Como mudar a sua vida | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/5/2004
Como mudar a sua vida
Eduardo Carvalho

+ de 10200 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quando, em abril de 2000, fui conversar com um professor de Estética da USP, depois de uma aula sobre Renascimento, eu disse que, além de História, estudava também Administração de Empresas. Ele apontou para o ventilador da sala, e não me esqueço: comentou que minha cabeça devia estar rodando com mais velocidade do que aquelas hélices. Não entendo, até hoje, essa separação que inventaram entre o ambiente empresarial e o - não gosto da expressão - cultural. Não fazia sentido, para mim, na época. E hoje ainda considero um enorme absurdo. É na intersecção de assuntos em que se escondem pensamentos inéditos. Historiadores precisam também estudar finanças. É um exercício saudável: areja o cérebro, que às vezes está, durante anos, trancado num departamento mofado.

É que, de vez em quando, o historiador comete o mesmo equívoco do gerente de área de contabilidade: e começa a achar que o mundo circula em torno dos seus balanços. A briga mais estúpida do mundo é a mais normal dentro de grandes empresas: a disputa entre o "pessoal da Contabilidade" e "o pessoal do Financeiro". O historiador, quando considera o seu assunto o mais importante - a ponto de incapacitá-lo de entender outros -, se comporta como um contador emburrado. A origem dessa competição entre departamentos, em empresas, e entre assuntos, fora delas, é que esse "pessoal" - que almoça com crachá no bolso para anunciar que tem emprego, ou conversa apenas com os "companheiros de profissão" - está condenado a viver a vida dentro da organização em que trabalha, preso a um assunto específico; por isso precisa se convencer de que o "seu departamento" é o mais importante da corporação, ou o seu assunto o mais importante do mundo. São funcionários que reduzem, voluntariamente, todas as infinitas possibilidades para se aproveitar a vida a uma inútil competição entre departamentos. É uma modalidade sutil de suicídio espiritual - que inclusive auto-intitulados humanistas praticam com insistente freqüência.

Quando, então, um professor da escola - ou mesmo da faculdade - recomenda que um aluno curse Filosofia, porque tem "preocupações humanísticas", comete um erro desde o início do seu raciocínio: achando que apenas algumas pessoas têm, ou deveriam ter, essas esquisitas preocupações, e que todas elas deveriam estudar História, Letras, Filosofia, ou alguma coisa do gênero. Separando artificialmente, assim, esse indivíduo dos que "pensam apenas em dinheiro", e preferem estudar economia ou administração. É nesse momento que a ignorância assumida começa a se desenvolver: quando, orientado por um profissional, o adolescente inseguro dispensa quase todas as áreas do conhecimento para se concentrar na atividade que o remunerará. Ou então, iludido de que um curso de Filosofia expandirá o seu espírito, matricula-se numa faculdade fraca, lê livros confusos, se considera sabichão, e depois passa a vida sugando o Estado - porque acha que sua ilegível produção intelectual terá algum interesse prático ao resto da humanidade.

Tem gente que ainda encontra incoerência entre o interesse artístico e a vocação empresarial. Essa distinção precisa acabar. E de ambos os lados: intelectuais, ou quem assim se considera, devem respeitar mais o trabalho de aplicabilidade prática, como a administração de fazendas e a análise de ações de empresas; e também empresários e empregados de setores mais operacionais deveriam se aproximar mais dos livros - em vez de desprezá-los, considerando a leitura e a literatura atividades apenas "improdutivas".

Essa segmentação entre gente que trabalha em empresas - com vocação administrativa - e os que preferem assuntos humanísticos - e se afundam nos livros é mais comum em países subdesenvolvidos, com economias menos eficientes. Onde o executivo esforçado é confundido com um picareta qualquer, porque muita gente, há muito tempo, ganha dinheiro esfolando o Estado. É preciso, portanto, esclarecer um ponto elementar: o empreendedor - que transforma sua idéia em produto, e depois em empresa - é, por definição, inimigo do Estado, que aparece apenas para lhe exigir tributos. Novas idéias de serviços e produtos são resultados exclusivos da imaginação pessoal - mesmo que, em seguida, tenham sido desenvolvidas por um grupo.

Transformar idéias soltas em resultado financeiro não é fácil. E não é tampouco uma tarefa mecânica e monótona, como querem aqueles estudantes e cronistas que, achando que estudam ou praticam literatura, consideram o "mundo empresarial chato" - cheio de gráficos e planilhas incompreensíveis. Não é. O capitalismo proporciona um ambiente muito excitante a quem sabe aproveitá-lo. E isso pode ser incompatível com a preguiça cerebral de quem prefere, da periferia, apenas criticá-lo.

Diários de motocicleta

Ernesto Che Guevara viajou, por quatro meses, pela América Latina, e Walter Salles agora resolveu filmar o que Che registrou em seu diário. Diários de motocicleta poderia ser um filme sobre qualquer estudante curioso, que durante a faculdade decide conhecer de perto o seu - ou outro - país. Mas por acaso é de Che Guevara - que mais tarde se transformou num ídolo de gerações, inspirando a juventude que busca, desorientada, um mundo melhor.

Che Guevara representa, há décadas, os ideais de quem sonha por um planeta mais honesto. O que não significa necessariamente que ele tenha sido uma pessoa honesta. Seu símbolo não expressa o seu conteúdo. Guevara, no filme, é um sujeito simpático, que só consegue falar a verdade, incapaz de dizer pequenas mentiras. Mas isso não pode compensar os seus defeitos: Guevara foi, mais velho, um metralhador descontrolado, que estourava miolos antes de conversar com quem discordava. Se convenceu, ingenuamente, de que uma ideologia fraca poderia salvar o mundo; e assim justificou as barbaridades que cometeu. Foi usado por líderes totalitários, como Fidel Castro, e - para ficarmos na Revolução Cubana - colaborou com o desaparecimento de Camilo Cienfuegos, o, digamos assim, mais democrático líder da Revolução.

Eu fiz uma viagem, aos 20 anos, com um amigo, atravessando o Brasil e contornando o litoral de carro. Foi apenas por um país, mas, com mais de 10 mil quilômetros rodados, foi ainda mais longa do que a de Che. Reconheço que não era assim tão desinformado quanto Guevara, quando iniciou sua viagem; eu já havia, antes, feito viagens mais curtas, e entrado em contato natural com a pobreza brasileira. Concluí que alguma coisa precisa ser feita. Que a população precisa, com urgência, ser mais educada, em todos os sentidos. Mas não é o comunismo que salvará a América Latina. Che Guevara, no filme, de passagem, comenta que precisamos aprender com os russos; aprender o quê? Seria um desencanto, para o Guevara de atual, visitar hoje Nizhni Novgorod.

O filme da Walter Salles - Diários de motocicleta - não pretende ser uma biografia de Guevara. É apenas uma bonita seleção de suas memórias, em um momento específico de sua vida. Poderia ser baseado na vida de quase qualquer estudante. Acontece, porém, que a divulgação de Guevara assim, tímido e de bom coração, reforça uma imagem distorcida de quem ele realmente foi. E incentiva novas gerações - se as passadas já não bastam - a se apaixonarem por uma figura medíocre.

Como mudar a sua vida

Tenho lido, ultimamente, Alain de Botton, de quem já recomendei A arte de viajar, um texto delicioso para quem gosta de circular pelo mundo. Li agora Como Proust pode mudar a sua vida - e, entusiasmado, confesso: é o melhor livro de auto-ajuda que já li. Eu li a adaptação de Proust para os quadrinhos, de Stéphane Heuet, e vi o filme O tempo redescoberto, de Raul Ruiz; faltava agora, para completar o ciclo, ler o livro de Botton.

Proust é - ou poderia ser - uma figura literária intocável. Foi ele quem elevou a arte ao extremo, e mostrou o que é, no limite, e para que serve a literatura. Dificilmente alguém conseguiu ser tão pessoal e, ao mesmo tempo, tão universal. Proust mergulhou num mundo exclusivo e limitado: e tirou dele observações incríveis, mapeando praticamente todas as sensações humanas. E construiu assim a sua "catedral literária". Proust é sagrado. É por isso que todas as referências à sua obra soam banais.

O que não significa que elas sejam. O livro de Botton, aliás, é sobre Proust, mas poderia ser mais extenso: e se chamar Como a literatura pode mudar a sua vida. Porque pode.

Para ir além






Eduardo Carvalho
São Paulo, 21/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
02. Deus: uma invenção?, de René Girard de Ricardo de Mattos
03. O ponto final da escrita cursiva de Vicente Escudero
04. Cinema Latino na Holanda de Tatiana Mota
05. Há um corpo estendido no chão de Glória Fernandes


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
03. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
04. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/5/2004
15h19min
Eduardo Carvalho, gostei muito do seu artigo em que recomenda o urgente desbloqueamento das mentes burocratizadas ou tecnocratizadas etc. A burrice compartimentada consegue ser pior que a burrice ampla. Parabéns. Abraço
[Leia outros Comentários de João Honorio]
27/5/2004
16h25min
Perfeito, como sempre.
[Leia outros Comentários de FDR]
29/5/2004
02h47min
Muito bom, Eduardo. Gostei as observações sobre o filme do Walter Salles. Um abração,
[Leia outros Comentários de Sidney Vida]
29/5/2004
16h55min
Excelente. Mais ainda porque atravessei um período de minha vida (pós-demissão) no qual enxerguei (de fora da organização) todas as mediocridades que você mencionou. E fico com pena dos meus antigos colegas de trabalho, cercados de semelhantes e vedados para qualquer outra atividade que não a que fazem lá dentro.
[Leia outros Comentários de Natan]
23/6/2004
17h12min
Amigo Edu, posso sim concordar com você em algumas coisas: Che Guevara nem sempre foi um anjinho e a sua ideologia política merece muitas discordâncias - ainda mais hoje em dia, sabendo o final do filme socialista terráqueo. Agora, tem algo que veementemente não posso deixar passar: escrever que Che Guevara é uma figura medíocre? Muito difícil de engolir. No mínimo do mínimo, pelos seus feitos, foi um Rambo mais digno que Silvester Stallone. (E olha que este último aí teve uma ótima bilheteria...)
[Leia outros Comentários de Palhinha]
17/10/2006
14h52min
Acho que vou concordar com o teu professor, sobre a mente estar rodando mais veloz que as hélices do ventilador. Acho perfeitamente compreensível um administrador de empresas escrever que Che Guevara é medíocre; agora, para um Historiador, fica no mínimo intrigante. Concordo que ele não foi santo, mas analisar suas ideologias estando décadas à frente, é como criticar quem viveu na Idade Média, sabendo dos avanços que viriam depois. Quanto ao fracasso do sistema que ele defendeu, basta olhar a miséria existente na maior parte do mundo, que fica difícil saber se alguém estava certo...
[Leia outros Comentários de Silvana]
10/11/2006
15h38min
Gostei do seu texto. Principalmente porque eu estou perto do vestibular e por ter escolhido o curso de filosofia na universidade federal de pernambuco (UFPE), e administração na universidade de pernambuco (UPE). Concordo com como você colocou a questão da alienação: seja do lado dos administradores quanto do dos humanistas. Falta ao seu texto resaltar que: ao fazer adminstração, isso já é, em si, um modo de compreender o mundo e até de muda-lo. Quanto ao pessoal aí de cima, que são seguidores de Che, eu recomendaria que leiam Bertolt Brecht: Infeliz é o povo que acredita em heróis... (Quanto a mim, espero passar nos dois cursos.)
[Leia outros Comentários de thiago]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês