Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> O terraço dos Benardini de Suzanne Prou pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Robin Hood A Lenda Da Liberdade - Série Deixa Que Eu Conto de Pedro Bandeira pela Moderna (paradidaticos) (2012)
>>> Estudos Espíritas de Divaldo Franco; Joana de Ângelis (Espírito) pela Feb (1983)
>>> Livro Religião Atos Introducao e Comentario de Howard Marshall pela Mundo Cristão (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Cortiço em Quadrinhos de Aluisio Azevedo pela Principis (2019)
>>> A Contadora De Historias de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2005)
>>> Nova Bíblia Viva de Vários Autores pela Mundo Cristão (2010)
>>> O poeta e o cavaleiro de Pedro Bandeira pela Ftd (1998)
>>> Livro Pedagogia Interdisciplinaridade Formação de Profissionais da Educação de Célia Maria Haas; Ecleide Cunico Furlanetto pela Pioneira (2000)
>>> Livro Infanto Juvenis O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> A Hora Da Verdade. Voo Livre de Pedro Bandeira pela Atica (paradidaticos) (1998)
>>> Livro Esportes Jogo Sujo O Mundo Secreto da Fifa Compra de Votos e Escândalo de Ingressos de Andrew Jennings pela Panda Books (2011)
>>> Emaranhados em mim - autografado de Fernanda Maia pela Ruja (2020)
>>> Dicionário Visual De Bolso 3 Em 1 de Dorling Kindersley pela Blucher (2011)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1987)
>>> Livro Auto Ajuda Quando Termina é Porque Acabou de Greg Behrendt / Amira Ruotola-behrendt pela Rocco (2006)
>>> Livro Música Song and Circumstance The Work of David Byrne from Talking Heads to the Present de Sytze Steenstra pela Continuum (2010)
>>> Lusco Fusco - Vida e morte de um desconhecido de Marcello Mathias pela Bertrand Brasil (1991)
>>> A violencia na contemporaneidade: o olhar da psicologia de Sandra amorim pela Crv (2015)
>>> Livro Filosofia Guia Politicamente Incorreto da Filosofia Ensaio de Ironia de Luiz Felipe Pondé pela Leya (2012)
>>> O ludico e a cognição de Margarete Bertolo Boccia pela Oikos (2014)
>>> Pantano De Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Livro Turismo Guia Visual Folha de São Paulo Cuba de Dorling Kindersley pela Publifolha (2004)
>>> Livro Artes A Arte de Fazer um Jornal Diário de Ricardo Noblat pela Contexto (2007)
>>> O Grande Conflito Ellen G White Uma Saga Milenar Novo de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
COLUNAS

Terça-feira, 21/7/2015
Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 6100 Acessos


Existem os poetas das alturas. Aqueles para quem a linguagem transcende o tema, embora o tema esteja lá, guardado, subterraneamente, na vida de sua sintaxe. Paul Valéry e Rainer Maria Rilke são os melhores exemplos.

Ana Elisa faz outro tipo de poesia. Ela passa pelo mundo, presa às pequenas torpezas da existência prosaica. É ali que ela transfigura o que seria apenas um drama banal (afinal, a vida é banal) em poesia. Não sem humor, não sem ironia, não sem nos dar de presente a surpresa do insight sobre nossa prosa cotidiana feita de amor, desilusão, prazer, emoção.

A poetisa acaba de lançar o livro "Xadrez" pela editora Scriptum, de Belo Horizonte. São aproximadamente 40 e tantos poemas, divididos em partes que remetem, por seus temas, ao jogo de xadrez. Peças, tabuleiro e jogadas. Lendo o livro não é fácil encontrar diretamente uma conexão entre estes títulos e os poemas, como se ali estivesse um projeto conceitual de poesia. No entanto, como no jogo de xadrez, pequenos agenciamentos da memória, ao longo da leitura e releitura dos poemas do livro, nos faz encontrar aqui e ali algumas possibilidades nessa arte de se estar no jogo, emendando e tecendo caminhos que se cruzam de um lado para o outro.

Há no livro variados interesses. Um deles, o interesse por comentar o exercício da poesia, como no poemas "Dia de caça", "Poesia", "Extrema" - que fala um pouco dessa insana atividade que é a poesia, que, parafraseando a poeta, faz amargar o amor deixando a vida à margem.

Também o corpo, suas partes, sentidos e prazeres, habitam sua poesia, jogando a vida na tra(u)ma de sua incoerência quase ontológica. Poemas como "Os meus cinco", "O dia antes", "Cuidado", são, entre outros, exemplos dessa nossa condição canhestra em relação aos afetos e desejos.

A frustração amorosa também vai se fazendo presente em vários momentos, sendo tratada, ora com uma certa seriedade, ora com uma ironia cortante, ora com um amargo gosto de niilismo. Poemas como "Sem sinal", "Minha incompreensão", "Aqueles ciúmes da Playboy", são dessa vertente.

A questão que fica depois da leitura de "Xadrez" é: essa leveza e ligeireza com que a poetisa trata os temas (mesmo com a dose adequada de ironia) é uma simplicidade ingênua ou é uma jogada de mestre para driblar o discurso sisudo que acredita ser possível resolver a vida (sempre torta, evidentemente), através de alguma crença, ideologia ou psicologia? Deixo para o leitor a questão.



Há também no livro alguns poemas de forte apelo existencial, nos jogando através de deliciosos insights na corrente livre da emoção. É o caso, por exemplo, do poema "O Filho", que diz o seguinte: "Já pensou/ o que é/ sentir/ o meu pulso/ pelo lado/ de dentro?"

Da necessidade vital que é a arte de se criar a vida pela linguagem, de gerar poesia, há o poema "Extrema", que assim fala: "pedi a Deus/ uma meia dúzia/ de palavras/ com que/ brincar/ antes/ de terminar/ sem vida/ e sem/ o que/ dizer".

O erotismo é outro tema que explode aqui e ali no livro "Xadrez", como no poema "Al dente", onde o objeto do desejo sequestra sua amada "feroz, com tudo/ com grude/ fogo alto/ amiúde/ num banho gostoso/ de água fervente".

Da mistura prazerosa entre literatura e sexo, a poetisa consegue gerar seu homem ideal, o que seduz pela linguagem e pela nudez do corpo desejado. É o caso do poema "Um homem e dois livros", do qual reproduzo, a seguir, uma parte: "Um homem onde se pode morar,/ cuidar, lavrar, plantar, colher e amar./ Um homem dentro do qual/ as palavras formam redes confortáveis./ um homem para se ler.// Meu fetiche é ver o homem/ trazendo os dois livros/- de sua autoria -/ embaixo do braço,/ nu em pelo,/ e dizer:/ "Deita aqui/ que vou lê-lo."

Certo desespero, ou niilismo, pode ser encontrado no poema "Oração destemperada", onde se lê, "Mas é tudo/ deste destempero/ tão próspero.// Eu bem queria ser forte,/ mas é tudo meio morte e/ meio sorte."

O livro "Xadrez", de Ana Elisa Ribeiro, consegue, em suma, fazer das fraturas do Ser o elemento principal do seu fazer poético, criando através de versos ora leves, ora cortantes, pensados como cada jogada de xadrez deve ser, fruto da memória que antecipa o movimento que virá, mas sempre sem saber se as coisas da alma e do corpo serão, no movimento seguinte, vítimas de uma navalhada na carne.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/7/2015

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da Tolerância Religiosa de Ricardo de Mattos
02. Elke Coelho e a estética glacial-conceitual de Jardel Dias Cavalcanti
03. Obrigada, daktaris de Adriana Carvalho


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Marcelo Mirisola: entrevista - 22/9/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aventuras Maravilhosas do Capitão Cororan
Alfred Assolant
Companhia Nacional
(2007)



Diários do Vampiro Anoitecer
L.J. Smith
Galera
(2010)



As Certezas Perdidas da Psicanálise Clínica
Stefania Turillazzi Manfredi
Imago
(1998)



Guia da Paris Impressionista
Patty Lurie
Record
(1998)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira A Noite do Professor
Jean Pierre Gattégno
Companhia das Letras
(1995)



Amarras do Passado
Emile Rose
Harlequin
(2013)



Dom Casmurro - Coleção Literatura Brasileira - Nova Ortografia
Machado de Assis
Ciranda Cultural
(2008)



Mercado Financeiro Produtos e Serviços
Eduardo Fortuna
Qualitymark
(2002)



Livro Sociologia Dez Lições para o Mundo Pós-pandemia
Fareed Zakaria
Intrínseca
(2021)



Pedagogia Social - Educação e Trabalho...
Noêmia de Carvalho Garrido et al. (Org.)
Expressão e Arte
(2011)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês