A memória vegetal | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/3/2011
A memória vegetal
Gian Danton

+ de 5100 Acessos

Antes de qualquer coisa, A memória vegetal (Record, 2010, 272 págs.), de Umberto Eco, é uma declaração de amor aos livros. O amor pelo objeto feito de papel percorre todas as quase 300 páginas do volume em textos que vão de definições a listas de livros raros, passando por contos fantásticos.

Eco começa a obra definindo o título: no começo, existia uma memória orgânica. Essa memória era composta pelos velhos, que tinham o conhecimento da tribo e repassavam para as novas gerações: "Talvez, antes, eles não tivessem utilidade e fossem descartados, quando já não serviam para encontrar comida. Mas com a linguagem, os velhos se tornaram a memória da espécie: sentavam-se na caverna, ao redor do fogo e contavam o que havia acontecido antes de os jovens nascerem. Antes de começar a cultivar essa memória social, o homem nascia sem experiência, não tinha tempo de fazê-lo e morria. Depois, um jovem de vinte anos era como se tivesse vivido cinco mil".

Com a invenção da escrita, surgiu uma memória mineral. O conhecimento era registrado em tabuinhas de argila ou esculpido na pedra. Era uma memória que incluía também a questão arquitetônica, já que grande parte do conhecimento era registrado em monumentos.

Com o tempo, surgiu uma memória vegetal, com o papiro e o papel. Entre outras revoluções, o livro criou uma memória individual, que é uma versão pessoal das coisas - e a leitura se tornou um diálogo com alguém que não está diante de nós e que, muitas vezes, está morto. O livro aumentou a memória do homem em séculos, milênios. Segundo Eco, o analfabeto vive apenas uma vida, ao passo que o leitor vive diversas vidas.

Um dos maiores méritos dos livros foi nos ensinar a duvidar dos próprios livros, pois eles contradizem-se entre si e aprendemos que são apenas versões de fatos, e não uma verdade universal. A interpretação ingênua (está publicado, é verdade) é típica de quem não está acostumado a ler.

Aprender a identificar as boas obras é um mérito dessa leitura crítica. Se antigamente o problema era encontrar livros, hoje é selecionar os bons entre os milhares que são lançados anualmente. Nessa monstruosidade de informação, o leitor muitas vezes se sente perdido. Para Eco, o processo de escolha é como aquele do namoro. Devemos nos perguntar se o livro que estamos prestes a tomar nas mãos é daqueles que jogaríamos fora depois de lidos. Jogar fora um livro depois de lê-lo é como não desejar rever a pessoa com a qual passamos a noite.

Assim, para um verdadeiro leitor, a relação com o livro deve ser sempre de amor. Cada nova leitura deve ser como cada nova vez em que o apaixonado reencontra a amada.

A memória do livro é a memória da humanidade e até mesmo livros maus, como Os protocolos dos Sábios de Sião, devem ser preservados, como forma de lembrar de um passado ignóbil. Lembrar que um dia um livro foi escrito para promover o racismo contra os judeus é evitar que o nazismo aconteça novamente.

Segundo Eco, devemos salvar não só as baleias, as focas ou os ursos. Devemos salvar também os livros: "Temam aquele que destrói, censura, proíbe os livros: ele quer destruir ou censurar nossa memória (...) Começa-se sempre pelo livro, depois instalam-se as câmaras de gás".

Como se vê, A memória vegetal é uma carta de amor de um apaixonado. Como tal, há coisas que só interessam a ele e ao objeto de sua paixão, como listas de livros. Mas há outros que interessam a todos, pela universalidade de sentimentos. Um dos capítulos mais interessantes é "Varia et curiosa" sobre livros curiosos. Eco cita, por exemplo, análises da loucura de Rousseau ou de Maomé, livros sobre transplantes de testículos de macacos para homens, sobre como a masturbação pode provocar cegueira, surdez e demência. Nesse mesmo capítulo são lembradas as obras que se tornariam sucesso de público e de crítica, mas que haviam sido recusados por editores ou detonados por alguns críticos. Moby Dick, por exemplo, foi recusado por um editor com a desculpa de que não funcionaria no mercado juvenil por ser longo e antiquado. A revolução dos bichos, de George Orwell foi recusado nos EUA com a desculpa de que livros com animais não vendiam. Sobre O diário de Anne Frank, um analista escreveu: "Essa jovem não parece ter uma percepção especial, ou seja, o sentimento de como se pode levar esse livro acima de um nível de simples curiosidade". Sobre Lolita, escreveram que o editor, ao invés de publicar o livro, deveria levar o autor a um psicanalista. O livro A máquina do tempo, clássico da ficção-científica de H. G. Wellsm, foi considerado "pouco interessante para o leitor comum e não suficientemente aprofundado para o leitor científico". A boa terra, de Pearl Buck foi recusado porque, supostamente, o público norte-americano não estava interessado em nada referente à China. Um analista considerou que John Le Carré e seu livro O espião que veio do frio não tinham futuro.

Um crítico escreveu que, felizmente, o livro O morro dos ventos uivantes, de Emily Bronte, nunca seria popular. Outro escreveu que Walt Whitman tinha tanta relação com a arte quanto um porco com a matemática.

O livro ainda contém deliciosos contos fantásticos, no estilo Jorge Luís Borges, como um sobre um mundo em que uma peste dominasse todos os livros de trapo (que são normalmente mais duradouros), o que coloca de cabeça para baixo o mercado livros raros.

Em suma: A memória vegetal é leitura apaixonante para os que são apaixonados por esses objetos de papel. Ou para os que querem se apaixonar.

Para ir além






Gian Danton
Goiânia, 21/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Hobbit - A Desolação de Smaug de Duanne Ribeiro
02. O beatle George de Luiz Rebinski Junior
03. A Bienal do Livro ― diário de bordo de Gian Danton
04. Dando a Hawthorne seu real valor de Daniel Lopes
05. Literatura e infância: dois livros, duas viagens de Adriana Baggio


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2011
01. Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito - 28/2/2011
02. Hells Angels - 20/6/2011
03. Medo e Delírio em Las Vegas - 9/5/2011
04. Melhores de 2010 - 3/1/2011
05. Walter Benjamin, a arte e a reprodução - 14/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Chitty Chitty Bang Bang o Calhambeque Mágico
Ian Fleming
Expressão e Cultura
(1967)



Rafipan, a Esquina do Mundo
Carlos Augusto Segato
Atual
(1998)



Pipistrelo das Mil Cores
Zélia Gattai
Record
(2001)



A Silenciosa Inclinação das Águas
Alex Sens
Autêntica
(2019)



Noções Basicas de Importação
João dos Santos Bizelli / Ricardo Barbosa
Aduaneiras
(1994)



História Universal Vol. 4
H. G. Wells
Edigraf
(1972)



O jardim das crianças encantadas
Janet Taylor Lisle
Salamandra
(2006)



Direito Romano - Fundamentos, Teoria e Avaliação dos Conceitos
Francisco Caseiro Neto / Pablo Jimenez Serrano
Desafio Cultural
(2002)



O Inconsciente e o Id
Laplanche
Martins Fontes
(1992)



Segredos de Seis Corações
Sônia Barros
Scipione
(2012)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês