A Legião e as cidades | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Van Halen 2013
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Rasgos de memória
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
Mais Recentes
>>> Apostila workshop urbano curso perícias em avaliação de imóveis. de Caavi pela Caavi (2011)
>>> Stewardship: Choosing Service over Self-Interest de Peter Block pela Berrett-Koehler (1993)
>>> Fuvest 2000 - Literatura de Célia N. A. Passoni pela Núcleo (1999)
>>> Doze Contos Peregrinos de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1992)
>>> Outeiro da Glória Marco na História da Cidade do Rio de Janeiro de Jorge de Souza Hue e Outros pela Artepadilla (2015)
>>> Le Voyageur et son Ombre de Nietzsche pela Mediations (1979)
>>> Avenidas da Saúde de Dr Haroldo Shryock pela Casa Publicadora Brasileira (1963)
>>> Livro Anne Whit An E Lucy Maud Bordando com as Estrelas de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Flâneur - um Passeio Pelos Paradoxos de Paris de Edmund White pela Companhia das Letras (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Coleção o Globo de Manuel Antônio de Almeida pela O Globo (1997)
>>> O mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (2000)
>>> Veneno Digital de Walcyr Carrasco pela Ática (2017)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2015)
>>> Um Olhar Sobre a Ciência: Desenvolvimento, Aplicações e Políticas de Eloi de Souza Garcia pela Interciência (2003)
>>> O Verão e a Cidade - Os Diários de Carrie de Candance Bushnell pela Galera Record (2011)
>>> O Cotidiano de um Deficiente de Patricia Vaitsman dos Santos pela Interciência (2001)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Ano Inesquecível de Babi Dewet, Bruna Vieira, Paula Pimenta e Thalita Rebouças pela Gutenberg (2015)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1978)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (1983)
>>> A Linguagem e Seu Funcionamento - as Formas do Discurso de Eni Puccinelli Orlandi pela Brasiliense (1983)
>>> A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows pela Rocco (2009)
>>> Poesia Que Transforma de Bráulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bulfinch pela Harper Collins (2018)
>>> Memórias Quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Guerra Não Tem Rosto de Mulher de Svetlana Aleksiévitch pela Companhia das Letras (2016)
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber de Antônio Carlos Vilela pela Melhoramentos (2006)
>>> Engenharia genética - O Sétimo dia da criação de Fátima Oliveira pela Moderna (1995)
>>> O Ladrão de sonhos e outras historias de Ivan Angelo pela Atica (1999)
>>> Necronomicon: the Best Weird Tales of de H. P. Lovecraft pela Gollancz (2008)
>>> Um Dia "Daqueles": Uma Lição de Vida Para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> A Cidadela do Caos de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1990)
>>> O Calabouço da Morte de Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1984)
>>> O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Steve Jackson; Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1991)
>>> Rostos da Portugalidade de Luís Machado pela Vega (2010)
>>> LIVRO NOVO! A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Nave Espacial Traveller de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1982)
>>> Norse Mythology de Neil Gaiman pela W. W. Norton & Company (2017)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2016)
>>> Buda: na Floresta de Uruvella -vol. VI de Osamu Tezuka pela Conrad (2005)
>>> Buda. Em Busca da Iluminação. Vol. IV de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> Literatura Ao Sul de Luis Augusto Fischer pela Universidade de Passo Fundo (2009)
>>> Buda. a Outra Margem do Rio. Vol. III de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado pela Record (1987)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Globo (2015)
>>> Passagens da Antiguidade ao Feudalismo de Perry Anderson pela Brasiliense (1987)
>>> O Não Me Deixes - Suas Histórias e Sua Cozinha de Rachel de Queiroz pela Arx (2004)
>>> George Sand de René Doumic pela Perrin (1922)
>>> Sybil de Flora Rheta Schreiber pela Círculo do Livro
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Quinta-feira, 3/8/2006
A Legião e as cidades
Guga Schultze

+ de 5000 Acessos
+ 11 Comentário(s)

As cidades, eventualmente, produzem música. Os grandes centros urbanos são, a longo prazo, usinas musicais em funcionamento contínuo e, nesse processo, as cidades podem gerar momentos específicos, períodos em que, às vezes, deixam sua marca no instável mapa cultural do país.

Existe uma relação entre a música e a cidade que a gerou e essa relação, difícil de explicar em palavras, é facilmente percebida no momento em que a gente, turista ocasional, atravessa ruas - a pé, de carro - e deixa que um sentimento exógeno, estranho aos nossos hábitos, nos alcance. Talvez numa esquina, olhando alguma avenida que parece vagamente familiar - porque dizem que quem viu uma cidade grande, viu todas - mas não é bem assim. Num amanhecer qualquer, em Ipanema, por exemplo, quando as ruas estão ainda meio desertas, junto à orla do mar, com o céu rapidamente assumindo um azul inesgotável, a gente pode admitir sem nenhuma dúvida que essa zona sul do Rio é o único lugar possível para gerar coisas como o "Surfboard", de Jobim e, como ela, todo o momento antológico da Bossa Nova. Ou num entardecer, no alto da avenida central da capital de Minas, no sopé da montanha e olhando a cidade que se espalha e que mergulha ao longe num vermelho mineral, a gente pode ouvir - poéticamente mesmo, no vento - alguma coisa da melodia estranha, hipnótica, do Clube da Esquina, a primeira, do Lô Borges e do Milton.

A última vez que estive em Brasília já faz muito tempo, mas a primeira impressão perdura como um símbolo e está longe de se tornar vaga como outras memórias da mesma época. Havia a presença absoluta do espaço, potencializado em cada centímetro quadrado das avenidas sem fim aparente; uma luminosidade intensa, silenciosa, pairando sobre a cidade, etérea como a luz original. O labirinto ali é o labirinto inverso que Jorge Luis Borges viu nos desertos; sem becos, ruelas e sombras, sem a economia, às vezes triste, das aglomerações humanas. A cidade não é econômica, em qualquer sentido; não é vertical, mas horizontal e é nesse sentido que se estende até a memória de seus visitantes.

Brasília é mais espantosa ainda porque, de muitas maneiras e contra todas as expectativas, deu certo. Uma espécie de disneylândia política, construída no nada e em tempo recorde, uma grande capital que não tem nem cinquenta anos. Seu nativo mais velho não teria ainda essa idade mas, em Brasília, o tempo passa depressa, queima etapas. Já possui essa aura mítica que outros grandes centros levaram muito mais tempo para incorporar. Aspectos variados do desenvolvimento natural das cidades foram pré-concebidos e, sem um sentido pejorativo, pode-se dizer que em Brasília há um pré-conceito urbano. A palavra-chave, geográfica, para capturar sua essência é "urbanismo"; um conceito que já existia antes de Brasília projetar sua primeira sombra no planalto central.

Quando visitei Brasília, dessa última vez, não havia ainda sua música (suponho que estivesse sendo produzida) mas, pouco tempo depois, a Legião Urbana estava nas paradas, através do país. A associação foi imediata e eu estava lá de novo, caminhando na esplanada, ouvindo o riff de guitarra que inicia o "Tempo Perdido", esperando a tempestade que esse tempo traz, "da cor dos seus olhos castanhos" - um momento, poderoso, da poesia dentro da canção. O nome da banda era sintomático, um achado, na medida em que seu berço era Brasília. A Legião fazia uma música simples (rock, claro), mas bela, com melodias que giram, mais ou menos livres, em torno de uma harmonia básica, de um bom gosto a toda prova. Algumas grandes canções vieram cimentar o fato de que a banda não era só mais uma banda surgida na nova eclosão do rock no Brasil. Havia a preocupação evidente com a qualidade das canções, deixando de lado, talvez, o tiroteio cego em todas as direções e concentrando-se num clima, numa sonoridade específica (a formação clássica do rock - baixo, batera, guitarras e vocal - ajudava); havia em suma, desculpem a palavra, mensagem.

Renato Russo, o legionário-mor, fã confesso de John Lennon, talvez tenha filtrado como ninguém o que existe de dúbio na letra de "Strawberry Fields", Beatles, construindo dessa primeira influência sua própria e original expressão. Suas letras são marcadas por esse sentimento ambíguo, frases que se opõem a outras ou não se definem de imediato; introspectivo, reflexivo, num momento em que muitas outras bandas simplesmente berravam uma anarquia sem direção. Morou, me parece, nos Estados Unidos e falava fluentemente o inglês. Quando sua banda apareceu, já veio madura, pensada, produto final - a Legião Urbana tem essa característica estável, uma maturidade na concepção do som, do estilo, que é marca das coisas elaboradas com critério e, a julgar pelas letras e pela performance, Renato Russo deve ter sido um sujeito com senso crítico refinado.

Houve também, quando das primeiras audições da Legião, o fato meio irônico da voz de Renato Russo ser muito semelhante ao vocal de um dos velhos ídolos da Jovem Guarda, Jerry Adriani, grande cantor, diga-se de passagem, mas brega incorrigível. Teve gente que chegou a pensar, antecipando essa onda de filhotes (de Elis, de Jair Rodrigues, de Simonal), que Renato Russo era um deles; no caso, filhote do Jerry Adriani. Eu também percebi a semelhança mas a Legião me remeteu mais a um outro Renato, também da Jovem Guarda, antes de cair no ostracismo e na breguice sem volta: Renato e seus Blue Caps, a banda inaugural do rock no Brasil. Tem que se ouvir os Blue Caps em sua primeira fase (que é a que conta), sem preconceitos, para perceber a ponte de uns vinte anos (e o abismo abaixo dela) que ligam as duas bandas.

Vinte anos é tempo mais que suficiente para a consolidação de um mito e, nesse ano, já são vinte anos do lançamento do segundo album da Legião, o Dois, o vinil da capa parda. Em vinte anos a Legião arrebanhou e formou - desculpem, eu não resisto - uma legião de fãs. Esses, entre os quais eu me incluo, têm à sua disposição um manancial da melhor música de rock, para ouvir quando der na telha. Citei a palavra mito porque uma das características do mito é sua resistência ao tempo. Pode-se, tranquilamente, ouvir a Legião hoje; suas grandes canções não envelheceram um decibel. E voltando à minha idéia central, penso em Brasília e me espanto ao perceber como aquela geografia centrífuga gerou um rock que é um trampolim para o centro, um mergulho no interior do peito. E, é claro, penso também que Brasília já tem sua música.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 3/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
02. O turista imobiliário de Marta Barcellos
03. As concubinas do sultão de Diego Viana
04. Zicartola de Marcelo Maroldi
05. Ele é o Rei de Andréa Trompczynski


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2006
01. Mané, Mané - 22/6/2006
02. A Legião e as cidades - 3/8/2006
03. Voto fulo - 12/10/2006
04. Mitos na corda bamba - 29/12/2006
05. Radiação de Fundo - 21/9/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/8/2006
01h44min
Belo texto sobre a Legião, Guga. E boas observações sobre Brasília. Me veio a lembrança das avenidas quase que infinitas que vi por lá, mas não soube aproveitar nem sentir realmente a atmosfera da cidade, pois era um moleque que estava abismado com toda a grandeza da nossa capital federal. Espero voltar lá pra, realmente, andar por Brasília.
[Leia outros Comentários de Rafael]
3/8/2006
09h00min
Ex-morador do Rio, conhecedor de BH e atualmente morando em Brasília, li com muita satisfação mais este texto do Guga. Mais uma vez seu estilo refinado, mas leve, nos levou a viajar no tempo, na música e no espaço. Depois de ler seu artigo fica a saudade da Legião Urbana e uma vontade irresistível de sair por aí ouvindo suas músicas. Grande Guga!
[Leia outros Comentários de Tuxaua Linhares]
3/8/2006
11h30min
Sublime o seu texto Guga. Renato Russo, apesar de não admitir, nos passava aquela imprensão de "irmão mais velho". Veja que o disco Dois é forte e vigora até os dias hoje, com canções que vale a pena ouvir a qualquer momento. Como frisava Russo em cada encarte de seus Lps, a Legião Urnana a tudo vence, e Força Sempre!
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
3/8/2006
12h26min
Voltei ao passado com o texto do Guga. Respirei meu primeiro ar no plano-piloto, embora não me considere, assim, de todo, "candango". Voltei a uma adolescência que não seria tão gostosa (e tão adolescente!) sem a Legião Urbana. Amei no início, odiei em seguida, entendo, escuto e gosto hoje.
[Leia outros Comentários de Bruno Sales]
3/8/2006
14h53min
Degustar um texto carregado de sentimento é pra mim, no mínimo, salutar. Faz bem à alma, se é que ela existe. Apesar de na época olhar desconfiado para esse fenômeno "Legião", o Guga descreve como poucos sobre o universo musical. Parabéns pelo magnífico texto ! Vale lembrar que depois do Raulzito, a Legião Urbana foi a banda q ue conseguiu ser eternizada por todas as camadas socias. Valeu, Guga.
[Leia outros Comentários de Marco Aurélio]
14/8/2006
12h25min
Suas palavras sobre Brasilia, ou seja, Legião Urbana... é inevitável: tal comparação me faz lembrar várias fases de minha vida. Grato.
[Leia outros Comentários de vinicius]
18/8/2006
12h24min
Não sou fã de Brasília embora reconheça sua beleza e mistério. Quando o Legião Urbana aconteceu eu estava longe do Brasil mas jamais esquecerei o dia em que, numa das minhas viagens de visita à família, meu irmão, ao me ver depois de um ano de ausência, me pegou pela mão e me levou ao seu quarto dizendo: "Isso é demais, é a melhor coisa que já teve até hoje!" Adorei. Olhei pro meu irmão e pensei: - Achei que depois da geraçao dos Beatles, ninguém mais teria essa sensação de estar ouvindo uma coisa de outro mundo. Sou fã do Renato Russo... e do Guga também.
[Leia outros Comentários de Claudia Serretti]
19/8/2006
12h01min
muito interessante o Texto do Guga. realmente ha', embora eu particularmente nao houvesse ainda atinado, uma ligacao entre certas cidades e musicas, grupos musicais. um texto bem escrito, interessante e divertido. alem de informativo. E, sem duvida, um belissimo texto sobre uma das grandes bandas brasileiras.
[Leia outros Comentários de Willam Carvalho]
20/8/2006
19h00min
Adorei seu texto Guga, excelente. Boa musica em uma boa cidade, ares e sabedoria... O texto fez com q me sentisse de volta ao tempo, tempo em q ainda criança, vivi e acompanhei parte da trajetoria de Renato, Legião Urbana, por isso sou fã incondicional. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Karol Mansur]
20/8/2006
19h08min
Excelente! Cresci ouvindo Legião e pude compreender com o artigo do Guga, como foi e é importante pra Brasília ser a "Terra Natal" de uma banda tão consagrada. Pude perceber que, assim como aqui em Minas e no Rio, Brasília tb tem sua música, seu estilo, e seu cenário não pode ser lembrado somente por políticos corruptos. Obrigada, Guga, por nos proporcionar outro cenário para a capital do nosso país. Acho que, nessa altura do campeonato, você nos levou a outro tempo, onde Legião Urbana dava voz aos nosso ideial. Valeu!
[Leia outros Comentários de Camilla]
23/8/2006
00h11min
Fiquei realmente impressionado com esse artigo: é uma poesia, uma poesia em forma de crítica musical. Um texto com imagens concretas, claras, bem colocadas, apresentadas e encadeadas com firmeza, com objetividade. Um super-artigo, em todos os sentidos. Parabéns, Guga.
[Leia outros Comentários de Faiçal Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Mulher Inacabada
Lillian Hellman
Francisco Alves
(1981)
R$ 20,00



Administração de Medicamentos - Revisando uma Prática de Enfermagem
Nébia Maria Almeida de Figueiredo
Yendis
(2006)
R$ 44,10



Passando a Limpo - a Trajetória de um Farsante
Pedro Collor de Mello
Record
(1993)
R$ 14,99



Nuevo Recreo - Vol. 4 - Livro do Aluno + Multirom
Roberta Amendola
Moderna
(2014)
R$ 134,95



A Moreninha
De Macedo , Joaquim Manuel , Lafonte (Editor), Editora (Editor) & 2 Mais
Lafonte
(2018)
R$ 12,00



Redação Publicitária - Sedução pela Palavra
Celso Figueiredo
Thompson
(2005)
R$ 22,00



Os Teledependentes
M. Alfonso Erausquin/Luis Matilla/Miguel Vásquez
Summus
(1983)
R$ 5,00



Histoire Générale Du IV Siècle a nos Jours- Tomo VI Louis Xiv
Ernest Lavisse e Alfred Rambaud
Armand Colin
(1895)
R$ 49,00



Acendedor 11 a 20
Igreja Seicho no Ie
Seicho no Ie
(1968)
R$ 8,95



Descobrindo a Si Mesmo - 4º Ed.
Migule Perosa
Moderna
(1996)
R$ 5,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês