Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
70581 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Memorial da Inclusão expõe Virada Inclusiva: Direitos Humanos Para Quê?
>>> Brunchinho tem bloco de carnaval infantil e comidinhas saudáveis
>>> O Buraco d'Oráculo encerra residência em Cidade Tiradentes
>>> Musical AVESSO encerra temporada no dia 24 de fevereiro no Teatro Nair Bello
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> WorkFlowy, de Mike Turitzin e Jesse Patel
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Retratos da ruína
>>> O blog do Fernando Meirelles
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mrs. Robinson
>>> A fotografia é a mentira verdadeira
>>> MOMENTOS
>>> Entrevista com José Castello
Mais Recentes
>>> Meu nene--123--guia do pre-natal. de Editora simbolo pela Simbolo
>>> Catastrofes & profecias--5--bermuda,o triangulo da morte. de Editora escala pela Escala
>>> Tem alguém aí? de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tia Júlia e o escrevinhador de Mario Vargas Llosa pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Scarpetta de Patricia Cornwell pela Paralela (2012)
>>> Repouso absoluto de Sarah Bilton pela Record (2009)
>>> Qualquer proposta de Peter Mayle pela Rocco (1999)
>>> Fallen - Paixão - Volume 3 de Lauren Kate pela Record (2010)
>>> Pela luz dos olhos seus de Janine Boissard pela Arqueiro (2013)
>>> O livro dos Baltimore de Joel Dicker pela Intrinseca (2017)
>>> Os Incas - A princesa do sol volume1 de Antoine B. Daniel pela Objetiva (2001)
>>> O vinhedo de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2006)
>>> O aviador de Charles Higham pela Record (2005)
>>> O desconhecido de Joshua Ferris pela Casa da Palavra (2011)
>>> O matador de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1999)
>>> O asceta do desejo de Sudhir Kakar pela Companhia das Letras (2000)
>>> O livro do amanhã de Cecelia Ahern pela Novo Conceito (2013)
>>> Os delírios de consumo de Becky Bloom de Sophie Kinsella pela Record (2009)
>>> O pai Goriot de Honoré de Balzac pela Folha de São Paulo (2016)
>>> Aventuras na História nº 128- março- 2014 de Vários pela Abril (2014)
>>> Assassin's Creed Origins: Juramento no deserto de Oliver Bowden pela Galera (2017)
>>> Assassin's Creed: Submundo de Oliver Bowden pela Galera (2015)
>>> Assassin's Creed: Unity de Oliver Bowden pela Galera (2014)
>>> Assassin's Creed: Bandeira Negra de Oliver Bowden pela Galera (2013)
>>> Assassin's Creed: Revelações de Oliver Bowden pela Galera (2013)
>>> Assassin's Creed: Renegado de Oliver Bowden pela Galera (2012)
>>> Assassin's Creed: A cruzada secreta de Oliver Bowden pela Galera (2012)
>>> Assassin's Creed: Irmandade de Oliver Bowden pela Galera (2012)
>>> Assassin's Creed: Renascença de Oliver Bowden pela Galera (2011)
>>> O Herói Perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> O Sangue do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Da Regencia Á Quéda de Rozas de Pandiá Calogeras pela CeN (1933)
>>> Preludio e fuga do real - autografado de Luis da camara cascudo pela Fundacao jose augusto (1974)
>>> Tudo tem seu Preço de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2011)
>>> Gamiani ou Duas Noites de Loucura de Alfred de Musset pela JcM (1969)
>>> Crime e Castigo edição de luxo com capa dura de Dostoiévski, Fiodór pela Nova Cultural (2002)
>>> Índio Vivo de Julieta Godoy Ladeira pela Moderna (1994)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowlimg pela Rocco (2000)
>>> Os Salmos Islâmicos- Súplicas Selecionadas do Livro de Alsahifah Assajj de Iman Ali Ibn Alhussein pela Sociedade islamica (2015)
>>> Ageless Body Timeless Mind - The quantun alternative to growing old de Deepak Chopra pela Harmony Books (1998)
>>> Assuntos da Vida e da Morte de Francisco Cândido Xavier e Paulo de Tarso Ramacciotti pela Grupo Espírita Emmanuel (2009)
>>> Uma Nova Vida com Sai Baba - Histórias de Devotos que Transformaram Seus Corações de Judy Warner - Organizador pela Nova Era (2005)
>>> A mulher entre a situação historica e a exclusao social de Sheikh taleb hussein al-khazraji pela Fundação al-balagh (2019)
>>> Um resumo dos deveres islamicos de Dr. sheikh akram barakat pela Islamica (2016)
>>> Diabolik - Scontro Frontale de A e L. Giussani pela Astorina (1993)
>>> O Amanhã a Deus pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2007)
>>> A Saga da Sabedoria de Leo Reisler pela Nórdica (1994)
>>> Chakraterapia - O encontro da ciência com a tradição milenar de cura através da energia de Maria Helena B. Damiani pela Hércules (2002)
>>> O Enigma dos Desaparecidos de Leandro Ribeiro pela Reggraf (2009)
>>> Revivir Lo Vivido de Dr. Jorge Adoum (Mago Jefa) pela Kier - Buenos Aires (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/1/2018
Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Heloisa Pait

+ de 1300 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

A noite já caia no campus. Mónika desligou as luzes de sua sala de trabalho e percebeu assustada que lá fora estava um breu. Subiu as escadas do prédio de professores tateando as paredes e deu com um guarda acendendo as luzes do saguão.

– Que está acontecendo?

– Estou sozinho, atrasei para ligar todas as luzes.

– Sozinho por quê?

– Cortaram pessoal, eram 4, agora só 2 para o campus todo.

Ainda tinha que comprar um suco de laranja lá na cantina, antes de entrar em aula. Não tinha tendência à hipoglicemia, mas nessas aulas da noite batia um cansaço lá pelas 10 horas. Um aluno a abordou:

– Professora, eu já estava indo para a aula.

– Vou comprar um suco de laranja, já vou lá.

– Posso acompanhar a senhora?

– Claro. – Mónika preferia ir sozinha.

O aluno contava do trabalho que queria fazer para o curso. Queria investigar o estigma das pessoas canhotas.

– Mas há estigma mesmo, meu jovem?

– Ô professora. Se há. Tenho amigos canhotos que posso entrevistar.

Para Mônika, qualquer trabalho era válido. Contanto que emergisse de alguma inquietação profunda, algo incômodo mesmo. Dizia aos alunos: “Se algo der tipo uma coceira mental muito intensa em vocês, é por aí.” Essa era sua visão do saber. Sugeriu algumas leituras, observou o olhar confuso do aluno, reforçou à atendente que o suco era natural.

– Professora, se a senhora quiser, eu tenho bananas ali na ocupação. A senhora sabe, aquela sala ali – e ele apontou para uma sala iluminada no segundo andar – a gente está morando.

Mónika caiu na risada. Já tinha ouvido falar da ocupação, e visto de longe as toalhas estendidas. Mas, de alguma maneira, não ligava isso com alunos reais que viam suas aulas. O entorno havia se tornado para ela uma espécie de zona proibida, desconectada do resto do campus.

– Por que você riu, professora? – o aluno a censurou.

– Não sei. Porque é engraçado morar no campus. – Quis retornar ao papel professoral. – Você está lá por precisão ou por protesto?

– Pelos dois.

– Mas como é viver no campus? Dá pra ter uma vida normal?

O aluno se refez da risada.

– O que é uma vida normal?

Mónika foi pega de surpresa pela pergunta sagaz do aluno. Respondeu com o óbvio.

– Dá pra ir nas aulas, estudar?

– Na sala ao lado, está vendo?, tem uma sala de estudos. Numa, dormimos. Na outra, estudamos.

Fazia sentido. Numa, dormiam. Na outra estudavam. Mónika sentiu uma espécie de inveja. De vontade de ser parte do movimento. De ocupar alguma coisa, um lugar, uma sala, um espaço, um papel. O aluno parecia sentir seu interesse.

– Vamos lá em cima, eu pego as bananas?

– Não, obrigada, estou bem com o suco.

– Professora, eu preciso perguntar para o movimento, mas eu gostaria que a senhora desse a aula de hoje na ocupação.

Mónika coçou a cabeça. Detestava a ocupação. Aquilo subvertia tudo o que ela acreditava sobre a escola, aquilo privatizava a esfera pública, rompia com qualquer possibilidade de ação comum.

– Mas e a turma, esperando na sala?

– A gente avisa. Pode deixar.

Subiram. Aos poucos, os alunos chegavam, os de sua sala e os da ocupação. Acomodavam-se em cadeiras espalhadas pela sala. Mónika estava em silêncio. Daria uma palestra sobre a emergência do privado. A importância da esfera íntima. O colapso contemporâneo da intimidade. Quem quisesse, que entendesse o recado. Estava irritada e iria se vingar. Tudo estava errado. Sua fala consertaria o mundo. Os alunos pareciam, também, se preparar para uma guerra, um confronto. Só que dessa vez estavam em seu ambiente, na sala ocupada de estudos. Por que mesmo precisavam ocupar uma sala para estudar? Não era uma escola? Ocupavam. Era estranho, mas a sala parecia mais cheia que normalmente. Mais atenta.

– Sentem-se no chão – Mónika ordenou. Mas a fala saiu mais doce que o desejado, quase como um apelo açucarado.

– Professora!

– Sim?

– Na sala de dormir temos colchões e colchonetes. Podemos trazer?

– Sim.

Ela ficou aliviada com o pedido. Parecia mostrar uma deferência já esgarçada nas aulas normais.

Os alunos da ocupação saíram e voltaram carregando colchões, que espalharam pelo chão. Compartilhavam com os colegas da aula. O aluno que estudaria os canhotos ofereceu seu colchão para Mónika, que agradeceu polidamente e disse que se precisasse sentaria nele.

– Respirem fundo umas três vezes – Mónika ordenou, sentada no chão duro, com a fala novamente involuntariamente doce. – E dêem as mãos uns para os outros.

Não sabia direito o que fazer, não havia preparado nada. Um leve cheiro de maconha parecia vir dos colchões. Pediu que fechassem os olhos e se imaginassem saindo da sala, do campus, da cidade à pé ou de moto. Que viajassem por horas até entrar em outra cidade, cada vez mais densa, com mais casas, lojas, escolas. Nessa cidade estranha se deparariam com um mercado muito grande, ao ar livre, com uma infinidade de barracas, cada qual enfeitada de um jeito e vendendo alguma coisa diferente.

Nas primeiras barracas, professores da escola primária, dando brinquedos, letras, números. Que mais? Como era tudo disposto? Que cara tinham os professores? Como eles alunos recebiam o que os professores tinham para dar? Nas barracas seguintes, professores do ginásio, primos, irmãos mais velhos, sempre dando coisas, sensações, novidades, aprendizados. Pedia que notassem como os outros se aproximavam das barracas, o que pediam, o que obtinham. Como se vestiam todos, como estava o céu, que temperatura fazia. Se havia música ou silêncio.

Mónika dirigia a imaginação dos alunos, pensava consigo mesma que poderes tinha, que deuses invocava, que cordas tocava com aquelas palavras a esmo na sala de estudos da ocupação. A voz tremeu. Manteve a doçura, mas parecia tremer como se ouvisse um hino lamentoso. Tinha que tirá-los dali antes que ela perdesse a capacidade de voltar. Pois voltar era sempre preciso.

Agora eles viam uma última barraca, lá longe, e andavam firmes em direção a ela, onde havia um sujeito um pouco mais velho, que lhes pedia para cuidar da barraca um tempo, até que voltasse. Os alunos tomavam a barraca, mudavam os enfeites, guardavam algumas coisas e colocam outras à vista. O que agora ofereciam? O que serviam, o que ensinavam? Que técnicas, que malabarismos?

A feira se esvaziava, os barraqueiros se iam, a tarde chegava, o silêncio baixava. Eles também desmontavam suas barracas, voltavam à cidade, ao campus, à sala ocupada, abriam os olhos devagar e, enfim, estavam ali. Sãos e salvos, ela respirou aliviada. Todos entregues, exatamente no lugar de onde haviam partido. Sem uma escoriação. Olhou para cada um, conhecidos e desconhecidos, quis chorar mas não era o momento. Um aluno perguntou à queima-roupa:

– Professora, como a senhora vê a ocupação dos estudantes?

– A ocupação – ela falou – é a transposição para o plano real de tensões existentes na universidade, que se dão em vários eixos: o público-privado, o real e o imaginário, o pertencimento e a exclusão, o saber e a recusa em conhecer. Essa é a ocupação.

Aplaudiram. Não era comum, isso. Mas às vezes Mónika era aplaudida. Conversaram sobre os trabalhos do curso. Busquem, ela repetia, algo que dê coceira. A pesquisa acadêmica é como uma boa bucha de banho, algo que resolve momentaneamente essa coceira mental. A aula se alongava, perdia o foco. Mónika agradecia a acolhida, levantava com dificuldade. Os alunos da ocupação a convidaram para conhecer a sala-dormitório, e fumar unzinho.

Mónika era, obviamente, contra o uso de drogas no campus. Mas fazia tanto tempo que não fumava. Na juventude, detestava. A risada solta e sem motivo, a sensação de lentidão na fala, não gostava mesmo. Mas como seria agora, já adulta? Então sentou-se com os jovens e deu duas tragadas. O efeito foi fulminante. As aulas seguidas, o esforço físico, o efeito era mesmo distinto. Pediu mais bananas. Acomodou-se na parede. Depois foi escorregando para o lado. Puxou alguns livros para perto de si, e apoiou a cabeça neles. Dormiu, finalmente, depois de um dia intenso de trabalho, na ocupação dos estudantes.

Está no ar a décima aventura de Mónika, O Gerador de Luz.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 18/1/2018



Quem leu este, também leu esse(s):
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor de Jardel Dias Cavalcanti
03. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' de Humberto Pereira da Silva
04. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro de Ricardo de Mattos
05. Figuras de linguagem e a escrita criativa de Marcelo Spalding


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS TRABALHADORES DO MAR
VICTOR HUGO
ABRIL
(1979)
R$ 18,00



CURA ESPIRITUAL : UMA INVESTIGAÇÃO - SUPER INTERESSANTE
ALEXANDRE DE SANTI E SÍLVIA LISBOA
ABRIL
(2015)
R$ 10,00



KISS- UMA PORTA PARA O CÉU
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(2017)
R$ 20,00



UNIDOS DO OUTRO MUNDO DIALOGANDO COM OS MORTOS
ESTAÇÃO BRASIL
RARA
(2018)
R$ 20,00



A VIÚVA CLICQUOT - A HISTÓRIA DE UM IMPÉRIO DO CHAMPANHE
TILAR J. MAZZEO
ROCCO
(2009)
R$ 45,00



MICHAELIS - DICIONÁRIO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUÊSA
MELHORAMENTOS
MELHORAMENTOS
(2008)
R$ 21,00



QUATRO
VERONICA ROTH
ROCCO JOVENS LEITORES
(2014)
R$ 15,00



ORLANDO
VIRGINIA WOOLF
NOVA FRONTEIRA
(1978)
R$ 13,00



COMO EVITAR PREOCUPAÇÕES E COMEÇAR A VIVER
DALE CARNEGIE
COMPANHIA NACIONAL
(2002)
R$ 13,00



O CÂNTICO DOS CÂNTICOS. O AMOR É UMA FAÍSCA DE DEUS
IVO STORNIOLO
PAULINAS
(1991)
R$ 12,00





busca | avançada
70581 visitas/dia
1,0 milhão/mês