A antropologia dos aborrecentes | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/6/2004
A antropologia dos aborrecentes
Adriana Baggio

+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Chamar os jovens de "tribo" é muito mais do que usar um clichê batidíssimo para se referir às pessoas de determinada faixa etária. Esse termo mostra o deslocamento que distancia as pessoas, não pelo espaço diferente que ocupam, pelo tempo diferente em que vivem. Ser jovem nada mais é do que passar por uma etapa da vida. Mas quando os adultos falam dos jovens, parece que se referem a uma cultura de um país muito distante, e não a uma faixa etária pela qual eles passaram.

A tribo dos jovens, portanto, adquire status de cultura diferente quando analisada pelos adultos. Fazendo um paralelo, é como se os adultos fossem de uma civilização mais adiantada, racionalizada, enquanto que os jovens representam selvagens que vivem em liberdade, falam línguas estranhas e têm rituais esquisitos, normalmente reprovados pelos "civilizados". Ao mesmo tempo em que criticam os jovens, os adultos sentem uma pontinha de inveja dessa tribo da qual eles já fizeram parte...

Por mais que sempre tenha havido uma diferença de comportamento entre pessoas de diferentes faixas etárias, é mais recentemente que esse distanciamento dá margem a uma observação dos jovens realmente como se fossem uma tribo. Por conta de vários aspectos, como as mudanças das relações humanas e do homem com o mundo nos últimos tempos, os jovens acabaram por representar uma verdadeira cultura à parte, com rituais, códigos, visual e valores próprios. Uma cultura normalmente criticada ou subestimada pelos adultos. No entanto, as pesquisadoras Maria Isabel Mendes de Almeida e Kátia Maria de Almeida Tracy perceberam a importância e a representatividade dos jovens enquanto cultura e partiram para um estudo mais aprofundado. O resultado é o livro Noites nômades - espaço e subjetividade nas culturas jovens contemporâneas (Rocco, 2003).

O primeiro aspecto a ser destacado é o mérito das autoras em não cair na tentação da maioria dos representantes da tribo dos adultos: criticar ou julgar a moral da juventude. Tendo estabelecido essa neutralidade, fica mais fácil para as pesquisadores observar e procurar entender as manifestações dos jovens nos seus aspectos sociológicos, antropológicos e até semióticos, com o objetivo de realmente mapear uma cultura com a qual nós, adultos, muitas vezes temos dificuldade em lidar.

O eixo do trabalho gira em torno das diferenças que instâncias como "tempo" e "espaço" têm para os jovens. Quando alguém vai para a night, isso representa muito mais do que apenas sair à noite. Nesse contexto, a night, como mostram as pesquisadoras, está relacionada a espaço e não a tempo. A night enquanto espaço é o roteiro percorrido pelos jovens quando saem à noite, ou mesmo de dia, já que muitas saídas da noite são combinadas durante o dia, em espaços determinados, como a praia.

A pesquisa foi feita com jovens do Rio de Janeiro que circulam pela zona sul da cidade. Por mais que a tribo não se caracterize por classe social, há uma delimitação pelo "custo" de se freqüentar a night, como os bares, boates, postos de gasolina, etc. Durante dois anos, em 2001 e 2002, Maria Isabel e Kátia Maria fizeram o roteiro da night, acompanhando seus informantes pelos locais e coletando informações através de entrevistas e observações.

O deslocamento da noite do conceito de tempo para o de espaço é seguido por diversas outras alterações nos significados ou utilidade dos espaços. A rua deixa de ser o espaço de deslocamento de um local a outro para tornar-se o próprio local, o objetivo da saída. Assim como a rua, outros espaços de fluxo tornam-se espaços de permanência, como as escadas e as portas das boates. Essa alteração na "função" dos espaços reflete o tal nomadismo abordado no título de livro. Assim como os nômades do deserto, os jovens vivem em função do movimento e não da permanência. O deslocamento é o objetivo em si e não o meio de se alcançar algo. O nomadismo se reflete também nos relacionamentos. O jovem "fica" ao invés de namorar pela possibilidade de aproveitar ao máximo a night. Aproveitar a noite envolve, além dos beijos, o encontro com os amigos, com a turma. Quanto mais contato com o maior número de pessoas, mais produtiva foi a night.

O constante movimento e a não-permanência compõem a superficialidade desse modo de vida. Superficialidade que se reflete nas formas de comunicação, no vocabulário, nos interesses desses jovens. Pobreza de vocabulário não é uma expressão que as autoras usam, mas é uma boa definição para o parco repertório desses pré-adultos. Não é apenas a questão das gírias. Gírias são criativas, revelam uma riqueza cultural. Por trás de cada gíria existe uma complexa rede de significações. A pobreza de repertório refere-se ao uso repetitivo de poucas palavras, expressões e construções. É praticamente uma linguagem fática, que estabelece o canal entre duas ou mais pessoas, mas que não tem maiores pretensões de qualidade ou profundidade.

Parece que o grande objetivo de toda essa movimentação, dessa rejeição ao permanecer, é o perigo de perder oportunidades pela escolha de uma das opções. Quando se escolhe uma boate para entrar, pode-se perder o divertimento que acontece em outra; quando se namora alguém, perde-se a oportunidade de se relacionar afetivamente com outras pessoas. E por aí vai...

O dilema das escolhas faz parte de um mundo repleto de opções e que cobra a experimentação. Nós, adultos (?), talvez lidemos melhor com essa angústia. Ou seja, tentamos não nos deixar levar pela vontade de não permanecer e de não se comprometer. Mas a mesma sociedade que oferece tanto, cobra que façamos nossas escolhas. É por elas que seremos rotulados, identificados e qualificados. No entanto, que saudades da inconseqüência da juventude! Que bom se pudéssemos largar tudo e viver novamente como nômades no deserto da cidade, aproveitando o que de melhor cada lugar oferece. Deve ser por isso que se critica tanto a juventude... É também por isso que vale a pena ler o que Maria Isabel e Kátia Maria escreveram sobre os jovens. Elas não adotaram a postura hipócrita e moralista que a maioria tem quando fala dos hábitos bárbaros desses aborrecentes ignorantes.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 24/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges
02. Bailes & Festas de Guilherme Pontes Coelho
03. Rememórias e túmulos multimídia de Carla Ceres
04. Um outro mundo de Daniel Bushatsky
05. A herança e a partilha de Ana Elisa Ribeiro


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/6/2004
09h53min
Acredito que os adultos de hoje, cara Adriana, têm o mesmo parco repertório dos jovens, fruto da falta de leitura e do excesso de preguiça de raciocinar. A diferença é o que os jovem têm um vocabulário a mais, que são as gírias. Assim, ponto para os jovens. Quanto do dilema das escolhas, não creio que os adultos lidam melhor com isso, mas apenas aprendem o significado do verbo "resignar-se". Ponto outra vez para os jovens. Em matéria de de dilemas existenciais, portanto, será que nós, adultos, apenas não fingimos melhor? Abs, Bernardo Carvalho, Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
25/6/2004
16h07min
Eu acredito que devemos ser versáteis a ponto de conseguirmos, independente da idade que avança, manter os canais de comunicação e até mesmo a atitude ligadas à juventude, que nos fascina e que não nos deixa perder o entusiasmo da vida. Para isso a linguagem individual deve carregar um sentimentalismo e racionalismo próprios e diversificados. Pra mim a chave é essa diversificação que se apresenta em cada tribo e em cada espaço.
[Leia outros Comentários de Fábio Carvalho]
29/6/2004
10h57min
Jovem. Adulto. E qdo o jovem está se transformando em adulto? Isso nao se dá de um momento pro outro. Ao contrário, por muito tempo um pouco de um (jovem) continua vivendo ainda no outro (adulto) e às vezes isso segue por toda a vida...
[Leia outros Comentários de Simone]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VÍCIOS NÃO SÃO CRIME
LYSANDER SPOONER
AQUARIANA
(2003)
R$ 13,41



ECO EMPREENDEDOR - OPORTUNIDADES DE NEGOCIOS DECORRENTES DA REVOL
STEVEN J. BENNETT
MAKRON
(1992)
R$ 9,90



O CONFLITO
MARY WESTMACOTT
NIVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
EDIGRAF
R$ 6,28



O LEITE VOL 3 OUTROS PRODUTOS LEITEIROS
F. M. LUQUET
EUROPA-AMÉRICA
(1985)
R$ 97,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOLSTÓI
ED. BRASILIENSE
(1959)
R$ 13,90



RETRATO FOTOGRÁFICO
MICHAEL FREEMAN
LIVROS E LIVROS
(2005)
R$ 60,00



A REBELIÃO NA TERRA SANTA - 1935
MENAHEN BEGUIN
FREITAS BASTOS
(1970)
R$ 10,00



THEMEN 1 KURSBUCH
HARTMUT AUFDERSTRASSE / HEIKO BOCK / M. GERDES / H
EPU / HUEBER
(1991)
R$ 16,00



MERGULHE NA MAGIA - OS BASTIDORES DE ANIMAIS FANTÁSTICOS...
IAN NATHAN
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 32,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês