Ainda cheira a espirito adolescente | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Maná, de Rodrigo Amarante
>>> Lecturis Salutem
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
>>> Viagem ao Âmago da Palavra
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> Uma História do Mercado Livre
Mais Recentes
>>> O Medo à Liberdade de Erich Fromm pela Zahar (1977)
>>> Cadastro-geral dos Suspeitos de Ódio ao Presidente de Luiz Gutemberg pela Alhambra (1991)
>>> Então foi Assim? Os Bastidores da Criação Musical Brasileira 4 vols. de Ruy Godinho pela Abravideo (2017)
>>> Conformismo - Tópico de Psicologia Social de Kiesler e Kiesler - Tradução Dante Moreira Leite pela Edgard Blucher Usp (1973)
>>> O Direito a Ter Direitos de Jose Vaidergorn pela Autores Assossiados (2000)
>>> Amor é Só uma Palavra de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro
>>> Vida sem Morte? de Dr. Nils Jacobson pela Círculo do Livro (1976)
>>> A Lenda do Violeiro Invejoso de Fábio Sombra pela Rocco (2005)
>>> Ombusdsman - O relógio de Pascal de Caio Túlio Costa pela Geração Editorial (2006)
>>> Águas do Brasil de Araquém Alcântara pela ´Terrabrasil (2007)
>>> O tigre de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2013)
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules 1/2/4 volumes de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1944)
>>> Morte dos reis de Bernard cornwell pela Record (2016)
>>> Bom Apetite vol II de Diversos pela Abril Cultural (1972)
>>> A menina que semeava de Lou Aronica; Maria ângela Amorim De Paschoal pela Novo Conceito (2021)
>>> Curso de Desenho e Pintura 9 volumes de Equipe Globo pela Globo (1985)
>>> 1889 Juvenil ilustrada de Laurentino Gomes; Rita Brugger pela Globo Livros (2014)
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
>>> Lost in the Woods de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Devastação Ou a Volta à Natureza de Rene Barjavel pela Círculo do Livro (1976)
>>> Os segredos da mente milionária de T harv eker pela Sextante (2010)
>>> A Day on the Farm de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Economia Solar Global de Hermann Scheer pela Cresesb (2002)
>>> Alguém Que já Não Fui de Artur da Távola pela Nova Fronteira (1986)
>>> Enquanto Eu Estivesse Fora... de Sue Miller pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Infâncias Roubadas o Ser Criança Como Desafio para o Reino de Silvana Bezerra de Castro Magalhães pela Coiô Coiô (2016)
>>> Já Pensou Se Alguém Acha e Lê esse Diário? de Nilza Rezende pela Record (2007)
>>> O Quiabo Comunista de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1977)
>>> Mulheres ajudando mulheres de elyse Fitzpatrick e carol Cornish pela c p a D (2005)
>>> O poder dos Quietos de Susan Cain pela Agir (2012)
>>> O segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Sextante (2008)
>>> Marley & eu de John Grogan pela Ediouro (2010)
>>> O grande conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Problemas? OBA ! de Roberto Shinyahiki pela Gente (2011)
>>> Ali and his Camera de Raymond Pizante pela Penguin Readers (2008)
>>> Os 10 hábitos da memorização de Renato Alves pela Gente (2009)
>>> Billy and the Queen de Stephen Rabley pela Penguin Readers (2008)
>>> O código da inteligência de Augusto Cury pela Ediouro (2008)
>>> Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: IFRS versus Normas Brasileiras de Ernst & Young - FIPECAFI pela Atlas (2010)
>>> Quem mexeu no meu queijo ? de Spencer Johnson,M.D pela Record (2010)
>>> Desenvolvimento Pessoal e Profissional de Josiane C. Cintra; Keli C. de L. Campos; Tatiane R. Bonfim; Yaeko Ozaki; Rodolfo L. de F. Olivo pela Anhanguera Publicações (2011)
>>> Simon and the Spy de Elizabeth Laird pela Penguin Readers (2008)
>>> 0870707329 de Paola Antonelli pela The Museum of Modern Art (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/10/2011
Ainda cheira a espírito adolescente
Luiz Rebinski Junior

+ de 2700 Acessos

Em geral não me animo muito com efemérides musicais. Mas a comemoração dos 20 anos do Nevermind me tirou a poeira do cérebro. Nas primeiras matérias sobre o álbum comecei a me ver, 20 anos atrás, com um violãozinho tosco na frente de casa, na companhia de mais dois polaquinhos recém-saídos das fraldas, tentando tocar "Come as you are".

Sim, eu era um piá pançudo quando o senhor Kurt escutou todos os discos do Pixies, foi pra casa tentando fazer um novo Doolittle e cometeu "Smells Like Teen Spirit", uma música que tocou mais do que qualquer canção gravada pela trupe do gordinho Frank Black, ídolo do pequeno Kurt.

Na época eu não sabia, mas o rock andava meio perdidão. Os menos otimistas diziam que não havia nada de novo desde o punk; os otimistas viam no pós-punk de bandas como o Cure, que nasceu junto com o punk, diga-se de passagem, uma pequena renovação. Bem, mas se isso era verdade, se havia um buraco a ser preenchido na música jovem que foi tapado pelo trio de Seattle, melhor para mim, que tive a sorte de começar a escutar música no momento em que as guitarras distorcidas de Cobain davam o ar da graça.

Eu tinha um amigo mais velho, que era um dos poucos caras da minha cidade que possuía uma coleção considerável de CDs. E ele tinha muita coisa diferente para quem morava no interior no período pré-internet. Então esse cara me emprestava algumas coisas, sempre em doses homeopáticas, já que estávamos lidando com pequenas raridades. E foi num desses empréstimos que ele me apresentou o Nirvana. É claro que gravei várias fitas e logo arranjei uma grana para comprar um vinil todo ferrado do Nevermind, que tenho até hoje. Dali em diante, amarrei uma camisa xadrez na cintura, deixei o cabelo crescer e me tornei completamente subjugado à estética mendigueira de Kurt e seus amigos. Na sequência eu ficaria mais fã do Pearl Jam, cujos integrantes também eram adeptos das camisas xadrez, mas que faziam um som mais cerebral e menos sujo. Mas, claro, quem tava fazendo o fervo era mesmo Kurt, que fez bem o papel de garoto-propaganda do grunge.

Na verdade, conheci o Nirvana pelo começo. Escutei o Bleach, o primeiro álbum, ainda sem Dave Grohl, antes do Nevermind. É um disco maravilhosamente tosco, que soa como um Sonic Youth mais rápido, mas que não tinha condições de conquistar o mundo, no máximo a piazadinha de Seattle, já que o álbum só foi ser conhecido mesmo depois do sucesso de Nevermind. Este sim reuniu na medida certa o peso do metal, a fúria punk, letras poderosas, com pitadas de um pop moderado, sempre avacalhado pelos berros de Kurt e as guitarras estridentes que sempre surgem quando a música periga ficar muito adocicada. "Drain you" vai que vai rumo ao pop tradicional, mas no meio da brincadeira surge uma distorção de guitarra, com uns barulhinhos estranhos que culminam em um grito gutural. O mesmo acontece com a aparente calmaria pop de "Lounge act", que depois do refrão é dominada por gritos e gemidos de Kurt.

Tai a chave do sucesso do disco: endurecer sem perder a ternura. Bagunçar o pop, mas não sair tanto assim do trilho. Algo que várias bandas fariam ao longo dos anos 1990, como o Smashing Pumpkins de Mellon collie and the infinite sadness, que transita entre a estridência e a doçura. Kurt achou o caminho das pedras e fez o disco que o Sonic Youth poderia ter feito, caso arrefecesse no noise. Antes de Kurt, não havia existido um punk que tivesse gravado uma música como "Polly" e continuasse respeitado como um bom fazedor de barulho nesse brinquedinho chamado guitarra. Um homem sensível de alma atormentada, que se jogava em cima da batera como um ogro ensandecido, mas cinco minutos depois era capaz de gravar um disco como o improvável Acústico MTV, um dos melhores álbuns de rock todos os tempos, melhor do que o próprio Nevermind — mas menos revolucionário, claro.

Se os hipongos se orgulhavam de dizer que viram uma geração inteira de grandes músicos, nós, piás pançudos, cheios de espinhas, cabelo seboso, feios, sujos e desajeitados como o senhor Kurt, também tivemos nosso bastião, o messias de uma época meio caída, homem que bagunçou o coreto. Kurt foi nosso John Lennon, um pouco menos talentoso, um pouco mais malvado e boca suja, mas foi. E hoje dá pra dizer, como os hipongos caídos, carecas, nostálgicos de tudo, que vimos aquele rapaz na melhor forma. E, exatamente como os hipongos caídos, carecas, nostálgicos de tudo, olhamos de cima para baixo para os impúberes que pintam as unhas, os cabelos e sei mais eu o quê e dizemos: "na sua idade eu estava escutando um polaquinho endiabrado que escrevia canções como 'Rape me'". Claro que é uma arrogância típica de quem está ficando para trás, mas os clichês nem sempre estão errados: o Nirvana foi o último suspiro do rock mais parrudo. A banda não comandou um movimento nem nada, como a mídia ainda gosta de contar, foi, no máximo, a revolução de uma banda só. Ou de um homem só, um rapazinho que mostrou para o mundo que ainda era possível remexer a terra e tirar algum suco do bagaço em que a música jovem se encontrava. E fez isso da forma mais natural e menos provável possível, com um som anticomercial, não recomendado a massas de ouvido sensíveis. E ninguém mais conseguiu isso, depois de 20 anos.

Lugar certo na hora certa: talvez hoje o Nirvana nem existisse, ficasse preso a uma conta do myspace, sob o domínio de um clubinho de abnegados. O Nirvana morreu com a indústria do disco e se deu bem. Ainda vendeu milhares de discos e conquistou, antes que a festa acabasse, a vitrolinha daqueles que hoje são trintões.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Outro mundo de Eduardo Carvalho


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BUSCAI AS COISAS DO ALTO
PE. LÉO
CANÇÃO NOVA
(2008)
R$ 10,00



UM DESCONHECIDO
DANIELLE STEEL
RECORD
R$ 10,00



CLÁSSICOS DO NOSSO TEMPO - O'HENRY
EUGENE CURRENT GARCIA
LIDADOR
(1966)
R$ 10,00



PREVENTIVA - MEDICINA ALTERNATIVA - HOMEOPATIA - PRIMEIROS PASSOS
VARIOS AUTORES
CÍRCULO DO LIVRO
(1984)
R$ 10,00



NOTURNOS E OUTROS CONTOS FANTÁSTICOS
GIANNI RATTO
CODEX
(2005)
R$ 10,00



O TERROR
EDGAR WALLACE
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 10,00



NOMI E NOMI ORIGINE E SIGNIFICATO
MONICA DEL SOLDATO
GIUNTI DEMETRA
(2000)
R$ 10,00



MARTINI SECO
FERNANDO SABINO
ÁTICA
(1999)
R$ 10,00



O MOSTEIRO DA LUZ E SEU FUNDADOR
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS
ARTPRESS
(1999)
R$ 10,00



SETE FACES DA FICÇÃO CIENTIFICA
CARLOS QUEIROZ TELLES E OUTROS
MODERNA
(1992)
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês