Desperte seu lado Henry Ford | Débora Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 17/8/2010
Desperte seu lado Henry Ford
Débora Carvalho

+ de 5800 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

"Se eu tivesse perguntado aos clientes o que eles precisavam, eles teriam dito um cavalo mais rápido." (Henry Ford)

Li a frase essa semana, em um blog de marketing. Me identifiquei na hora com ela e me senti um pouco Henry Ford. Só que ao mesmo tempo que senti orgulho de mim mesma, por causa da minha habilidade em entender o que meus clientes de comunicação precisam, também senti uma grande frustração. É que muitas vezes eles insistem em pagar pelo produto errado e se recusam a aceitar o que vai, de fato, suprir suas necessidades.

Outro motivo de frustração é o impedimento psicológico que eu tenho para fazer apenas o que me é pedido. Por exemplo, corrigir um texto. Não consigo apenas corrigir erros de digitação e de português. Se o conteúdo está desconexo, se há parágrafos ou frases no lugar errado, eu tenho que editar. Não consigo permitir que um texto passe por mim sem editá-lo. Mesmo que o orçamento tenha sido apenas para a questão gramatical.

O ruim é que isso traz muito prejuízo de tempo e energia. Mas o bom é que essa habilidade tem me gerado indicações para outros trabalhos. Quando pensei nisso, a sensação de frustração passou, pois se tivesse dito não ao meu lado Henry Ford, teria perdido a indicação para outro trabalho que apareceu justamente porque ofereci ao cliente o que ele precisava, e não apenas o que ele "achava" que era suficiente.

Costumo valorizar bastante esse tipo de visão em outras pessoas. Se é verdade que a gente costuma julgar o mundo de acordo com nossos próprios valores, então é isso que faço. Meu esposo acha graça. Por exemplo, outro dia uma garota de telemarketing ligou no celular do meu esposo perguntando sobre o plano que ele tinha, dizendo que tinha algo melhor se ele mudasse de operadora. Antes de apresentar a proposta, fez uma porção de perguntas sobre o perfil do usuário. Se usava ligava mais para fixo ou móvel, se fazia interurbanos, qual a frequência média de tempo para cada tipo de ligação. Ele falou do plano atual e respondeu que ligava muito para fixo, e raramente pra móvel e nunca fazia interurbano. E ela sugeriu que ele trocasse de operadora pois a vantagem era que ele pagaria tarifa reduzida para outros celulares, e ainda teria 200 minutos para usar de fixo para fixo dentro da mensalidade, sendo que no plano atual ele poderia falar até mil minutos para fixo. Estava no viva-voz e eu não pude me conter. Caí na gargalhada:

― Essa mulher tá achando que você é retardado!? Em que planeta 200 minutos para fixo é melhor do que mil minutos, sendo que você acabou de dizer que não liga pra celulares? De que vai te adiantar a tarifa reduzida se não vai usar, e vai perder 80% do que você tem para falar com fixos?

Queimou o filme da operadora. E olha que um dos meus SIMs é dela e até então eu chamava todo mundo pra fazer portabilidade. A verdade é que a garota não ouviu uma palavra das respostas às perguntas sobre o perfil do cliente. Só perdeu tempo ouvindo e oferecendo algo que não atendia às necessidades do cliente que queria "roubar", e ainda me fez rir muito por conta da sua ignorância e insensibilidade.

Outra coisa que eu detesto é o atendimento do banco onde sou correntista. Toda vez que preciso falar com algum atendente pelo telefone, ao final do atendimento vem a ladainha:

― Senhora Débora, posso te fazer uma pergunta?

― Pode.

― A senhora é casada ou tem filhos?

― Quem são, atualmente, as pessoas mais importantes na vida da senhora? ... Eu estou perguntando isso, senhora Débora, porque a gente sempre se preocupa com as pessoas que a gente ama e quer deixar elas seguras, correto? Claro, né? Então, a senhora gostaria de fazer um seguro para acidentes pessoais para garantir a segurança dessas pessoas que a senhora tanto ama caso venha a acontecer alguma coisa, ou mesmo para o caso da senhora vir a faltar um dia?

― Não, obrigada. No momento eu não tenho interesse.

― Mas mesmo se eu te disser que por apenas nove reais por mês, a senhora ainda pode concorrer a uma importância de 200 mil reais dos quais pode usufruir ainda em vida caso venha a ser contemplada?

― Não, obrigada. Eu realmente não tenho interesse.

― Mas a senhora pode escolher o dia de desconto automático na sua conta. Pode ser o dia que a senhora quiser. Nove reais para garantir a segurança das pessoas que a senhora ama iria pesar no orçamento da senhora?

― Não.

― Então, senhora Débora, que dia fica melhor o desconto em conta?

― Nenhum, eu não tenho interesse nesse tipo de produto.

― Mas se caso a senhora for contemplada no sorteio de 200 mil reais, a senhora pode usufruir ainda em vida. E também tem a cobertura de 50 mil reais para acidentes pessoais, e auxílio financeiro para despesas com funerária caso a senhora venha a faltar, vindo assim a dar tranquilidade para os seus queridos.

― Obrigada, mas se um dia eu tiver interesse eu procuro o banco para contratar o produto, pode ser? No momento eu realmente não tenho interesse.

― Tudo bem, senhora Débora. Obrigada pela atenção.

Nesse caso, eu não sei onde é que está o problema. Sou eu quem não quer o que preciso, ou a atendente do banco que não entende que quer me vender algo que não preciso e fica meia hora perdendo tempo?

Ah, outra coisa que é o fim do mundo é o garçom que fica insistindo que eu beba refrigerante ou suco. Não tenho o hábito de tomar líquido junto das refeições principais, como almoço e jantar. Refrigerante não bebo. Suco de frutas bebo nos intervalos. E tem lugar que a gente vai comer e o garçom passa de cinco em cinco minutos perguntando.

― A senhora vai beber o quê?

― Vai pedir agora, senhora?

― Já pediu a bebida, senhora?

Aí vem o gerente:

― Sua bebida ainda não veio? A senhora pediu o quê?

Dá vontade de gritar:

― Eu não quero beber nada!

Mas eu não sou idiota de achar que ficam perguntando sobre a bebida por querer atender minha necessidade, mas sim a deles. As bebidas são sempre muito caras e lucrativas nos restaurantes. No meu caso, o benefício fica para quem vai pagar a conta.

Gente, e nas lojas? É a maior comédia. Quando a gente pede o sapato modelo "x" da vitrine, no número "y", e não tem, os vendedores trazem vinte pares de sapatos nada a ver. Um mais feio que o outro. Quando não tem a cor que a gente quer, é um desastre. Azar o deles, né? Quem vai ter que guardar tudo não sou eu. Deviam ao menos perguntar se a gente gostaria de ver outros modelos caso não tenha aquele.

Agora, a pior coisa é quando a gente experimenta uma roupa que ficou horrorosa, uma calça que ficou muito apertada, por exemplo, está horrível e a vendedora insiste que ficou linda. Eu devolvo. Nem procuro outras peças numa loja onde sou atendida com tanta falsidade. Por outro lado, sou capaz de levar tudo o que posso pagar em uma loja onde o vendedor ou vendedora me apresenta coisas que realmente combinam comigo, e orienta se a peça realmente ficou boa ou não. Sou assim com tudo.

Custa ter sensibilidade para atender a gente direito? Sei lá, eu acho que todo mundo devia ter um lado meio Henry Ford. Eu sei que tenho o meu. Isso me faz, na maioria das vezes, trabalhar mais. Só que a satisfação é muito maior.

Se Henry Ford não tivesse pensado como pensou, jamais teria sido o grande inventor e empresário do setor automobilístico que foi. Tudo bem que talvez nosso ar não estivesse tão poluído hoje, mas é muito bom quando a gente encontra aquilo que realmente precisa. Seja em produto ou serviço. E é muito satisfatório quando a gente consegue fazer isso por alguém ou empresa. Chega de mediocridade. Chega de insensibilidade.

Nota do Editor
Leia também "Henry Ford".


Débora Carvalho
São Paulo, 17/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
02. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro
03. Sinédoque São Paulo de Duanne Ribeiro
04. Um software em crise existencial de Wellington Machado
05. Gustavo Rezende: uno... duplo... de Humberto Pereira da Silva


Mais Débora Carvalho
Mais Acessadas de Débora Carvalho em 2010
01. Choque de realidade no cinema - 23/2/2010
02. Por que comemorar o dia das mães? - 4/5/2010
03. Metade da laranja ou tampa da panela? - 13/7/2010
04. Orgasmo ao avesso - 22/6/2010
05. Desperte seu lado Henry Ford - 17/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO INFANTIL
RUBEM ROCHA FILHO
LIDADOR
(1970)
R$ 12,00



O DESMONTE DE VÊNUS - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
TOTALIDADE
(2009)
R$ 15,17



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 20,00



ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO: O MESTRE DA SENSIBILIDADE-LIVR
AUGUSTO JORGE CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2000)
R$ 10,00



MAIS FORTE EM MENOS TEMPO, EXERCÍCIOS DIÁRIOS PARA GANHAR O MÁXIM
BRIAN PAUL KAUFMAN E SID KIRCHHEIMER
LYON
(2001)
R$ 67,98



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



CONTOS E CAUSOS DO RIO ARAGUAIA
FERNANDO ANTÔNIO SGRECCIA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 8,00



SERVIÇO SOCIAL - DOCUMENTO HISTÓRICO
MARIA ESOLINA PINHEIRO
CORTEZ
(1985)
R$ 34,90



A QUESTÃO AMBIENTAL
LUIZ EDMUNDO DE MAGALHÃES COORDENADOR
TERRAGRAPH
(1994)
R$ 50,00



ARQUITETURA CIVIL III MOBILIÁRIO E ALFAIAS
VÁRIOS AUTORES
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(1975)
R$ 45,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês