Por que não estudo Literatura | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> Administração e Eficaz de Ellen G. White pela Religião
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Martin Claret Pocket (1999)
>>> A Chance de uma Bola de Neve no Inferno da Natureza de Fronhas e Lenço de Fabio Brandi Torres pela Patuá (2014)
>>> Noite-égua de Nelson Rego pela Terceiro Selo (2015)
>>> Direito Constitucional - Décima Nona de Alexandre de Moraes pela Atlas (2006)
>>> Bar Don Juan de Antônio Callado pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Passagem para Ravena de José Ricardo Moreira pela Formato (2004)
>>> Moderna Plus - Geografia - Parte II de Lygia Terra pela Moderna (2011)
>>> Revolução do Caráter de Peter Howard pela Palácio dos Livros (1964)
>>> Pippi Longstocking de Astrid Lindgren; Louis S. Glanzman pela Puffin Usa
>>> Woyzeck. Leonce e Lena de Georg Büchner pela Ediouro
>>> Tanto Barulho por Tullia de Ilaria Borrelli pela Globo
>>> Ratos e Homens - Edição de Bolso - Texto Integral de John Steinbeck pela L&pm Pocket (2007)
>>> Doing Business in Brazil (versão Em Português) de Vários Autores pela Britcham (2007)
>>> Negociação Total de José Augosto Wanderley pela Gente (1998)
>>> A Cama Desfeita de François Sagan pela Circulo do Livro
>>> Minha Vida Indecisa de Jessica Brody pela Novo Seculo (2012)
>>> Seu Léo e o Pintadinho de Odette de Barros Mott pela Atica (1987)
>>> Manual Merck de Informação Médica: Saúde para a Família de Robert Berkow pela Manole (2002)
>>> Aventuras do Cara de Macaco, as - V. 3 de Knife & Packer; Marcia Regina Frai pela Fundamento (2016)
>>> Etica Empresarial - 3ªrevista de Robert Henry Srour pela Campus (2008)
>>> As Digitais das Sombras de Wilker Sousa pela Patuá
>>> Os Pensadores: Wittgenstein de Victor Civita pela Nova Cultura
>>> Uma Canção Nas Trevas de Edgar Wallace pela Abril Cultural (1982)
>>> A Mula de Juan Eslava Galán pela Benvira (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/9/2004
Por que não estudo Literatura
Eduardo Carvalho

+ de 11000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Porque, em primeiro lugar, fui traumatizado, no ginásio, por professoras frustradas, que estudaram Letras porque não podiam - ou não queriam - estudar mais nada. E, portanto, ensinavam os alunos a não gostar de Literatura: recomendavam livros entediantes e, se não bastasse, exigiam análises e interpretações frígidas, esquemáticas - que eu não sabia e não queria fazer. Fui gostar de geografia, que me apresentava um mundo mais palpável, real. Literatura sempre me pareceu uma matéria distante e abstrata - que me obrigavam a estudar apenas porque, em certa medida, complementava o estudo de História. Todos os livros eram encaixados em fases precisamente definidas, que eram marcadas pelo acontecimento político do momento. Nada mais - era a minha impressão - influenciava as decisões do personagem ou do autor. Acontece que a Literatura há anos está, neste aspecto - como ilustração de uma época -, superada pelo cinema e pela televisão.

E é por isso que minhas professoras eram frustradas: porque elas percebiam isso. Elas reconheciam, ainda que secretamente, a inferioridade da literatura em relação à telenovela. Normalmente, porém, elas se recusavam a assumir - e nos enchiam com livros cansativos e inúteis enquanto, às 8 horas, grudavam na tela da televisão. E este, estou certo, não foi apenas o meu caso. Dificilmente alguém, no Brasil, teve um professor de Literatura que - no fundo, no fundo - gostasse de Literatura. Por vários motivos, mas, e principalmente, porque a forma como Literatura é ensinada, no Brasil, é extremamente chata. Talvez por um motivo razoável: porque Literatura, Literatura mesmo, é praticamente impossível de ser ensinada - se é que deve ser, numa sala de aula normal.

Eu não acho: eu não acho que o estudo de Literatura em sala de aula é fundamental à formação educacional de ninguém - e esse é o segundo motivo pelo qual eu não fui, depois do colegial, para a faculdade de Letras. Porque eu acredito que o gosto literário - e por Literatura - aparece e se desenvolve naturalmente. E precisa ser assim. Com conselhos de amigos e ajuda de críticos, claro, mas sem o apoio de uma instituição dura, rígida, como uma universidade. A principal função da Literatura - a educação sentimental, digamos assim - desaparece quando a dedicação aos livros se torna obrigatória e mecânica. A Literatura, dentro da sala de aula, desconfigura-se, e perde a utilidade que tinha. Tanto é assim que, repare, já os calouros se entopem de teorias interpretativas e artigos quase didáticos, sem encostar nos clássicos originais. E esse tipo de estudo não tem nada a ver com Literatura.

Ou seja: decidi me dedicar, na universidade, a um tema árido, às vezes, mas quase sempre útil. Porque outro ponto que me incomodaria, se eu fosse para uma faculdade de Letras, é a substituição da vida prática por uma imaginação artificial. Uma imaginação que a maioria dos estudantes de Letras imagina que tem. Como se estudar Literatura, no ambiente da universidade, significasse se dedicar a um mundo paralelo, com explicações e sensações maravilhosas, desconhecidas por quem não está matriculado no curso. Essa dedicação integral à Literatura - ou mesmo a ilusão da dedicação - é também limitadora. Porque a principal utilidade da Literatura, para mim, é potencializar o aproveitamento da vida prática - e esse aproveitamento acabaria, se eu me dedicasse exclusivamente aos livros.

Viaje sem viagem

Viaje na Viagem, de Ricardo Freire, saiu em 1998 - "há um tempão", ele diria - mas tem me divertido muito, nos últimos dias. O autor, ex- publicitário, escreve surpreendentemente bem: publicitários costumam se preocupar muito com o ritmo e esquecem que o texto precisa também, em algum momento, de conteúdo. Mas Freire lembra dessa parte: e, com uma prosa rápida, engraçada, o livro passa dicas e informações úteis a viajantes de todos os tipos, de casuais a profissionais. Suas observações são também apuradas: quando comenta sobre essa mania de conhecer o local como nativo, por exemplo, alerta os principiantes: "você sempre vai ser um turista". E um turista, insisto, com outra frase pescada no livro: "e não um astronauta".

Porque brasileiros - talvez pela nossa distância dos destinos turísticos convencionais - ainda viajam para outro país com o espírito de quem embarca numa jornada intergaláctica. E os homens se fantasiam de jogador de futebol, com camisa do Brasil e pochete na cintura. Nem um astronauta acaba tão mal vestido. E o figurino da mulher o próprio Freire descreve, indiretamente, quando trata os brasileiros como "turistas emergentes (com todas as implicações vera-loyólicas do termo)".

O estilo do livro é, portanto, muito pessoal, mas Ricardo Freire tem bom-senso e senso de humor - um senso de humor de publicitário, bem entendido. Sobre Londres: "Londres é a Paris dos modernos. Eu particularmente não consigo gostar, mas entendo, compreendo e dou a maior força para quem gosta." O livro é permeado por essas generalizações. Quer dizer: Londres é a Paris dos modernos para os modernos, para quem pretende ser moderno ou, como é o caso de Freire, para quem convive com modernos. Não é para mim, por exemplo - e o leitor é, em todos os momentos, estimulado a viajar para desenvolver também as suas opiniões.

Viagem em revista

Enquanto a viagem não chega, porém, confie nas recomendações de Freire, que em geral são boas. Como a sobre a revista Condé Nast Traveler - da mesma editora da New Yorker e Vanity Fair, para os entendidos: "a mais influente, mais bem escrita e bem diagramada das revistas de viagem." E compre guias: a maioria dos meus são Lonely Planet, mas agora os da Rough Guide, que usei na Polônia, são meus favoritos: segundo Freire, "não tão completos quanto o Time Out, quase tão alternativos quanto o Lonely Planet e muito mais doidões que os dois juntos". Doidões? São os mais bem escritos, garanto.

Para ir além






Eduardo Carvalho
São Paulo, 24/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
03. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/10/2004
10h15min
Os primeiros contatos com livros na minha infância foram com trechos de obras que se encontravam nos grossos livros didáticos de Comunicação e Expressão, mais precisamente na seção de literatura. Sempre achei que jamais teria um livro, até porque eu não via necessidade nisso já que os didáticos me traziam o que precisava para o gasto. Minhas primeiras experiências em se tratando de leitura foram como a maioria das crianças pobres naqueles anos 60: os já citados trechos nos livros didáticos, as fotonovelas, alguns gibis (estes como aquelas na maioria emprestados às minhas irmãs) e bolsilivros (aqueles de faroeste, de espionagem e até de romances água com açúcar). Minha primeira aquisição de uma obra, já então com 20 anos, foi o “Perdidos na noite”, de um certo James Leo Herlihy, cuja transposição para o cinema contou com as soberbas interpretações de Jon Voight e Dustin Hoffman e teve como uma das trilhas sonoras a belíssima canção “Everybody talkin’”, na voz de Harry Nilsson. Daí foi só um passo para ter o meu acervo pessoal: uma biblioteca com uns 600 volumes das mais diversas literaturas, evitando o máximo que eu posso os medonhos “best-sellers”. Às vezes fico pensando que não vou viver o suficiente para ler tudo o que está ali, já que eu continuo com essa mania de adquirir pelo menos uns dois por mês. E, sim, eu fiz o tal Curso de Letras, que na verdade até hoje me pergunto porque de tão inusitado ato. Pode ter sido pela exigência de se tirar um diploma, que para tal ainda não vislumbrei necessidade alguma. Vale ressaltar que sempre fui uma das figuras mais introvertidas de minha época de estudante e só me faltava ter um treco se alguém me olhasse, quanto mais se uma professora se lembrasse de que eu existia e chamasse meu nome para tal tarefa, até mesmo para ouvir de mim o “Presente!”. Refugiei-me então entre os livros, que não me exigiam mais do que meu silêncio e meu tempo todo disponível, depois dos afazeres de todo menino de família classe baixa-baixa: ir pra inevitável escola, cuidar de limpar o quintal, encher as vasilhas de água e jogar bola a tarde inteira. Neste caso, a literatura pode ter salvo uma alma do abismo das ignorâncias. Por outro lado, não consigo entrever uma utilidade prática para a literatura, ou, em outras palavras, poder aplicar no cotidiano o que a leitura me permite interpretar. Então, por que lês, me pergunta a esfinge: Leio porque lendo eu me desdigo o tempo todo; porque necessito de contraponto.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
3/10/2004
11h47min
No mural do bloco do meu curso (que por acaso não é Letras, faço Biologia) tem uma frase do Nietzsche: "A arte existe para que a realidade não nos destrua". Não creio que a função da literatura seja a de potencializar o aproveitamento da vida prática. A literatura, ao menos na minha vida, funciona para não deixar que a realidade me destrua.
[Leia outros Comentários de Carol]
6/10/2004
18h49min
Eu também detestava aulas de literatura. O que me parecia estranho, já que sempre adorei literatura, desde a mais tenra infância. Geralmente não gostava dos livros indicados, principalmente porque me afastavam, ainda que por um breve tempo, dos livros realmente interessantes. E, se por milagre, algum livro bom era indicado, o prazer da leitura era arruinado pela consciência de que eu teria que fazer alguma interpretação estúpida, depois. Ainda bem que o gosto pela leitura já era arraigado e anterior às tais aulas. Ou elas poderiam ter me feito não gostar de ler.
[Leia outros Comentários de Gabi]
6/10/2004
20h54min
Sinceramente, jamais iria imaginar que o meu gosto pela literatura pudesse surgir nas maçantes aulas de literatura e gramática. E não surgiu mesmo! Foi graças ao "catecismo" do Carlos Zéfiro e da série Vagalume que eu adquiri o gosto pelas letras. Infelizmente o prazer pela polemização e o excessivo esforço de teorização do "nada" contribuiram para a falência do curso de letras e consequentemente aqueles que heroicamente ainda se aventuram na faculdade saem de lá cada vez mais chatos e paranóicos!
[Leia outros Comentários de Gui]
4/5/2006
04h06min
Curiosamente, fui estudante de Letras APESAR da Literatura. No segundo grau, tive: no 1o. ano, uma professora mal amante da Literatura; no 2o. ano, vários professores mal amantes (alguns até escritores de livros didáticos) da Literatura; no 3o. ano, um professor hipocondríaco que, se gostava de Literatura, esqueceu de nos emprenhar com esse gosto. Ainda assim, fui fazer Letras e estudar Literatura. E descobri que, como na Física, na Geografia, na Matemática, há bem mais a ser explorado e conhecido do que nos querem fazer acreditar os professores do segundo grau (ou qualquer nome novidadesco que se venha atribuir a essa fase do ensino). Pena mesmo é, na maioria das escolas, como faz a maioria dos professores, nos desensinarem (ou nos ensinarem a desamar) Literatura, Português, História, Artes Plásticas... Porque todo conhecimento contribui, sim, para o nosso crescer, depende, tal qual alimento, de como e em que doses e com que cara seja (ad)ministrado.
[Leia outros Comentários de Petruska]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cal - um Diário de Amor e Terrorismo na Irlanda.
Bernard Mac Laverty
Brasiliense
(1986)



Équitation Classique Expliquée (cavalos)
Henri Decelle
Crépin Leblond
(1988)



Concubinato União Estavel
Irineu Antonio Pedrotti
Leud
(1997)



Carta a Proba e a Juliana. Direção espiritual
Santo Agostinho
Paulinas
(1987)



Projeto Universos - História - 9º Ano - 2º
Ediçoes Sm
Sm
(2012)



Revista Careta Nº 2745
Tarso de Castro
Três
(1981)



El Libro de las Tintas
Ruth Rocha e Otávio Roth
Melhoramentos
(1992)



Açucar: Amigo Ou Vilão?
Yotaka Fukuda
Manole
(2004)



Nova Enciclopédia da Família Vol. 5
Diário de São Paulo
Visor
(2004)



A adúltera
Adelaide Carraro
A L Oren





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês