Um brasileiro no Uzbequistão (IX) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
>>> Acabou o governo
Mais Recentes
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
>>> As Origens das Civilizações Arqueologia e História de Ruth Whitehouse John Wilkins pela Folio (2007)
>>> The Mobile Wave de Michael Saylor pela Vanguard Press (2012)
>>> Uma Breve História do Cristianismo de Geoffrey Blaine pela Fundamento (2012)
>>> O Livro dos Evangelhos de Emídio Silva Falcão Brasileiro pela Boa Nova (2006)
>>> Pablo Neruda Antologia General Edición Conmemorativa de Pablo Neruda pela Alfaguara (2010)
>>> A Luz da Vida de Dong Yu Lan pela Árvore da Vida (1999)
>>> VI Seminário de Estudos Mineiros A Revolução de 1930 de Bonifácio de Andrada e Outros pela Ufmg Proed (1987)
>>> O Texto na Sala de Aula de João Wanderley Geraldi e Outros pela Ática (2004)
>>> O Quilombismo de Abdias do Nascimento pela Vozes (1980)
>>> História da Burguesia Brasileira de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1983)
>>> O Método Estruturalista de Claude Lévis Strauss e Outros pela Zahar (1967)
>>> Prestes: Lutas e Autocríticas de Dênis de Moraes Francisco Viana pela Vozes (1982)
>>> Os Ratos de Dyonelio Machado pela Ática (1992)
>>> Os Sindicatos e o PTB Estudo de Um Caso em Minas Gerais de Maria Andréa Loyola pela Vozes (1980)
>>> Raças e Classes Sociais no Brasil de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Desenvolvimento das Áreas Marginais Latino Americanas de Dalton Daemon pela Vozes (1974)
>>> O Projeto Jari e os Capitais Estrangeiros na Amazônia de Irene Garrido Filha pela Vozes (1980)
>>> Compreensão e Finitude de Ernildo Stein pela Unijuí (2001)
>>> O Prazer da Produção Científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> Bumba Meu Boi no Maranhão de Américo Azevedo Neto pela Alumar (1997)
>>> Estudos Italianos no Brasil I de Instituto Italiano di Cultura pela Instituto Italiano di Cultura (1966)
>>> Guia de Viagem Portugal de Fiona Dunlop pela National Geographic (2008)
>>> O Evangelho Secreto da Virgem Maria de Santiago Martín pela Paulus
>>> Yoga da Sabedoria de Jnana Yoga pela Pensamento
>>> A Tomada da Ford O Nascimento de um Sindicato Livre de José Carlos Aguiar Brito pela Vozes (1983)
>>> Sociologia do Turismo de Jost Krippendorf pela Civilização Brasileira (1989)
>>> No Mundo da Lua Perguntas e Respostas de Paulo Mattos pela Lemos (2003)
>>> Rimas Baldias de Antonio Mazzetto pela Livro Azul (1908)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/12/2003
Um brasileiro no Uzbequistão (IX)
Arcano9

+ de 4000 Acessos


O Shahr-i-Zindah é um dos lugares mais bonitos de Samarkand

Samarkand, 09.06

Outro dia de muito, muito calor e ar seco. Segui as indicações do mapa, caminhando por uma avenida que saia do bazar de Samarkand, circundando um cemitério, ao meu lado esquerdo. O cemitério tinha uma colina e era possível ver de longe as tumbas refletindo o sol.

"- Ei, ei!", me disse, desde o outro lado da rua, todo agitado, um jovem de uns 16 anos vestido modestamente. Não estava muito no espírito de conversar e, para falar a verdade, fazia tanto calor que se eu parasse para tentar usar meu russo, cozinhava os miolos. Fingi não ouvir.

"- Shahr-i-Zindah! Eu sei onde é! Quer um guia? Eu sei!"

Depois de uns 500 ou 600 metros, ele desistiu de me perseguir, e me deparei com um portal. A entrada de 1.900 sums me autorizava a subir uma escada a céu aberto. No transcorrer do que calculei serem uns 80 degraus, as construções seculares, finamente trabalhadas, se faziam anunciar. Subi lentamente. A cada degrau, um suspiro: A Tumba do Rei Vivo se abria para mim. Um universo azul, em todos os tons, texturas e dimensões, flutuando livremente entre o céu sem nuvens e a terra seca.

O Shahr-i-Zindah, ou "Tumba do Rei Vivo" em tadjique, é o local onde Tamerlão e Ulugubek, seu neto, enterraram muitos de seus familiares e amigos mais queridos. Trata-se de uma rua de mausoléus. Uma rua estreita e com uns 100 metros de comprimento, em que cada uma das "casas" tem um portal esculpido com lindos azulejos azuis, moldados, remoldados, esculpidos e pintados com alegorias de plantas, flores. Também há as composições abstratas, geométricas, matemáticas, cósmicas. Os mais belos trabalhos em azulejo que existem no mundo? Reflito enquanto fico paralisado logo no primeiro mausoléu. Depois de seu portal, cada mausoléu apresenta uma câmara com um pequeno domo. No chão, a caixa de pedra retangular, deitada, abrigando os restos mortais do seu habitante. A sombra faz tudo ficar fresco e agradável, um oásis no clima sufocante. O domo ecoa as minhas palavras de prazer: que lugar maravilhoso. Mas me assusto em seguida quando as sílabas despertam uma família de morcegos que, espertamente, fez seu lar no teto curvo.

A escolha deste lugar para abrigar os mausoléus tem um bom motivo: trata-se, certamente, da área mais sagrada para os muçulmanos de Samarkand. Caminhando pela rua de mausoléus, se chega à entrada de uma galeria, que é guardada por um zelador. Sentado em bancos ao redor da entrada, em uma área coberta, ele se reúne com outros visitantes para rezar. As palmas das mãos voltadas para cima, os olhos fechados. Sem incomodar, com receio de estar fazendo algo proibido, adentro a galeria. Lá no fundo, mais pessoas rezando, ao redor do que parece ser uma tumba. Aqui está enterrado um dos primos do profeta Maomé, Qusam Ibn-Abbas, aquele que se acredita que trouxe a crença em Alá para esta região do planeta. O santuário é uma das mais antigas edificações da cidade, mas o fluxo diário de visitantes exigiu que fosse reformado para continuar vencendo o teste dos tempos.

A tumba de 18 metros de Daniel, o profeta-gigante

A rua de mausoléus fica já a caminho da saída da cidade. Continuando pela estrada, caminhei por mais 1,5 km além do cemitério, passando pelas escavações arqueológicas de Maracanda - a Samarkand conquistada por Alexandre, o Grande. Lá perto, fica o curiosíssimo mausoléu do profeta Daniel, da Bíblia, do Talmude e do Corão. Daniel teve seus restros trazidos para Samarkand por Tamerlão - o que, quem sabe, tenha sido uma péssima idéia do ponto de vista econômico. Isso porque existe uma lenda que diz que o corpo de Daniel continua crescendo, mesmo depois de ele ter morrido. Por isso, seu caixão, que pode ser visto por todos que forem ao santuário, hoje tem nada menos que 18 metros de comprimento. Acredita-se que seja mais do que suficiente para acomodar o cadáver do profeta, pelo menos por hora.

Ainda na estrada, o passeio me levou ao lugar escolhido por Ulugubek para seu famoso observatório. Ulugubek, que sucedeu Tamerlão no controle do vasto império, pagou com a vida seu amor pelas ciências. Em 1420, ele abriu em Samarkand a primeira "universidade" da região, na madrassa que levou seu nome, no Registan. Mandou construir também um gigantesco astrolábio, com a ajuda do qual mapeou 200 estrelas. Também fez cálculos precisos sobre a duração do ano, e hoje é reconhecido mais pelo seu legado como astrônomo do que como o principal herdeiro do seu temido avô. Mas, no seu tempo, o hobby de Ulugubek começou a chamar a atenção de puritanos islâmicos, que perceberam que o líder preferia ficar suspirando para suas estrelas em vez de estudar o Corão. Em um eco de um conhecido episódio ocorrido em Roma com o imperador César, foi o próprio filho de Ulugubek, Abdul Latif, que organizou seu assassinato por decapitação, em 1449.Em seguida, seu amado observatório foi apagado da face da Terra. O que sobrou - encontrado por arqueólogos apenas em 1908 - foi uma das peças do astrolábio, curva e inacreditavelmente imensa (uns 30 metros), que é exibida na colina do observatório, ao lado de uma estátua do astrônomo. No dia em que estive lá, talvez como uma poética ironia, a Lua era visível no céu azul, coroando a estátua, como uma auréola na cabeça de um santo mártir. Um mártir das estrelas.

Ulugubek e a lua
Ulugubek foi enterrado com Tamerlão, no centro de Samarkand.

* * *

I stayed here a long time, at once moved and unsettled. A man entered and prayed for a while, then went away. The cries of children sounded faintly outside. Under the decorated brillance of the cupola, the simplicity of these gravestones was dignified and rather simple: a recognition of the littleness even of this man, and the passage of time. Beside him lay his gentle son shak rukh; at his head, his minister; under a bay, his sheikh. His grandson Ulug Bek was at his feet.
- Colin Thubron, The Lost Heart of Asia
A primeira coisa que vem à cabeça é que está faltando alguma coisa. Na fronteira da parte uzbeque com a parte russa e mais modernizada da cidade, o mausoléu Guri Amir, com sua cebola-cúpula turquesa, se apresenta no fim de uma esplanada plana. Parece pequeno demais. Algumas ruínas cercam a edificação, mas, ainda que levando em conta o que o complexo pode ter sido um dia, ela parece ser muito menor do que as madrassas do Registan, ou que a mesquita Bibi-Khanyn, ou que a maioria das mesquitas e madrassas que vi em Bukhara. O lugar tem um quê de tranquilidade interiorana: as ruínas com uma roseira aqui e ali, algumas borboletas e abelhas, o sol da tarde refletindo nas pedras, um ventinho mais fresco. Sei que a noite virá, e que talvez a brisa já a esteja anunciando. Mas o mausoléu e sua moldura parecem delimitar uma área em que o tempo passa mais devagar. Como se hesitante em se afastar mais e mais das glórias passadas.

O ouro é eterno, e mantém essas glórias vivas.

O ouro usado nas paredes do salão principal onde parecem estar as tumbas de Tamerlão e Ulugubek, recobrindo o interior de seu domo, poderia ser usado para dar almoço â população da cidade inteira. Durante uma restauração, em 1970, foram usados 2,5 kg do metal. Nas paredes de mármore, formas geométricas hipnóticas novamente me detiveram por um bom tempo. No centro do salão, as caixas de pedra onde estariam descansando os heróis do Uzbequistão. As pedras são apenas marcas, porém. Depois de negociar com a zeladora do mausoléu, ela me leva para o lado de fora, onde uma escada me conduz a uma sala imediatamente embaixo do rico salão. Lá estão verdadeiras criptas, em uma câmara bem simples, com tijolos nas paredes. O sarcófago de Tamerlão é de jade escuro e com uma rachadura. A cicatriz é do século XVIII, quando um líder persa tentou transportá-la para o atual Irã e, descuidado, o deixou se quebrar.

Tamerlão, durante sua vida, construiu um pequeno mausoléu onde pretendia ser enterrado na sua cidade natal, Shakhrisabz, a algumas horas de viagem de Samarkand. Mas, segundo reza a lenda, quando ele morreu - em meio a uma campanha para conquistar a China, nas estepes do Cazaquistão - era inverno e as estradas para Shakhrisabz estavam cobertas de neve. Era 1404. Sendo impossível transportar o corpo do conquistador para sua cidade, optou-se por enterrá-lo no mausoléu que ele estava construindo para alguns de seus netos.

Uma das paredes folheadas a ouro do mausoléu Guri Amir
"- Quer ver algo que você não vai acreditar?", perguntou a zeladora russa em inglês, com seu forte sotaque, quando estava saindo da cripta subterrânea. Dessa vez, não tive que pagar. Do lado de fora, ela apontou para um túnel que, com suas escadas, levava a uma sala simples - na verdade, um corredor com uns dois metros de altura e teto curvo, toda de tijolos. "Este é o início da rede de túneis. Esta parede é nova, não estava aqui originalmente. Além dela, estão os túneis, que ligam o mausoléu ao Registan e até o Shahr-i-Zindah. Eles nunca foram abertos, porque há partes que são perigosas, nunca foram restauradas, outras estão bloqueadas. Mas os túneis estão aí." Não sei se ela falou a verdade. Duvidei muito. Seriam túneis de quilômetros, quilômetros por baixo da terra. Ainda assim, a zeladora me tentou com a idéia de que Samarkand, e o Uzbequistão, tem coisas que eu, ou nenhum turista, vai ver ou saber se são reais. Um mundo de sombras, de mistérios. E o que ficamos sabendo não é metade do que há por saber.

O dia terminou com melancolia. Minha despedida dos meus dois amigos franceses foi em um restaurante na avenida em frente ao Registan. Degustamos um laghman - um macarrão grosso típico uzbeque, de cor branca, que vem submerso em sopa bem quente, servida em uma taça. Para equilibrar a temperatura, pedimos cervejas russas. Noite de céu estrelado, o trânsito das vans de lotação levando constantemente as pessoas para o centro da cidade. Amanhã, volto a ficar sozinho, para o fim da minha jornada. Jean-Marie e Olivier ainda estão no início, vão para as montanhas do Tadjiquistão, para outro povo, outro universo. Eu, por outro lado, vou para a terra proibida do Uzbequistão, no extremo leste do país. O lar dos extremistas islâmicos, da repressão política em grau mais elevado, do medo das autoridades. Estou empolgado. Quero comprovar se o que ouvi falar do Vale de Fergana tem a ver com a realidade.

(Continua aqui)


Arcano9
Miami, 15/12/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
02. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo de Marcelo Miranda


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Empolgação - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CÉU ESTÁ CAINDO
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2000)
R$ 15,00



A PRIMEIRA REPORTAGEM - SÉRIE VAGA LUME
SYLVIO PEREIRA
ÁTICA
(1986)
R$ 10,50



AS IMAGENS E OS VITRAIS DA IGREJA DA SANTÍSSIMA TRINDADE
PE. QUERUBIM ARTIGUE A. A.
PARÓQUIA SANTÍSSIMA TRINDADE
(1979)
R$ 28,00
+ frete grátis



DIREITO DAS OBRIGAÇÕES
ARNALDO RIZZARDO
FORENSE
(1999)
R$ 39,90
+ frete grátis



ANÁLISE LITERÁRIA
RAÚL H. CASTAGNINO
MESTRE JOU
(1968)
R$ 11,00



O SAGRADO MANDATO
ANTONIO DEMARCHI
LUMEN
(2002)
R$ 8,00



LES GUIDES BLEUS
DENISE BERNARD-FOLLIOT
HACHETTE
(1980)
R$ 90,00



ÁGUA PARA AS VISITAS
MARINA MORAES
REALEJO
R$ 54,90



SAGARANA
JOÃO GUIMARÃES ROSA
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 50,00
+ frete grátis



NAEMA, A BRUXA
WERA KRIJANOWSKAIA
LAKE
(1995)
R$ 12,00





busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês