Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS

Quinta-feira, 18/1/2018
Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Heloisa Pait

+ de 1400 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

A noite já caia no campus. Mónika desligou as luzes de sua sala de trabalho e percebeu assustada que lá fora estava um breu. Subiu as escadas do prédio de professores tateando as paredes e deu com um guarda acendendo as luzes do saguão.

– Que está acontecendo?

– Estou sozinho, atrasei para ligar todas as luzes.

– Sozinho por quê?

– Cortaram pessoal, eram 4, agora só 2 para o campus todo.

Ainda tinha que comprar um suco de laranja lá na cantina, antes de entrar em aula. Não tinha tendência à hipoglicemia, mas nessas aulas da noite batia um cansaço lá pelas 10 horas. Um aluno a abordou:

– Professora, eu já estava indo para a aula.

– Vou comprar um suco de laranja, já vou lá.

– Posso acompanhar a senhora?

– Claro. – Mónika preferia ir sozinha.

O aluno contava do trabalho que queria fazer para o curso. Queria investigar o estigma das pessoas canhotas.

– Mas há estigma mesmo, meu jovem?

– Ô professora. Se há. Tenho amigos canhotos que posso entrevistar.

Para Mônika, qualquer trabalho era válido. Contanto que emergisse de alguma inquietação profunda, algo incômodo mesmo. Dizia aos alunos: “Se algo der tipo uma coceira mental muito intensa em vocês, é por aí.” Essa era sua visão do saber. Sugeriu algumas leituras, observou o olhar confuso do aluno, reforçou à atendente que o suco era natural.

– Professora, se a senhora quiser, eu tenho bananas ali na ocupação. A senhora sabe, aquela sala ali – e ele apontou para uma sala iluminada no segundo andar – a gente está morando.

Mónika caiu na risada. Já tinha ouvido falar da ocupação, e visto de longe as toalhas estendidas. Mas, de alguma maneira, não ligava isso com alunos reais que viam suas aulas. O entorno havia se tornado para ela uma espécie de zona proibida, desconectada do resto do campus.

– Por que você riu, professora? – o aluno a censurou.

– Não sei. Porque é engraçado morar no campus. – Quis retornar ao papel professoral. – Você está lá por precisão ou por protesto?

– Pelos dois.

– Mas como é viver no campus? Dá pra ter uma vida normal?

O aluno se refez da risada.

– O que é uma vida normal?

Mónika foi pega de surpresa pela pergunta sagaz do aluno. Respondeu com o óbvio.

– Dá pra ir nas aulas, estudar?

– Na sala ao lado, está vendo?, tem uma sala de estudos. Numa, dormimos. Na outra, estudamos.

Fazia sentido. Numa, dormiam. Na outra estudavam. Mónika sentiu uma espécie de inveja. De vontade de ser parte do movimento. De ocupar alguma coisa, um lugar, uma sala, um espaço, um papel. O aluno parecia sentir seu interesse.

– Vamos lá em cima, eu pego as bananas?

– Não, obrigada, estou bem com o suco.

– Professora, eu preciso perguntar para o movimento, mas eu gostaria que a senhora desse a aula de hoje na ocupação.

Mónika coçou a cabeça. Detestava a ocupação. Aquilo subvertia tudo o que ela acreditava sobre a escola, aquilo privatizava a esfera pública, rompia com qualquer possibilidade de ação comum.

– Mas e a turma, esperando na sala?

– A gente avisa. Pode deixar.

Subiram. Aos poucos, os alunos chegavam, os de sua sala e os da ocupação. Acomodavam-se em cadeiras espalhadas pela sala. Mónika estava em silêncio. Daria uma palestra sobre a emergência do privado. A importância da esfera íntima. O colapso contemporâneo da intimidade. Quem quisesse, que entendesse o recado. Estava irritada e iria se vingar. Tudo estava errado. Sua fala consertaria o mundo. Os alunos pareciam, também, se preparar para uma guerra, um confronto. Só que dessa vez estavam em seu ambiente, na sala ocupada de estudos. Por que mesmo precisavam ocupar uma sala para estudar? Não era uma escola? Ocupavam. Era estranho, mas a sala parecia mais cheia que normalmente. Mais atenta.

– Sentem-se no chão – Mónika ordenou. Mas a fala saiu mais doce que o desejado, quase como um apelo açucarado.

– Professora!

– Sim?

– Na sala de dormir temos colchões e colchonetes. Podemos trazer?

– Sim.

Ela ficou aliviada com o pedido. Parecia mostrar uma deferência já esgarçada nas aulas normais.

Os alunos da ocupação saíram e voltaram carregando colchões, que espalharam pelo chão. Compartilhavam com os colegas da aula. O aluno que estudaria os canhotos ofereceu seu colchão para Mónika, que agradeceu polidamente e disse que se precisasse sentaria nele.

– Respirem fundo umas três vezes – Mónika ordenou, sentada no chão duro, com a fala novamente involuntariamente doce. – E dêem as mãos uns para os outros.

Não sabia direito o que fazer, não havia preparado nada. Um leve cheiro de maconha parecia vir dos colchões. Pediu que fechassem os olhos e se imaginassem saindo da sala, do campus, da cidade à pé ou de moto. Que viajassem por horas até entrar em outra cidade, cada vez mais densa, com mais casas, lojas, escolas. Nessa cidade estranha se deparariam com um mercado muito grande, ao ar livre, com uma infinidade de barracas, cada qual enfeitada de um jeito e vendendo alguma coisa diferente.

Nas primeiras barracas, professores da escola primária, dando brinquedos, letras, números. Que mais? Como era tudo disposto? Que cara tinham os professores? Como eles alunos recebiam o que os professores tinham para dar? Nas barracas seguintes, professores do ginásio, primos, irmãos mais velhos, sempre dando coisas, sensações, novidades, aprendizados. Pedia que notassem como os outros se aproximavam das barracas, o que pediam, o que obtinham. Como se vestiam todos, como estava o céu, que temperatura fazia. Se havia música ou silêncio.

Mónika dirigia a imaginação dos alunos, pensava consigo mesma que poderes tinha, que deuses invocava, que cordas tocava com aquelas palavras a esmo na sala de estudos da ocupação. A voz tremeu. Manteve a doçura, mas parecia tremer como se ouvisse um hino lamentoso. Tinha que tirá-los dali antes que ela perdesse a capacidade de voltar. Pois voltar era sempre preciso.

Agora eles viam uma última barraca, lá longe, e andavam firmes em direção a ela, onde havia um sujeito um pouco mais velho, que lhes pedia para cuidar da barraca um tempo, até que voltasse. Os alunos tomavam a barraca, mudavam os enfeites, guardavam algumas coisas e colocam outras à vista. O que agora ofereciam? O que serviam, o que ensinavam? Que técnicas, que malabarismos?

A feira se esvaziava, os barraqueiros se iam, a tarde chegava, o silêncio baixava. Eles também desmontavam suas barracas, voltavam à cidade, ao campus, à sala ocupada, abriam os olhos devagar e, enfim, estavam ali. Sãos e salvos, ela respirou aliviada. Todos entregues, exatamente no lugar de onde haviam partido. Sem uma escoriação. Olhou para cada um, conhecidos e desconhecidos, quis chorar mas não era o momento. Um aluno perguntou à queima-roupa:

– Professora, como a senhora vê a ocupação dos estudantes?

– A ocupação – ela falou – é a transposição para o plano real de tensões existentes na universidade, que se dão em vários eixos: o público-privado, o real e o imaginário, o pertencimento e a exclusão, o saber e a recusa em conhecer. Essa é a ocupação.

Aplaudiram. Não era comum, isso. Mas às vezes Mónika era aplaudida. Conversaram sobre os trabalhos do curso. Busquem, ela repetia, algo que dê coceira. A pesquisa acadêmica é como uma boa bucha de banho, algo que resolve momentaneamente essa coceira mental. A aula se alongava, perdia o foco. Mónika agradecia a acolhida, levantava com dificuldade. Os alunos da ocupação a convidaram para conhecer a sala-dormitório, e fumar unzinho.

Mónika era, obviamente, contra o uso de drogas no campus. Mas fazia tanto tempo que não fumava. Na juventude, detestava. A risada solta e sem motivo, a sensação de lentidão na fala, não gostava mesmo. Mas como seria agora, já adulta? Então sentou-se com os jovens e deu duas tragadas. O efeito foi fulminante. As aulas seguidas, o esforço físico, o efeito era mesmo distinto. Pediu mais bananas. Acomodou-se na parede. Depois foi escorregando para o lado. Puxou alguns livros para perto de si, e apoiou a cabeça neles. Dormiu, finalmente, depois de um dia intenso de trabalho, na ocupação dos estudantes.

Está no ar a décima aventura de Mónika, O Gerador de Luz.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 18/1/2018



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quixotes de Bukowski de Rafael Lima


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GÊMEOS DA PESADA
MICHAEL KELLER
COMPANHIA NACIONAL
(2015)
R$ 10,00



HISTÓRIA MODERNA 1
ANDRÉ CORVISIER
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 39,90
+ frete grátis



UM PREÇO PELA VIDA AVENTURA AMAZÔNICA
ASSIS BRASIL
SALAMANDRA
(1990)
R$ 4,00



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
SARAIVA
(2008)
R$ 13,00



A ELOQUÊNCIA DOS SÍMBOLOS
EDGAR WIND
EDUSP
(1998)
R$ 45,00



O CÍRCULO DOS MAGOS
PHILIP PULLMAN / E. NESBIT / CHARLES DICKENS
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 11,00



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
ED. SARAIVA
(1979)
R$ 5,00



A TÉCNICA DO DIREITO VOL 1 - TEORIA GERAL DAS AÇÕES
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 6,80



O PIANISTA DE HITLER
PETER CONRADI
JOSÉ OLYMPIO
(2017)
R$ 20,00



OS GRANDES SANTOS
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 7,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês