A antropologia dos aborrecentes | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou um de vocês
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
>>> So I have a blog
>>> Maria Bethânia em Amor Festa Devoção
>>> Para ler o Pato Donald
>>> A Faculdade de Letras
Mais Recentes
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/6/2004
A antropologia dos aborrecentes
Adriana Baggio

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Chamar os jovens de "tribo" é muito mais do que usar um clichê batidíssimo para se referir às pessoas de determinada faixa etária. Esse termo mostra o deslocamento que distancia as pessoas, não pelo espaço diferente que ocupam, pelo tempo diferente em que vivem. Ser jovem nada mais é do que passar por uma etapa da vida. Mas quando os adultos falam dos jovens, parece que se referem a uma cultura de um país muito distante, e não a uma faixa etária pela qual eles passaram.

A tribo dos jovens, portanto, adquire status de cultura diferente quando analisada pelos adultos. Fazendo um paralelo, é como se os adultos fossem de uma civilização mais adiantada, racionalizada, enquanto que os jovens representam selvagens que vivem em liberdade, falam línguas estranhas e têm rituais esquisitos, normalmente reprovados pelos "civilizados". Ao mesmo tempo em que criticam os jovens, os adultos sentem uma pontinha de inveja dessa tribo da qual eles já fizeram parte...

Por mais que sempre tenha havido uma diferença de comportamento entre pessoas de diferentes faixas etárias, é mais recentemente que esse distanciamento dá margem a uma observação dos jovens realmente como se fossem uma tribo. Por conta de vários aspectos, como as mudanças das relações humanas e do homem com o mundo nos últimos tempos, os jovens acabaram por representar uma verdadeira cultura à parte, com rituais, códigos, visual e valores próprios. Uma cultura normalmente criticada ou subestimada pelos adultos. No entanto, as pesquisadoras Maria Isabel Mendes de Almeida e Kátia Maria de Almeida Tracy perceberam a importância e a representatividade dos jovens enquanto cultura e partiram para um estudo mais aprofundado. O resultado é o livro Noites nômades - espaço e subjetividade nas culturas jovens contemporâneas (Rocco, 2003).

O primeiro aspecto a ser destacado é o mérito das autoras em não cair na tentação da maioria dos representantes da tribo dos adultos: criticar ou julgar a moral da juventude. Tendo estabelecido essa neutralidade, fica mais fácil para as pesquisadores observar e procurar entender as manifestações dos jovens nos seus aspectos sociológicos, antropológicos e até semióticos, com o objetivo de realmente mapear uma cultura com a qual nós, adultos, muitas vezes temos dificuldade em lidar.

O eixo do trabalho gira em torno das diferenças que instâncias como "tempo" e "espaço" têm para os jovens. Quando alguém vai para a night, isso representa muito mais do que apenas sair à noite. Nesse contexto, a night, como mostram as pesquisadoras, está relacionada a espaço e não a tempo. A night enquanto espaço é o roteiro percorrido pelos jovens quando saem à noite, ou mesmo de dia, já que muitas saídas da noite são combinadas durante o dia, em espaços determinados, como a praia.

A pesquisa foi feita com jovens do Rio de Janeiro que circulam pela zona sul da cidade. Por mais que a tribo não se caracterize por classe social, há uma delimitação pelo "custo" de se freqüentar a night, como os bares, boates, postos de gasolina, etc. Durante dois anos, em 2001 e 2002, Maria Isabel e Kátia Maria fizeram o roteiro da night, acompanhando seus informantes pelos locais e coletando informações através de entrevistas e observações.

O deslocamento da noite do conceito de tempo para o de espaço é seguido por diversas outras alterações nos significados ou utilidade dos espaços. A rua deixa de ser o espaço de deslocamento de um local a outro para tornar-se o próprio local, o objetivo da saída. Assim como a rua, outros espaços de fluxo tornam-se espaços de permanência, como as escadas e as portas das boates. Essa alteração na "função" dos espaços reflete o tal nomadismo abordado no título de livro. Assim como os nômades do deserto, os jovens vivem em função do movimento e não da permanência. O deslocamento é o objetivo em si e não o meio de se alcançar algo. O nomadismo se reflete também nos relacionamentos. O jovem "fica" ao invés de namorar pela possibilidade de aproveitar ao máximo a night. Aproveitar a noite envolve, além dos beijos, o encontro com os amigos, com a turma. Quanto mais contato com o maior número de pessoas, mais produtiva foi a night.

O constante movimento e a não-permanência compõem a superficialidade desse modo de vida. Superficialidade que se reflete nas formas de comunicação, no vocabulário, nos interesses desses jovens. Pobreza de vocabulário não é uma expressão que as autoras usam, mas é uma boa definição para o parco repertório desses pré-adultos. Não é apenas a questão das gírias. Gírias são criativas, revelam uma riqueza cultural. Por trás de cada gíria existe uma complexa rede de significações. A pobreza de repertório refere-se ao uso repetitivo de poucas palavras, expressões e construções. É praticamente uma linguagem fática, que estabelece o canal entre duas ou mais pessoas, mas que não tem maiores pretensões de qualidade ou profundidade.

Parece que o grande objetivo de toda essa movimentação, dessa rejeição ao permanecer, é o perigo de perder oportunidades pela escolha de uma das opções. Quando se escolhe uma boate para entrar, pode-se perder o divertimento que acontece em outra; quando se namora alguém, perde-se a oportunidade de se relacionar afetivamente com outras pessoas. E por aí vai...

O dilema das escolhas faz parte de um mundo repleto de opções e que cobra a experimentação. Nós, adultos (?), talvez lidemos melhor com essa angústia. Ou seja, tentamos não nos deixar levar pela vontade de não permanecer e de não se comprometer. Mas a mesma sociedade que oferece tanto, cobra que façamos nossas escolhas. É por elas que seremos rotulados, identificados e qualificados. No entanto, que saudades da inconseqüência da juventude! Que bom se pudéssemos largar tudo e viver novamente como nômades no deserto da cidade, aproveitando o que de melhor cada lugar oferece. Deve ser por isso que se critica tanto a juventude... É também por isso que vale a pena ler o que Maria Isabel e Kátia Maria escreveram sobre os jovens. Elas não adotaram a postura hipócrita e moralista que a maioria tem quando fala dos hábitos bárbaros desses aborrecentes ignorantes.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 24/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Enriquecer é Glorioso! de Marilia Mota Silva
03. Mosaico de Rancores, romance de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
04. O nosso patriarca e o deles de Celso A. Uequed Pitol
05. Felicidade de Daniel Bushatsky


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/6/2004
09h53min
Acredito que os adultos de hoje, cara Adriana, têm o mesmo parco repertório dos jovens, fruto da falta de leitura e do excesso de preguiça de raciocinar. A diferença é o que os jovem têm um vocabulário a mais, que são as gírias. Assim, ponto para os jovens. Quanto do dilema das escolhas, não creio que os adultos lidam melhor com isso, mas apenas aprendem o significado do verbo "resignar-se". Ponto outra vez para os jovens. Em matéria de de dilemas existenciais, portanto, será que nós, adultos, apenas não fingimos melhor? Abs, Bernardo Carvalho, Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
25/6/2004
16h07min
Eu acredito que devemos ser versáteis a ponto de conseguirmos, independente da idade que avança, manter os canais de comunicação e até mesmo a atitude ligadas à juventude, que nos fascina e que não nos deixa perder o entusiasmo da vida. Para isso a linguagem individual deve carregar um sentimentalismo e racionalismo próprios e diversificados. Pra mim a chave é essa diversificação que se apresenta em cada tribo e em cada espaço.
[Leia outros Comentários de Fábio Carvalho]
29/6/2004
10h57min
Jovem. Adulto. E qdo o jovem está se transformando em adulto? Isso nao se dá de um momento pro outro. Ao contrário, por muito tempo um pouco de um (jovem) continua vivendo ainda no outro (adulto) e às vezes isso segue por toda a vida...
[Leia outros Comentários de Simone]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO/BANHEIRO PRÁTICO - FEVEREIRO DE 2016
VÁRIOS AUTORES
CARAS
(2016)
R$ 10,00



MORTE NA ALTA SOCIEDADE
MAIGRET SIMENON
NOVA FRONTEIRA / L&PM POCKET
(2004)
R$ 5,00



FRANS KRAJCBERG
RENATA SANTANNA
PAULINAS
(2006)
R$ 7,50



O QUE É A MORTE
CARLOS IMBASSAHY
EDICEL
(1984)
R$ 10,00



A VINGANÇA DO JUDEU
J. W. ROCHESTER
FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



THE COMPLETE WORKS OF WILLIAM SHAKESPEARE
WILLIAM SHAKESPEARE
ABBEY
(1977)
R$ 35,28



MEDIDAS E TESTES EM EDUCAÇÃO
JAMES M. BRADFIELD
FUNDO DE CULTURA
(1964)
R$ 5,00



BARBIE EM VIDA DE SEREIA 2
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2013)
R$ 8,38



LÍNGUA PORTUGUESA - ENSINO MÉDIO - VOL. ÚNICO
HELOÍSA HARUE TAKAZAKI
IBEP
(2004)
R$ 14,00



EU VOS DECLARO MARIDO E MULHER
MOISÉS MARTINS DA ROCHA
ND
(2014)
R$ 7,90





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês