Duas escritoras contemporâneas | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Noga Sklar
>>> Tempo vida poesia 2/5
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
Mais Recentes
>>> O Livro dos Sentimentos de Maria Isabel Borja e Márcio Vassallo pela Guarda-Chuva (2006)
>>> A Filosofia Rosa-Cruz de John Baines pela Artenova (1982)
>>> A Revolução Bipolar a Gênese e a Derrocada do Socialismo Soviético de Luis Fernandes pela Anita Garibaldi (2017)
>>> Educação e Crise do Trabalho de Gaudêncio Frigotto (org) pela Vozes (1998)
>>> Livro-Literatura brasileira. em dialogo com outras literaturas e outras linguagens de William Cereja pela Atual (2013)
>>> Notícias que marcam de Gustavo Carmo pela Giz (2006)
>>> Zola Amaro um soprano brasileiro para o mundo de Maria José Talavera Campos; Nicola Caringi Lima pela Ufpel (1998)
>>> Livro - Selva de batom de Candace Bushnell pela Record (2005)
>>> Discurso e Leitura de Eni Pulcinelli Orlandi pela Cortez (2001)
>>> Uma História de Ontem pelo Espírito Leone de Mônica Castrol pela ida & Consciência (2011)
>>> Livro - Quimica. volume 1- Quimica geral de Usberco Salvador pela Saraiva (2014)
>>> Gota D'Á|gua de Chico Buarque; Paulo Pontes pela Civilização Brasileira (2023)
>>> Alice no País dos Espelhos de Lewis Carroll pela Martin Claret (2009)
>>> Reuniões Mediúnicas de Therezinha Oliveira pela Allan Kardec (2005)
>>> Português Descomplicado de Carlos Pimentel pela Saraiva (2004)
>>> Livro - Filosofar com textos. temas e historia da filosofia volume unico. parte 1 de Maria Lucia de Arruda Aranha pela Moderna (2012)
>>> O Irmão Alemão de Chico Burque pela Companhia das Letras (2014)
>>> Inteligência Emocional de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Lavoura Arcaica de Raduan Nassar pela Companhia das Letras (2002)
>>> Flávia Souza Lima de Alguma Poesia - autografado pela Numa (2021)
>>> Mediações Históricas de Trabalho e Educação de Maria Ciavatta pela Lamparina (2009)
>>> O Enigma do Capital: Ponto de Vida Marxista de V. Chemiaténkov pela Progresso (1985)
>>> Jornal, História e Técnica - História da Imprensa Brasileira volume 1 de Juarez Bahia pela Mauad X (2009)
>>> The Complete Book of Motorcycles de Roger Hicks pela Tiger Books (1994)
>>> Motorcycle Classics de Grant Leonard pela Magna Books (1994)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/7/2010
Duas escritoras contemporâneas
Ricardo de Mattos
+ de 8000 Acessos


Tatiana Salem Levy

"As pessoas vão ficando velhas e, com medo da morte, passam aos outros aquilo que deveriam ter feito mas, por motivos diversos, não fizeram" (Tatiana Salem Levy).

Um dos ensaios de Montaigne baseia-se em narrativa de Heródoto, cujo teor aconselha-nos a não declarar alguém feliz ou infeliz senão após o término de sua vida, visto que o julgamento pode ser alterado por um fato repentino e final. Embora discordemos que em sede biográfica uma ocorrência isolada possa comprometer o conjunto, reconhecemos a importância deste princípio para a Literatura. Devemos pronunciar-nos a respeito de um texto somente após leitura integral e cuidadosa. Perdoe-nos o leitor por constatar o óbvio, mas fazemo-lo como forma de penitência em relação aos livros de duas escritoras brasileiras contemporâneas: Tatiana Salem Levy e Nina Lemos.

A escritora e tradutora Tatiana Levy é autora do romance A chave de casa. A jornalista, blogueira e escritora Nina Lemos assina A ditadura da moda. Quanto ao primeiro, começamos a ficar enfastiados com a leitura, até o toque final revelar-nos o engenho da obra e cativar-nos. Quando recebemos um exemplar do segundo, lemos as orelhas e não sentimos grande motivação sequer para abri-lo. Contudo, identificado o ponto comum entre as obras, apostamos na leitura conjunta e deparamo-nos com seu valor.

A chave de casa ganhou em 2008 os prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti. O título refere-se ao costume de antigos judeus que, expulsos de um lugar, levavam consigo a chave da casa e transmitiam-na de geração a geração na esperança de que um familiar voltasse a ela e retomasse a posse. É composto por duas palavras que merecem atenção pelo que simbolizam. "Casa" representa não somente o imóvel, mas contém um significado familiar e até dinástico outrora mais empregado: Casa de Bragança. "Chave" é o que permite decifrar, o que facilita compreender um assunto.

Desta feita, resgatando o passado, compreendendo seus familiares, entendendo-lhes a jornada, e acertando as contas, a narradora pode distinguir o que lhe era próprio do que era atávico e alcançar sua própria libertação pessoal. Embora seja relativamente discreta a afirmação desta atitude, sua execução consciente ou não é a base do texto. Notamos também a presença do círculo, do alfa e ômega, mas o leitor precisará correr as 206 páginas do romance para apreciar o efeito. Deveras, o estado psico-espiritual da narradora determina a opção pelo circular em detrimento do linear, e explica a estrutura fragmentada, praticamente cubista, do romance. Tentar adivinhar a partir do começo é arriscar-se em vão. Ler o final do livro para saciar a curiosidade é tarefa ociosa. O conhecimento do todo permitirá encontrar o talento onde parecia haver apenas uma sucessão indefinida de lamúrias.


Nina Lemos

Quatro os temas principais do romance: a viagem da narradora à Turquia (!), seu relacionamento com a mãe, a história do avô materno e o relacionamento doentio com um homem, que dos conflitos gratuitos degenera em sadismo. No meio caminho entre o autobiográfico e o ficcional, Tatiana Levy improvisa uma solução classificando a obra como autoficção: "Conto (crio) essa história ...". Trate-se da própria autora, ou de personagem, ou de "eu-lírico", chamemo-la simplesmente "narradora" a voz presente.

As referências autobiográficas podem ser traiçoeiras. Até que ponto uma vida é interessante o suficiente para servir à Literatura? "O 'eu' é uma comodidade gramatical, filosófica e psicológica", avaliou a escritora Marguerite Yourcenar, talvez porque falando de si, o escritor como que dispensa a investigação do que lhe é externo e privilegia o subjetivo, diminuindo os riscos da escrita e as chances de confronto. "O 'eu' é odioso", decretou Pascal. "O 'eu' é odioso, mas trata-se do eu dos demais", contraditou Valéry. "O 'eu' é odioso, dizeis. Não o meu", concluiu Gide a secular discussão francesa.

O ponto comum entre os dois livros são as referências à ditadura militar brasileira. Tatiana Levy e Nina Lemos descendem daquela parcela da geração anterior que se envolveu com a resistência. Sim, discorremos sobre livros escritos por pessoas com idade próxima a nossa, quiçá mais moças. O que muda é a abordagem individual. A narradora d'A chave de casa parece buscar na mãe a inspiração para a luta pela sobrevivência. No diálogo mantido com a mãe já desencarnada, esta "corrige" o texto da filha, atenuando-lha opção pelo doloroso. A confusão mental da personagem de Nina Lemos não a impede de descobrir que não gosta de ver malbaratados os valores defendidos por indivíduos que ainda são-lhe próximos e privam de seu afeto. Além disso, há coisas que, embora não sejam o foco de uma existência, acabam compondo históricos individuais e direcionamo-lhes o respeito e a consideração que tínhamos - ou temos - pelas pessoas a quem essas coisas eram caras.

O Ditadura da moda é ambíguo. Pode ser o despotismo estabelecido pela Moda, este ridículo sem objeção ou epidemia induzida, como sugeriram respectivamente Balzac e Shaw. Pode ser também a tirania do momento, da ocasião: no Brasil, a ditadura da moda é da Ignorância. Entre as piores consequências do regime ditatorial, seja ele qual for, está o descrédito em que lança o indivíduo quanto a sua capacidade de mudar. A personagem Ludimila Correa percebe a futilidade do meio em que vive. Embora enjoada, não cogita em procurar outro caminho pois a opção sequer consta de seu campo mental. As vozes que passa a escutar trazem a proposta intermitente de modificação, mas ela não consegue identificá-la. Quando encontrou um lugar onde pôde livrar-se das amarras e assumir-se, as vozes passaram, ela sossegou e abraçou, ainda que instintivamente a nova condição. Com as devidas reservas de tempo, lugar e estilo literário, Ludimila irmana-se a Jacinto, protagonista d'A cidade e a serra, de Eça de Queirós.

Como descrição sócio-espiritual de parcela da geração atual, o êxito do livro de Nina Lemos é inegável. O que pode causar rejeição é o vocabulário entremeado de palavrões e de referências vulgares. Não devemos confundir nem a autora, nem o livro com seus personagens. Ela escreveu o texto, mas não deu à luz nem criou as figuras que descreve. O registro fiel e detalhado das observações denuncia a postura crítica do escritor em relação ao observado, a menos que suavize seu discurso com justificativas condescendentes. Onde encontramos descontração e jocosidade numa primeira leitura, acabamos enxergando censura. Visitando um "congresso de modelos" e deparando-se com a pouca idade das candidatas à vida nas passarelas, Ludimila anota: "Olho de novo para as meninas e faço uma associação maluca com todos os produtos fabricados na China que comprei. Quem foi que disse que só eles trabalham com mão de obra infantil, heim?".



Ricardo de Mattos
Taubaté, 26/7/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Guia Prático do Português Correto da L&PM de Marcelo Spalding
03. Cheiro de papel podre de Carlos Goetteanuer
04. Ferreira Gullar em dose única de Pilar Fazito
05. Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos de Julio Daio Borges


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2010
01. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim - 30/8/2010
02. O cérebro espiritual, de Mario Beauregard - 27/12/2010
03. Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk - 15/11/2010
04. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza - 7/6/2010
05. Duas escritoras contemporâneas - 26/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Simples Pensamento Elevado
A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada
The Bhaktivedanta Book
(1991)



S.
John Updike
Fawcett Crest
(1989)



Is It Painful to Think ?
David Rothenberg
Minnesota
(1993)



Livro - Plantas Medicinais / Projeto Alecrim
Dagmar Santos Roveratti
Unimarco
(1999)



Historias de Guignard (2000)
Priscila Freire
Formato
(2000)



Como Transformar Informações Em Conhecimento: Fascículo 2
Celso Antunes
Vozes
(2001)



Vida na Floresta
Monica Jakievicius
Dcl
(2001)



Antonio de Alcantara Machado e o Modernismo
Luis Toledo Machado
Jose Olympio
(1970)



Os Gregos
Judith Crosher
Melhoramentos
(1988)



Moll Flanders (1971)
Daniel Defoe
Abril
(1971)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês