Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O paraíso de Henry Miller
>>> Band On The Run
>>> Linguagem, Espaço, Máquina
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> A arte como destino do ser
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> 16 de Maio #digestivo10anos
>>> The greatest fairy tale never told
>>> Extraordinary Times
Mais Recentes
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
>>> Bundas 12 Fernandona uma lição de cidadania de Diversos Autores pela Perere (1999)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. III - Desvairismo e Tendências Contemporâneas de Massaud Moisés pela Cultrix (2019)
>>> Independência e Morte - Política e Emancipação do Brasil, 1821 - 1823 de Helio Franchini Neto pela Topbooks (2019)
>>> Das cores do silêncio de Hebe Mattos pela Unicamp (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/1/2018
Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Heloisa Pait

+ de 1700 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

A noite já caia no campus. Mónika desligou as luzes de sua sala de trabalho e percebeu assustada que lá fora estava um breu. Subiu as escadas do prédio de professores tateando as paredes e deu com um guarda acendendo as luzes do saguão.

– Que está acontecendo?

– Estou sozinho, atrasei para ligar todas as luzes.

– Sozinho por quê?

– Cortaram pessoal, eram 4, agora só 2 para o campus todo.

Ainda tinha que comprar um suco de laranja lá na cantina, antes de entrar em aula. Não tinha tendência à hipoglicemia, mas nessas aulas da noite batia um cansaço lá pelas 10 horas. Um aluno a abordou:

– Professora, eu já estava indo para a aula.

– Vou comprar um suco de laranja, já vou lá.

– Posso acompanhar a senhora?

– Claro. – Mónika preferia ir sozinha.

O aluno contava do trabalho que queria fazer para o curso. Queria investigar o estigma das pessoas canhotas.

– Mas há estigma mesmo, meu jovem?

– Ô professora. Se há. Tenho amigos canhotos que posso entrevistar.

Para Mônika, qualquer trabalho era válido. Contanto que emergisse de alguma inquietação profunda, algo incômodo mesmo. Dizia aos alunos: “Se algo der tipo uma coceira mental muito intensa em vocês, é por aí.” Essa era sua visão do saber. Sugeriu algumas leituras, observou o olhar confuso do aluno, reforçou à atendente que o suco era natural.

– Professora, se a senhora quiser, eu tenho bananas ali na ocupação. A senhora sabe, aquela sala ali – e ele apontou para uma sala iluminada no segundo andar – a gente está morando.

Mónika caiu na risada. Já tinha ouvido falar da ocupação, e visto de longe as toalhas estendidas. Mas, de alguma maneira, não ligava isso com alunos reais que viam suas aulas. O entorno havia se tornado para ela uma espécie de zona proibida, desconectada do resto do campus.

– Por que você riu, professora? – o aluno a censurou.

– Não sei. Porque é engraçado morar no campus. – Quis retornar ao papel professoral. – Você está lá por precisão ou por protesto?

– Pelos dois.

– Mas como é viver no campus? Dá pra ter uma vida normal?

O aluno se refez da risada.

– O que é uma vida normal?

Mónika foi pega de surpresa pela pergunta sagaz do aluno. Respondeu com o óbvio.

– Dá pra ir nas aulas, estudar?

– Na sala ao lado, está vendo?, tem uma sala de estudos. Numa, dormimos. Na outra, estudamos.

Fazia sentido. Numa, dormiam. Na outra estudavam. Mónika sentiu uma espécie de inveja. De vontade de ser parte do movimento. De ocupar alguma coisa, um lugar, uma sala, um espaço, um papel. O aluno parecia sentir seu interesse.

– Vamos lá em cima, eu pego as bananas?

– Não, obrigada, estou bem com o suco.

– Professora, eu preciso perguntar para o movimento, mas eu gostaria que a senhora desse a aula de hoje na ocupação.

Mónika coçou a cabeça. Detestava a ocupação. Aquilo subvertia tudo o que ela acreditava sobre a escola, aquilo privatizava a esfera pública, rompia com qualquer possibilidade de ação comum.

– Mas e a turma, esperando na sala?

– A gente avisa. Pode deixar.

Subiram. Aos poucos, os alunos chegavam, os de sua sala e os da ocupação. Acomodavam-se em cadeiras espalhadas pela sala. Mónika estava em silêncio. Daria uma palestra sobre a emergência do privado. A importância da esfera íntima. O colapso contemporâneo da intimidade. Quem quisesse, que entendesse o recado. Estava irritada e iria se vingar. Tudo estava errado. Sua fala consertaria o mundo. Os alunos pareciam, também, se preparar para uma guerra, um confronto. Só que dessa vez estavam em seu ambiente, na sala ocupada de estudos. Por que mesmo precisavam ocupar uma sala para estudar? Não era uma escola? Ocupavam. Era estranho, mas a sala parecia mais cheia que normalmente. Mais atenta.

– Sentem-se no chão – Mónika ordenou. Mas a fala saiu mais doce que o desejado, quase como um apelo açucarado.

– Professora!

– Sim?

– Na sala de dormir temos colchões e colchonetes. Podemos trazer?

– Sim.

Ela ficou aliviada com o pedido. Parecia mostrar uma deferência já esgarçada nas aulas normais.

Os alunos da ocupação saíram e voltaram carregando colchões, que espalharam pelo chão. Compartilhavam com os colegas da aula. O aluno que estudaria os canhotos ofereceu seu colchão para Mónika, que agradeceu polidamente e disse que se precisasse sentaria nele.

– Respirem fundo umas três vezes – Mónika ordenou, sentada no chão duro, com a fala novamente involuntariamente doce. – E dêem as mãos uns para os outros.

Não sabia direito o que fazer, não havia preparado nada. Um leve cheiro de maconha parecia vir dos colchões. Pediu que fechassem os olhos e se imaginassem saindo da sala, do campus, da cidade à pé ou de moto. Que viajassem por horas até entrar em outra cidade, cada vez mais densa, com mais casas, lojas, escolas. Nessa cidade estranha se deparariam com um mercado muito grande, ao ar livre, com uma infinidade de barracas, cada qual enfeitada de um jeito e vendendo alguma coisa diferente.

Nas primeiras barracas, professores da escola primária, dando brinquedos, letras, números. Que mais? Como era tudo disposto? Que cara tinham os professores? Como eles alunos recebiam o que os professores tinham para dar? Nas barracas seguintes, professores do ginásio, primos, irmãos mais velhos, sempre dando coisas, sensações, novidades, aprendizados. Pedia que notassem como os outros se aproximavam das barracas, o que pediam, o que obtinham. Como se vestiam todos, como estava o céu, que temperatura fazia. Se havia música ou silêncio.

Mónika dirigia a imaginação dos alunos, pensava consigo mesma que poderes tinha, que deuses invocava, que cordas tocava com aquelas palavras a esmo na sala de estudos da ocupação. A voz tremeu. Manteve a doçura, mas parecia tremer como se ouvisse um hino lamentoso. Tinha que tirá-los dali antes que ela perdesse a capacidade de voltar. Pois voltar era sempre preciso.

Agora eles viam uma última barraca, lá longe, e andavam firmes em direção a ela, onde havia um sujeito um pouco mais velho, que lhes pedia para cuidar da barraca um tempo, até que voltasse. Os alunos tomavam a barraca, mudavam os enfeites, guardavam algumas coisas e colocam outras à vista. O que agora ofereciam? O que serviam, o que ensinavam? Que técnicas, que malabarismos?

A feira se esvaziava, os barraqueiros se iam, a tarde chegava, o silêncio baixava. Eles também desmontavam suas barracas, voltavam à cidade, ao campus, à sala ocupada, abriam os olhos devagar e, enfim, estavam ali. Sãos e salvos, ela respirou aliviada. Todos entregues, exatamente no lugar de onde haviam partido. Sem uma escoriação. Olhou para cada um, conhecidos e desconhecidos, quis chorar mas não era o momento. Um aluno perguntou à queima-roupa:

– Professora, como a senhora vê a ocupação dos estudantes?

– A ocupação – ela falou – é a transposição para o plano real de tensões existentes na universidade, que se dão em vários eixos: o público-privado, o real e o imaginário, o pertencimento e a exclusão, o saber e a recusa em conhecer. Essa é a ocupação.

Aplaudiram. Não era comum, isso. Mas às vezes Mónika era aplaudida. Conversaram sobre os trabalhos do curso. Busquem, ela repetia, algo que dê coceira. A pesquisa acadêmica é como uma boa bucha de banho, algo que resolve momentaneamente essa coceira mental. A aula se alongava, perdia o foco. Mónika agradecia a acolhida, levantava com dificuldade. Os alunos da ocupação a convidaram para conhecer a sala-dormitório, e fumar unzinho.

Mónika era, obviamente, contra o uso de drogas no campus. Mas fazia tanto tempo que não fumava. Na juventude, detestava. A risada solta e sem motivo, a sensação de lentidão na fala, não gostava mesmo. Mas como seria agora, já adulta? Então sentou-se com os jovens e deu duas tragadas. O efeito foi fulminante. As aulas seguidas, o esforço físico, o efeito era mesmo distinto. Pediu mais bananas. Acomodou-se na parede. Depois foi escorregando para o lado. Puxou alguns livros para perto de si, e apoiou a cabeça neles. Dormiu, finalmente, depois de um dia intenso de trabalho, na ocupação dos estudantes.

Está no ar a décima aventura de Mónika, O Gerador de Luz.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 18/1/2018



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ivanhoé de Gian Danton
02. Demorou de Eduardo Carvalho


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL INCOMPETÊNCIA FEMININA
PAULO MUNDIN PRAZERES
IBRASA
(2003)
R$ 12,00



GUIA DE COMPORTAMENTO CANINO: O PROBLEMA DO SEU CÃO PODE SER VOCÊ
EVANDER BUENO DE LIMA
TODAS AS MUSAS
(2016)
R$ 49,90
+ frete grátis



PÁGINAS ESPÍRITAS
CELSO MARTINS
CULTURESP
(1988)
R$ 6,90



CURSO DE DIREITO CIVIL BRASILEIRO 2
MARIA HELENA DINIZ
SARAIVA
(1985)
R$ 6,90



MEUS VERDES ANOS
JOSÉ LINS DO REGO
JOSÉ OLYMPIO
(1956)
R$ 30,00



OFFSHORE ANNUAL BOOK 1988
ALBERTO MONDINELLI
KAOS
(1988)
R$ 12,00



FRANK SINATRA - O HOMEM, O MITO, A VOZ
PETE HAMILL
SEOMAN
(2015)
R$ 23,00



DUELO FINAL
ELMORE LEONARD
ART
(1986)
R$ 9,33



RODAS VELAS ASAS ÁLBUM PARA FIGURINHA
LIVROS DE OURO DA JUVENTUDE
VECCHI
(1951)
R$ 80,00



ENTRE DESERTOS
LINA TÂMEGA PEIXOTO
IBIS LIBRIS
(2013)
R$ 17,80





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês