Há programas melhores e mais agradáveis, que nem sempre são divulgados, no Brasil, como mereceriam - e como são, de fato, pelo resto do mundo. Para quem passa um fim-de-semana em Niagara Falls, uma tarde de passeio por Niagara-on-the-lake é apenas um complemento opcional do pacote comum. Aproveitando a proximidade com as cataratas - e as curiosas belezas geográficas do caminho, que Winston Churchill classificou como "The prettiest Sunday afternoon drive in the world" - o turista convencional estica seu roteiro para conhecer, em mais ou menos três horas, a antiga capital canadense, que ainda conserva, concentrados na rua principal, prédios da época. O problema é que, para quem está interessado em algo mais do que comprar camisetas e chaveiros, esse é um desperdício incalculável. Niagara-on-the-lake merece, no mínimo, um fim-de-semana inteiro - com uma esticadinha de dez minutos, de repente, para conhecer as cataratas.

Royal Theatre Um fim-de-semana talvez não. Apesar de ônibus serem proibidos de estacionar a menos de dez minutos de caminhada do centro de Niagara-on-the-lake, e do acesso por transporte público à cidade ser consideravelmente restrito, é impossível impedir com total eficiência a entrada de pessoas inconvenientes a lugares públicos. Nas tardes de verão de sábado e domingo, então, é verdade que um pouco da praga que infesta Niagara Falls se estende até Niagara-on-the-lake, e pode-se inclusive ver, de vez em quando, pombinhos conduzidos por carruagens com cavalos brancos e grupos de japoneses fotografando o chão. Melhor escolher, se for possível, alguns dias da semana mesmo, quando a turba sazonal desaparece. E aí você pode desfrutar, com a tranqüilidade de um lago límpido, uma cidadezinha que, em poucos quarteirões, oferece um dos programas mais sofisticados do mundo.

Nessa cidade de dez mil habitantes é apresentado, todo ano, de abril a novembro, há 40 anos, um festival de teatro que é, como o próprio nome denota, de uma qualidade extraordinária: o Bernard Shaw Festival. São encenadas, atualmente, mais de uma dezena de peças, uma parte escritas por Shaw e outras, com esforço para não cair muito o nível, escolhidas de outros autores da mesma geração. Estão agora em cartaz, entre outras, Ceasar and Cleopatra e Candida, de Shaw; Detective Story, de Sidney Kingsley, Hay Fever, de Noel Coward, The House of Bernarda Alba, de Frederico Garcia Lorca, e Chaplin, de Simon Bradbury.

Court House Theatre O inglês Christopher Newton, que dirige o festival há 23 anos, manteve a tradição de escolher peças modernas, sem cair em modismos vulgares e tendências passageiras. Sua posição pode ter sido arriscada, mas o fato é que, durante os anos em que ele esteve no comando, o festival cresceu ininterruptamente, acumulando prêmios e dinheiro. 75% dos ingressos são vendidos, o que, comparando com a média dos teatros americanos, 35%, é animador. Além dos espetáculos diários, a programação inclui bate-papo com atores e diretores, visitas aos bastidores, brunch acompanhado por piano nos jardins do Festival Theatre, seminários com diretores, atividades para crianças, jantar de gala etc. As produções são regulares e competentes, e rendem ao festival, sempre quando é aberto, elogios nas mais famosas e exigentes publicações do mundo, do New York Times à New Yorker - o que exclui, naturalmente, revistas e jornais brasileiros (com a rara exceção, claro, deste Digestivo).

Festival Theatre Não sei qual foi o critério nem a primeira colocada, mas o site oficial da cidade, há algum tempo, anunciava que Niagara-on-the-lake foi eleita a segunda cidade mais bonita do mundo. Mesmo os visitantes apressados não discordariam. A rua principal, de uns dois quilômetros, começa em um cemitério aberto, ao lado direito, e, passando por lojas discretas e agradáveis restaurantes, desemboca no mais antigo campo de golfe da América do Norte . Os três teatros que recebem as peças - The Festival Theatre, The Court House e The Royal George Theatre - são, entre eles, diferentes, mas todos bonitos e confortáveis. The Festival Theatre, que é o principal, foi construído, em 1973, na entrada da cidade, no meio de um bosque. De dia, os intervalos das matinês são preenchidos por uma banda de jazz, que toca nos jardins - e, nas apresentações noturnas, do terraço aberto ouve-se o concerto de sapos e cigarras.

A conveniência de uma cidade pequena permite, depois, que todos voltem caminhando para os seus hotéis ou Bed & Breakfast. Está quase tudo fechado, às 23 horas, quando aproximadamente as apresentações da noite se encerram. Mas quem compartilha do único verdadeiro amor de Shaw - a comida - pode experimentar, antes, seus pratos favoritos, disponíveis em cardápios de vários restaurantes da cidade. Excelentes, por sinal - os restaurantes, digo, e não as combinações vegetarianas que Shaw apreciava.

Shaw Foi quando estrearam uma peça sua em Nova York, se não me engano, que os espectadores, preocupados em não perder o último trem para fora de Manhattan, pediram à produção que a apresentação fosse encurtada. Então o diretor escreveu para Shaw, explicando a situação e solicitando uma solução. Ao que Shaw simplesmente respondeu: "Que mudem o horário do trem". E a sua obra permaneceu intacta. Não é o caso, porém, do público nem da organização do Bernard Shaw Festival: por mais exigente que fosse, provavelmente inclusive Shaw - se tivesse visitado Niagara-on-the-lake - aprovaria a viagem.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 26/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
02. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo
03. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
05. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/8/2002
18h27min
Caro Eduardo, Para um país que não possui nem um prato típico, nada melhor do que homenagear, uns dos grandes escritores da lingua ingleses. Apesar de ser um páis sem rosto, os canadenses tem bom gosto.
[Leia outros Comentários de Otavio]
27/8/2002
11h03min
Fala Eduardo! Muito bom o seu texto (como sempre!). Vc só não falou da aventura que foi a corrida para tentarmos ir de barco para Niagara on the Lake e ao chegarmos atrasados no pier ver o barco se afastando lentamente...e a nossa cara de m... Um abração
[Leia outros Comentários de Emmanuel]
4/9/2002
3.
11h25min
Eduardo, devo concordar com o último comentário - como sempre, seus textos estão impecáveis tanto na escrita (não encontro - obviamente - erros de português), quanto no conteúdo. Quem sabe em breve eu visite essa cidade? Parabéns. Abração Chico
[Leia outros Comentários de Chico]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PIANISTA NO BORDEL
JUAN LUIS CEBRIÁN
OBJETIVA
(2009)
R$ 20,00



OS ECONOMISTAS
LEONARD SIK
ZAHAR
(1976)
R$ 10,00



MRTYUKÃLA: HORA DA MORTE
MARIA HELENA DE BASTOS FREIRE
CCJ
(2004)
R$ 81,85



NEW YORK FLOW SYSTEMS CAN AUTOMATE YOUR CUTTING OPERATIONS
REVISTA GRAPHIC ARTS MONTHLY, Nº 7, VOL 50
TECHNICAL PUBLISHING
(1978)
R$ 31,28



TECNICAS CONSTRUTIVAS DE ARGUMENTACAO E DEBATE
GEORGE L HINDIS E RUPERT L CORTRIGHT
IBRASA
(1968)
R$ 12,00



ARTE-EDUCAÇÃO NO BRASIL - ANA MAE T. B. BARBOSA
ANA MAE T. B. BARBOSA
PERSPECTIVA
(1978)
R$ 18,00



TAMBORES E VIOLINOS - 1ª ED.
MARIA TERESA HELLMEISTER FORNACIARI
WRITERS
(2000)
R$ 5,74



THE FUTUTRE OF BRANDS
RITA CLIFTON - ESTHER MAUGHAN
NEW YORK UNIVERSITY
(2000)
R$ 90,00



ERA UMA VEZ UM PIRATA HOLANDÊS
JOSÉ MAVIAEL MONTEIRO
ÁTICA
(1995)
R$ 6,90



ATOS IMPUROS
HENRY A. GIROUX
ARTMED
(2003)
R$ 63,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês