Como mudar a sua vida | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> Secrets of Yoga de Jennie Bittleston pela Dk (2000)
>>> Stress Você pode ser o Próximo Previna-se de João Vilas Boas pela Vilas (1998)
>>> O que é Ensinar de Regis de Morais pela E.p.u (1986)
>>> As Aventuras de Sandy e Junior de Toni Brandão pela Simbolo
>>> Humor nos tempos do Collor de Jó Soares / Veríssimo / Millôr Fernandes pela L&PM (1992)
>>> Def 2013 Pocket - Dicionário de Especialidades Farmacêuticas de Merck pela Epuc (2013)
>>> O Biscateiro de Abdias José dos Santos pela Vozes (1981)
>>> Deadpool - Meus Queridos Presidentes de Posehn Duggan - Moore pela Panini Comics (2015)
>>> Europa - Guia Visual - Folha De São Paulo de Publifolha pela Publifolha (2005)
>>> Formação de Professores e Trabalho Docente de Vários Autores pela Metodista (2007)
>>> Coleção Enciclopédia Disney - 8 Volumes de Disney pela Planeta (2001)
>>> Fórum dos Coordenadores de Joaquim Barbosa / Bárbara Sicardi pela Metodista (2003)
>>> O Último Portal de Eliana Martins / Rosana Rios pela Seguinte (2003)
>>> Batman Planetary - Edição de Luxo de Warren Ellis - John Cassaday - Dc Comics pela Panini (2014)
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes de Joyce Meyer pela Thomas Nelson (2001)
>>> Democracia Francesa de V Giscard D Estaing pela Difel (1977)
>>> Esperança Viva - Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora (2016)
>>> Manual Merck de Veterinaria de Merck pela Roca (2001)
>>> Conjugar Es Fácil En Español De España Y De América (spanish Edition) de González Hermoso, Alfredo pela Edelsa Grupo Didascalia (1997)
>>> Amy, Minha Filha - Amy, My Daughter de Micht Winehouse pela Record (2012)
>>> Avaliação da Inteligência de Marília Ancona-Lopez pela E.p.u (1987)
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela Jose Olympio (1973)
>>> Contos E Lendas - Os Doze Trabalhos De Hércules de Christian Grenier - Carlos Fonseca ilustrador pela Cia Das Letrinhas (2013)
>>> Educação do Olhar Vol2 de Vários Autores pela Mec (1998)
>>> Tres Sombras de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos Na Cia (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/5/2004
Como mudar a sua vida
Eduardo Carvalho
+ de 11700 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quando, em abril de 2000, fui conversar com um professor de Estética da USP, depois de uma aula sobre Renascimento, eu disse que, além de História, estudava também Administração de Empresas. Ele apontou para o ventilador da sala, e não me esqueço: comentou que minha cabeça devia estar rodando com mais velocidade do que aquelas hélices. Não entendo, até hoje, essa separação que inventaram entre o ambiente empresarial e o - não gosto da expressão - cultural. Não fazia sentido, para mim, na época. E hoje ainda considero um enorme absurdo. É na intersecção de assuntos em que se escondem pensamentos inéditos. Historiadores precisam também estudar finanças. É um exercício saudável: areja o cérebro, que às vezes está, durante anos, trancado num departamento mofado.

É que, de vez em quando, o historiador comete o mesmo equívoco do gerente de área de contabilidade: e começa a achar que o mundo circula em torno dos seus balanços. A briga mais estúpida do mundo é a mais normal dentro de grandes empresas: a disputa entre o "pessoal da Contabilidade" e "o pessoal do Financeiro". O historiador, quando considera o seu assunto o mais importante - a ponto de incapacitá-lo de entender outros -, se comporta como um contador emburrado. A origem dessa competição entre departamentos, em empresas, e entre assuntos, fora delas, é que esse "pessoal" - que almoça com crachá no bolso para anunciar que tem emprego, ou conversa apenas com os "companheiros de profissão" - está condenado a viver a vida dentro da organização em que trabalha, preso a um assunto específico; por isso precisa se convencer de que o "seu departamento" é o mais importante da corporação, ou o seu assunto o mais importante do mundo. São funcionários que reduzem, voluntariamente, todas as infinitas possibilidades para se aproveitar a vida a uma inútil competição entre departamentos. É uma modalidade sutil de suicídio espiritual - que inclusive auto-intitulados humanistas praticam com insistente freqüência.

Quando, então, um professor da escola - ou mesmo da faculdade - recomenda que um aluno curse Filosofia, porque tem "preocupações humanísticas", comete um erro desde o início do seu raciocínio: achando que apenas algumas pessoas têm, ou deveriam ter, essas esquisitas preocupações, e que todas elas deveriam estudar História, Letras, Filosofia, ou alguma coisa do gênero. Separando artificialmente, assim, esse indivíduo dos que "pensam apenas em dinheiro", e preferem estudar economia ou administração. É nesse momento que a ignorância assumida começa a se desenvolver: quando, orientado por um profissional, o adolescente inseguro dispensa quase todas as áreas do conhecimento para se concentrar na atividade que o remunerará. Ou então, iludido de que um curso de Filosofia expandirá o seu espírito, matricula-se numa faculdade fraca, lê livros confusos, se considera sabichão, e depois passa a vida sugando o Estado - porque acha que sua ilegível produção intelectual terá algum interesse prático ao resto da humanidade.

Tem gente que ainda encontra incoerência entre o interesse artístico e a vocação empresarial. Essa distinção precisa acabar. E de ambos os lados: intelectuais, ou quem assim se considera, devem respeitar mais o trabalho de aplicabilidade prática, como a administração de fazendas e a análise de ações de empresas; e também empresários e empregados de setores mais operacionais deveriam se aproximar mais dos livros - em vez de desprezá-los, considerando a leitura e a literatura atividades apenas "improdutivas".

Essa segmentação entre gente que trabalha em empresas - com vocação administrativa - e os que preferem assuntos humanísticos - e se afundam nos livros é mais comum em países subdesenvolvidos, com economias menos eficientes. Onde o executivo esforçado é confundido com um picareta qualquer, porque muita gente, há muito tempo, ganha dinheiro esfolando o Estado. É preciso, portanto, esclarecer um ponto elementar: o empreendedor - que transforma sua idéia em produto, e depois em empresa - é, por definição, inimigo do Estado, que aparece apenas para lhe exigir tributos. Novas idéias de serviços e produtos são resultados exclusivos da imaginação pessoal - mesmo que, em seguida, tenham sido desenvolvidas por um grupo.

Transformar idéias soltas em resultado financeiro não é fácil. E não é tampouco uma tarefa mecânica e monótona, como querem aqueles estudantes e cronistas que, achando que estudam ou praticam literatura, consideram o "mundo empresarial chato" - cheio de gráficos e planilhas incompreensíveis. Não é. O capitalismo proporciona um ambiente muito excitante a quem sabe aproveitá-lo. E isso pode ser incompatível com a preguiça cerebral de quem prefere, da periferia, apenas criticá-lo.

Diários de motocicleta

Ernesto Che Guevara viajou, por quatro meses, pela América Latina, e Walter Salles agora resolveu filmar o que Che registrou em seu diário. Diários de motocicleta poderia ser um filme sobre qualquer estudante curioso, que durante a faculdade decide conhecer de perto o seu - ou outro - país. Mas por acaso é de Che Guevara - que mais tarde se transformou num ídolo de gerações, inspirando a juventude que busca, desorientada, um mundo melhor.

Che Guevara representa, há décadas, os ideais de quem sonha por um planeta mais honesto. O que não significa necessariamente que ele tenha sido uma pessoa honesta. Seu símbolo não expressa o seu conteúdo. Guevara, no filme, é um sujeito simpático, que só consegue falar a verdade, incapaz de dizer pequenas mentiras. Mas isso não pode compensar os seus defeitos: Guevara foi, mais velho, um metralhador descontrolado, que estourava miolos antes de conversar com quem discordava. Se convenceu, ingenuamente, de que uma ideologia fraca poderia salvar o mundo; e assim justificou as barbaridades que cometeu. Foi usado por líderes totalitários, como Fidel Castro, e - para ficarmos na Revolução Cubana - colaborou com o desaparecimento de Camilo Cienfuegos, o, digamos assim, mais democrático líder da Revolução.

Eu fiz uma viagem, aos 20 anos, com um amigo, atravessando o Brasil e contornando o litoral de carro. Foi apenas por um país, mas, com mais de 10 mil quilômetros rodados, foi ainda mais longa do que a de Che. Reconheço que não era assim tão desinformado quanto Guevara, quando iniciou sua viagem; eu já havia, antes, feito viagens mais curtas, e entrado em contato natural com a pobreza brasileira. Concluí que alguma coisa precisa ser feita. Que a população precisa, com urgência, ser mais educada, em todos os sentidos. Mas não é o comunismo que salvará a América Latina. Che Guevara, no filme, de passagem, comenta que precisamos aprender com os russos; aprender o quê? Seria um desencanto, para o Guevara de atual, visitar hoje Nizhni Novgorod.

O filme da Walter Salles - Diários de motocicleta - não pretende ser uma biografia de Guevara. É apenas uma bonita seleção de suas memórias, em um momento específico de sua vida. Poderia ser baseado na vida de quase qualquer estudante. Acontece, porém, que a divulgação de Guevara assim, tímido e de bom coração, reforça uma imagem distorcida de quem ele realmente foi. E incentiva novas gerações - se as passadas já não bastam - a se apaixonarem por uma figura medíocre.

Como mudar a sua vida

Tenho lido, ultimamente, Alain de Botton, de quem já recomendei A arte de viajar, um texto delicioso para quem gosta de circular pelo mundo. Li agora Como Proust pode mudar a sua vida - e, entusiasmado, confesso: é o melhor livro de auto-ajuda que já li. Eu li a adaptação de Proust para os quadrinhos, de Stéphane Heuet, e vi o filme O tempo redescoberto, de Raul Ruiz; faltava agora, para completar o ciclo, ler o livro de Botton.

Proust é - ou poderia ser - uma figura literária intocável. Foi ele quem elevou a arte ao extremo, e mostrou o que é, no limite, e para que serve a literatura. Dificilmente alguém conseguiu ser tão pessoal e, ao mesmo tempo, tão universal. Proust mergulhou num mundo exclusivo e limitado: e tirou dele observações incríveis, mapeando praticamente todas as sensações humanas. E construiu assim a sua "catedral literária". Proust é sagrado. É por isso que todas as referências à sua obra soam banais.

O que não significa que elas sejam. O livro de Botton, aliás, é sobre Proust, mas poderia ser mais extenso: e se chamar Como a literatura pode mudar a sua vida. Porque pode.

Para ir além






Eduardo Carvalho
São Paulo, 21/5/2004

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. O batom na cueca do Jair de Luís Fernando Amâncio
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. O que você vai ser quando crescer? de Fabio Gomes
04. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro
05. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
02. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
03. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004
04. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
05. O chinês do yakissoba - 5/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/5/2004
15h19min
Eduardo Carvalho, gostei muito do seu artigo em que recomenda o urgente desbloqueamento das mentes burocratizadas ou tecnocratizadas etc. A burrice compartimentada consegue ser pior que a burrice ampla. Parabéns. Abraço
[Leia outros Comentários de João Honorio]
27/5/2004
16h25min
Perfeito, como sempre.
[Leia outros Comentários de FDR]
29/5/2004
02h47min
Muito bom, Eduardo. Gostei as observações sobre o filme do Walter Salles. Um abração,
[Leia outros Comentários de Sidney Vida]
29/5/2004
16h55min
Excelente. Mais ainda porque atravessei um período de minha vida (pós-demissão) no qual enxerguei (de fora da organização) todas as mediocridades que você mencionou. E fico com pena dos meus antigos colegas de trabalho, cercados de semelhantes e vedados para qualquer outra atividade que não a que fazem lá dentro.
[Leia outros Comentários de Natan]
23/6/2004
17h12min
Amigo Edu, posso sim concordar com você em algumas coisas: Che Guevara nem sempre foi um anjinho e a sua ideologia política merece muitas discordâncias - ainda mais hoje em dia, sabendo o final do filme socialista terráqueo. Agora, tem algo que veementemente não posso deixar passar: escrever que Che Guevara é uma figura medíocre? Muito difícil de engolir. No mínimo do mínimo, pelos seus feitos, foi um Rambo mais digno que Silvester Stallone. (E olha que este último aí teve uma ótima bilheteria...)
[Leia outros Comentários de Palhinha]
17/10/2006
14h52min
Acho que vou concordar com o teu professor, sobre a mente estar rodando mais veloz que as hélices do ventilador. Acho perfeitamente compreensível um administrador de empresas escrever que Che Guevara é medíocre; agora, para um Historiador, fica no mínimo intrigante. Concordo que ele não foi santo, mas analisar suas ideologias estando décadas à frente, é como criticar quem viveu na Idade Média, sabendo dos avanços que viriam depois. Quanto ao fracasso do sistema que ele defendeu, basta olhar a miséria existente na maior parte do mundo, que fica difícil saber se alguém estava certo...
[Leia outros Comentários de Silvana]
10/11/2006
15h38min
Gostei do seu texto. Principalmente porque eu estou perto do vestibular e por ter escolhido o curso de filosofia na universidade federal de pernambuco (UFPE), e administração na universidade de pernambuco (UPE). Concordo com como você colocou a questão da alienação: seja do lado dos administradores quanto do dos humanistas. Falta ao seu texto resaltar que: ao fazer adminstração, isso já é, em si, um modo de compreender o mundo e até de muda-lo. Quanto ao pessoal aí de cima, que são seguidores de Che, eu recomendaria que leiam Bertolt Brecht: Infeliz é o povo que acredita em heróis... (Quanto a mim, espero passar nos dois cursos.)
[Leia outros Comentários de thiago]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Perfect Heresy
S. O'shea
Profile Books
(2011)



Comentários às novas regras conrábeis brasileiras
Osmar Reis Azevedo
IoB
(2010)



Moscow City Guide
Mara Vorhees
Lonely Planet
(2006)



Vida de Don Quijote y Sancho
Miguel de Unamuno
Alianza
(2000)



Revista Bravo! Ano 3 Número 28
Phillippe Starck; Lobo Antunes; Antonio Araújo; Arrigo Barnabé; Bigas Luna
Davila
(2000)



O Camelô Figura Emblemática da Comunicação
Jean Yves Mollier
Edusp
(2009)



Meditação integral: Mindfulness como um caminho para crescer, despertar e estar presente em sua vida
Ken Wilber
Vozes
(2020)



Um amanhecer para recomeçar
Gilvanize balbino pereira pelo espirito saul
Petit
(2010)



Problemas de Cristalografia
P. Ducros - J. Lajzerowicz - Bonneteali
Paraninfo
(1968)



The Mediterranean Table
Sonoma Press
Sonoma Press
(2015)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês