Jorge Amado universal | Milton Hatoum

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
ENSAIOS

Segunda-feira, 11/2/2008
Jorge Amado universal
Milton Hatoum
+ de 8100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Infelizmente não posso dizer que fui amigo de Jorge Amado. Nosso único encontro aconteceu em Paris, já não me lembro se em 1994 ou 93. Lembro que lançava na França a tradução do meu primeiro romance, e sabia que Jorge Amado estava por lá.

Ele costumava passar a primavera e o verão em Paris, e antes do outono europeu viajava para Salvador, de modo que vivia sempre entre o verão e a primavera, entre dois paraísos.

Prometi que um dia iria visitá-lo na Bahia, e por timidez fui adiando essa visita e nunca mais o encontrei. Leseira minha, porque Jorge Amado nada tinha de pomposo nem de formal.

Em 1989 ele me enviou uma carta muito amável, em que comentava meu romance de estréia. Aliás, escrevia cartas a vários autores jovens e desconhecidos. Fazia isso por amor à literatura e também por generosidade, algo que não anda na moda nesta época de competição acirrada.

Até mesmo António Lobo Antunes, com seu jeito áspero e sua prosa de inegável alcance estético, até o Lobo foi amigo de Amado e admirador de seus romances. Sem a obra de Jorge, disse certa vez Lobo Antunes, não haveria neo-realismo na prosa portuguesa.

A mesquinharia e a inveja passavam longe da alma desse baiano universal. Eu não via nele nenhuma gota de ressentimento, apesar das críticas que faziam à sua obra, algumas justas, outras cruéis e inconseqüentes. Inconseqüentes porque na ficção de Jorge as falhas não apagam, muito menos anulam a dimensão social e histórica: a densa dimensão humana de sua obra.

O espaço evocado nos romances de Amado ― a capital da Bahia, o coração de Salvador, de Ilhéus e outros lugares ― é tão vivo quanto os personagens que os habitam. O leitor pode quase tocar esses lugares e personagens.

Na extensa e variada obra amadiana há, por certo, uma excessiva recorrência de frases e situações, mensagens ideológicas explícitas, desajustes entre a voz dos narradores cultos e a dos personagens populares. Mas, e daí? Jorge Amado preferiu o prolífico e o monumental à exatidão de uma obra exígua.

Na história da literatura não são muito numerosos os romances perfeitos, cujo objetivo de seus autores é construir uma obra estética, sem frouxidão, sem deslizes, em que as peças se encaixam com precisão, tal uma máquina perfeita. Nenhuma palavra ou frase fora do lugar.

Essas obras perfeitas existem: A volta do parafuso, O coração das trevas, A morte de Ivan Ilitch, São Bernardo, Grande sertão: Veredas e não sei quantas mais. Vamos dizer, com otimismo, que há noventa e nove livros perfeitos nas estantes de uma biblioteca imensa. Uma parte da obra de Jorge encontra-se nessa biblioteca, e nem por isso ele pode ser considerado um escritor mediano.

Porque é muito raro uma obra mediana sobreviver meio século ou setenta anos. É o que aconteceu com Jubiabá e com Capitães da Areia ― livros que Albert Camus admirava ― e com tantos outros, desde Gabriela, cravo e canela até A descoberta da América pelos turcos.

Num consistente ensaio sobre a arte da ficção, o escritor inglês Edward Foster escreveu que o romance é uma narrativa "encharcada de humanidade". Não há melhor definição para os romances de Amado, cuja obra será relançada a partir de meados de março.

Espero que os leitores a leiam com interesse e olhar crítico, mas sem preconceito. Porque o preconceito, na literatura e na vida, é uma fonte de cegueira e de veneno para a alma.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Terra Magazine, em janeiro de 2008.


Milton Hatoum
São Paulo, 11/2/2008
Mais Milton Hatoum
Mais Acessados de Milton Hatoum
01. Jorge Amado universal - 11/2/2008
02. Parei de fumar - 25/12/2006
03. Fim de um romance - 20/8/2007
04. O pai e um violinista - 19/2/2007
05. Marina candidata - 14/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/2/2008
09h42min
Jorge Amado, um sonho de escritor, de pessoa; comunista, constitucionalista de 1946, autor da lei de liberdade de culto, um adepto do candomblés, um homem de olhar simples sobre as coisas, pouco estudado num Brasil de visão eurocêntrica, de políticas de branqueamento, a quem ousou dizer que ele fazia parte da baixa roda de Virgilio, pura besteira fruto dos maus pensamentos e inteligências do Brasil.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
17/2/2008
11h14min
Mílton Hatoum: Tive o privilégio de conviver com Jorge Amado. Trabalhava como editor de autores brasileiros na Record, de 79 a 86. Naquele período, alguns de seus livros inéditos foram lançados. Quando ele chegava, as máquinas paravam. Era muito bom ouvir Jorge e a sua inseparável Zélia. E posso afirmar que aprendi algumas lições.
[Leia outros Comentários de Jeferson de Andrade]
27/2/2008
10h06min
Você tem razão: a obra de Jorge Amado não pode ser considerada mediana. Apesar de muito preconceito em relação a seus livros (e já me enquadrei aqui) o cara é bom. Mar Morto, Capitães de Areia e tantos outros fazem parte do meu imaginário e de muitos brasileiros. A idéia de relançar a sua obra é excelente!
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
27/2/2008
10h14min
Pois estava, ao ler Masnavi, do Rumi, hoje pela manhã, pensando justamente no que ele dizia com um milagre que transformava um homem negro num branco tão lindo como José. Concluí que não havia preconceito, apenas uma posição definida quanto às razões estéticas, uma forma muito pessoal de enxergar as cores e as formas. Uma questão de gosto, apenas. O que atrai a mim ou a ti. Mas, não tão obviamente, é outra coisa que buscamos na literatura, viva, por entre as formas e cores de cada autor, é essa humanidade, na idéia de que o que nos torna iguais é sermos mesmos muito diferentes. Amei teu texto. Grata.
[Leia outros Comentários de Gabriela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês