Intelectualidade e democracia | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre um Papo recebe lançamento de Lívia Sant’Anna Vaz
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ode a Pablo Neruda
>>> Duetos com Renato Russo
>>> Eureca!
>>> A secretária de Borges
>>> Saint-John Perse: o oxigênio da profundeza
>>> Ela tem um blog?
>>> 8 de Abril #digestivo10anos
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Querem proibir as palavras
>>> WikiLeaks, uma arma contra o abuso de poder
Mais Recentes
>>> Sonhos Lúcidos - uma Iniciação ao Mundo dos Feiticeiros de Carlos castaneda pela Nova Era (1993)
>>> Matematica Financeira de Augusto c. morgado benjamin cesar pela Elsevier (2006)
>>> Escolas da Floresta: Entre o Passado Oral e o Presente Letrado de Nietta Lindenberg Monte pela Multiletra (1996)
>>> Samurai Saburo Sakai de Martin caidin e fred saito pela C & R Editorial (2014)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> Estatistica basica de Wilton de o. bussab pedro a. morettin pela Saraiva (2010)
>>> Ecg Essencial - Eletrocardiograma na Prática Diária de Malcolm S. Thaler pela Artmed (2008)
>>> O vampiro que descobriu o brasil de Ivan jef pela Atica (2019)
>>> Pilates para Você um Guia Completo para Pratica de Pilates Em Casa de Ann Crowther e Helena Petre pela Madras (2010)
>>> Òrun Àiyé: o Encontro de Dois Mundos de Jose beniste pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Ecos do Cinema de Lumière ao Digital de Ivana bentes pela Ufrj (2007)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald dethlefsen rudiger dahlke pela Cultrix (2007)
>>> Redes de Computadores Guia Total de Lindeberg barros de sousa pela Érica (2009)
>>> O Efeito Nocebo de Roger de lafforest pela Siciliano (1991)
>>> O Poder da Ação de Paulo vieira, phd pela Gente (2015)
>>> Como Se Iniciar na Bruxaria de Hans holzer pela Record (1980)
>>> Mulheres que correm com os lobos de Clarissa pinkola estes pela Rocco (1994)
>>> Linguagem de corpo de Cristina cairo pela Mercuryo (2009)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> A Arte de Escutar de Carla faour pela Agir (2009)
>>> Gabo Periodista de Héctor Feliciano pela Fnpi (2014)
>>> Treinamento Desportivo, Carga, Estrutura e Planejamento de Prof. Dr. Armando Forteza de La Rosa pela Phorte (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 20/1/2004
Intelectualidade e democracia
Luis Eduardo Matta

+ de 5900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Se existe uma coisa que me espanta profundamente no Brasil, é a facilidade com que uma expressiva parcela da nossa intelectualidade enche a boca para defender os valores democráticos ao mesmo tempo em que parece se recusar a exercê-los na prática. Não que isso seja uma novidade, muito pelo contrário. Trata-se de uma herança de um tempo em que o embate ideológico se dava num mundo bipolar sem espaço para a neutralidade; onde reinava uma divisão nítida, concreta entre direita e esquerda, capital e trabalho, conservadores e progressistas, burgueses e socialistas, defensores do imperialismo americano e do totalitarismo soviético. Foram anos movidos a esperança, em que o planeta vivia um momento delicado de transformações acentuadas e, conseqüentemente, conflitos decorrentes desse processo. O debate político não era mera retórica. Tomar partido era praticamente uma obrigação para os que exerciam publicamente o ato de pensar. Não existia meio termo e nem poderia. Aquele que optasse pela conciliação corria o risco de ficar marcado como um potencial inimigo por ambos os lados. Uma remota suspeita de traição poderia ser punida com rigores que fariam corar os mais devotados servidores do inferno.

Veio o ano de 1989, o muro de Berlim e a cortina de ferro foram abaixo, o regime socialista europeu mostrou-se um embuste, a repressão política na América Latina minguou e a economia de mercado rompeu a década de 90 ostentando uma falsa pátina de triunfo que deixava entrever todas as suas falhas, feridas e contradições. A reviravolta decorrente do fim da União Soviética e do delírio socialista fez nascer um mundo diferente, infinitamente mais complexo e nebuloso do que aquele em que boa parte da classe pensante em atividade se formou. No entanto, o debate ideológico continuou misteriosamente circunscrito ao modelo antigo, amparado na clássica divisão simplista entre direita e esquerda. Ainda hoje assistimos estarrecidos a senhores e senhoras de aparência séria, retórica afiada, olhares compenetrados e uma reputação construída nesse remoto passado bipolar, entregando-se apaixonados a discursos absurdamente anacrônicos, que bem poderiam ter sido redigidos em plena doutrina Eisenhower, não importa se por burocratas da CIA ou por revolucionários cubanos. E a impressão que passam, pelo menos para observadores isentos como este humilde colunista que vos escreve, é a de que, com raras exceções, a intelectualidade brasileira, pelo menos no que tange à política, não se modernizou, não importando a faixa etária dos seus membros. E permanece tão ridiculamente sectária e inflamada quanto no passado, como se o velho inimigo estivesse à espreita precisando ser derrotado a qualquer custo, numa luta desesperada de vida ou morte.

O que fazer diante de um quadro lastimável desses? Às margens do Rio Piedra, sentar e chorar? Aposentar à força a parte fossilizada da intelligentzia nacional e estimular a aparição de uma outra, sintonizada com as demandas da nossa época e sem os ranços ideológicos de um passado de lutas que pouco tem a nos dizer hoje? Ou, estimular o debate livre? É claro que as almas devotadas ao raciocínio ficarão com essa terceira hipótese, mas, se forem perspicazes, logo se darão conta de que se trata da de mais difícil realização, por uma razão simples: o intelectual brasileiro odeia a proximidade com seus adversários e abomina o confronto de idéias.

Voltemos, então, ao início do presente artigo, quando mencionei a falta de apego da nossa intelectualidade ao exercício dos princípios democráticos. O que eu quis dizer com isso? Ora, a base de qualquer democracia é o trânsito irrestrito de idéias. Numa nação democrática, a palavra é inteiramente liberta. Por mais abominável, por mais hedionda e execrável que seja a sua opinião, você tem todo o direito de externá-la sem o risco de sofrer qualquer espécie de punição em resposta. E, quando estas opiniões são confrontadas e debatidas à exaustão pela minoria - sim, porque os pensadores com "p" maiúsculo são e sempre foram uma minoria em qualquer sociedade - com mais bagagem cultural para referendá-las e embasá-las, instala-se um saudável ambiente de liberdade, no qual o bom-senso tem grandes chances de sair vitorioso. O fato é que esse debate no Brasil nunca aconteceu; não, ao menos, nos moldes necessários para um país que tanto necessita encontrar um rumo. Talvez por este nunca haver sido o real objetivo de uma classe intelectual majoritariamente oportunista, cuja preocupação sempre foi muito mais a de se projetar, auferir fama e arregimentar adeptos e admiradores, do que a de construir um modelo de pensamento que de fato se dispusesse a refletir honestamente sobre a nossa triste realidade, propondo uma maneira de reformá-la, sem resvalar para delírios revolucionários, soluções milagrosas importadas, populismo barato e, em alguns setores, para uma irresistível atração por um conservadorismo oligárquico quase feudal.

Outro dia me flagrei imaginando como seria bom se existisse no Brasil uma publicação de alto nível que agregasse as melhores cabeças do país, adeptas das mais diferentes formas de pensamento, gente de direita, esquerda, religiosa, laica, filósofos e analistas políticos de todas as tendências, economistas liberais e ortodoxos, partidários dos movimentos civis de afirmação racial, sexual, social e - por que não? - seus mais fervorosos opositores. Essa publicação, que poderia ser um jornal ou revista, teria um comitê editorial neutro, essencialmente apartidário, que só interviria em última instância e, mesmo assim, atuando como um árbitro rigoroso, isento e justo. Sua função seria unicamente a de oferecer-se como suporte para um debate totalmente livre de qualquer espécie de censura. É duro admitir isso, mas o projeto dessa revista é irrealizável hoje, por uma série de razões, desde as mais óbvias - alcançaria um público muito restrito, teria poucos anunciantes por causa da pequena tiragem e do teor polêmico de muitos dos seus artigos; não teria dinheiro para pagar os articulistas mais reputados que, com raras exceções, não escreveriam de graça, etc. - até a mais inconfessável: poucos são os autoproclamados pensadores brasileiros que possuem estofo suficiente para enfrentar uma verdadeira arena de debates, onde os chavões ideológicos não têm vez e onde a ausência do manto protetor de uma linha editorial amiga e engajada, põe à prova qualquer teoria que não esteja milimetricamente endossada por uma sólida argumentação baseada numa profunda formação cultural, na ética e, sobretudo, no bom-senso.

Quantas vezes eu já me vi envolvido em discussões em que, sem querer, levava um inflamado interlocutor à beira de um ataque apoplético tentando ingenuamente mostrar que o antigo conceito de direita e esquerda não fazia mais sentido nos dias de hoje e precisava ser reavaliado com urgência? Que essa divisão não se havia extinguido como alguns setores mais conservadores gostam de apregoar, muito pelo contrário: que houve uma espécie de fragmentação dos velhos núcleos ideológicos, até então sólidos e indivisíveis, acompanhada de um remanejamento de idéias obedecendo às mudanças vertiginosas pelas quais o mundo vem passando. Ao querer provar que o problema essencial da desigualdade social persistia, mas que os instrumentos para combatê-la deveriam ser diversificados, sem necessariamente implicar num confronto direto com o status quo vigente, lembro-me de ter recebido como resposta uma enxurrada de bravatas temperadas com insultos pessoais os mais diversos que iam de fascista a comunista, passando por reacionário, estúpido, subversivo ridículo e louco. Imaginem, agora, como essa discussão seria diferente e mais elevada, caso acontecesse num veículo público de comunicação, com experts no assunto expondo seus pontos de vista para um público interessado em assimilá-los; uma discussão centrada nas idéias, com argumentos factíveis, sem populismo, ataques pessoais, patrulhamentos, frases feitas e intimidações.

É o debate constante e irrestrito de idéias associado à livre expressão que constitui, junto ao direito ao voto, o pilar central de uma democracia. Infelizmente, a nossa sociedade não atingiu ainda um nível razoável de maturidade e discernimento para exercer tais prerrogativas civilizadamente. A elite pensante, que seria, em tese, a maior interessada na consolidação de um modelo democrático é a primeira a lhe fazer vista grossa, preferindo encastelar-se nas próprias convicções, boicotando, assim, qualquer possibilidade de aproximação com o pensamento dito "inimigo". Isso vale para os partidários de todas as ideologias, mas é certo que quanto mais baixo o cabedal cultural e mais visível a verborragia oportunista, menor é a disposição para o diálogo. Afinal, para que dialogar, quando é muito mais cômodo e seguro simplesmente "jogar para a platéia", repetindo discursos e teses requentados que uma rala massa crítica receberá sem sobressaltos? Para que criar uma revista de debates multifacetada, se já existem algumas com tendências editoriais definidas, onde se escreve para os "iguais" e onde as possibilidades de ser contestado seriamente são praticamente inexistentes?

Devemos sempre ter em conta que democracia é muito mais do que simplesmente votar. Ser democrata é, antes de tudo, tolerar e considerar a opinião dos que pensam diferente, permitir que ela seja enunciada para quem quiser ouvir e receber, de volta, o mesmo tratamento. Ser democrata é admitir que não existe um caminho único para nada, que a realidade é múltipla, que existem milhões de pessoas na Terra pensando cada qual de uma forma e é essa pluralidade que torna a existência rica, a sociedade viável e o mundo atraente e estimulante. Ser democrata é não reagir raivosamente quando uma voz contrária se levanta para contestá-lo, não almejar o consenso acima de tudo, apreciar o debate, respeitá-lo, incrementá-lo e procurar refletir sobre a sociedade, de uma maneira que atenda a todos, sem que os interesses de um único grupo prevaleça. Ser democrata é, sobretudo, estar permanentemente apto a mudar de opinião e não se envergonhar disso, pois seu compromisso maior é com a verdade.

Mas, por tudo o que tenho visto, a intelligentzia brasileira infelizmente, está longe de se aperceber disso. No fundo, ela ainda acredita que a democracia, na prática, é apenas uma mesura elegante, sem qualquer função no mundo insano dos slogans politizados. E, enquanto esse quadro não muda, a política nacional segue em sua desoladora e eterna agonia.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 20/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gente Esquisita ou Miopia de Daniel Bushatsky
02. As tentações do novo livro de Mayra de Marcelo Spalding
03. David Foster Wallace e Infinite Jest de Adrian Leverkuhn
04. João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente de Renata de Albuquerque
05. O lugar certo de Eduardo Carvalho


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/1/2004
23h02min
Acabo de ler "Intelectualidade e Democracia". É um texto necessário e corajoso. A intelectualidade brasileira, e nisso ela não difere muito de outras "tribos", de fato parece temer o confronto de idéias. Não tenho elementos para fazer generalizações, mas me parece que pelo menos uma parcela é petulante e arrogante, como se essa atitude fosse a derradeira possibilidade de manter o "status", quando o "quo" já está bem comprometido. Evidentemente, o Estado brasileiro (pouco importando a definição que se dê a esse ente) conhece essa fraqueza da sua intelligentzia e concede, pelo menos às cabeças que são mais dóceis (conforme a sucessão das estações), o sedutor manto do subsídio. Assim, a petulância e a arrogância de parcela da intelectualidade se perpetua, sem colocar em cheque a petulância e a arrogância do próprio Estado. Parece-me que, além da revista que estás sugerindo, precisamos pensar numa campanha contra uma fome que é tão avassaladora quanto um estômago vazio: refiro-me, é claro, à fome de liberdade; não a liberdade que temos hoje, que é a de “reserva de feudos”, mas a uma liberdade predisposta a considerar as pretensões de verdade contidas no contraditório, de forma a alcançar sínteses que de fato estejam comprometidas com o combate a todas as fomes. Parabéns pelo texto contundente, que tem o mérito intransferível de permitir a reflexão. Abraços, Luís Carlos Carpein - Jornalista
[Leia outros Comentários de Luís Carlos Carpein]
22/1/2004
05h52min
Luis, certas utopias valem a pena sonhar. Imaginar uma publicação com quadro editorial sem tendências, e uma discussão baseada em idéias e não torcida são duas delas. Só acho que fica difícil quando a maioria das pessoas não esta interessada em discussões que levem a ações na prática. A bipolaridade anacrônica da discussão político-social-econômica representa o que a discussão representa para os intelectuais: um modo de perpetuar sua espécie e fama.
[Leia outros Comentários de Ram]
2/2/2004
20h08min
Lamento somente hoje estar lendo "Intelectualidade e Democracia". Adorei e embora não possua o dom de expressar minhas idéias e convicções, é exatamente isso que desejo para o nosso país. Talvez, ainda seja sonho a publicação citada, mas já é um começo, alguém já teve a coragem de expressar uma idéia, de querer. Acredito nesse projeto e anseio desde agora a sua concretização. Possivelmente 10% da população brasileira já desenvolveu uma consciência, senão ideal mas real e isto significa avanço. Parabéns por você expressar a opinião dos 10% de brasileiros conscientes e livres das hipocrisias e populismos desbotados.
[Leia outros Comentários de Mirthes Maria]
9/2/2004
02h08min
Prezado da Matta, Concordo com você na maioria dos pontos. A democracia é o embate saudável de idéias. Conceitos políticos ultrapassadas deviam ser urgentemente aposentados (e de certa maneira, já estão sendo). Mas não se esqueça que política é um dos espaços onde se fazem presentes forças brutais, como paixão, sexo, poder, amor. Contudo, tenho esperança (e quase certeza) de que o Brasil conseguirá amadurecer-se politicamente, democraticamente, e que estas revistas aparecerão. Talvez não neutras, mas diversas revistas com pontos-de-vista distintos, que criem um debate entre si. A internet terá um papel importante nisso. Abraço.
[Leia outros Comentários de Miguel do Rosário]
1/3/2004
22h09min
Achei esse ensaio brilhante. Dificil encontrar pessoas no Brasil hoje em dia com uma cabeça assim tão aberta e com uma argumentação tão equilibrada e realista.
[Leia outros Comentários de Marcelo C. da Costa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Obra Poética Ii: Poemas de Alberto Caieiro: Pocket 489 - Confira !!!
Fernando Pessoa
L&pm Pocket
(2006)



Crescer Em Comunhão pela Força do Espírito Santo
Caderno do Adolescente Vol. V
Vozes
(1981)



Meu Reino por um Cashmere
Ana Cristina Reis
objetiva



O Romance da Astrologia 3 Volumes
Omar Cardoso
Iracema



Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos
David Niven
Sextante
(2003)



Livro - A Arte Mesopotâmica e Persa (col. Saber Ver a Arte)
Jaime Alvar Ezquerra
Martins Fontes
(1991)



No Compasso do Coração
Elizabeth Adler
Record
(2002)



Os Astronautas de Yaveh
J. J. Benítez
mercuryo
(1989)



Socialismo no Século Xxi. Coleção Socialismo Em Discussão
Juarez Guimarães
Fundação Perseu Abramo
(2007)



Ganhando o Jogo
Dr. Pierre Mornell
Fundamento
(2003)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês