Raios, trovoadas e técnicos de informática | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival online reverencia mestres e mestras da cultura tradicional do Brasil
>>> Sesc Pinheiros recebe ‘Rio e também posso chorar - Fatal 50’, primeiro passo solo de Assucena
>>> Cia O Grito apresenta experimento cênico no Brás
>>> Amadores - com a Cia. Hiato
>>> Um dos maiores festivais de música do Rio chega para agitar os cariocas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marcelo Gleiser #EuMaior
>>> Falsos intelectuais
>>> Mosaico de Rancores, romance de Márcia Barbieri
>>> @mores bizarros
>>> Agonia
>>> PROCURA-SE
>>> 1 de Maio #digestivo10anos
>>> Chopin Andante Spianato
>>> Ideologia retrô
>>> 31 de Agosto #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Homem Sem Qualidades, O de Robert Musil pela Nova Fronteira (1989)
>>> Alexis Ou O Tratado Do Vão Combate de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Escritos de Antonin Artaud - Rebeldes Malditos 5 de Cláudio Willer pela L&PM (1983)
>>> Devassos no Paraíso de João Silvério Trevisan pela Maxlimonad (1986)
>>> A Volta da Prisão de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1992)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Os 120 Dias de Sodoma de Marquês de Sade pela Aquarius (1980)
>>> Notas A Margem Do Tempo de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1988)
>>> Revisão de Sousândrade de Augusto e Haroldo de Campos pela Nova Fronteira (1982)
>>> Os 11 Sexos. As Multiplas Faces Da Sexualidade Humana de Ronaldo Pamplona da Costa pela Gente (1994)
>>> Os 11 Sexos. As Multiplas Faces Da Sexualidade Humana de Ronaldo Pamplona da Costa pela Gente (1994)
>>> Etiqueta Sem Frescura de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos (1995)
>>> A Vida Cotidiana de Freud e Seus Pacientes de Lydia Flem pela L&PM (1986)
>>> Medicina Holística: A harmonia do ser humano de Dr. Sérgio Teixeira pela Campus (2003)
>>> Hélio Pellegrino de Paulo Roberto Pires pela Relume Dumará (1998)
>>> Curando Corações de Dr. Roque Marcos Savioli pela Gente (2004)
>>> Os Que Partem Os Que Ficam de Evaldo Alves D'Assumpção pela Vozes (1991)
>>> O Corpo Tem Suas Razões: Antiginástica e Consciência de Si de Thérèse Bertherar e Carol Bernstein pela Martins Fontes (1977)
>>> A Competência ao Alcance de Todos de Laurence J. Peter pela José Olympio (1979)
>>> Quase Memória - Quase-Romance de Carlos Heitor Cony pela Companhia das Letras (1995)
>>> O Sucesso é Ser Feliz de Roberto Shinyashiki pela Gente (1997)
>>> O Mundo de Sofia: Romance da História da Filosofia de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (1995)
>>> Academia de Vampiros 1, 2 e 3 (O Beijo das Sombras, Aura Negra e Tocada pelas Sombras) de Richelle Mead pela Nova Fronteira (2009)
>>> Mundo das Sombras : Vampiro Secreto (Vol.1) de Lisa J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Desirée de Annemarie Selinko pela Abril Cultural (1975)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/10/2009
Raios, trovoadas e técnicos de informática
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um raio desses enviados por São Pedro e minha placa de rede se foi. Aproveitando que a máquina já não era mais aquela, resolvi turbinar e tunar meu computador. As máquinas de escrever (datilografar ― algo que, na etimologia, continuamos a fazer) duravam mais. Até a vida inteira. Já troquei de computador incontáveis (e incontornáveis) vezes nesses quinze anos de "popularização da informática". E esta é minha enésima torre para um computador de mesa (em que escrevo bem mais confortavelmente do que em portáteis).

A placa de rede estava em curto-circuito. Umas coisas piscando sem parar, outras continuamente acessas. Tudo anormal. Uma peça esquentando demais. O pânico só não me acometeu porque eu havia feito cópias de segurança dos arquivos e, além do mais, o raio não queimara a máquina, apenas a placa que me liga à internet. Arre! Mas isso é muita coisa, camaradas. Ficar sem internet, hoje, é como estar alijado de um universo em que tudo acontece: trabalho, amigos, diversão, contatos, passado, presente e futuro, não necessariamente nessa ordem.

A decisão de desconectar tudo e correr para a assistência técnica mais próxima não podia demorar muito. Sem placa, nada de e-mails. Talvez essa fosse a questão mais grave. Em momento crítico da organização de várias coisas importantes, não ter e-mail é quase a falência dos eventos. A assistência técnica é ali na esquina, literalmente. O custo de vida aqui é menor do que em outras zonas da cidade, sem faltar nada, nem sobrar, o que também é importante. Os meninos que nos atendem na lojinha são caladões, mas resolvem nossos problemas com alguma eficiência. Talvez essa mesma eficiência custasse três ou quatro vezes mais em outro lugar.

Quem vai consertar computador está sempre com pressa, digo, a vítima. É como prestar serviços de revisão, em qualquer setor. As pessoas chegam contando histórias trágicas, de prejuízos e de prazos. O técnico que se vire com tanta encrenca alheia. Fiz o mesmo. Contei casos de prazos e projetos que poderiam ir por água abaixo. É claro que o técnico manteve um sorriso sutil no canto da boca, mas fez cara de quem compartilhava comigo aquela dor de não poder ler e-mails. Quase cheguei a pensar que o havia convencido de que minha máquina merecia mais e mais urgente atenção do que as tantas outras que deviam estar ali no andar de cima, na "oficina". Fiz a pergunta D: "Quando fica pronto? Hoje?". Ao que ele respondeu com um mal-disfarçado risinho de escárnio: "Amanhã ou depois, porque tem um bocado de máquina na frente". Pelo menos não me chamou de "dona". Já me dei por satisfeita. Esses meninos são educados, negociantes educados.

Lá se vai minha placa. E aquela sensação de que posso estar sendo enganada? O que faço com ela? Sabe lá que coisas vão querer trocar dentro daquele gabinete preto. Ele abriu tudo na minha frente. Mostrou as luzes piscantes e contínuas. Pediu meu dedinho para sentir o superaquecimento de um componente. Pôs as mãos nas ventuinhas, no processador. Disse que meu disco rígido estava a salvo e prometeu mais um backup. Aproveitei para desfiar todos os outros problemas do computador: o som não funciona, o Word está lento, às vezes ele não liga, embora dê aquele estalinho. O técnico aproveitou para me dar uma bronca por conta da quantidade de arquivos no desktop. "Isso também faz sua máquina ficar lenta para abrir". Mas, mal sabe ele, isso não tem jeito.

Técnico de informática, médico e designer têm que estar (e ser) preparados para ouvir as pessoas. Sei que isso é meio polêmico e que nem todo profissional vai querer tomar esse trabalho para si, mas é importante saber ouvir. Não estou dizendo que esses caras precisem ficar horas ouvindo as agruras do "paciente". Se fosse isso, eu teria incluído na lista os psicólogos e os terapeutas de toda espécie. Não é isso. Refiro-me ao "saber ouvir" para interpretar os problemas e tomar decisões acertadas (ou, ao menos, com essa intenção).

A dona Maria chega no consultório médico com a seguinte queixa: "Dotô, tô com a espinhela caída e isso me dá uma dor danada. Ontem, além disso, meu joelho embodocou. E na quarta passada fiquei com um pouco de dor aqui na cacunda". O doutor examina, põe a mão e ajeita lá o remédio da dona. A espinhela caída ele sabe o que é, assim como o problema do joelho e da cacunda. Tudo com a mesma origem na má postura da Maria. O designer ouve assim: "Queria fazer um cartão de visitas bem moderninho, com um formato assim arrojado, mas não pode ser retangular, entende?". Ele propõe uma solução gráfica e lá vem o cliente: "Não gosto dessa cor, ela me dá uma sensação de angústia. Queria uma cor mais moderna, tipo assim, parecida com um disco do Backstreet Boys que tenho em casa. Quem sabe verde-limão e prata? Mas aí você mantém o preço, né?". O técnico de informática ouve a queixa apressada: "O computador está fazendo um barulhinho tipo um grilo, aqui, mais ou menos do lado esquerdo do gabinete. Quando eu ligo, dá um estalo, liga o ventilador, mas ele demora a entrar no Windows. Será que é no HD?". E esta lista ainda poderia ser acrescida dos técnicos em geral, especialmente os mecânicos de carros.

É quase adivinhação. É a piada do cara que cobrou mil reais para apertar um parafuso. Enquanto os outros cobravam caro e não resolviam o problema. Este cara cobrou o justo e apenas apertou um parafuso. Quanto valia isso? Saber onde está o parafuso. Os técnicos são pagos para saber onde ficam os itens que podem se estragar. Eles detêm um conhecimento que custa caro a quem não sabe o que é uma placa-mãe e como ela funciona. E como ficamos vulneráveis nessa brincadeira. São Pedro manda um raio queimar minha placa de rede (já sei, preciso pedir ressarcimento à companhia elétrica) e lá vou eu depender de um técnico. Sorte minha se São Pedro me indicar um técnico honesto. Assim foi com o computador, com meu modem, com minha tevê e com meu som, que também sentiram a tempestade da semana passada.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
03. Quero ser Marina Abramović de Elisa Andrade Buzzo
04. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges
05. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009
05. Eu + Você = ? - 27/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2009
14h16min
Se coincidência existe... aproveito seu texto para desabafar. Sei muito bem o que é não ser "ouvida". Veja só, estou pelejando há mais de uma semana com o cartucho da minha impressora. Comprei 3 e nenhum funcionou. Depois de idas e vindas, e vários telefonemas, a loja acabou devolvendo meu dinheiro, mas não consegui falar e reclamar com o fabricante: Multilaser. Não respondem e-mail, o 0800 não atende e o on-line não é on-line: eles pedem para enviar um e-mail e responder em 48 horas!! E a resposta deles é para enviar o cartucho com defeito, super embalado, com identidade, CPF e o diabo (só faltou pedir cartão de vacina) que eles darão retorno após 30 dias!!! Esse merece ganhar o prêmio, não é? E olha só: o seu texto acaba transformando esse sofrimento em prazer... você é danada, menina.
[Leia outros Comentários de Aurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias de Linguagens - Pesquisa e Ensino (lacrado)
Marinalva Barbosa, Carlos Francisco de Morais
Mercado de Letras
(2017)



Livre-se da Síndrome da Super Esposa
Carin Rubenstein
Gente
(2010)



Alemão - Método Prático de Conservação
Ute Hitchin e Jill Norman
Presença - Martins Fontes
(1980)



Kairós
Marcelo Rossi; Fábio de Melo
Principium
(2013)



A-z Great Modern Artists
Andy Tuohy
Cassell Uk
(2015)



A Carícia Essencial: uma Psicologia do Afeto
Roberto Shinyashiki
Gente



Sobre Schmidt
Louis Begley
Companhia das letras
(1999)



O Rio de Janeiro no Tempo dos Vice-reis
Luiz Edmundo
Conquista
(1956)



República dos Bacharéis no Século XXI (lacrado)
André Luís Alves de Melo
Lumen Juris
(2016)



De Cabeça Para Baixo
Fernando Sabino
Record
(1990)





busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês