Desperte seu lado Henry Ford | Débora Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> CONVITE, 14/08, 19h || Querido Embaixador, exibição especial seguida de debate
>>> Kyungso Park se apresenta dia 15 na Caixa Cultural Brasília
>>> Dia Mundial da Fotografia no Museu da República (RJ)
>>> SHOW SPYAIR
>>> Mariana Xavier fala sobre o canal Mundo Gordelícia no Viralizando
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arrington pós-TechCrunch
>>> Como se vive uma vida vazia?
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Autobiografia teológica
>>> Tumblr: a renovação dos blogs
>>> 10 grandes
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela circulo do Livro (1981)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1978)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1979)
>>> Um Tesouro de Contos de Fadas de Vários (Clássicos Recontados) pela Ds max
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas da Oceania de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas das Américas de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Arcanjo Zadkiel e os Anos dos Milagres de Elizabeth Clare Prophet pela Nova Era (2009)
>>> Obras Escogidas: los Buddenbrook/ Alteza Real/ Señor y Perros de Thomas Mann/ (prêmio Nobel- 1929) pela Aguilar, Madrid (1956)
>>> Obras Escogidas (tomo Ii): Bajo las Estrellas de Otoño... de Knut Hamsun (prêmio Nobel- 1920) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Maçonaria Religião e Simbolismo de Samuel Nogueira Filho pela Traço (1984)
>>> Comedias Escogidas: El Nido Ajeno/ La Noche del Sábado... de Jacinto Benavente (prêmio Nobel/ 1922) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Obras Escogidas: Mirèio/ Calendau/ Las Islas di Oro... de Frédéric Mistral pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> Os Bruxos de Machu Picchu - Os Cinco Degraus do Conhecimento de Padma Patra pela Madras (1997)
>>> Comedias Escogidas/ Héroes/ Cándida/; Trata de Blancas/ Fascinación... de Bernard Shaw (premio Nobel 1925) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obras Ecogidas : una Aldea/ El Amor de Mitia y Otros Cuentos... de Iván Bunin/ (prêmio Nobel- 1933) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obra Escojida: Lírica Breve/ Teatro/ Cuento/ Aforismo... de Rabindranaz Tagore (premio Nobel 1913) pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> A língua de eulália de Marcos Bagno pela Editora Contexto (2014)
>>> Um dia de David Nicholls pela Intrínseca (2012)
>>> A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> A culpa é das estrelas de John Green pela Intrínseca (2012)
>>> Os dois ou o inglês maquinista de Martins Pena pela Ibep Jovem (2013)
>>> O herói perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> O filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Cinco Minutos de José de Alencar pela L&PM Pocket (2011)
>>> O doente imaginário de Molière pela Editora 34 (2011)
>>> Iracema / Cinco Minutos de José de Alencar pela Martin Claret (2010)
>>> Bruxaria Contemporânea de Luciana Pereira Machado pela Pallotti (2008)
>>> O médico e o monstro de Robert Louis Stevenson pela Martin Claret (2013)
>>> Isaac Newton e sua maçã de Kjartan Poskitt pela Companhia das Letras (2011)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Editora Ática (2011)
>>> A Verdade sobre o Sudário de Kenneth E. Stevenson e Gary R. Habermas pela Paulinas (1983)
>>> A pirâmide vermelha de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> Espumas Flutuantes de Catro Alves pela Editora Escala (2018)
>>> Os cientistas e seus experimentos de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um certo capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Companhia das Letras (2010)
>>> O poeta do exílio de Marisa Lajolo pela FTD (2011)
>>> Cromo-Cristal-Terapia na Apometria de Elizabeth Monteiro Schreiner pela Kuarup (1999)
>>> Uma Ideia Solta no Ar/ Girassol de Pedro Bandeira/ Ilustrações: Rogério Borges pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Um Anjo no Jardim/ Veredas de Lino de Albergaria/ Ilustr. Nélson Cru pela Moderna/ SP. (1993)
>>> O Senhor dos Pesadelos de Elisabeth Maggio pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Iniciação ao Tarô de Pedro Camargo pela Nova Era (1996)
>>> Sopa de Letrinhas de Teresa Noronha pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Sai pra Lá, Dedo-duro de Fanny Abramovich pela Moderna/ SP. (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 17/8/2010
Desperte seu lado Henry Ford
Débora Carvalho

+ de 5500 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

"Se eu tivesse perguntado aos clientes o que eles precisavam, eles teriam dito um cavalo mais rápido." (Henry Ford)

Li a frase essa semana, em um blog de marketing. Me identifiquei na hora com ela e me senti um pouco Henry Ford. Só que ao mesmo tempo que senti orgulho de mim mesma, por causa da minha habilidade em entender o que meus clientes de comunicação precisam, também senti uma grande frustração. É que muitas vezes eles insistem em pagar pelo produto errado e se recusam a aceitar o que vai, de fato, suprir suas necessidades.

Outro motivo de frustração é o impedimento psicológico que eu tenho para fazer apenas o que me é pedido. Por exemplo, corrigir um texto. Não consigo apenas corrigir erros de digitação e de português. Se o conteúdo está desconexo, se há parágrafos ou frases no lugar errado, eu tenho que editar. Não consigo permitir que um texto passe por mim sem editá-lo. Mesmo que o orçamento tenha sido apenas para a questão gramatical.

O ruim é que isso traz muito prejuízo de tempo e energia. Mas o bom é que essa habilidade tem me gerado indicações para outros trabalhos. Quando pensei nisso, a sensação de frustração passou, pois se tivesse dito não ao meu lado Henry Ford, teria perdido a indicação para outro trabalho que apareceu justamente porque ofereci ao cliente o que ele precisava, e não apenas o que ele "achava" que era suficiente.

Costumo valorizar bastante esse tipo de visão em outras pessoas. Se é verdade que a gente costuma julgar o mundo de acordo com nossos próprios valores, então é isso que faço. Meu esposo acha graça. Por exemplo, outro dia uma garota de telemarketing ligou no celular do meu esposo perguntando sobre o plano que ele tinha, dizendo que tinha algo melhor se ele mudasse de operadora. Antes de apresentar a proposta, fez uma porção de perguntas sobre o perfil do usuário. Se usava ligava mais para fixo ou móvel, se fazia interurbanos, qual a frequência média de tempo para cada tipo de ligação. Ele falou do plano atual e respondeu que ligava muito para fixo, e raramente pra móvel e nunca fazia interurbano. E ela sugeriu que ele trocasse de operadora pois a vantagem era que ele pagaria tarifa reduzida para outros celulares, e ainda teria 200 minutos para usar de fixo para fixo dentro da mensalidade, sendo que no plano atual ele poderia falar até mil minutos para fixo. Estava no viva-voz e eu não pude me conter. Caí na gargalhada:

― Essa mulher tá achando que você é retardado!? Em que planeta 200 minutos para fixo é melhor do que mil minutos, sendo que você acabou de dizer que não liga pra celulares? De que vai te adiantar a tarifa reduzida se não vai usar, e vai perder 80% do que você tem para falar com fixos?

Queimou o filme da operadora. E olha que um dos meus SIMs é dela e até então eu chamava todo mundo pra fazer portabilidade. A verdade é que a garota não ouviu uma palavra das respostas às perguntas sobre o perfil do cliente. Só perdeu tempo ouvindo e oferecendo algo que não atendia às necessidades do cliente que queria "roubar", e ainda me fez rir muito por conta da sua ignorância e insensibilidade.

Outra coisa que eu detesto é o atendimento do banco onde sou correntista. Toda vez que preciso falar com algum atendente pelo telefone, ao final do atendimento vem a ladainha:

― Senhora Débora, posso te fazer uma pergunta?

― Pode.

― A senhora é casada ou tem filhos?

― Quem são, atualmente, as pessoas mais importantes na vida da senhora? ... Eu estou perguntando isso, senhora Débora, porque a gente sempre se preocupa com as pessoas que a gente ama e quer deixar elas seguras, correto? Claro, né? Então, a senhora gostaria de fazer um seguro para acidentes pessoais para garantir a segurança dessas pessoas que a senhora tanto ama caso venha a acontecer alguma coisa, ou mesmo para o caso da senhora vir a faltar um dia?

― Não, obrigada. No momento eu não tenho interesse.

― Mas mesmo se eu te disser que por apenas nove reais por mês, a senhora ainda pode concorrer a uma importância de 200 mil reais dos quais pode usufruir ainda em vida caso venha a ser contemplada?

― Não, obrigada. Eu realmente não tenho interesse.

― Mas a senhora pode escolher o dia de desconto automático na sua conta. Pode ser o dia que a senhora quiser. Nove reais para garantir a segurança das pessoas que a senhora ama iria pesar no orçamento da senhora?

― Não.

― Então, senhora Débora, que dia fica melhor o desconto em conta?

― Nenhum, eu não tenho interesse nesse tipo de produto.

― Mas se caso a senhora for contemplada no sorteio de 200 mil reais, a senhora pode usufruir ainda em vida. E também tem a cobertura de 50 mil reais para acidentes pessoais, e auxílio financeiro para despesas com funerária caso a senhora venha a faltar, vindo assim a dar tranquilidade para os seus queridos.

― Obrigada, mas se um dia eu tiver interesse eu procuro o banco para contratar o produto, pode ser? No momento eu realmente não tenho interesse.

― Tudo bem, senhora Débora. Obrigada pela atenção.

Nesse caso, eu não sei onde é que está o problema. Sou eu quem não quer o que preciso, ou a atendente do banco que não entende que quer me vender algo que não preciso e fica meia hora perdendo tempo?

Ah, outra coisa que é o fim do mundo é o garçom que fica insistindo que eu beba refrigerante ou suco. Não tenho o hábito de tomar líquido junto das refeições principais, como almoço e jantar. Refrigerante não bebo. Suco de frutas bebo nos intervalos. E tem lugar que a gente vai comer e o garçom passa de cinco em cinco minutos perguntando.

― A senhora vai beber o quê?

― Vai pedir agora, senhora?

― Já pediu a bebida, senhora?

Aí vem o gerente:

― Sua bebida ainda não veio? A senhora pediu o quê?

Dá vontade de gritar:

― Eu não quero beber nada!

Mas eu não sou idiota de achar que ficam perguntando sobre a bebida por querer atender minha necessidade, mas sim a deles. As bebidas são sempre muito caras e lucrativas nos restaurantes. No meu caso, o benefício fica para quem vai pagar a conta.

Gente, e nas lojas? É a maior comédia. Quando a gente pede o sapato modelo "x" da vitrine, no número "y", e não tem, os vendedores trazem vinte pares de sapatos nada a ver. Um mais feio que o outro. Quando não tem a cor que a gente quer, é um desastre. Azar o deles, né? Quem vai ter que guardar tudo não sou eu. Deviam ao menos perguntar se a gente gostaria de ver outros modelos caso não tenha aquele.

Agora, a pior coisa é quando a gente experimenta uma roupa que ficou horrorosa, uma calça que ficou muito apertada, por exemplo, está horrível e a vendedora insiste que ficou linda. Eu devolvo. Nem procuro outras peças numa loja onde sou atendida com tanta falsidade. Por outro lado, sou capaz de levar tudo o que posso pagar em uma loja onde o vendedor ou vendedora me apresenta coisas que realmente combinam comigo, e orienta se a peça realmente ficou boa ou não. Sou assim com tudo.

Custa ter sensibilidade para atender a gente direito? Sei lá, eu acho que todo mundo devia ter um lado meio Henry Ford. Eu sei que tenho o meu. Isso me faz, na maioria das vezes, trabalhar mais. Só que a satisfação é muito maior.

Se Henry Ford não tivesse pensado como pensou, jamais teria sido o grande inventor e empresário do setor automobilístico que foi. Tudo bem que talvez nosso ar não estivesse tão poluído hoje, mas é muito bom quando a gente encontra aquilo que realmente precisa. Seja em produto ou serviço. E é muito satisfatório quando a gente consegue fazer isso por alguém ou empresa. Chega de mediocridade. Chega de insensibilidade.

Nota do Editor
Leia também "Henry Ford".


Débora Carvalho
São Paulo, 17/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
02. Correio de Elisa Andrade Buzzo
03. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo


Mais Débora Carvalho
Mais Acessadas de Débora Carvalho em 2010
01. Choque de realidade no cinema - 23/2/2010
02. Por que comemorar o dia das mães? - 4/5/2010
03. Metade da laranja ou tampa da panela? - 13/7/2010
04. Orgasmo ao avesso - 22/6/2010
05. Desperte seu lado Henry Ford - 17/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACCIÓN Y SÍMBOLO EN MIGUEL DE CERVANTES SAAVEDRA - BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ (LITERATURA ESPANHOLA)
BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ
USP - FACULDADE DE DIREITO
(1940)
R$ 50,00



INSTABILIDADE DO CANTO
HENRIQUE SIMAS
JOSÉ OLYMPIO
(1963)
R$ 8,97



DICIONÁRIOS BERTRAND FRANCÊS - PORTUGUÊS
JEAN ROUSÉ
BERTRAND
(1986)
R$ 8,00



CASTRO ALVES- IMAGENS FRAGMENTADAS DE UM MITO
EDILENE MATOS
EUC- FAPESP
(2001)
R$ 24,90



MICHELANGELO - A RENASCENÇA - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 6,00



OS GRANDES PINTORES DA HISTÓRIA QUERO SABER POCKET
CONSTANTINO KOUZMIN-KOROVAEFF (TRADUÇÃO)
ESCALA
(2007)
R$ 8,00



TRÈS SAGE HÉLOISE - ROMAN
JEANNE BOURIN
LA TABLE RONDE
(1966)
R$ 14,90



GUIA PRÁTICO DE INVESTIMENTOS DAS BEARDSTOWN LADIES
BEARDSTOWN LADIES
SALAMANDRA
(1994)
R$ 20,00



MARIA NO NOVO TESTAMENTO
R.E. BROWN, K.P. DONFRIED, J.A. FITZMYER, J. REUMANN (ORG)
EP
(1986)
R$ 79,90
+ frete grátis



ANTOLOGIA POETICA
MANUAL BANDEIRA
NOVA FRONTEIRA
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês