A antropologia dos aborrecentes | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> São Francisco Xavier II
>>> Rugas e rusgas
>>> Orra, Meu
>>> Uma outra moda
>>> Ler ao acaso
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
Mais Recentes
>>> Constituição do Estado de Minas Gerais: Estatuto dos Servidores Públic de José do Carmo Veiga de Oliveira: Organizad pela Del Rey/ Belo Horizonte (2003)
>>> Compêndio das Etapas do Processo Eleitoral: ... de J. Nepomuceno Silva: Organizador pela Del Rey/ Belo Horizonte (2010)
>>> (Re) Pensando a Pesquisa Jurídica de Miracy Barbosa de Souza Gustin (...) pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A C Repórter - Tempo de Arraes e Vietnã do Norte de Antonio Callado pela Agir (2005)
>>> Mahoma, Profeta y Hombre de Estado de W.M.Watt pela Labor (1967)
>>> Em Risco de Stella Rimington pela Record/ RJ. (2010)
>>> O Círculo dos Eleitos de Vialdi Moreira/ Autogrfado pela Imprensa Oficial/ Belo Hte. (1987)
>>> A Amante de Brecht de Jacques- Pierre Amette pela Record/ RJ. (2005)
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2013)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/6/2004
A antropologia dos aborrecentes
Adriana Baggio

+ de 4800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Chamar os jovens de "tribo" é muito mais do que usar um clichê batidíssimo para se referir às pessoas de determinada faixa etária. Esse termo mostra o deslocamento que distancia as pessoas, não pelo espaço diferente que ocupam, pelo tempo diferente em que vivem. Ser jovem nada mais é do que passar por uma etapa da vida. Mas quando os adultos falam dos jovens, parece que se referem a uma cultura de um país muito distante, e não a uma faixa etária pela qual eles passaram.

A tribo dos jovens, portanto, adquire status de cultura diferente quando analisada pelos adultos. Fazendo um paralelo, é como se os adultos fossem de uma civilização mais adiantada, racionalizada, enquanto que os jovens representam selvagens que vivem em liberdade, falam línguas estranhas e têm rituais esquisitos, normalmente reprovados pelos "civilizados". Ao mesmo tempo em que criticam os jovens, os adultos sentem uma pontinha de inveja dessa tribo da qual eles já fizeram parte...

Por mais que sempre tenha havido uma diferença de comportamento entre pessoas de diferentes faixas etárias, é mais recentemente que esse distanciamento dá margem a uma observação dos jovens realmente como se fossem uma tribo. Por conta de vários aspectos, como as mudanças das relações humanas e do homem com o mundo nos últimos tempos, os jovens acabaram por representar uma verdadeira cultura à parte, com rituais, códigos, visual e valores próprios. Uma cultura normalmente criticada ou subestimada pelos adultos. No entanto, as pesquisadoras Maria Isabel Mendes de Almeida e Kátia Maria de Almeida Tracy perceberam a importância e a representatividade dos jovens enquanto cultura e partiram para um estudo mais aprofundado. O resultado é o livro Noites nômades - espaço e subjetividade nas culturas jovens contemporâneas (Rocco, 2003).

O primeiro aspecto a ser destacado é o mérito das autoras em não cair na tentação da maioria dos representantes da tribo dos adultos: criticar ou julgar a moral da juventude. Tendo estabelecido essa neutralidade, fica mais fácil para as pesquisadores observar e procurar entender as manifestações dos jovens nos seus aspectos sociológicos, antropológicos e até semióticos, com o objetivo de realmente mapear uma cultura com a qual nós, adultos, muitas vezes temos dificuldade em lidar.

O eixo do trabalho gira em torno das diferenças que instâncias como "tempo" e "espaço" têm para os jovens. Quando alguém vai para a night, isso representa muito mais do que apenas sair à noite. Nesse contexto, a night, como mostram as pesquisadoras, está relacionada a espaço e não a tempo. A night enquanto espaço é o roteiro percorrido pelos jovens quando saem à noite, ou mesmo de dia, já que muitas saídas da noite são combinadas durante o dia, em espaços determinados, como a praia.

A pesquisa foi feita com jovens do Rio de Janeiro que circulam pela zona sul da cidade. Por mais que a tribo não se caracterize por classe social, há uma delimitação pelo "custo" de se freqüentar a night, como os bares, boates, postos de gasolina, etc. Durante dois anos, em 2001 e 2002, Maria Isabel e Kátia Maria fizeram o roteiro da night, acompanhando seus informantes pelos locais e coletando informações através de entrevistas e observações.

O deslocamento da noite do conceito de tempo para o de espaço é seguido por diversas outras alterações nos significados ou utilidade dos espaços. A rua deixa de ser o espaço de deslocamento de um local a outro para tornar-se o próprio local, o objetivo da saída. Assim como a rua, outros espaços de fluxo tornam-se espaços de permanência, como as escadas e as portas das boates. Essa alteração na "função" dos espaços reflete o tal nomadismo abordado no título de livro. Assim como os nômades do deserto, os jovens vivem em função do movimento e não da permanência. O deslocamento é o objetivo em si e não o meio de se alcançar algo. O nomadismo se reflete também nos relacionamentos. O jovem "fica" ao invés de namorar pela possibilidade de aproveitar ao máximo a night. Aproveitar a noite envolve, além dos beijos, o encontro com os amigos, com a turma. Quanto mais contato com o maior número de pessoas, mais produtiva foi a night.

O constante movimento e a não-permanência compõem a superficialidade desse modo de vida. Superficialidade que se reflete nas formas de comunicação, no vocabulário, nos interesses desses jovens. Pobreza de vocabulário não é uma expressão que as autoras usam, mas é uma boa definição para o parco repertório desses pré-adultos. Não é apenas a questão das gírias. Gírias são criativas, revelam uma riqueza cultural. Por trás de cada gíria existe uma complexa rede de significações. A pobreza de repertório refere-se ao uso repetitivo de poucas palavras, expressões e construções. É praticamente uma linguagem fática, que estabelece o canal entre duas ou mais pessoas, mas que não tem maiores pretensões de qualidade ou profundidade.

Parece que o grande objetivo de toda essa movimentação, dessa rejeição ao permanecer, é o perigo de perder oportunidades pela escolha de uma das opções. Quando se escolhe uma boate para entrar, pode-se perder o divertimento que acontece em outra; quando se namora alguém, perde-se a oportunidade de se relacionar afetivamente com outras pessoas. E por aí vai...

O dilema das escolhas faz parte de um mundo repleto de opções e que cobra a experimentação. Nós, adultos (?), talvez lidemos melhor com essa angústia. Ou seja, tentamos não nos deixar levar pela vontade de não permanecer e de não se comprometer. Mas a mesma sociedade que oferece tanto, cobra que façamos nossas escolhas. É por elas que seremos rotulados, identificados e qualificados. No entanto, que saudades da inconseqüência da juventude! Que bom se pudéssemos largar tudo e viver novamente como nômades no deserto da cidade, aproveitando o que de melhor cada lugar oferece. Deve ser por isso que se critica tanto a juventude... É também por isso que vale a pena ler o que Maria Isabel e Kátia Maria escreveram sobre os jovens. Elas não adotaram a postura hipócrita e moralista que a maioria tem quando fala dos hábitos bárbaros desses aborrecentes ignorantes.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 24/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pensamentos & Pedidos de Daniela Castilho


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/6/2004
09h53min
Acredito que os adultos de hoje, cara Adriana, têm o mesmo parco repertório dos jovens, fruto da falta de leitura e do excesso de preguiça de raciocinar. A diferença é o que os jovem têm um vocabulário a mais, que são as gírias. Assim, ponto para os jovens. Quanto do dilema das escolhas, não creio que os adultos lidam melhor com isso, mas apenas aprendem o significado do verbo "resignar-se". Ponto outra vez para os jovens. Em matéria de de dilemas existenciais, portanto, será que nós, adultos, apenas não fingimos melhor? Abs, Bernardo Carvalho, Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
25/6/2004
16h07min
Eu acredito que devemos ser versáteis a ponto de conseguirmos, independente da idade que avança, manter os canais de comunicação e até mesmo a atitude ligadas à juventude, que nos fascina e que não nos deixa perder o entusiasmo da vida. Para isso a linguagem individual deve carregar um sentimentalismo e racionalismo próprios e diversificados. Pra mim a chave é essa diversificação que se apresenta em cada tribo e em cada espaço.
[Leia outros Comentários de Fábio Carvalho]
29/6/2004
10h57min
Jovem. Adulto. E qdo o jovem está se transformando em adulto? Isso nao se dá de um momento pro outro. Ao contrário, por muito tempo um pouco de um (jovem) continua vivendo ainda no outro (adulto) e às vezes isso segue por toda a vida...
[Leia outros Comentários de Simone]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLOCAÇÃO DE PARQUETS E SOALHOS
JUAN DE CUSA
PLÁTANO
(1997)
R$ 43,70



QUÍMICA ORGÂNICA VOL. 1
T. W. GRAHAM SOLOMONS CRAIG BARTON FRYHLE
LTC GRUPO GEN
(2012)
R$ 247,50



O RETORNO DA FILOSOFIA PERENE
JOHN HOLMAN
PENSAMENTO
(2011)
R$ 13,90



DEUS E O DIABO NO DIA DO GOLPE - UMA RAPSÓDIA SOCIALISTA
CARLOS E. DE SENNA FIGUEIREDO
ANTARES (RJ)
(1984)
R$ 26,82



A FORMAÇÃO DAS NAÇÕES LATINO-AMERICANAS - DISCUTINDO HISTÓRIA
MARIA LÍGIA PRADO
ATUAL
(1985)
R$ 8,00



O ENSINO DE ESPANHOL NA TRÍPLICE FRONTEIRA
ADRIANA FARIA DE ESCALADA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



A FEIJOADA COMPLETA
MATTHEW SHIRTS
REALEJO
(2016)
R$ 35,00



A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO ESCOLAR 2
MARIA JOSÉ RODRIGO
ÁTICA
(1998)
R$ 18,00



MAIS PLATÃO, MENOS PROZAC
LOU MARINOFF
RECORD
(2002)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A DIMENSÃO POLÍTICA DA EDUCAÇÃO
TATIANI MARIA GARCIA DE ALMEIDA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês