Discurso sobre o Capim, de Luiz Schwarcz | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
67078 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Mehmari: 150 anos de Nazareth
>>> Ser intelectual dói
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Mapa da sala de aula
>>> Gostar de homem
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O chá do imperador
Mais Recentes
>>> Um judeu Marginal de John Meier pela Imago (2003)
>>> Vik Muniz. Tudo Até Agora de Pedro Correia pela Capivara (2019)
>>> Revista Força Aérea Nº 51 de Diversos Autores pela Action (2008)
>>> Revista Força Aérea Nº 47 de Diversos Autores pela Action (2007)
>>> Controle da Qualidade As Ferramentas Essenciais (Abordagem Gerencial) de Robson Seleme e Humberto Stadler pela Ibpex (2010)
>>> Revista Força Aérea Nº 42 de Diversos Autores pela Action (2006)
>>> Revista Força Aérea Nº 10 de Diversos Autores pela Action (1998)
>>> O protestantismo, a maçonaria e a questão religiosa no Brasil de David Gueiros Vieira pela Unb (1980)
>>> Revista Força Aérea Nº 06 de Diversos Autores pela Action (1997)
>>> O Despertar do Amor de Dr. Nicholas C. Demetry e Dr. Edwin L. Clonts pela Cultrix
>>> Ouvindo Deus de Dallas Willard pela Ultimato, Textus (2002)
>>> Memórias de José Garibaldi de Alexandre Dumas pela Companhia Graphico Ed. - Monteiro Lobato (1925)
>>> Da religião bíblica ao judaísmo rabínico de Donizete Scardelai pela Paulus (2008)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2008)
>>> O Escândalo do Petróleo de Monteiro Lobato pela Companhia Ed. Nacional (1936)
>>> As formas literárias do Novo Testamento de Klaus Berger pela Loyola (1998)
>>> Joaquim Nabuco e o Brasil na América de Olímpio de Souza Andrade pela Companhia Ed. Nacional (1978)
>>> Lampião de Ranulfo Prata pela Sebo Vermelho (2010)
>>> Getúlio Vargas e o seu tempo: um retrato com luz e sombra (2 volumes) de Fernando Jorge pela Taq (1987)
>>> Contribuição à História das Idéias no Brasil de Cruz Costa pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Ciência e religião de Russel Stannard pela Edições 70 (1996)
>>> Gostaria de informá-los de que amanhã seremos mortos com nossas famílias de Philip Gourevitch pela Companhia das letras (2006)
>>> Maze Runner - Correr ou Morrer de James Dashner pela Plataforma (2010)
>>> É preciso duvidar de tudo (Bolso) de Soren Kierkegaard pela Martin Fontes (2003)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2006)
>>> Etnoeducação Potiguara de José Mateus do Nasciemnto pela Ideia (2012)
>>> O espetáculo do sagrado de Estevam Fernandes de Oliveira pela Epígrafe (2011)
>>> O sagrado e o urbano de Paulo Agostinho e outros 3 pela Paulinas (2010)
>>> Ciências sociais e ciências da religião de Marcelo Camurça pela Paulinas (2008)
>>> A Cultura Ocultada de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Senhores de engenho. Judeus em Pernambuco colonial 1542-1654 de José Alexandre Ribemboim pela Ed 20-20 comunicação (2002)
>>> Trovão inverso de Eugene H. Peterson pela Habacuc (2005)
>>> Meninas de Calça - O terceiro Verão da Irmandade de Ann Brashares pela Rocco (2005)
>>> O Negócio do Livro de Jason Epstein pela Record (2002)
>>> Fundamentos da biologia celular de Alberts e outros pela Artmed (2008)
>>> Pedagogia da autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (1996)
>>> Elogio da Mentira de Patrícia Melo pela Rocco (2010)
>>> Demian e Sidarta de Hermann Hesse pela Best Bolso (2012)
>>> Quincas Borba de Machado de Assin pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O fim do Verão e Um encontro inesperado de Rosamunde Pilcher pela Best Bolso (2012)
>>> Criando Prosperidade e as leis espirituais do sucesso de Deepak Chopra pela Best Bolso (2012)
>>> Diários do vampiro Reunião Sombria de L.J. Smith pela Galera (2011)
>>> Diários do vampiro A fúria de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Diários do vampiro O confronto de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Biologia celular e molecular de Luiz C. Junqueira, José Carneiro pela Guanabara, Gen (2005)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2017)
>>> Diários do vampiro O despertar de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Os Crimes da Luz de Dante Alighieri pela Planeta (2005)
>>> A Cidade Dorme de Luiz Ruffato pela Companhia das Letras (2018)
>>> Introdução á Climatologia para os Trópicos de J.O. Ayoade pela Bertrand Brasil (1996)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/2/2006
Discurso sobre o Capim, de Luiz Schwarcz
Jonas Lopes

+ de 4900 Acessos

Luiz Schwarcz, se você está por dentro do meio literário, é um nome conhecido. É, claro, o dono da Companhia das Letras, uma das principais editoras do país. Com o lançamento da curtinha coletânea de contos Discurso Sobre o Capim (2005, Companhia das Letras, 115 páginas), há alguns meses, a assinatura "Luiz Schwarcz, editor" ganhou um adendo: Luiz Schwarcz, escritor. É sua estréia na ficção adulta, após dois livros infantis (Em Busca do Thesouro da Juventude e Minha Vida de Goleiro). E é uma estréia de respeito.

Difícil foi perder o receio de que a obra ganhasse a pecha de "livro de editor". Nesse processo, Schwarcz teve apoio de autores de respeito, como Chico Buarque, Tomás Eloy Martinez e Rubem Fonseca, que leram e gostaram de seus escritos. A repercussão crítica do livro foi surpreendentemente positiva. Óbvio que houve quem acusasse os críticos de casuísmo, de plantarem o verde para colher o maduro (ou seja, lançar alguma coisa pela Companhia das Letras no futuro); ora, seria até estranho se nenhum pascácio rancoroso não fizesse isso. Dada uma chance ao livro, é impossível não constatar as suas qualidades.

As narrativas (onze) de Discurso Sobre o Capim são bem homogêneas. Por mais que os personagens e seus ambientes variem (uma vendedora de doces, um garçom, uma arrumadeira de hotel) eles compartilham sentimentos - um idealismo calado, sonhos que provavelmente não serão realizados, mas que são sonhados com prazer mesmo assim. As primeiras frases do livro sintetizam o espírito deles: "De lá tudo parecia pequeno. Menos eu".

Eles estão imersos na pureza, em um mundo ingênuo que não mais existe, que deu lugar ao cinismo. Um garoto judeu pergunta à mãe se o Deus da professora é o mesmo que o céu. A vendedora de doces descobre aquele que se chama "sonho", o que até então não sabia. Uma arrumadeira faz arranjos românticos na toalha de banho do hotel e deixa pétalas de rosa espalhadas pela colcha, sempre à espera de que, um dia, os clientes dêem algum sinal de gratidão pelo seu delicado esforço.

A predominância da primeira pessoa e o último conto, "Livro de Memórias" ("Todos os meus amigos escreveram suas memórias. Escreveram ou pagaram para outras pessoas escreverem") fortalecem a impressão de estarmos diante de elementos autobiográficos. Em "Palavras Cruzadas", Schwarcz homenageia o cineasta François Truffaut, seu ídolo, e que ele considera, na verdade, um escritor: "O azar dos editores é que ele escrevia para o cinema, com uma câmera na mão".

Os personagens de "Sétimo Andar" e "A Quinta Parede" parecem ser um só, com vários anos de diferença. No primeiro conto, um menino passa as tardes na janela do jardim-de-inverno de seu apartamento. De lá ele observa outras crianças jogando taco e tenta adivinhar qual será o próximo carro que virá da esquina ("Fusca amarelo, fusca amarelo, eu dizia, rangendo os dentes, antes de abrir os olhos, desfazer a figa e provar a minha capacidade de gerar coincidências, lá da altura do sétimo andar").

Até que sua mãe cede o aposento para senhoras desocupadas e ela própria assistirem a aulas de história da arte; é o começo do fim: "a rua exigia silêncio e compenetração. Eu não conseguia adivinhar carros e observar meninos enquanto ouvia suspiros sobre a Madonna de Rafael ou as bailarinas de Degas". A mágica se desvanece aos poucos ("Talvez tenha se tornado difícil disfarçar a predominância dos erros"), até que um incidente trivial estraga de vez seu prazer.

Em "A Quinta Parede" o personagem é bem mais velho. Vive há anos no mesmo apartamento - de fundos. Dali ele pode observar tudo o que acontece no pátio e no estacionamento do prédio, "tomando cuidado para não me deter em ninguém em particular, o que poderia me levar a criar algum tipo de laço com estranhos". Se a solidão do garoto do outro conto parece involuntária, a desse homem é proposital. Ele até cria uma técnica para ir da sua porta até o elevador em momentos em que não haja ninguém no corredor. E toma cuidado com os mensalistas: "Podem sempre precisar de um favor. Se eu tivesse carro, iam querer carona ou, quem sabe, pediriam o macaco emprestado para trocar um pneu. Se vissem onde moro, poderiam vir pedir um pouco de açúcar, chá, café, arroz".

É como se entre os dois períodos tivesse ocorrido um grande desencanto, uma frustração, alguma situação em que a sociedade mostrara que esse mundo próprio e solitário que habitam é errado - ou seja, diferente do lugar-comum, do que as outras pessoas fazem. Ainda assim nunca estão infelizes. Há sincero prazer na moça que vende doces no shopping, na arrumadeira que faz arranjos românticos, na entregadora de panfletos que sonha em morar em um daqueles condomínios maravilhosos que ela vê todos os dias no papel ("Nos folhetos nunca chove (...) Viver num prédio desses deve ser parecido com voar").

Em "A Biblioteca", uma moça, futura estudante de letras, ganha do pai uma estante vazia e um cheque em branco, para comprar os cem melhores livros que existem. "Os cem melhores, entendeu?". O conto é uma apologia à magia da leitura. A narradora muda a ordem dos livros nas estantes, inventando novas classificações o tempo todo - categorias como "sobre os raios do sol", "sobre o acaso", "injustiçados pela crítica" e "perfeição estilística". "Acapulco" é a história mais longa do livro. São duas narrativas paralelas, a do jovem que fica na casa dos avós enquanto os pais viajam e uma biografia de John Weissmuller, o mais famoso Tarzan.

Em um pequeno posfácio, Schwarcz destaca, desde as epígrafes (de Hemingway, Drummond e Marques Rebelo), que escrever é cortar. Pois bem, seu texto reflete essa filosofia. É uma prosa simples, livre de atavios e gorduras desnecessárias. O lirismo discreto, tímido como os personagens dos contos, impede que a simplicidade deixe o livro despersonalizado, coisa que não acontece, por exemplo, com Michel Laub.

No posfácio, ele informa ainda que chegou a escrever cem páginas de um romance. Delas, sobraram apenas vinte e duas linhas, que estão em "Livro de Memórias". Seria interessante ver como Schwarcz se sairia em uma narrativa de maior fôlego. Por outro lado, seu estilo é tão "polaróidico", tão hábil em captar instantes curtos e intensos, que dá até dó cobrar que ele faça qualquer outra coisa.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 24/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Livros que me Fizeram Mal na Infância de Lisandro Gaertner
02. É preciso aprender a ser mulher de Adriana Baggio
03. Projeto Clicar de Najah Zein


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
02. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
03. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MARIDO DA ADÚLTERA IMORTAIS DA NOSSA LITERATURA
LÚCIO DE MENDONÇA
TRÊS
(1974)
R$ 8,00



AUTOMÓVEL
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1971)
R$ 10,00



ROMA NA LUZ DO ANOITECER
JULIANUS SEPTIMUS/NADIR GOMES
SOFIA
(2015)
R$ 37,90



SE LIGUE EM VOCÊ
LUIZ ANTONIO GASPARETTO
ESPAÇO VIDA / CONSCIÊNCIA
(1997)
R$ 6,60



CAMINHOS DA CARTA - UMA LEITURA ANTROPOFÁGICA DA CARTA DE PERO VAZ DE
MÁRIO CHAMIE
FUNPEC
(2002)
R$ 24,20



O NOVIÇO
MARTINS PENA
GLOBO
(1997)
R$ 5,00



A ESCOLA VIVA -PSICOLOGIA GERAL
AFRO DO AMARAL FONTOURA
AURORA
(1962)
R$ 5,00



PRECIOSO DINHEIRO, AMOR VERDADEIRO, DIÁLOGO ENTRE UM RACIONALISTA E...
HORST KURNITZKY
DPÁGINASTANTAS
(1985)
R$ 55,83



THE ARGUMENTATIVE INDIAN - WRITINGS ON INDIAN HISTORY, CULTURE
AMARTYA SEN
PICADOR
(2005)
R$ 95,00



AS AMOROSAS
KATHLEEN WINSOR
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 5,00





busca | avançada
67078 visitas/dia
2,0 milhão/mês