Henry Ford | Monteiro Lobato

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> Auto da Barca do Inferno de Gilvicente pela Estadão
>>> Bússola - a Invenção Que Mudou o Mundo de Amir D. Aczel pela Zahar (2002)
>>> A Democracia como Proposta de Francisco Weffort pela Ibasa (1991)
>>> Ações de Combate a Pobreza Rural - Vol 6 de Carlos Miranda e Cristina Costa pela Iica (2007)
>>> Propaganda para quem pqga a conta de Plínio Cabral pela Summus (2001)
>>> Gestão do Conhecimento de Harvard Business Review pela Elsevier (2000)
>>> Vitoriosa espinhos e perfumes de Lazara lessonier pela Artesanal (1988)
>>> Melyssa Em um Mundo Secreto de Bernardes pela Partners
>>> O Silêncio dos Velho Jamelões de Frendly Persuasione pela Percy Pacheco (2010)
>>> Crônica 6 de Carlos Eduardo Novaes e Outros pela Ática (2013)
>>> Conecte Literatura Brasileira - Parte 1 de William Cereja; Thereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> O misterio no colegio de Ganymedes Jose pela ao livro tecnico (2001)
>>> Direito do Trabalho - 1100 Questoes Comentadas de Stevao Gandh Costa pela Sintagma (2012)
>>> Sharpe Em Trafalgar de Bernard Cornwell pela Record (2006)
>>> Amala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Os Venenos da Coroa de Maurice Druon pela Círculo do Livro
>>> Liberando o Fluir do Avivamento de Gregory R Frizzell pela Printmark (2005)
>>> A Cerimonia do Cha de Paulo Coelho pela Caras (1999)
>>> More Ups Than Downs de David Buck pela The Memoir Club (2001)
>>> Spatial Resilience in Social-ecological Systems de Graeme Cumming pela Springer (2011)
>>> Plano de Marketing de John Westwood pela Clio (2007)
>>> Vamos Aquecer o Sol de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramento (2006)
>>> Magnificat III de Silvia Maria D. Domingos pela Scortecci (2014)
>>> Juarez de Biblioteca de historia pela Tres (1990)
>>> Os Subterrâneos do Vaticano de André Gide pela Abril Cultural (1971)
ENSAIOS

Segunda-feira, 1/3/2010
Henry Ford
Monteiro Lobato

+ de 8600 Acessos

Quando no futuro um outro Carlyle reescrever Os heróis, ao lado de Moisés, de Cromwell, de Odin, figurará Henry Ford - o herói do trabalho. Porque se há no mundo um herói do trabalho, um revelador de possibilidades do trabalho como remédio de todos os males que o não trabalho, que o mau trabalho, que a iníqua organização do trabalho criou, é Henry Ford. Grande homem ao tipo do herói carlyliano, não vale dizer o cabide de glórias que no momento se lantejoula de todos os galões da fama (em regra L'âne portant les reliques, de La Fontaine) - mas o que realiza ou lança a boa semente das benéficas transformações sociais. Um é Luís XIV, o grande; mas outro é Gutenberg, o imenso.

E quem no mundo moderno, mais que Henry Ford, está fecundando o progresso humano com o pólen que fará o nosso amanhã melhor que o nosso hoje e nosso ontem?

O valor de Henry Ford não reside em ser o homem mais rico de todos os tempos; isso não faria dele apenas um saco mais pesado que outros sacos cheios; seu valor reside em ser ele a mais lúcida e penetrante inteligência moderna a serviço da mais nobre das causas - a supressão da miséria humana.

Até aqui os solutores dos problemas sociais não passaram de idealistas utópicos, ao molde de Rousseau ou Marx, dos que imaginam soluções teóricas, belas demais para serem exequíveis. Ford não imagina soluções. Dedu-las. Admite o homem como é, aceita o mundo como está, experimenta e deixa que os fatos tragam a solução rigorosamente lógica, natural e humana. É o idealista orgânico. Suas ideias não vêm a priori, filhas da exaltação mental ou sentimental. Apenas refletem respostas às consultas feitas aos fatos. Daí o valor imenso das suas ideias, a repercussão que começam a ter e a influência profunda que necessariamente exercerão na futura ordem das coisas.

Vale, pois, Henry Ford, não como o maior saco de ouro que já existiu, sim como a mais alta expressão de lucidez moderna.

Henry Ford nasceu em 1863 em Deaborn, no Michigan, filho de modestos fazendeiros.

Nasceu mecânico e jamais trocou o estudo direto das coisas pelo estudo falaz dos livros. Educou-se a si mesmo e vem disso grande parte da sua vitória. Quem entope a mioleira com a vida morta dos livros é inábil para bem compreender a vida viva das coisas humanas. Olhava com seus olhos, pensava com seu cérebro, fazia com suas mãos.

Muito menino ainda, o seu espírito chocou-se com o atraso dos métodos agrícolas, a rotina imemorial de tudo fazer à força de músculos, humano ou bovino. E concebeu a ideia de transportar para a resistência do aço a dura tarefa que pesava sobre a carne.

Este pensamento o preocupou sempre, mas antes de desenvolvê-lo fez um desvio imposto pelas circunstâncias. Guardou no íntimo do cérebro a ideia da máquina que viria libertar a agricultura das algemas da rotina e entregou-se de corpo e alma à indústria intercorrente do veículo de turismo em condições de universalizar-se.

Anos e anos gastou no trabalho de criar o tipo que correspondesse à sua ideia, até que um dia o teve como sonhara. Só, então, criado o produto a fabricar, cuidou da fabricação.

Em 1896 organiza em bases modestíssimas a sua empresa, onde apenas entrou em dinheiro a soma de 28 mil dólares. Ford dá a ela uma diretriz toda sua, produto da observação do mundo e jamais cópia do que via fazer em redor de si.

Foi tido como um louco e olhado de cima pelos magnatas do momento. Mas Ford absorveu-se de tal modo e com tamanha inteligência na sua realização que as posições se inverteram e, vinte e poucos anos depois, era ele quem olhava do alto para os magnatas e severamente lançava a sua condenação aos processos monstruosos que os fizeram tais.

Ford criara a maior indústria do mundo. Sua produção cresceu e cresceu numa vertigem. Atualmente transforma matéria-prima em utilidades no valor de 12 milhões de contos anuais, produzindo mais de sete mil carros por dia de oito horas. Quer isso dizer que, com os cinquenta mil operários submetidos à sua genial direção, Ford produz mais... que o Brasil. O Brasil com os seus trinta milhões de habitantes não alcança extrair da terra ou manipular matéria-prima no valor nem da metade de 12 milhões de contos...

Muita honra faria a Henry Ford o simples fato de haver criado um negócio de monstruosas proporções, mas seu valor restringir-se-ia ao de um Creso moderno se ficasse nisso. Ford vai muito além. Traça riscos de uma futura ordem de coisas mais eficiente e justa que a atual. Fazendo donativos? Criando escolas, bibliotecas, hospitais? Não. Ensinando a trabalhar, provando que o trabalho é o supremo bem e demonstrando a altíssima significação da palavra indústria.

Indústria não é, como se pensava, um meio empírico de ganhar dinheiro; é o meio científico de transformar os bens naturais da terra em utilidade de proveito geral, com proveito geral. O fim não é o dinheiro, é o bem comum, e o meio prático de o conseguir reside no aperfeiçoamento constante dos processos de trabalho conduzido de par com uma rigorosa distribuição de lucros a todos os sócios de cada empresa. São três esses sócios, o consumidor, e receberá ele a sua quota de lucros sob a forma de produtos cada vez melhores e cada vez mais baratos; o operário, e receberá ele a sua parte sob a forma de salários cada vez mais altos; o dono, e receberá ele um equitativo dividendo.

Esta concepção, realizada com resultados surpreendentes em sua indústria, rompe com todas as praxes e põe a nu o vício que inquina os fundamentos da indústria moderna: associação de três onde um só, o dono, recebe, além do lucro que lhe cabe, as partes que cabem ao operário e ao consumidor.

Posta nas bases de Henry Ford, a indústria deixa de ser o Moloch devorador de milhões de criaturas em benefício dum núcleo de nababos e transforma-se em cornucópia inextinguível de bens. Extingue-se o sinistro antagonismo entre o capital e o trabalho, que ameaça subverter o mundo. Reajusta-se a produção ao consumo e, graças à distribuição equitativa, desaparece o monstruoso cancro da miséria humana.

É possível que a "questão social" não se solucione já com as ideias de Henry Ford: o homem é estúpido e cego. É possível que o comunismo, solução teórica, faça no mundo inteiro a experiência que iniciou na Rússia. Isto apenas retardará a única solução certa, visto como única baseada nas realidades inexpugnáveis - a de Henry Ford.

Homem de boa-fé não há nenhum que, lendo My life and work, o grande livro de Henry Ford, não sinta que está ali a palavra messiânica do futuro. É a palavra do Bom-Senso, é a palavra da Razão, é a palavra da Inteligência que não borboleteia, mas penetra no fundo das coisas como a broca de aço penetra no granito. Nele Ford enfeixou num só foco de luz todas as profundas conclusões do seu estudo das realidades. Essa luz, clara como a do sol, tonifica e desfaz a treva. A miséria humana é apenas uma consequência da treva.

Para o Brasil não há leitura nem estudo mais fecundo que o livro de Henry Ford. Tudo está por fazer - e que lucro imenso se começarmos a fazer com base na lição do portador da nova Boa-Nova!

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela editora Globo. Originalmente publicado em 1925, é parte integrante do livro Conferências, artigos e crônicas (Globo, 2010, 248 págs.).

Para ir além






Monteiro Lobato
Taubaté, 1/3/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ninho vazio de Lélia Almeida
02. Twitter versus Facebook de Ricardo Freire
03. Sereníssima de Ramon Mello
04. A prosa encantada de Rosa de Emir Rodríguez Monegal
05. Morreu Vinicius de Moraes de Affonso Romano de Sant'Anna


Mais Monteiro Lobato
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês