A Legião e as cidades | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Entrevista com Cardoso
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
Mais Recentes
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
>>> 21 dias de jejum pela edificação da casa de Deus de Aluízio A. Silva pela Vinha (2012)
>>> Aspectos do Design - Volume II de Vários Autores pela Senai-SP (2012)
>>> Escrevendo no escuro de Patrícia Melo pela Rocco (2011)
>>> Deus e Israel construindo a história de Equipe de produção Itebra pela Itebra (2001)
>>> Virtuosismo e Revolução de Paolo Virno pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Simão Pedro de Georges Chevrot pela Quadrante (1990)
>>> Enfermagem em Obstetrícia de Geraldo Mota de Carvalho pela Epu (2002)
>>> Enfermagem e Nutrição de Geraldo Mota de Carvalho e Adriana Ramos pela Epu (2005)
>>> As Ideias de Popper de Bryan Magee pela Cultrix-Usp (1974)
>>> Les damnés de la terre de Frantz Fanon pela La Découverte (2016)
>>> História de Portugal de Rui Ramos (Coordenador), Bernardo Vasconcelos e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro pela A esfera dos livros (2019)
>>> A Corte na Aldeia de Francisco Rodrigues Lobo pela Biblioteca Ulisseia (2005)
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
>>> Revista Exame O consumidor no Vermelho. Edição 997 de Vários pela Abril (2011)
>>> Almanaque da Luluzinha e do Bolinha. Edição especial. de Vários pela Pixel (2011)
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Quinta-feira, 3/8/2006
A Legião e as cidades
Guga Schultze

+ de 4900 Acessos
+ 11 Comentário(s)

As cidades, eventualmente, produzem música. Os grandes centros urbanos são, a longo prazo, usinas musicais em funcionamento contínuo e, nesse processo, as cidades podem gerar momentos específicos, períodos em que, às vezes, deixam sua marca no instável mapa cultural do país.

Existe uma relação entre a música e a cidade que a gerou e essa relação, difícil de explicar em palavras, é facilmente percebida no momento em que a gente, turista ocasional, atravessa ruas - a pé, de carro - e deixa que um sentimento exógeno, estranho aos nossos hábitos, nos alcance. Talvez numa esquina, olhando alguma avenida que parece vagamente familiar - porque dizem que quem viu uma cidade grande, viu todas - mas não é bem assim. Num amanhecer qualquer, em Ipanema, por exemplo, quando as ruas estão ainda meio desertas, junto à orla do mar, com o céu rapidamente assumindo um azul inesgotável, a gente pode admitir sem nenhuma dúvida que essa zona sul do Rio é o único lugar possível para gerar coisas como o "Surfboard", de Jobim e, como ela, todo o momento antológico da Bossa Nova. Ou num entardecer, no alto da avenida central da capital de Minas, no sopé da montanha e olhando a cidade que se espalha e que mergulha ao longe num vermelho mineral, a gente pode ouvir - poéticamente mesmo, no vento - alguma coisa da melodia estranha, hipnótica, do Clube da Esquina, a primeira, do Lô Borges e do Milton.

A última vez que estive em Brasília já faz muito tempo, mas a primeira impressão perdura como um símbolo e está longe de se tornar vaga como outras memórias da mesma época. Havia a presença absoluta do espaço, potencializado em cada centímetro quadrado das avenidas sem fim aparente; uma luminosidade intensa, silenciosa, pairando sobre a cidade, etérea como a luz original. O labirinto ali é o labirinto inverso que Jorge Luis Borges viu nos desertos; sem becos, ruelas e sombras, sem a economia, às vezes triste, das aglomerações humanas. A cidade não é econômica, em qualquer sentido; não é vertical, mas horizontal e é nesse sentido que se estende até a memória de seus visitantes.

Brasília é mais espantosa ainda porque, de muitas maneiras e contra todas as expectativas, deu certo. Uma espécie de disneylândia política, construída no nada e em tempo recorde, uma grande capital que não tem nem cinquenta anos. Seu nativo mais velho não teria ainda essa idade mas, em Brasília, o tempo passa depressa, queima etapas. Já possui essa aura mítica que outros grandes centros levaram muito mais tempo para incorporar. Aspectos variados do desenvolvimento natural das cidades foram pré-concebidos e, sem um sentido pejorativo, pode-se dizer que em Brasília há um pré-conceito urbano. A palavra-chave, geográfica, para capturar sua essência é "urbanismo"; um conceito que já existia antes de Brasília projetar sua primeira sombra no planalto central.

Quando visitei Brasília, dessa última vez, não havia ainda sua música (suponho que estivesse sendo produzida) mas, pouco tempo depois, a Legião Urbana estava nas paradas, através do país. A associação foi imediata e eu estava lá de novo, caminhando na esplanada, ouvindo o riff de guitarra que inicia o "Tempo Perdido", esperando a tempestade que esse tempo traz, "da cor dos seus olhos castanhos" - um momento, poderoso, da poesia dentro da canção. O nome da banda era sintomático, um achado, na medida em que seu berço era Brasília. A Legião fazia uma música simples (rock, claro), mas bela, com melodias que giram, mais ou menos livres, em torno de uma harmonia básica, de um bom gosto a toda prova. Algumas grandes canções vieram cimentar o fato de que a banda não era só mais uma banda surgida na nova eclosão do rock no Brasil. Havia a preocupação evidente com a qualidade das canções, deixando de lado, talvez, o tiroteio cego em todas as direções e concentrando-se num clima, numa sonoridade específica (a formação clássica do rock - baixo, batera, guitarras e vocal - ajudava); havia em suma, desculpem a palavra, mensagem.

Renato Russo, o legionário-mor, fã confesso de John Lennon, talvez tenha filtrado como ninguém o que existe de dúbio na letra de "Strawberry Fields", Beatles, construindo dessa primeira influência sua própria e original expressão. Suas letras são marcadas por esse sentimento ambíguo, frases que se opõem a outras ou não se definem de imediato; introspectivo, reflexivo, num momento em que muitas outras bandas simplesmente berravam uma anarquia sem direção. Morou, me parece, nos Estados Unidos e falava fluentemente o inglês. Quando sua banda apareceu, já veio madura, pensada, produto final - a Legião Urbana tem essa característica estável, uma maturidade na concepção do som, do estilo, que é marca das coisas elaboradas com critério e, a julgar pelas letras e pela performance, Renato Russo deve ter sido um sujeito com senso crítico refinado.

Houve também, quando das primeiras audições da Legião, o fato meio irônico da voz de Renato Russo ser muito semelhante ao vocal de um dos velhos ídolos da Jovem Guarda, Jerry Adriani, grande cantor, diga-se de passagem, mas brega incorrigível. Teve gente que chegou a pensar, antecipando essa onda de filhotes (de Elis, de Jair Rodrigues, de Simonal), que Renato Russo era um deles; no caso, filhote do Jerry Adriani. Eu também percebi a semelhança mas a Legião me remeteu mais a um outro Renato, também da Jovem Guarda, antes de cair no ostracismo e na breguice sem volta: Renato e seus Blue Caps, a banda inaugural do rock no Brasil. Tem que se ouvir os Blue Caps em sua primeira fase (que é a que conta), sem preconceitos, para perceber a ponte de uns vinte anos (e o abismo abaixo dela) que ligam as duas bandas.

Vinte anos é tempo mais que suficiente para a consolidação de um mito e, nesse ano, já são vinte anos do lançamento do segundo album da Legião, o Dois, o vinil da capa parda. Em vinte anos a Legião arrebanhou e formou - desculpem, eu não resisto - uma legião de fãs. Esses, entre os quais eu me incluo, têm à sua disposição um manancial da melhor música de rock, para ouvir quando der na telha. Citei a palavra mito porque uma das características do mito é sua resistência ao tempo. Pode-se, tranquilamente, ouvir a Legião hoje; suas grandes canções não envelheceram um decibel. E voltando à minha idéia central, penso em Brasília e me espanto ao perceber como aquela geografia centrífuga gerou um rock que é um trampolim para o centro, um mergulho no interior do peito. E, é claro, penso também que Brasília já tem sua música.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 3/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I de Cassionei Niches Petry
02. Um Furto de Ricardo de Mattos
03. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
04. Dheepan, uma busca por uma nova vida de Guilherme Carvalhal
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2006
01. Mané, Mané - 22/6/2006
02. A Legião e as cidades - 3/8/2006
03. Voto fulo - 12/10/2006
04. Mitos na corda bamba - 29/12/2006
05. Radiação de Fundo - 21/9/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/8/2006
01h44min
Belo texto sobre a Legião, Guga. E boas observações sobre Brasília. Me veio a lembrança das avenidas quase que infinitas que vi por lá, mas não soube aproveitar nem sentir realmente a atmosfera da cidade, pois era um moleque que estava abismado com toda a grandeza da nossa capital federal. Espero voltar lá pra, realmente, andar por Brasília.
[Leia outros Comentários de Rafael]
3/8/2006
09h00min
Ex-morador do Rio, conhecedor de BH e atualmente morando em Brasília, li com muita satisfação mais este texto do Guga. Mais uma vez seu estilo refinado, mas leve, nos levou a viajar no tempo, na música e no espaço. Depois de ler seu artigo fica a saudade da Legião Urbana e uma vontade irresistível de sair por aí ouvindo suas músicas. Grande Guga!
[Leia outros Comentários de Tuxaua Linhares]
3/8/2006
11h30min
Sublime o seu texto Guga. Renato Russo, apesar de não admitir, nos passava aquela imprensão de "irmão mais velho". Veja que o disco Dois é forte e vigora até os dias hoje, com canções que vale a pena ouvir a qualquer momento. Como frisava Russo em cada encarte de seus Lps, a Legião Urnana a tudo vence, e Força Sempre!
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
3/8/2006
12h26min
Voltei ao passado com o texto do Guga. Respirei meu primeiro ar no plano-piloto, embora não me considere, assim, de todo, "candango". Voltei a uma adolescência que não seria tão gostosa (e tão adolescente!) sem a Legião Urbana. Amei no início, odiei em seguida, entendo, escuto e gosto hoje.
[Leia outros Comentários de Bruno Sales]
3/8/2006
14h53min
Degustar um texto carregado de sentimento é pra mim, no mínimo, salutar. Faz bem à alma, se é que ela existe. Apesar de na época olhar desconfiado para esse fenômeno "Legião", o Guga descreve como poucos sobre o universo musical. Parabéns pelo magnífico texto ! Vale lembrar que depois do Raulzito, a Legião Urbana foi a banda q ue conseguiu ser eternizada por todas as camadas socias. Valeu, Guga.
[Leia outros Comentários de Marco Aurélio]
14/8/2006
12h25min
Suas palavras sobre Brasilia, ou seja, Legião Urbana... é inevitável: tal comparação me faz lembrar várias fases de minha vida. Grato.
[Leia outros Comentários de vinicius]
18/8/2006
12h24min
Não sou fã de Brasília embora reconheça sua beleza e mistério. Quando o Legião Urbana aconteceu eu estava longe do Brasil mas jamais esquecerei o dia em que, numa das minhas viagens de visita à família, meu irmão, ao me ver depois de um ano de ausência, me pegou pela mão e me levou ao seu quarto dizendo: "Isso é demais, é a melhor coisa que já teve até hoje!" Adorei. Olhei pro meu irmão e pensei: - Achei que depois da geraçao dos Beatles, ninguém mais teria essa sensação de estar ouvindo uma coisa de outro mundo. Sou fã do Renato Russo... e do Guga também.
[Leia outros Comentários de Claudia Serretti]
19/8/2006
12h01min
muito interessante o Texto do Guga. realmente ha', embora eu particularmente nao houvesse ainda atinado, uma ligacao entre certas cidades e musicas, grupos musicais. um texto bem escrito, interessante e divertido. alem de informativo. E, sem duvida, um belissimo texto sobre uma das grandes bandas brasileiras.
[Leia outros Comentários de Willam Carvalho]
20/8/2006
19h00min
Adorei seu texto Guga, excelente. Boa musica em uma boa cidade, ares e sabedoria... O texto fez com q me sentisse de volta ao tempo, tempo em q ainda criança, vivi e acompanhei parte da trajetoria de Renato, Legião Urbana, por isso sou fã incondicional. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Karol Mansur]
20/8/2006
19h08min
Excelente! Cresci ouvindo Legião e pude compreender com o artigo do Guga, como foi e é importante pra Brasília ser a "Terra Natal" de uma banda tão consagrada. Pude perceber que, assim como aqui em Minas e no Rio, Brasília tb tem sua música, seu estilo, e seu cenário não pode ser lembrado somente por políticos corruptos. Obrigada, Guga, por nos proporcionar outro cenário para a capital do nosso país. Acho que, nessa altura do campeonato, você nos levou a outro tempo, onde Legião Urbana dava voz aos nosso ideial. Valeu!
[Leia outros Comentários de Camilla]
23/8/2006
00h11min
Fiquei realmente impressionado com esse artigo: é uma poesia, uma poesia em forma de crítica musical. Um texto com imagens concretas, claras, bem colocadas, apresentadas e encadeadas com firmeza, com objetividade. Um super-artigo, em todos os sentidos. Parabéns, Guga.
[Leia outros Comentários de Faiçal Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GUIA DE COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS
RACHEL BIDERMAN E OUTROS
FGV
(2006)
R$ 5,00



SEXUALIDADE VOLUME 2
MARCO ANTÔNIO; MARISA MARLI; ALCINA MARIA

(1998)
R$ 5,00



LES EXPOSITIONS TEMPORAIRES ET ITINÉRANTES
UNESCO
UNESCO
(1965)
R$ 28,28



RESSUNRREIÇAO - A MAO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
CULTRIX
R$ 10,00



BASTIDORES DO MUNICIPAL / CAPA DURA /// TEATRO. HISTÓRIA.
BRUNO VEIGA
DESIDERATA
(2008)
R$ 20,00



PESSIMISMO DEMOCRÁTICO
RICARDO LEITE PINTO
LIVROS HORIZONTE
(2002)
R$ 38,50



SEGREDOS DA GRAVAÇÃO DE CDS E DVDS
DIGERATI
DIGERATI
(2004)
R$ 13,78



NEW STEPS TEENS ENGLISH IN REAL LIFE SITUATIONS 1 ST BOOK
VICTORIA KELLER
IBEP
(2004)
R$ 15,00



POMPOAR - A ARTE DE AMAR
STELLA ALVES
MADRAS
(2008)
R$ 27,23



CRIATIVIDADE PARA REINVENTAR SUA VIDA
MIRIAM SUBIRANA
VOZES
(2012)
R$ 19,90





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês