O senhor do YouTube | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
48338 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 24/4/2007
O senhor do YouTube
Vicente Escudero

+ de 4200 Acessos

Há seis anos, todos os dias, Noah Kalina pega a máquina fotográfica e bate uma foto do próprio rosto. Há seis anos. O estranho hábito deste sujeito esquisito está entre os vídeos mais assistidos do YouTube, totalizando até a presente data quase cinco milhões e meio de acessos.

A internet é assim: pequenas ilhas de idéias cercadas por um mar de bobagens, e o YouTube (eleito a invenção de 2006 pela revista Time), seguindo esta corrente com outros provedores de conteúdo em que a interatividade é plena, cresce em progressão geométrica diariamente.

O YouTube é mais uma dessas empresas bem sucedidas localizadas próximas ao Vale do Silício, na Califórnia, que apostam em criatividade e inovação para transmitir conteúdo pela internet de acordo com a vontade do internauta. Ao contrário da maioria dos outros portais em que a informação é produzida por poucas cabeças pensantes e sem a participação direta do público, o YouTube abriu suas portas para que qualquer pessoa, localizada em qualquer canto do mundo onde exista um computador e uma filmadora, apresente seus próprios vídeos em formato acessível (flash) até mesmo aos usuários de conexão discada.

A idéia revolucionária foi projetada pelos funcionários do PayPal, Chad Hurley, Steve Chen, e Jawed Karim, e lançada no mês de fevereiro de 2005, baseada nas premissas básicas adotadas pelos sites de sucesso: simplicidade, velocidade e (a mais importante de todas), a gratuidade. Com interface simples e recursos de sobra, o usuário pode carregar vídeos com duração de até dez minutos e transmiti-los através de e-mails ou links próprios do YouTube para outros sites, nos quais o vídeo é apresentado sem a interface padrão da página, apenas ocupando o espaço necessário para a imagem do player.

O sucesso da empreitada foi instantâneo e estrondoso, mas a banda de transmissão, pequena. O site precisava de uma estrutura maior para suportar as centenas de milhares de acessos diários e todo o conteúdo carregado. Só para se ter uma idéia, o YouTube alcançou o MySpace na porcentagem de usuários da internet que acessam o site a cada dia, no final de maio de 2006, batendo na casa dos 4% (quarenta mil em cada milhão) e hoje já está em 9,5%. Os sinais de fumaça deste sucesso não poderiam passar despercebidos pelo termômetro da NASDAQ e o site acabou sendo comprado pela Google Inc. em novembro de 2006 por míseros um bilhão e seiscentos milhões de dólares em ações da Google Inc., a maior negociação da história em termos de empresas pontocom.. Hoje o YouTube recebe diariamente 65.000 vídeos novos enquanto 1.000.000 são assistidos, e a margem de usuários da internet que acessam o site diariamente subiu para 9,5% (noventa e cinco mil em cada milhão).

Comparando com a privatização da Vale do Rio Doce, que teve seu comando (27% de ações ordinárias votantes) vendido por 3,3 bilhões de dólares em 1997 (equivalentes a quase dez bilhões de reais corrigidos até 2006), e se trata de uma empresa "física", hoje operando em 14 estados brasileiros e nos cinco continentes, possuindo mais de nove mil quilômetros de malha ferroviária e 10 terminais portuários próprios, o YouTube foi vendido por quase um quinto deste valor e hoje conta só com 67 funcionários trabalhando na sede da empresa, localizada em San Bruno, na Califórnia. Alguma boa idéia em mente?

A negociação inédita teve salvaguardas: os fundadores do YouTube permaneceram na área criativa da empresa e a Google Inc. contingenciou recursos para se defender de eventuais processos sobre violações de direitos autorais, talvez a questão que represente até este momento da internet o maior problema para o desenvolvimento de tecnologias onde o internauta tem a possibilidade de copiar conteúdo para acesso indiscriminado do público.

Esta questão é turbulenta e já levou outros sites quase ao desligamento da tomada. O precursor Napster criado por Shawn Fanning, por exemplo, um software baseado na troca de arquivos (mp3 em primeiro lugar) entre computadores, mas também com uploads e downloads de arquivos para seus próprios servidores, foi obrigado judicialmente a filtrar o conteúdo disponível para troca tendo que, posteriormente, cobrar pelo uso do aplicativo em contrapartida aos altos custos dos direitos autorais, sendo quase esquecido pelos seus usuários, que migraram para aplicativos P2P (peer to peer) como AudioGalaxy, Limewire e Kazaa.

O sistema utilizado pelo YouTube possui traços do P2P mas tem uma finalidade distinta. Enquanto o P2P possibilita que os usuários busquem arquivos em um computador alheio, sem existir armazenamento destes em servidores do aplicativo, o YouTube tem seus servidores próprios onde os arquivos são armazenados pelos usuários para serem exibidos, não existindo a possibilidade de troca direta. A única possibilidade de transmissão dos vídeos através do YouTube acaba sendo a troca de links com o endereço do arquivo armazenado no site, para mera exibição em outros sites, sem a possibilidade da cópia através de download.

O vendaval não acaba aí. Mais ferramentas estão em desenvolvimento para turbinar a edição dos filmes pelos usuários. Já existe contrato fechado com a gravadora Warner para permitir o uso das músicas dos artistas do selo como trilha musical opcional para os vídeos e, talvez o plugin mais revolucionário: a possibilidade de discussão em tempo real, por videoconferência entre internautas, sobre determinado filme.

Seria este o início do final das gravadoras como conhecemos? Afinal de contas a mera fiscalização do uso adequado dos direitos autorais pode ser realizado por advogados especializados. Sem a mídia concreta para distribuir os artistas, sites como YouTube e iTunes, sem contar as iniciativas independentes, podem muito bem contratar a venda de músicas e videoclipes sem a intermediação das grandes gravadoras. Esta nova onda pode mudar toda a fórmula atual de comercialização da música em geral. Estamos no aguardo de novas descobertas para bater o martelo.

Direitos autorais e YouTube
Os problemas enfrentados nesta área são os mesmos existentes nos sistemas P2P. O conteúdo protegido por direitos autorais, nos mais diversos países, é colocado indiscriminadamente para exibição através de burlas já comuns em ferramentas P2P, como a alteração do nome do arquivo.

Como proteger as apresentações transnacionais destes vídeos? Até agora a única proteção efetiva é a aplicação da legislação norte-americana sobre direitos autorais, considerando que os servidores onde o conteúdo é armazenado estão localizados na sede do site nos EUA. Esta questão até o presente momento tem sido resolvida com contratos entre o YouTube e grandes corporações (CBS, Sony BMG Music Entertainment e Universal Music Group). Mas a posição permanece dúbia e acomodada: não são tomadas medidas judiciais apenas enquanto o lucro é recíproco.

Contrariando esta tendência, a Viacom ingressou com ação de indenização no valor de um bilhão de dólares. Talvez esta seja mais uma maneira de pressionar o YouTube a pagar um valor alto pelo uso dos direitos autorais do que retirar completamente os programas da emissora de circulação. Não se espante se essa ação terminar em um acordo. Seria bom para ambos os lados: o pagamento pelos direitos autorais da Viacom e ausência de precedente condenatório para amendrontar o YouTube.

Televisão e YouTube
O formato flash não comporta a transmissão da programação da televisão com a mesma qualidade. É só dar uma olhada nos programas de tv disponíveis no YouTube para perceber a baixa qualidade do vídeo. O primeiro passo foi dado, aguardamos o concorrente Joost e os avanços em programação.

Novas mídias, hardwares e o YouTube
A novidade que pode tirar o estigma de que o formato do YouTube é limitado para acesso em qualquer lugar pode ser o iPhone, exagerado em tudo: tela gigante, memória de sobra, além de telefone.

Outra mídia que pode revolucionar a computação handheld é o papel eletrônico "E Ink", fácil de manusear e capaz de encerrar o problema dos pequenos monitores dos handhelds, além de aumentar a autonomia das baterias.

Os passos para distribuição instantânea de vídeos começaram. A briga promete ser dura até a descoberta de um formato capaz de competir com a qualidade da televisão e o YouTube, até agora, dispara na liderança.

Liberdade de expressão e YouTube
O Brasil, infelizmente, faz parte do seleto rol de países, integrado por Turquia e Tailândia, em que o YouTube já foi bloqueado. Gregos e turcos trocaram farpas em vídeos que insinuavam tendências homossexuais de ambos os povos e também ridicularizavam a nação turca. Com a retirada destes vídeos, o site voltou ao ar na Turquia. Na Tailândia, até agora ninguém sabe a razão do banimento. Já no Brasil, o ataque de "celebritite" foi até... próximo tópico...?

Google, o senhor do YouTube
A Google Inc. domina a internet. A ferramenta mais poderosa de busca, junto com o Yahoo, enfrenta as tradicionais redes de televisão e gravadoras com 30% de todo tráfego diário na rede (300.000 em cada milhão). Enquanto a transmissão das emissoras de televisão tem caráter nacional, um australiano em qualquer lugar do planeta pode acessar o Google e descobrir a programação de uma emissora sul-africana em tempo real, sem o menor esforço. Nenhuma empresa quer diminuir seu mercado consumidor, certo?

O Yahoo não tem a mesma diversificação do Google, apesar de desfrutar da mesma fatia em acessos diários. Enquanto o primeiro mantém apenas o tradicional sistema de busca, o Google envereda para áreas como a cobertura fotográfica de toda vista aérea do planeta (Google Earth), a transmissão de vídeos pela Web (YouTube) e a ambiciosíssima tacada do Google Book Search, na qual o site pretende disponibilizar no sistema de busca o conteúdo de todos os livros até hoje escritos e existentes. Dentro de alguns anos, quando você digitar "Norman Mailer" na busca do Google, encontrará vídeos do autor no YouTube, sites dedicados ao escritor e também os livros em que constam citações à sua obra. Quem vai encarar?

"Ele defendeu Calas, digo, o YouTube"
As mudanças estão batendo na porta. De um lado os direitos autorais estão sendo massacrados, do outro a internet conta seus lucros estratosféricos. Onde mora a saída racional para a disputa? Parece que o comodismo das emissoras de televisão e das grandes gravadoras levou um duro golpe, forte o suficiente para deixá-los tontos sem poder de reação, fazendo com que cada uma tomasse um rumo diferente. Se por um lado o YouTube transmite clipes e programas de televisão sem pagar nada para as produtoras, do outro lado há a publicidade gratuita para o mundo todo. A saída talvez seja se render, ou melhor, cobrar pelo assalto. Quem sabe alguns centavos por vídeo ou música? Alguém imaginou que a internet ressuscitaria os porquinhos? Ou melhor: o cofre do Tio Patinhas. De centavo em centavo...


Vicente Escudero
São Paulo, 24/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura em transe de Marta Barcellos
02. O nosso patriarca e o deles de Celso A. Uequed Pitol
03. O bom e velho jornalismo de sempre de Rafael Rodrigues
04. Minha primeira vez - parte II de Rafael Rodrigues
05. Mudernidade muderninha de Evandro Ferreira


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2007
01. Ascensorista para o arranha-céu da literatura - 13/7/2007
02. Blogs, livros e blooks - 31/5/2007
03. O senhor do YouTube - 24/4/2007
04. A imprensa dos ruivos que usam aparelho - 23/8/2007
05. Um olhar desafiador - 5/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA CROISSANCE DE LA FAMINE: UNE AGRICULTURE REPENSÉE
RENÉ DUMONT
EDITIONS DU SEUIL
(1981)
R$ 15,82



A CABEÇA DO BRASILEIRO
ALBERTO CARLOS ALMEIDA
RECORD
(2007)
R$ 34,00



VIRANDO A PRÓPRIA MESA
RICARDO SEMLER
BEST SELLER
(1988)
R$ 25,00



HISTÓRIAS BILÍNGUES - CINDERELA
MARCELA GREZ
GIRASSOL BRASIL EDIÇÕES
(2013)
R$ 11,00



APRENDENDO VALORES ÉTICOS - 4ª EDIÇÃO
MÁRCIA BOTELHO FAGUNDES
AUTÊNTICA
(2001)
R$ 12,00



ORATÓRIO DE NATAL
GORAN FUNSTROM
NOVA FRONTEIRA
(1996)
R$ 5,00



TRANSFORMANDO ÁGUA EM VINHO
CEDIC
CEDIC
(2013)
R$ 9,00



FUNDAMENTOS DE ECONOMIA
MARCO ANTONIO- MANOEL E. GARCIA
SARAIVA
(2002)
R$ 39,90



GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA HISTÓRIA DO BRASIL - 2ª EDIÇÃO
LEANDRO NARLOCH
LEYA BRASIL
(2011)
R$ 35,95



SOMENTE AMOR
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER; MARIA DOLORES; MEIMEI
IDEAL
(1991)
R$ 7,90





busca | avançada
48338 visitas/dia
1,3 milhão/mês