O sexo a serviço da arte | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/4/2003
O sexo a serviço da arte
Adriana Baggio

+ de 6100 Acessos

O senso comum diz que a mulher que faz sexo com um homem que lhe dá dinheiro é prostituta. Mesmo que essa não seja a atividade que garante sua sobrevivência, mesmo que ela tenha outra profissão, mas que eventualmente aja desta maneira, pode ser considerada como prostituta. Mas se essa mulher gostar de fazer sexo com o homem que lhe sustenta? E se os encontros com este homem não forem eventuais, mas tenham uma certa freqüência, obedeçam a certos rituais? E se entre a mulher e o homem houver respeito, atração, admiração?

São esses questionamentos que passam pela cabeça de Monica Szabo, personagem do livro A boa fortuna, de Mary Gordon (Bertrand Brasil, 2002, 320 páginas). Monica é uma pintora com trabalhos de qualidade, boa técnica, algum respaldo, mas que não "aconteceu" como artista. Além de pintar ela dá aula em uma faculdade. Seus melhores amigos são o vira-lata Mike e o psiquiatra homossexual Michael, que às vezes servem de inspiração para seus quadros.

Monica é uma mulher na faixa dos 50 anos, divorciada, com filhas gêmeas. Um belo dia, Monica vai dar uma palestra na galeria de sua amiga e aborda a relação entre o artista e sua musa, e comenta a falta de "musas" do sexo masculino para as pintoras. Na platéia, um homem de meia-idade, bem-apanhado, levanta-se e oferece-se como musa. Monica e B., como ela passará a chamá-lo até quase o fim do livro, saem da galeria e vão direto para um restaurante chique, depois vão dançar, e depois vão para a fabulosa casa de B. Desde o começo, B. é objetivo e faz logo sua proposta: ele tem muito dinheiro, trabalha com mercado de futuros na bolsa de valores e quer investir em Monica para que ela possa desabrochar como pintora. Ele vai oferecer-lhe tempo, espaço, tranqüilidade e sexo, quando e se ela quiser.

Ao mesmo tempo em que Monica fica em dúvida quanto à dignidade da proposta e de seu papel na situação, não consegue deixar de aproveitar o sexo com B., nem o luxo proporcionado pelo seu dinheiro. O sexo é um ponto importante. Tanto para ela, uma mulher de meia-idade e divorciada, quanto para seu amigo Michael, homossexual na mesma faixa etária, conseguir sexo de boa qualidade é difícil. Temos aqui a representação da mulher, do homem, do homossexual. O único que consegue sexo com facilidade é B., o homem, que além de heterossexual, é rico.

O relacionamento entre Monica e B. vai se desenvolvendo. Monica, no entanto, não consegue aceitar facilmente a relação. O sexo com ele é bom, ele trata-a com respeito, gentileza, delicadeza. Cozinha, compra presentes, leva-a para passear. Deixa-a sozinha quando ela quer pintar. Monica, incapaz de lidar com o estilo do relacionamento, aos mesmo tempo em que não quer abrir mão dele, boicota B. para ter a ilusão de que, de alguma maneira, ela tem poder sobre ele. O sexo é determinado basicamente por Monica. O sexo só acontece quando ela quer. Mas acontece mais vezes do que ela gostaria, não porque seja ruim, mas porque gostaria de negar esse homem.

O relacionamento constrói-se sobre as dificuldades de Monica em lidar com o fato de ser sustentada por B. Mais do que sustentar, B. proporciona a Monica o que ela nunca teria se continuasse na vida anterior: tempo e condições para desenvolver seu talento. Em determinado momento, Monica tem a idéia de representar a figura masculina conforme algumas obras da renascença, onde o Cristo é mostrado num estado de relaxamento que lembra mais um pós-coito do que a morte. Nessa série de telas, B. é seu modelo e inspiração: sua musa.

Para realizar seu trabalho, Monica viaja com B. para Milão, para poder ver as telas dos mestres que servirão de base para seu trabalho. Encerradas as telas, num processo no qual Monica é a própria encarnação do artista temperamental, surge uma pintora que não é mais somente uma artista correta com um talento médio, mas uma verdadeira atração. A exposição das telas é um sucesso de crítica, de público e de mercado. Monica vende todas as telas, e seu sucesso abre as portas para que uma mecenas patrocine-a. Monica é, agora, uma mulher rica. E nesse ponto, B. faz uma transação desastrada e perde todo seu dinheiro. A situação se inverteu. Como Monica vai lidar com isso?

A boa fortuna é descrito como um romance erótico. Acredito que seja mais do que isso, ou algo diferente disso. É evidente que o erotismo permeia toda a obra. O relacionamento de Monica e B. baseia-se em sexo, pelo menos no princípio. O que leva B. a querer investir em Monica, como ele mesmo diz, é não somente sua vontade de apostar na possibilidade do talento da pintora, mas a atração que sente por ela. Monica, por sua vez, quer negar o seu papel no relacionamento, mas não consegue por estar presa a ele pelo sexo.

O livro é mais do que sexo porque aborda outras dicotomias relacionadas aos valores, ao modo de vida da nossa sociedade. Existe a dicotomia arte x dinheiro. Monica não se interessa, ou procura não se interessar pelo trabalho de B., numa tentativa de valorizar sua atividade e de não se "contaminar" com o dinheiro, mesmo sendo esse dinheiro o que possibilita seu desenvolvimento como artista. Ou seja, o dinheiro impedia que seu talento desabrochasse, porque ela tinha que ocupar seu tempo trabalhando para sobreviver. No entanto, é o próprio dinheiro que permite o seu sucesso. É essa dependência financeira que incomoda Monica.

Outra dicotomia está presente na relação dever x prazer. Monica não deve aceitar a proposta de B., mas ao mesmo tempo deseja-o, e frui do que o luxo proporciona. E a terceira dicotomia refere-se ao recorrente sexo x amor. O sexo com B. é bom. Ele é gentil, atencioso, quente, e todos os outros adjetivos que possam ser relacionados a um amante ardente. Mas porque a relação é baseada em sexo, parece não haver espaço para o amor. A palavra praticamente não é utilizada em todo livro, mas será que respeito, dedicação, prazer, gentileza e admiração valem menos do que amor?

A boa fortuna mostra a visão de uma mulher que não sabe direito como se posicionar numa relação baseada em valores diferentes daqueles que consideramos como positivos. Sexo ou amor, arte ou dinheiro, dever ou prazer? Tudo isso se explica quando percebemos a presença sutil da religiosidade nas tramas da história. Esta participação é manifestada mais claramente quando alguns ativistas católicos protestam em frente à galeria que expõe as obras de Monica. É como se as dúvidas da consciência da pintora saíssem do âmbito da sua cabeça e se concretizassem. Monica resiste: na sua arte, no seu relacionamento não-convencional, na sua nova maneira de aproveitar a vida. Ela precisou libertar-se para poder crescer. O prêmio, o reconhecimento, veio pelas mãos dos pecados: a luxúria, a riqueza, a individualidade, o prazer. Mesmo Monica não sendo uma boa menina, ela já está no céu.

Para ir além



Adriana Baggio
Curitiba, 10/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
02. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Ouro do Brasil de Marilia Mota Silva
04. Machado de Assis, Huysmans e os rabos de gato de Eugenia Zerbini
05. Mamãe cata-piolho de Marta Barcellos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GENÉTICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: SINDROMES E HERANÇAS
ZAN MUSTACCHI E SERGIO PERES
CID
(2000)
R$ 130,00



AS FABULOSAS ÁGUAS QUENTES DE CALDAS NOVAS - ANTOLOGIA
TAYLOR ORIENTE ORG.
ORIENTE
(1982)
R$ 9,59



TRIAGEM VIRTUAL DE IMAGENS DE PATOLOGIA USANDO CBIR E REDES NEURAIS
HIGOR NETO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ADMIRÁVEL MUNDO NOVO VERSÃO BROCHURA
ALDOUS HUXLEY
BIBLIOTECA AZUL - GLOBO
(2014)
R$ 35,83



CAPITALIZAÇÃO: HISTÓRICO, CONCEITOS, PERSPECTIVAS
EDMILSON GAMA DA SILVA E OUTROS
FUNENSEG (BRASÍLIA)
(2006)
R$ 24,99



A ESTRELA
JAVI ARAGUZ ISABEL HIERRO
RAI
(2012)
R$ 14,00



A ARCA DE NOÉ
CEDIC
CEDIC
(2013)
R$ 9,00



VOCÊ NÃO É UMA ILHA: DINÂMICAS DE GRUPO
MIGUEL GONZALEZ
ED. PAULINAS
(1993)
R$ 14,00



ALFABETIZAÇÃO UM PROJETO BEM SUCEDIDO
SÉRGIO ANTONIO DA SILVA LEITE
EDICON
(1982)
R$ 4,90



O NEGÓCIO DO SÉCULO XXI
ROBERT KIYOSAKY
CAMPUS ALTABOOK
(2009)
R$ 50,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês