Resenha particular sobre um ano bom | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Eu sou a favor do impeachment, mas eu acho triste
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Sexta-feira, 19/1/2007
Resenha particular sobre um ano bom
Ana Elisa Ribeiro
+ de 6400 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Todo ano a gente pensa que o ano vindouro vai ser melhor. Tem que pensar mesmo, senão parece que a vida vai continuar sem graça. Será que algum ano passado foi bom? Ou é que a gente se esquece de avaliar? Ou será que queremos sempre o que não temos? Coloque-se aí um "ainda" que tudo fica bem. E então a responsabilidade fica pro próximo ano.

Eu sempre acho que quando as metas estão bem claras diante de nós, fica fácil ponderar sobre o que aconteceu e o que ficou parado. A meta pode ser um carro, um carro do ano, uma casa, um filho, uma viagem, um emprego X ou Y, um casamento, uma árvore, uma namorada, uma rede, água de coco, emagrecer, engordar, uma coleção de CDs, DVDs, um título acadêmico, o ensino fundamental, um livro, uma língua estrangeira, uma vaga no Itamaraty, na Guarda Municipal, no grupo Arcelor, a carteira assinada, a aposentadoria, uma casa de campo, um apê no Centro, montar um negócio, negocim, negocião, dinheirim, dinheirão, desencalhar, voltar para a doce vida de solteiro, aliança, alforria, não sair de cima do muro. Um ménage, LSD, cirurgia de miopia, redução de estômago, óculos de aros vermelhos, batinhas de hippie, lipoaspiração, terapeuta, marido novo, sair do armário, a Parada Gay, greve, um novo calendário. Cada um tem sua meta e as metinhas que vêm penduradas. Mas se não estiver claro o rumo, o caminhar fica parecendo apagado, esquisito, trôpego. As pessoas, em geral, precisam saber para onde vão. Quando ninguém diz, fica tudo a esmo.

2006 não foi a esmo, como de resto, em minha vida, nada foi. E quando a gente está em cima do salto, achando que tem o poder máximo de construir, escolher e fazer, um corte na fita faz com que tomemos tento, tome tento, como diria minha avó.

O carro usado, o carro novo, o apartamento financiado, essas são as coisas fáceis de enxergar na lista das prioridades. A viagem ao redor do mundo, a babação no Velho Mundo ou nos Estados Unidos da América, a praia e o campo, tudo isso é o óbvio. Mais fácil para uns do que para outros, são as missões de quase todos. Mas o filho que não estava no script subverte a listinha burguesa do final do ano.

Filho faz a gente alcançar coisas que levaria muito mais tempo para conquistar se estivéssemos ainda no ritmo egoísta das nossas torpezinhas. Filho faz a gente assumir contratos e posturas que achávamos que nossos pais tinham a obrigação de suprir para o resto dos nossos dias (e dos deles). Filho dá trabalho, mas ajusta a visão, dá coragem, força e uns desesperozinhos de vez em quando. Filho alinha, torna a gente estrategista, aumenta o foco, aperta as porcas e os parafusos, engrena, alucina, fortalece, aguça, torna a gente empreendedor, nem que seja dos metros quadrados que nos cabem, comprados ou de aluguel. Filho diz assim: toma tento, como dizia minha avó. Cada um em sua ponta, são eles que sabem de tudo. Filho faz os anos parecem menores, mais velozes, mais furiosos. Filho deixa a gente bravo. Filho é: se liga. Ainda mais responsável do que ser professor. Filho desanuvia e esclarece. Filho é precisão.

2006 não foi o ano da literatura. Não para mim, que fui leitora e observadora do ano todo. Não me ocorre nada de diferente, de extremamente bom entre os poucos lançamentos que desviaram meu olhar da costura diária. Mal conseguiram me desviar dos meus afazeres cotidianos.

A música não me fez quase comprar CD. Do que quis, eram todos coisa velha, CDs que eu queria ter desde 1990 ou coisa assim. Os primórdios de algum cantor morto ou quase isso. Trocar o vinil pelo CD, já que minha picape estragou, enferrujou, não toca mais.

Comprei um notebook que enfeita a mesa do escritório, um MP3 que não saiu da gaveta, um livro sobre história do livro que ainda não tive paciência de ler. Mas, em compensação, do que pude planejar, tudo vingou. Uns tantos seminários e congressos interessantes, uma ou outra boa cidade, a trabalho. Pessoas refinaram amizades, encrencas arrefeceram, amizades fake puseram fim no contato precário. Os cursos deram certo, menos um, o que terminou por ser bom. O emprego privado me deu condições de passar uns domingos no parque, vendo meu filho correr, já que ele pode. O guri, este sim, parece ter vivido um ano intenso: andou, correu, aprendeu o sim e o não, aprendeu a falar com fluência, exceto pelo R. Ainda lhe falta deixar a fralda e entrar para a escola, medidas já iniciadas para 2007. A cirurgia de miopia, do dia 10 de janeiro de 2006, proporcionou-me assistir a uns tantos bons filmes e a alguns nem tanto. O dia em que meus pais saíram de férias foi visto com meus olhos que a terra há de comer saudáveis. Ou mesmo com leve cansaço, mas tendo tido a experiência fantástica de ver sem muletas. Também foi com estes olhos ajustados que vi meu filho cair e se levantar, me dando lições que esperei de mestres maiores e mais preparados.

Dormi bem a maior parte das noites do ano. Perdi algumas trabalhando para pessoas que me deram o cano ou por projetos que não sairiam do papel. Noutras optei por chutar o balde e desfiar o sono dos merecedores. Tive quase sempre a companhia do marido, outras tantas vezes recebemos a visita noturna do garotinho amedrontado com algum sonho ou com as árvores na rua. A essa visita seguiam-se pontapés e abraços apertados. Sussurros e o ressonar do filho já seguro e confiante.

Assumi minha vaga como servidora pública federal, voltei para casa sã e salva, depois de uns arranhões na iniciativa privada. É bom que se frise que sou educadora, para que não se confundam alhos com bugalhos, como as faculdades privadas costumam fazer. Conheci tanta gente que nem pude contar. Estava mais preocupada em aprender-lhes os nomes. Uma infinidade de alunos com vidas tão incríveis que eu não podia divisar apenas nas aulas planejadas. Tenho certeza de que fiz diferença nas vidas de algumas pessoas. Na do marido, que também teve suas conquistas; na do filho, que parece ser quem mais aprende nesta casa; na dos alunos, que vieram sempre expôr suas caminhadas; na dos pais e irmãos; amigos; colegas.

Escrevi, escrevi muito durante o ano. 2007 promete ser o ano em que mais escreverei na vida. Em 2007 farei publicações, jornadas, seminários, leituras. 2006 foi, principalmente, o ano em que me afoguei nas leituras. Não dos literatos da nova geração, nem dos livros recém-lançados. Fui, ao contrário, conhecer o que estava nos sebos ou nas edições esgotadas. Fui rever, reler, me perguntar por que razões estamos onde estamos, a literatura está como está.

2006 foi um ano bom, para todos os critérios dos planejamentos particulares. Todas as contribuições que pude dar ao que excede a minha casa e a minha família, com meu trabalho, eu dei. 2007 me parece pouco mais do que mais uma oportunidade disso. Não perdi parentes, embora tenha corrido esse risco fortemente em alguns momentos. Só o fato de tê-los visto se levantar, assim como meu filho, me deu alento. Estavam todos se abraçando, mais ou menos abatidos, na virada do ano. Isso pode ser o suficiente por muito tempo.

Os livros escolhidos para 2007 estão a postos, em cima da mesa, na ordem em que devem ser saboreados. Nenhum deles foi lançado ontem. Todos aqueles nomes vão edificar alguma coisa e serão convertidos em parte das minhas tarefas e missões profissionais.

Bebi Amarula, almocei diversas vezes com pessoas muito queridas, jantei por muitas noites em varandas em que batia a brisa das amizades. Conheci pelo menos um bom restaurante onde curti tardes explícitas trocando palavras com meu marido. Conversando sobre os gostos das coisas, não mais do que isso, e já era tanto.

Não parece ter acontecido nada espetacular no cinema, na tevê, na literatura, no teatro, no horizonte dos shows e das pautas jornalísticas. Eleições, acidentes aéreos e desastres me parecem ter mais efeitos para cada uma das almas afetadas do que para os resenhistas preocupadíssimos com a produção literária gaúcha em série.

Foi, sim, um ano de acontecimentos diversos, desconhecidos, sem mediador no rádio ou na tevê. Por que é que a vida tem que parecer um espetáculo? Talvez por isso ela fique tão pouco iluminada para alguns. Os holofotes estão alugados para os mesmos artistas de sempre, o que me entedia. Enquanto isso, muita coisa acontece sem espalhafato. O problema não é o que vai acontecer, mas quem vai observar.


Ana Elisa Ribeiro
Campos dos Goytacazes, 19/1/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
02. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva
03. Imitação da Vida e as barreiras da intolerância de Carla Ceres
04. A rede contra as raposas analógicas de Carla Ceres
05. Pesquisando (e lendo) o jornalismo de Duanne Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/1/2007
08h31min
As metas são mesmo necessárias mas, vou ser sincera, entre todas as minhas resoluções de ano novo, pouquissimas foram as que se concretizaram. Em relação aos nomes que você disse estar tão preocupada em memorizar a principio, imagino que ainda não tenha guardado o meu e os de meus colegas. Nossa primeira e única aula com você foi esta semana mesmo, na quarta, turma de transportes e trânsito. Você deu uma aula muito boa, estávamos comentando isso ontem. Um começo desafiador... E que em 2007 os holofotes estejam voltados para o que realmente for bom. Beijos!
[Leia outros Comentários de Luiza Maciel]
19/1/2007
19h43min
Parabéns pelo ano que passou, que é sempre muito difícil, e principalmente pelo filho que está a observar atentamente...
[Leia outros Comentários de Luís César]
20/1/2007
15h31min
Quem me dera enxergar claramente minhas metas. Concordo que ter um rumo definido ajuda em muitas coisas, mas às vezes é como se eu me perdesse no caminho e já não sei mais o que quero. Gostei do seu texto; é impressionante a influência da leitura, um diálogo mudo entre leitor e autor, que revela muito de cada um. Abraço.
[Leia outros Comentários de Arthur Alves]
22/1/2007
13h08min
Como diz a expressão: "ANO NOVO, VIDA NOVA". Não adianta apenas esperar que o novo ano seja bom e não fazer nada para que realmente seja. Faça o seguinte, arrisque um pouco mais e nunca deixe de acreditar. Mantenha os pés firmes sobre o solo e a cada tropeço levante-se e siga em frente. Saia dos bastidores para assumir o papel principal. Planejar o ano e a vida, é muito bom. Mas, como disse Mike Tyson: "Todo mundo tem um plano, até ser nocauteado"!
[Leia outros Comentários de Gleiciano Sacramento]
24/1/2007
12h17min
Lindo o texto, Ana. De muita sensibilidade, sutileza e leveza. Que ao mesmo tempo que te lembra o 2006 na tua vida, rememora um monte de coisas boas, cenas agradáveis - como a brisa das amizades na varanda - na vida de quem te lê. Essas tais "pequenas coisas" são, no fim das contas, o que existe - porque o resto é mesmo holofote, maquiagem, produção. Boa sorte nesta trajetória de mãe e de professora, duas sinas lindas que te ajudam a escrever textos como este. Abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
24/1/2007
16h40min
ler você é muito bom! texto leve, mas com o peso preciso que deve ter uma pluma... sobre as metas... humm, em algum ponto as nossas se cruzarão... bj grande
[Leia outros Comentários de lenise]
26/1/2007
15h08min
Ana, já estão dizendo que "babo ovo" quando falo de você, mas, para mim, 2006 foi muito bom, entre outras coisas, porque descobri seus textos no Digestivo Cultural (mais que digestivo, antidepressivo, relaxante, viajante...), e começamos nossa amizade que acredito será daquelas que ficam para sempre, mesmo não trabalhando mais juntas. Muitas realizações e alegrias na vida pessoal e profissional para você em 2007! Áurea
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
24/2/2007
07h22min
Poderia, facilmente, ser a resenha de uma vida inteira. Quanta leveza e intensidade; teus textos chegam em mim plenos, em forma e conteúdo e desvendam cenas e desejos cotidianos com uma perene humanidade. Se alguém me perguntar agora sobre o sentido das coisas ou para onde vou, não terei dúvidas; vou para a leveza, de carona, rumo à mim mesmo. Até no sobressalto das doenças de assalto, superados e celebrados sem a vitoriosa arrogância. É uma carona gostosa, um prazer antigo, adormecido de não me lembrar. Não posso deixar de mencionar a clareza e objetividade sem excessos maneiristas que, às vezes, sucumbimos por imaturidade, vaidade ou mesmo vício. Gosto de ler assim, teu pulso e tua intenção; gosto dos teus verbos, do uso dos adjetivos, que não maltrata o leitor e oferece uma dinâmica, um curso simples, onde todos acabam encontrando suas próprias referências. O ano bom é inventário de uma vida boa, construída na relação com este mundo de saberes e entregas. Toma o sol e vai por aí...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Principios de Liderança de Jack Welch
Jeffrey A. Krames
Sextante
(2006)



Ecologia Em Debate
Marcia Kupstas Organizadora
Moderna
(1997)



A Caminho de um Novo Ser
José Luiz Teixeira
Naós
(2005)



Curso de Direito Constitucional
Manoel Gonçalves Ferreira Filho
Saraiva
(1971)



O Melhor do Pior
Evandro Santo
Matrix
(2013)



Qualquer Semelhança É Mera Coincidênciaa Máquina de Fatasias
Mauricio de Sousa
Mauricio D Sousa
(2018)



A Economia do Insumo-produto (1986)
Wassily Leontief
Nova Cultural
(1986)



100 Segredos das Pessoas Felizes
David Niven
Sextante
(2001)



O Meio Ambiente para as Crianças
Philippe Paraire
Scipione
(1991)



Bíblia as Grandes Narrações do Antigo Novo Testamento
B. Marchon
Scipione
(1994)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês