As mulheres de Rubem Fonseca | Gabriela Vargas | Digestivo Cultural

busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Revista Florense
>>> Nazismo na era do videogame
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> O primeiro assédio, na literatura
>>> O Twitter de Bill Gross
>>> The Boat That Rocked ou Os Piratas do Rock
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
>>> O Suplício do Papai Noel, por Claude Lévi-Strauss
Mais Recentes
>>> Gerenciamento da rotina do trabalho no dia a dia de Vicente falconi pela Falconi (2013)
>>> A logica do cisne negro de Nassim Nicholas Taleb pela Best business (2007)
>>> A Deusa Interior de Jennifer Barker Woolger / Roger J. Woolger pela Cultrix (1989)
>>> Entre a aspidistra e o artocarpus de Olavo cabral ramos filho pela Chiado (2007)
>>> Admiravel mundo novo de Aldous huxley pela Biblioteca azul (1995)
>>> A Mensagem do Mestre de Bhagavad Gita pela Pensamento (2006)
>>> Santos do Povo Brasileiro de Nilza Botelho Megale pela Vozes (2002)
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland de Raymond Buckland pela Gaia (2003)
>>> Tudo Sobre Arte - os Movimentos e as Obras Mais Importantes de Todos os Tempos de Stephen Farthing pela Sextante (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2009)
>>> A Connecticut Yankee in King Arthur's Court de Mark Twain pela Collins Classics
>>> A song of Ice and Fire - A Game of Thrones de George R. R. Martin pela Harper Voyager (2011)
>>> A Batalha do Apocalípse de Eduardo Spohr pela Verus (2013)
>>> Jane Eyre de Charlotte Brontë pela Oxford (2000)
>>> Seus pontos fracos de Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Nas Ciladas da Obsessão de Liszt Rangel pela Dpl (2002)
>>> Transmissão de Energia Elétrica - teoria e prática em linhas aéreas de Cleber oberto Guirelli - Ivanilda Matile pela Mackenzie (2014)
>>> Guia ilustrado TV Globo Novelas e Minisséries de Projeto Memória Globo pela Jorge Zahar (2010)
>>> 60 Histórias para dormir 4 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2012)
>>> 60 Histórias para dormir 3 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2011)
>>> Ikebana - Arte japonesa para arranjos d3e flores de Chiang Sing pela Ediouro (1979)
>>> Arbitragem - temas contemporâneos de Selma Ferreira Lemes - Inez Balbino pela Quartier Latin (2012)
>>> A advocacia na mediação de John W. Cooley pela Unb (2001)
>>> Álgebra I de A. C. Morgado - E. Wagner - M. Jorge pela Francisco Alves (1974)
>>> Estruturas Algébricas de Serge Lang pela Ao Livro Técnico (1972)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/6/2007
As mulheres de Rubem Fonseca
Gabriela Vargas

+ de 6400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Nascido em Minas Gerais no ano de 1925, Rubem Fonseca se formou em Direito e exerceu várias funções antes de dedicar-se inteiramente à literatura. Em 1952, iniciou sua carreira na polícia do Rio de Janeiro, no 16º Distrito Policial. Essa vivência fez com que ele se inspirasse e abordasse em seus livros muito dos fatos vividos naquela época, ficando famoso por uma ficção descontínua e agressiva, povoada de anti-heróis impulsionados por desejos carnais e efêmeros sendo, na maioria das vezes, movidos pelo ódio.

No seu mais novo livro, Ela e outras mulheres (Companhia das Letras, 2006, 176 págs.), Rubem Fonseca segue com sua temática violenta, sexual, compulsiva e forte, abordando um cotidiano cruel; porém, não tão distante da nossa realidade. Entretanto, cabe-se dizer aqui que o autor tem como forte característica a originalidade, não deixando seus contos caírem na mesmice, tornando-os muito bem sucedidos com suas típicas reviravoltas.

Nesse livro, são as mulheres as principais geradoras de tramas que, normalmente, sucumbem em finais pesados; ora infelizes, ora perversos. São 27 contos breves, cheios de impetuosos finais. Começamos a ler e é como se ficássemos presos a cada página do livro, em que o léxico nada rebuscado e pesado junto a cenas fortes aumenta intensamente o realismo dos contos, nos fazendo querer saber o final de cada um, como se deles participássemos.

Cada um dos contos leva o nome de uma mulher, que participam da história como protagonistas, vilãs, vítimas ou meras coadjuvantes. O conto "Ela" é o único que não leva nome, sendo um breve relato sobre o começo e o fim de um relacionamento, marcado pelo desejo carnal e que tem como frase principal e arrebatadora: "Na cama não se fala de filosofia".

O primeiro conto já chega como exemplo de uma série de ótimas construções, cheias de muitas surpresas, impulsos, e mulheres, é claro. A narrativa começa muito tranqüila. Um garoto gago e pobre, aluno exemplar em todas as matérias, com exceção do português. Uma nova professora, Alice, se dispõe a ajudá-lo. O garoto muda completamente, deixa de gaguejar e até Machado de Assis começa a ler. Com direito a aulas à noite na casa da professora. Tempos depois o pai do garoto recebe um telefonema de um comissário de menores dizendo que a professora fora acusada de abusar sexualmente de um menino de outra cidade. Surpresa! O comissário quer falar com o garoto, e se este confessar que a professora abusa dele, ela será processada. O pai busca o filho no colégio e o leva para conversar com o tal homem. Depois da conversa de quase duas horas o comissário diz que conforme sua experiência em interrogar menores, o menino falava a verdade quando dizia que a professora nunca havia sequer tocado nele, e vai embora. Pai e filho ficam sozinhos. O menino diz para o pai que seguira suas instruções, que gostava da professora e que não era nenhum pecado o que eles faziam na cama. Os dois se abraçam e não falam mais no assunto. E eu quase caio pra trás da cadeira ao ler esse final. Simplesmente brilhante, obra digna de um grande autor.

A temática de matadores de aluguel, presente em outros livros do autor, também aparece aqui, com um mesmo assassino em alguns contos. Ele primeiramente aparece como um namorado bandido, louco por sexo, que mata sem escrúpulos segundo as ordens do Despachante - o grande chefão -, até a namorada rica de dezoito anos pedir para ele matar o pai dela para eles ficarem com a herança do velho. Então ele mata a menina e acaba o conto dizendo: "Como alguém pode querer matar o pai ou mãe?". Aí notamos, mesmo que infimamente, algum tipo de ética, mesmo que suja.

Em outro conto, o mesmo homem aparece querendo deixar o trabalho de assassino profissional e o despachante manda uma mulher em um restaurante para seduzi-lo e depois matá-lo, mas ele acaba matando-a primeiro. No seguinte ele "salva" uma velhinha do seu prédio dos filhos interesseiros de seu falecido marido, e o final é a morte, novamente. No último conto o mesmo despachante envia uma matadora disfarçada de garçonete para tentar matá-lo, mas nunca dá certo. Ele sempre acaba matando alguém, mas diz que não gosta de fazê-lo com mulheres, embora seja seu ofício e tenha de cumpri-lo.

Os outros contos também são povoados de pessoas doentias, infelizes ou rancorosas: uma cleptomaníaca que começa roubando folhas de papel e acaba na prisão, um pai e um tio que torturam um bandido friamente após ele ter estuprado uma menina e a espancado até a morte, um homem que por um impulso sobrenatural abusa sexualmente de uma garota estrangeira até matá-la, além de muitas outras histórias surpreendentes.

Tudo isso, de certa forma, faz lembrar o real-naturalismo (movimento literário da segunda metade do século XIX), pois o autor usa bastante do psicologismo e de personagens patológicos, além do determinismo do instinto, em que o instinto está sempre a frente da razão, como nos casos de estupros, vinganças, assassinatos.

Essas são apenas algumas das muitas surpresas que esse livro pequeno; porém, denso, nos trás. Com uma capa verde e um design simples, mas sedutor, Ela e outras mulheres foi publicado no final de 2006 causando grandes rumores entre resenhistas, críticos, comentaristas, entre outros, não diferente de outras obras do autor como Feliz Ano Novo, por exemplo, que foi proibido de 1976 a 1989, sendo liberado somente após uma cansativa ação judicial.

Muitos dizem que Rubem Fonseca abusa de narração e linguajar com doses cavalares de brutalidade; entretanto, creio que essas sejam apenas técnicas para aproximar o leitor, fazendo-o andar conforme os passos da história, em que o desfecho dá sentido a tudo que o antecede. Além do mais, lembro aqui que o autor ganhou em 2003 dois prêmios de grande importância pelo conjunto de suas obras: o prêmio Camões e o prêmio Juan Rulfo de Literatura Latino-Americana. Com certeza, vale a pena conferir esse instigante livro tomando uma boa xícara de café num dia frio de inverno.

Para ir além






Gabriela Vargas
Porto Alegre, 28/6/2007


Mais Gabriela Vargas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/7/2007
00h26min
essa menina tem futuro!!! prodígia! um dia ocupará o lugar de Arnaldo Jabor, hein??? vai fundo, Gabi!
[Leia outros Comentários de Diego Augusto]
17/8/2012
11h16min
Rubem Fonseca? Precisa dizer mais alguma coisa...
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Forró no Engenho Cananéia
Antonio Callado
Civilização Brasileira
(1964)



Inspired Level 1: Workbook
Judy Garton-sprenger, Philip Prowse
Macmillan Education
(2016)



Será Que Eles Falam? - Maio 2015
National Geographic Brasil
Abril



O Sol de Rovenah
Ana Cláudia Jadão
Coerência
(2018)



Ser
Sri Maha Krishna Swami
SMKs



Moral e Sociedade
Della Volpe e Outros
Paz e Terra
(1969)



Cantare Estorias
José Alaercio Zammer
Pleiade
(2011)



Elogio dos Intelectuais
Bernard Henri Lévy
Rocco
(1988)



Eternidade por um fio
Ken Follett
arqueiro
(2014)



Go Starters - Sb (2018)
H. Q. Mitchell
Mm Publications
(2018)





busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês