Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Queijos
>>> A trilogia da vingança de Park Chan-Wook
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
Mais Recentes
>>> Awakening the Buddha Within: Tibetan Wisdom for the Western World de Lama Surya Das pela Broadway Books (1998)
>>> Practicing Peace in Times of War de Pema Chodron pela Shambhala (2006)
>>> Nietzsche: O Humano Como Memoria e Como Promessa de Oswaldo Giacoia Júnior pela Vozes (2013)
>>> Nietzsche e Sião: a União de Duas Forças Ideológicas Opostas de Jacob Golomb pela Madras (2005)
>>> Mito e Música em Wagner e Nietzsche de Luiz Claudio Moniz pela Madras (2014)
>>> Ilusoes do Eu: Spinoza e Nietzsche de A Martins, H Santiago, L C Oliva pela Record (2011)
>>> Caitanya Sataka. Cem versões em glorificação de Chandramukha Swami pela Govinda (2013)
>>> The I Ching, Or, Book of Changes (bollingen Series Xix) de Ed Richard Wilhelm pela Princeton University Press (1997)
>>> A Experiência humana de Deus como experiência de graça de Inácio Luiz Rhoden pela Unisinos (2004)
>>> Origem do Ocidente. a antiguidade em Nietzsche de Alan Sampaio pela Unijuí (2008)
>>> Nietzsche Asceta de Mauro Araújo de Sousa pela Unijuí (2009)
>>> Em Busca de um Lugar ao Sol: Nietzsche e a Cultura Alema de Ivo da Silva Junior pela (vide) (2008)
>>> Wagner em Bayreuth de Friedrich Nietzsche pela Zahar (2009)
>>> Nietzsche... (dos companheiros) de Carlos Henrique Escobar pela 7 Letras (2000)
>>> Gilberto Freyre. Pensamento e Ação de Manoel Correia de Andrade (org) pela Fundação Joaquim Nabuco (1995)
>>> As Raízes do Separatismo no Brasil de Manuel Correia de Andrade pela Ufpe (1997)
>>> Ldb - 1996 Contemporanea: Contradicoes, Tensoes, Compromissos de Iria Brzezinski (Org) pela Cortez (2014)
>>> A Temática Indígena na Escola de Pedro Paulo Funari, Ana Piñon pela Contexto (2011)
>>> Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento de Michel Foucault pela Forense Universitária (2013)
>>> Tristes Trópicos de Claude Lévi-strauss pela Companhia das Letras (1996)
>>> O Pensamento Selvagem de Claude Lévi-strauss pela Papirus (1990)
>>> A Doença Como Caminho de Thornwald Dethlefsen, Rudiger Dahlke pela Cultrix (2002)
>>> Introdução à Linguística Africana de Margarida Petter pela Contexto (2015)
>>> Curso De Linguística Geral de Ferdinand de Saussure pela Cultrix (2012)
>>> Bartolomeu De Las Casas de Frei Carlos Josaphat pela Paulinas (2008)
>>> O Expressionismo de Jacó Guinsburg pela Persoectiva (2002)
>>> Avaliação: novos tempos, novas práticas de Edmar Henrique Rabelo pela Vozes (1998)
>>> Dicionario Paulo Freire de Danilo Streck pela Autêntica (2008)
>>> Atualidade de Paulo Freire de João Francisco de Souza pela Cortez (2002)
>>> Conscientização de Paulo Freire pela Cortez (2016)
>>> Conversas com Igor Stravinski de Igor Stravinski pela Perspectiva (2016)
>>> Um Jato na Contramão. Buñuel no México de Eduardo Peñuela Cañizal pela Com-Arte (1991)
>>> Som-Imagem no Cinema de Luiz Adelmo F. Manzano pela Perspectiva (2010)
>>> As sombras móveis: atualidade do cinema mudo de Luiz Nazário pela da UFMG (1999)
>>> Condicao Humana, A Um Tema Para Religioes Comparadas de Robert Cummings Neville pela Paulus (2005)
>>> El vuelo magico The Magic Flight (Spanish Edition) de Mircea Eliade pela Siruela (1995)
>>> La esencia del cristianismo (Spanish Edition) de Ludwig Feuerbach pela Claridad (2006)
>>> A Construção Histórica da Literatura Umbandista de Diamantino Trindade pela do Conhecimento (2010)
>>> Três Livros de Filosofia Oculta de Henrique Cornelio Agrippa de Nesttesheim pela Madras (2016)
>>> Estética da Melancolia de Marie-Claude Lambotte pela Companhia de Freud (2000)
>>> Bem-vindo ao Deserto do Real! de Slavoj Zizek pela Boitempo (2008)
>>> 500 Anos de Educação no Brasil de Eliane M. Lopes, Luciano Faria, Cynthia G. Veiga pela Autêntica (2007)
>>> Historia da Educação Brasileira de Paulo Ghiraldelli Jr pela Cortez (2013)
>>> Avaliação da Aprendizagem: Componente do Ato Pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Hegel y el Idealismo de Wilhelm Dilthey pela Fondo de Cultura Economico (1956)
>>> Introducción a las Ciencias del Espiritu Tomo I de Guilhermo Dilthey pela Espasa Calpe (1948)
>>> Linhas Fundamentais do Pensamento de Nietzsche de Werner Stegmaier pela Vozes (2013)
>>> Antropologia Cultural de Franz Boas pela Ed Zahar (2004)
>>> Eu, Pierre Riviere, Que Degolei Minha Mae, Minha Irma E Meu Irmao de Michel Foucault pela Graal (2012)
>>> Buddhismo de A Cura Di Giovanni Filoramo pela Laterza (2011)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/1/2018
Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Heloisa Pait

+ de 1200 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

A noite já caia no campus. Mónika desligou as luzes de sua sala de trabalho e percebeu assustada que lá fora estava um breu. Subiu as escadas do prédio de professores tateando as paredes e deu com um guarda acendendo as luzes do saguão.

– Que está acontecendo?

– Estou sozinho, atrasei para ligar todas as luzes.

– Sozinho por quê?

– Cortaram pessoal, eram 4, agora só 2 para o campus todo.

Ainda tinha que comprar um suco de laranja lá na cantina, antes de entrar em aula. Não tinha tendência à hipoglicemia, mas nessas aulas da noite batia um cansaço lá pelas 10 horas. Um aluno a abordou:

– Professora, eu já estava indo para a aula.

– Vou comprar um suco de laranja, já vou lá.

– Posso acompanhar a senhora?

– Claro. – Mónika preferia ir sozinha.

O aluno contava do trabalho que queria fazer para o curso. Queria investigar o estigma das pessoas canhotas.

– Mas há estigma mesmo, meu jovem?

– Ô professora. Se há. Tenho amigos canhotos que posso entrevistar.

Para Mônika, qualquer trabalho era válido. Contanto que emergisse de alguma inquietação profunda, algo incômodo mesmo. Dizia aos alunos: “Se algo der tipo uma coceira mental muito intensa em vocês, é por aí.” Essa era sua visão do saber. Sugeriu algumas leituras, observou o olhar confuso do aluno, reforçou à atendente que o suco era natural.

– Professora, se a senhora quiser, eu tenho bananas ali na ocupação. A senhora sabe, aquela sala ali – e ele apontou para uma sala iluminada no segundo andar – a gente está morando.

Mónika caiu na risada. Já tinha ouvido falar da ocupação, e visto de longe as toalhas estendidas. Mas, de alguma maneira, não ligava isso com alunos reais que viam suas aulas. O entorno havia se tornado para ela uma espécie de zona proibida, desconectada do resto do campus.

– Por que você riu, professora? – o aluno a censurou.

– Não sei. Porque é engraçado morar no campus. – Quis retornar ao papel professoral. – Você está lá por precisão ou por protesto?

– Pelos dois.

– Mas como é viver no campus? Dá pra ter uma vida normal?

O aluno se refez da risada.

– O que é uma vida normal?

Mónika foi pega de surpresa pela pergunta sagaz do aluno. Respondeu com o óbvio.

– Dá pra ir nas aulas, estudar?

– Na sala ao lado, está vendo?, tem uma sala de estudos. Numa, dormimos. Na outra, estudamos.

Fazia sentido. Numa, dormiam. Na outra estudavam. Mónika sentiu uma espécie de inveja. De vontade de ser parte do movimento. De ocupar alguma coisa, um lugar, uma sala, um espaço, um papel. O aluno parecia sentir seu interesse.

– Vamos lá em cima, eu pego as bananas?

– Não, obrigada, estou bem com o suco.

– Professora, eu preciso perguntar para o movimento, mas eu gostaria que a senhora desse a aula de hoje na ocupação.

Mónika coçou a cabeça. Detestava a ocupação. Aquilo subvertia tudo o que ela acreditava sobre a escola, aquilo privatizava a esfera pública, rompia com qualquer possibilidade de ação comum.

– Mas e a turma, esperando na sala?

– A gente avisa. Pode deixar.

Subiram. Aos poucos, os alunos chegavam, os de sua sala e os da ocupação. Acomodavam-se em cadeiras espalhadas pela sala. Mónika estava em silêncio. Daria uma palestra sobre a emergência do privado. A importância da esfera íntima. O colapso contemporâneo da intimidade. Quem quisesse, que entendesse o recado. Estava irritada e iria se vingar. Tudo estava errado. Sua fala consertaria o mundo. Os alunos pareciam, também, se preparar para uma guerra, um confronto. Só que dessa vez estavam em seu ambiente, na sala ocupada de estudos. Por que mesmo precisavam ocupar uma sala para estudar? Não era uma escola? Ocupavam. Era estranho, mas a sala parecia mais cheia que normalmente. Mais atenta.

– Sentem-se no chão – Mónika ordenou. Mas a fala saiu mais doce que o desejado, quase como um apelo açucarado.

– Professora!

– Sim?

– Na sala de dormir temos colchões e colchonetes. Podemos trazer?

– Sim.

Ela ficou aliviada com o pedido. Parecia mostrar uma deferência já esgarçada nas aulas normais.

Os alunos da ocupação saíram e voltaram carregando colchões, que espalharam pelo chão. Compartilhavam com os colegas da aula. O aluno que estudaria os canhotos ofereceu seu colchão para Mónika, que agradeceu polidamente e disse que se precisasse sentaria nele.

– Respirem fundo umas três vezes – Mónika ordenou, sentada no chão duro, com a fala novamente involuntariamente doce. – E dêem as mãos uns para os outros.

Não sabia direito o que fazer, não havia preparado nada. Um leve cheiro de maconha parecia vir dos colchões. Pediu que fechassem os olhos e se imaginassem saindo da sala, do campus, da cidade à pé ou de moto. Que viajassem por horas até entrar em outra cidade, cada vez mais densa, com mais casas, lojas, escolas. Nessa cidade estranha se deparariam com um mercado muito grande, ao ar livre, com uma infinidade de barracas, cada qual enfeitada de um jeito e vendendo alguma coisa diferente.

Nas primeiras barracas, professores da escola primária, dando brinquedos, letras, números. Que mais? Como era tudo disposto? Que cara tinham os professores? Como eles alunos recebiam o que os professores tinham para dar? Nas barracas seguintes, professores do ginásio, primos, irmãos mais velhos, sempre dando coisas, sensações, novidades, aprendizados. Pedia que notassem como os outros se aproximavam das barracas, o que pediam, o que obtinham. Como se vestiam todos, como estava o céu, que temperatura fazia. Se havia música ou silêncio.

Mónika dirigia a imaginação dos alunos, pensava consigo mesma que poderes tinha, que deuses invocava, que cordas tocava com aquelas palavras a esmo na sala de estudos da ocupação. A voz tremeu. Manteve a doçura, mas parecia tremer como se ouvisse um hino lamentoso. Tinha que tirá-los dali antes que ela perdesse a capacidade de voltar. Pois voltar era sempre preciso.

Agora eles viam uma última barraca, lá longe, e andavam firmes em direção a ela, onde havia um sujeito um pouco mais velho, que lhes pedia para cuidar da barraca um tempo, até que voltasse. Os alunos tomavam a barraca, mudavam os enfeites, guardavam algumas coisas e colocam outras à vista. O que agora ofereciam? O que serviam, o que ensinavam? Que técnicas, que malabarismos?

A feira se esvaziava, os barraqueiros se iam, a tarde chegava, o silêncio baixava. Eles também desmontavam suas barracas, voltavam à cidade, ao campus, à sala ocupada, abriam os olhos devagar e, enfim, estavam ali. Sãos e salvos, ela respirou aliviada. Todos entregues, exatamente no lugar de onde haviam partido. Sem uma escoriação. Olhou para cada um, conhecidos e desconhecidos, quis chorar mas não era o momento. Um aluno perguntou à queima-roupa:

– Professora, como a senhora vê a ocupação dos estudantes?

– A ocupação – ela falou – é a transposição para o plano real de tensões existentes na universidade, que se dão em vários eixos: o público-privado, o real e o imaginário, o pertencimento e a exclusão, o saber e a recusa em conhecer. Essa é a ocupação.

Aplaudiram. Não era comum, isso. Mas às vezes Mónika era aplaudida. Conversaram sobre os trabalhos do curso. Busquem, ela repetia, algo que dê coceira. A pesquisa acadêmica é como uma boa bucha de banho, algo que resolve momentaneamente essa coceira mental. A aula se alongava, perdia o foco. Mónika agradecia a acolhida, levantava com dificuldade. Os alunos da ocupação a convidaram para conhecer a sala-dormitório, e fumar unzinho.

Mónika era, obviamente, contra o uso de drogas no campus. Mas fazia tanto tempo que não fumava. Na juventude, detestava. A risada solta e sem motivo, a sensação de lentidão na fala, não gostava mesmo. Mas como seria agora, já adulta? Então sentou-se com os jovens e deu duas tragadas. O efeito foi fulminante. As aulas seguidas, o esforço físico, o efeito era mesmo distinto. Pediu mais bananas. Acomodou-se na parede. Depois foi escorregando para o lado. Puxou alguns livros para perto de si, e apoiou a cabeça neles. Dormiu, finalmente, depois de um dia intenso de trabalho, na ocupação dos estudantes.

Está no ar a décima aventura de Mónika, O Gerador de Luz.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 18/1/2018



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
03. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
04. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
05. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas - 1/2/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz - 25/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA DIONYSOS - Nº 22 (OS COMEDIANTES)
ORLANDO MIRANDA (ORG.)
SNT/MEC
(1975)
R$ 70,00



A DAMA DAS CAMÉLIAS - CAPA DURA
ALEXANDRE DUMAS FILHO
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 20,00



LE AVVENTURE DI PINOCCHIO
CARLO COLLODI
MARZOCCO
(1949)
R$ 79,54



IDOLATRIA PELO ESPIRITO DE ANA LEOCADIA - 15888
BENTA MARIA CROFFI
MENSAGEIROS
(1995)
R$ 10,00



ÁGUA PARA ELEFANTES
SARA GRUEN
ARQUEIRO
(2007)
R$ 9,90



DIREITO PROCESSUAL PENAL ESQUEMATIZADO
ALEXANDRE C. A. REIS E VICTOR EDUARDO R. GONÇALVES
SARAIVA
(2014)
R$ 135,00



ETNOGRAFIA E EDUCAÇÃO - RELATOS DE PESQUISA
CARMEN LÚCIA G. MATTOS / HELENA AMARAL
EDUERJ
(2010)
R$ 14,99



ESTAÇÃO TERMINAL
AUTOR BOILEAU-NARCEJAC
GLOBO
(1980)
R$ 8,99



O DRAMA DA BRETANHA
YVONNE A. PEREIRA
FEB
(1974)
R$ 20,00



SONETOS DO AMOR OBSCURO E DIVÃ DO TAMARIT
FEDERICO GARCÍA LORCA
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 22,00





busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês