Intelectualidade e democracia | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 20/1/2004
Intelectualidade e democracia
Luis Eduardo Matta

+ de 5200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Se existe uma coisa que me espanta profundamente no Brasil, é a facilidade com que uma expressiva parcela da nossa intelectualidade enche a boca para defender os valores democráticos ao mesmo tempo em que parece se recusar a exercê-los na prática. Não que isso seja uma novidade, muito pelo contrário. Trata-se de uma herança de um tempo em que o embate ideológico se dava num mundo bipolar sem espaço para a neutralidade; onde reinava uma divisão nítida, concreta entre direita e esquerda, capital e trabalho, conservadores e progressistas, burgueses e socialistas, defensores do imperialismo americano e do totalitarismo soviético. Foram anos movidos a esperança, em que o planeta vivia um momento delicado de transformações acentuadas e, conseqüentemente, conflitos decorrentes desse processo. O debate político não era mera retórica. Tomar partido era praticamente uma obrigação para os que exerciam publicamente o ato de pensar. Não existia meio termo e nem poderia. Aquele que optasse pela conciliação corria o risco de ficar marcado como um potencial inimigo por ambos os lados. Uma remota suspeita de traição poderia ser punida com rigores que fariam corar os mais devotados servidores do inferno.

Veio o ano de 1989, o muro de Berlim e a cortina de ferro foram abaixo, o regime socialista europeu mostrou-se um embuste, a repressão política na América Latina minguou e a economia de mercado rompeu a década de 90 ostentando uma falsa pátina de triunfo que deixava entrever todas as suas falhas, feridas e contradições. A reviravolta decorrente do fim da União Soviética e do delírio socialista fez nascer um mundo diferente, infinitamente mais complexo e nebuloso do que aquele em que boa parte da classe pensante em atividade se formou. No entanto, o debate ideológico continuou misteriosamente circunscrito ao modelo antigo, amparado na clássica divisão simplista entre direita e esquerda. Ainda hoje assistimos estarrecidos a senhores e senhoras de aparência séria, retórica afiada, olhares compenetrados e uma reputação construída nesse remoto passado bipolar, entregando-se apaixonados a discursos absurdamente anacrônicos, que bem poderiam ter sido redigidos em plena doutrina Eisenhower, não importa se por burocratas da CIA ou por revolucionários cubanos. E a impressão que passam, pelo menos para observadores isentos como este humilde colunista que vos escreve, é a de que, com raras exceções, a intelectualidade brasileira, pelo menos no que tange à política, não se modernizou, não importando a faixa etária dos seus membros. E permanece tão ridiculamente sectária e inflamada quanto no passado, como se o velho inimigo estivesse à espreita precisando ser derrotado a qualquer custo, numa luta desesperada de vida ou morte.

O que fazer diante de um quadro lastimável desses? Às margens do Rio Piedra, sentar e chorar? Aposentar à força a parte fossilizada da intelligentzia nacional e estimular a aparição de uma outra, sintonizada com as demandas da nossa época e sem os ranços ideológicos de um passado de lutas que pouco tem a nos dizer hoje? Ou, estimular o debate livre? É claro que as almas devotadas ao raciocínio ficarão com essa terceira hipótese, mas, se forem perspicazes, logo se darão conta de que se trata da de mais difícil realização, por uma razão simples: o intelectual brasileiro odeia a proximidade com seus adversários e abomina o confronto de idéias.

Voltemos, então, ao início do presente artigo, quando mencionei a falta de apego da nossa intelectualidade ao exercício dos princípios democráticos. O que eu quis dizer com isso? Ora, a base de qualquer democracia é o trânsito irrestrito de idéias. Numa nação democrática, a palavra é inteiramente liberta. Por mais abominável, por mais hedionda e execrável que seja a sua opinião, você tem todo o direito de externá-la sem o risco de sofrer qualquer espécie de punição em resposta. E, quando estas opiniões são confrontadas e debatidas à exaustão pela minoria - sim, porque os pensadores com "p" maiúsculo são e sempre foram uma minoria em qualquer sociedade - com mais bagagem cultural para referendá-las e embasá-las, instala-se um saudável ambiente de liberdade, no qual o bom-senso tem grandes chances de sair vitorioso. O fato é que esse debate no Brasil nunca aconteceu; não, ao menos, nos moldes necessários para um país que tanto necessita encontrar um rumo. Talvez por este nunca haver sido o real objetivo de uma classe intelectual majoritariamente oportunista, cuja preocupação sempre foi muito mais a de se projetar, auferir fama e arregimentar adeptos e admiradores, do que a de construir um modelo de pensamento que de fato se dispusesse a refletir honestamente sobre a nossa triste realidade, propondo uma maneira de reformá-la, sem resvalar para delírios revolucionários, soluções milagrosas importadas, populismo barato e, em alguns setores, para uma irresistível atração por um conservadorismo oligárquico quase feudal.

Outro dia me flagrei imaginando como seria bom se existisse no Brasil uma publicação de alto nível que agregasse as melhores cabeças do país, adeptas das mais diferentes formas de pensamento, gente de direita, esquerda, religiosa, laica, filósofos e analistas políticos de todas as tendências, economistas liberais e ortodoxos, partidários dos movimentos civis de afirmação racial, sexual, social e - por que não? - seus mais fervorosos opositores. Essa publicação, que poderia ser um jornal ou revista, teria um comitê editorial neutro, essencialmente apartidário, que só interviria em última instância e, mesmo assim, atuando como um árbitro rigoroso, isento e justo. Sua função seria unicamente a de oferecer-se como suporte para um debate totalmente livre de qualquer espécie de censura. É duro admitir isso, mas o projeto dessa revista é irrealizável hoje, por uma série de razões, desde as mais óbvias - alcançaria um público muito restrito, teria poucos anunciantes por causa da pequena tiragem e do teor polêmico de muitos dos seus artigos; não teria dinheiro para pagar os articulistas mais reputados que, com raras exceções, não escreveriam de graça, etc. - até a mais inconfessável: poucos são os autoproclamados pensadores brasileiros que possuem estofo suficiente para enfrentar uma verdadeira arena de debates, onde os chavões ideológicos não têm vez e onde a ausência do manto protetor de uma linha editorial amiga e engajada, põe à prova qualquer teoria que não esteja milimetricamente endossada por uma sólida argumentação baseada numa profunda formação cultural, na ética e, sobretudo, no bom-senso.

Quantas vezes eu já me vi envolvido em discussões em que, sem querer, levava um inflamado interlocutor à beira de um ataque apoplético tentando ingenuamente mostrar que o antigo conceito de direita e esquerda não fazia mais sentido nos dias de hoje e precisava ser reavaliado com urgência? Que essa divisão não se havia extinguido como alguns setores mais conservadores gostam de apregoar, muito pelo contrário: que houve uma espécie de fragmentação dos velhos núcleos ideológicos, até então sólidos e indivisíveis, acompanhada de um remanejamento de idéias obedecendo às mudanças vertiginosas pelas quais o mundo vem passando. Ao querer provar que o problema essencial da desigualdade social persistia, mas que os instrumentos para combatê-la deveriam ser diversificados, sem necessariamente implicar num confronto direto com o status quo vigente, lembro-me de ter recebido como resposta uma enxurrada de bravatas temperadas com insultos pessoais os mais diversos que iam de fascista a comunista, passando por reacionário, estúpido, subversivo ridículo e louco. Imaginem, agora, como essa discussão seria diferente e mais elevada, caso acontecesse num veículo público de comunicação, com experts no assunto expondo seus pontos de vista para um público interessado em assimilá-los; uma discussão centrada nas idéias, com argumentos factíveis, sem populismo, ataques pessoais, patrulhamentos, frases feitas e intimidações.

É o debate constante e irrestrito de idéias associado à livre expressão que constitui, junto ao direito ao voto, o pilar central de uma democracia. Infelizmente, a nossa sociedade não atingiu ainda um nível razoável de maturidade e discernimento para exercer tais prerrogativas civilizadamente. A elite pensante, que seria, em tese, a maior interessada na consolidação de um modelo democrático é a primeira a lhe fazer vista grossa, preferindo encastelar-se nas próprias convicções, boicotando, assim, qualquer possibilidade de aproximação com o pensamento dito "inimigo". Isso vale para os partidários de todas as ideologias, mas é certo que quanto mais baixo o cabedal cultural e mais visível a verborragia oportunista, menor é a disposição para o diálogo. Afinal, para que dialogar, quando é muito mais cômodo e seguro simplesmente "jogar para a platéia", repetindo discursos e teses requentados que uma rala massa crítica receberá sem sobressaltos? Para que criar uma revista de debates multifacetada, se já existem algumas com tendências editoriais definidas, onde se escreve para os "iguais" e onde as possibilidades de ser contestado seriamente são praticamente inexistentes?

Devemos sempre ter em conta que democracia é muito mais do que simplesmente votar. Ser democrata é, antes de tudo, tolerar e considerar a opinião dos que pensam diferente, permitir que ela seja enunciada para quem quiser ouvir e receber, de volta, o mesmo tratamento. Ser democrata é admitir que não existe um caminho único para nada, que a realidade é múltipla, que existem milhões de pessoas na Terra pensando cada qual de uma forma e é essa pluralidade que torna a existência rica, a sociedade viável e o mundo atraente e estimulante. Ser democrata é não reagir raivosamente quando uma voz contrária se levanta para contestá-lo, não almejar o consenso acima de tudo, apreciar o debate, respeitá-lo, incrementá-lo e procurar refletir sobre a sociedade, de uma maneira que atenda a todos, sem que os interesses de um único grupo prevaleça. Ser democrata é, sobretudo, estar permanentemente apto a mudar de opinião e não se envergonhar disso, pois seu compromisso maior é com a verdade.

Mas, por tudo o que tenho visto, a intelligentzia brasileira infelizmente, está longe de se aperceber disso. No fundo, ela ainda acredita que a democracia, na prática, é apenas uma mesura elegante, sem qualquer função no mundo insano dos slogans politizados. E, enquanto esse quadro não muda, a política nacional segue em sua desoladora e eterna agonia.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 20/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
05. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
04. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/1/2004
23h02min
Acabo de ler "Intelectualidade e Democracia". É um texto necessário e corajoso. A intelectualidade brasileira, e nisso ela não difere muito de outras "tribos", de fato parece temer o confronto de idéias. Não tenho elementos para fazer generalizações, mas me parece que pelo menos uma parcela é petulante e arrogante, como se essa atitude fosse a derradeira possibilidade de manter o "status", quando o "quo" já está bem comprometido. Evidentemente, o Estado brasileiro (pouco importando a definição que se dê a esse ente) conhece essa fraqueza da sua intelligentzia e concede, pelo menos às cabeças que são mais dóceis (conforme a sucessão das estações), o sedutor manto do subsídio. Assim, a petulância e a arrogância de parcela da intelectualidade se perpetua, sem colocar em cheque a petulância e a arrogância do próprio Estado. Parece-me que, além da revista que estás sugerindo, precisamos pensar numa campanha contra uma fome que é tão avassaladora quanto um estômago vazio: refiro-me, é claro, à fome de liberdade; não a liberdade que temos hoje, que é a de “reserva de feudos”, mas a uma liberdade predisposta a considerar as pretensões de verdade contidas no contraditório, de forma a alcançar sínteses que de fato estejam comprometidas com o combate a todas as fomes. Parabéns pelo texto contundente, que tem o mérito intransferível de permitir a reflexão. Abraços, Luís Carlos Carpein - Jornalista
[Leia outros Comentários de Luís Carlos Carpein]
22/1/2004
05h52min
Luis, certas utopias valem a pena sonhar. Imaginar uma publicação com quadro editorial sem tendências, e uma discussão baseada em idéias e não torcida são duas delas. Só acho que fica difícil quando a maioria das pessoas não esta interessada em discussões que levem a ações na prática. A bipolaridade anacrônica da discussão político-social-econômica representa o que a discussão representa para os intelectuais: um modo de perpetuar sua espécie e fama.
[Leia outros Comentários de Ram]
2/2/2004
20h08min
Lamento somente hoje estar lendo "Intelectualidade e Democracia". Adorei e embora não possua o dom de expressar minhas idéias e convicções, é exatamente isso que desejo para o nosso país. Talvez, ainda seja sonho a publicação citada, mas já é um começo, alguém já teve a coragem de expressar uma idéia, de querer. Acredito nesse projeto e anseio desde agora a sua concretização. Possivelmente 10% da população brasileira já desenvolveu uma consciência, senão ideal mas real e isto significa avanço. Parabéns por você expressar a opinião dos 10% de brasileiros conscientes e livres das hipocrisias e populismos desbotados.
[Leia outros Comentários de Mirthes Maria]
9/2/2004
02h08min
Prezado da Matta, Concordo com você na maioria dos pontos. A democracia é o embate saudável de idéias. Conceitos políticos ultrapassadas deviam ser urgentemente aposentados (e de certa maneira, já estão sendo). Mas não se esqueça que política é um dos espaços onde se fazem presentes forças brutais, como paixão, sexo, poder, amor. Contudo, tenho esperança (e quase certeza) de que o Brasil conseguirá amadurecer-se politicamente, democraticamente, e que estas revistas aparecerão. Talvez não neutras, mas diversas revistas com pontos-de-vista distintos, que criem um debate entre si. A internet terá um papel importante nisso. Abraço.
[Leia outros Comentários de Miguel do Rosário]
1/3/2004
22h09min
Achei esse ensaio brilhante. Dificil encontrar pessoas no Brasil hoje em dia com uma cabeça assim tão aberta e com uma argumentação tão equilibrada e realista.
[Leia outros Comentários de Marcelo C. da Costa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




I CHING (ESPANHOL)
JOHN TAMPION E OUTROS
SIRIO
(1987)
R$ 10,00



FISIOLOGIA MÉDICA
WILLIAM F. GANONG
ATHENEU
(1977)
R$ 64,00



CARTAS A FREUD
FLÁVIO FORTES D ANDREA
BERTRAND BRASIL
(1990)
R$ 22,82



TEX EDIÇÃO HISTÓRICA Nº 02
BONELLI E GALLEPPINI
MYTHOS
(1993)
R$ 20,00



VIAGEM AOS SEIOS DE DUÍLIA
ANÍBAL MACHADO
O DIA
(1998)
R$ 25,00
+ frete grátis



LENIN, TROTSKY E O FIM DO SOCIALISMO REAL; POR QUE PARLAMENTARISM
REVISTA ARCHÈ, ANO 2 - Nº 4
FACULDADE CÂNDIDO MENDES
(1993)
R$ 18,28



COZINHA MARAVILHOSA DE OFÉLIA PEIXES & FRUTOS DO MAR
VARIOS AUTORES
ED. KLICK
R$ 4,90



ETERNAMENTE FEMININA
ROBERT A. WILSON
EDAMERIS
(1966)
R$ 10,00



O VALOR DOS RECURSOS HUMANOS NA ERA DO CONHECIMENTO
VICENTE FALCONI CAMPOS
INDG
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



COMPRAS EM BUENOS AIRES - COLEÇÃO VIAGEM DE BOLSO
EDITORA ABRIL
ABRIL
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês