Discurso sobre o Capim, de Luiz Schwarcz | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
>>> Manual prático do ódio
>>> Greatest hits em forma de coluna
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Jogando com Cortázar
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Diálogos de Platão, pela editora da Universidade Federal do Pará
Mais Recentes
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2008-- dossie cor de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2007--47 produtos sustentaveis para todas as etapas da obra de Abril pela Abril (2007)
>>> Insurgente de Veronica Roth pela Rocco (2013)
>>> Cidades de Papel de John Green pela Intrínseca (2013)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo Adaptação de Silvana Salerno pela Seguinte (2014)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> 1815 de Henry Houssaye pela Perrin et Cia. Libraires-édite (1912)
>>> 1919 de John dos Passos pela Abril (1980)
>>> 1919 de John dos Passos pela Abril (1980)
>>> "a" de álibi de Sue Grafton pela Ediouro (1993)
>>> "b" de Busca de Sue Grafton pela Ediouro (1993)
>>> "c" de Cadáver de Sue Grafton pela Ediouro
>>> "d" de Dívida de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> 007 Encontro Em Berlim de Ian Fleming pela Bloch
>>> 007 Goldfinger - uma Novela de James Bond de Ian Fleming pela Best Seller
>>> 007 o Satânico Dr. No de Ian Fleming pela Bestseller
>>> 1° Livro de Leitura de Alegria de Ler pela Abril
>>> 1° Livro de Leitura de Alegria de Ler pela Abril
>>> 10 Que Valem 30! de Atilio Bari; Patricia Lima pela Scipione (2002)
>>> 100 Cronicas de Mario Prata pela O Estado de S Paulo (1997)
>>> 100 Dicas para Viajar Melhor - Ideias para Antes, Durante e Depois Da de Ricardo Freire pela Globo (2008)
>>> 100 Impulsos Positivos para Viver Melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> 100 maneiras de conquistar um homem na cama de Hans Freud / Nadia Maggi pela Sampa
>>> 100 Reflexões Filosóficas e Cor Local nos Romances Mediúnicos de Victo de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2009)
>>> 100 Segredos das Pessoas Felizes de David Niven pela Sextante (2001)
>>> 1000 Erros de Portugues de Luiz Antonio Sacconi pela Nossa
>>> 101 Dicas Essenciais - Gravidez de Outros pela Ediouro (1996)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph pela Best Seller (2010)
>>> 101 Segredos para Ser um Supervisor Bem-sucedido de Peter R. Garber; Mark S. Loper pela Futura (1999)
>>> 12 Semanas para Mudar uma Vida de Augusto Cury pela Academia de Intelige (2007)
>>> 127 Coisas para Ser Feliz de Donna Wilkinson; Vitoria Paranhos Mantovani pela Ediouro (2010)
>>> 13 á 18 de Fevereiro de 1922 - a Semana de 22: Revolução Estética de Marcia Camargos pela Lazuli (2007)
>>> 15 Minutos Espanhol de Ana Bremón pela Publifolha (2005)
>>> 15 Seconds de Andrew Cross pela Harper (2012)
>>> 1808 Juvenil - Laurentino Gomes de Laurentino Gomes pela Planeta Jovem (2008)
>>> 1808 Juvenil - Laurentino Gomes de Laurentino Gomes pela Planeta Jovem (2008)
>>> 1932 - São Paulo Em Chamas de Luiz Octavio de Lima pela Planeta
>>> 1961 o Brasil Entre a Ditadura e a Guerra Civil de Paulo Markun; Duda Hamilton pela Benvira (2011)
>>> 1968 - o Ano Que Não Terminou - a Aventura de uma Geração de Zuenir Ventura pela Nova Fronteira (1988)
>>> 20 Ficções Sobre o Amor e Ribeirão Preto de Alexandre Azevedo Etc pela Coruja (2013)
>>> 20. 000 Léguas Matemáticas de A. K. Dewdney pela Jorge Zahar (2000)
>>> 20. 000 léguas submarinas de Julio Verne pela Mônica Krauzs (2005)
>>> 20. 000 léguas submarinas de Julio Verne pela Mônica Krauzs (2005)
>>> 200 Músicas Inesquecíveis Volume Iii de Sérgio Roberto Rodrigues pela Coopim
>>> 200 Músicas Inesquecíveis Volume Iii de Sérgio Roberto Rodrigues pela Coopim
>>> 2011-12 Duvine Adventures de Andy Levine pela Do Autor (2012)
>>> 2012 a era do Ouro de C. Torres; S. Zanquim pela Madras (2012)
>>> 2012 uma Aventura no Fim do Mundo de Vanessa Bosso pela Novo Seculo (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/2/2006
Discurso sobre o Capim, de Luiz Schwarcz
Jonas Lopes

+ de 5100 Acessos

Luiz Schwarcz, se você está por dentro do meio literário, é um nome conhecido. É, claro, o dono da Companhia das Letras, uma das principais editoras do país. Com o lançamento da curtinha coletânea de contos Discurso Sobre o Capim (2005, Companhia das Letras, 115 páginas), há alguns meses, a assinatura "Luiz Schwarcz, editor" ganhou um adendo: Luiz Schwarcz, escritor. É sua estréia na ficção adulta, após dois livros infantis (Em Busca do Thesouro da Juventude e Minha Vida de Goleiro). E é uma estréia de respeito.

Difícil foi perder o receio de que a obra ganhasse a pecha de "livro de editor". Nesse processo, Schwarcz teve apoio de autores de respeito, como Chico Buarque, Tomás Eloy Martinez e Rubem Fonseca, que leram e gostaram de seus escritos. A repercussão crítica do livro foi surpreendentemente positiva. Óbvio que houve quem acusasse os críticos de casuísmo, de plantarem o verde para colher o maduro (ou seja, lançar alguma coisa pela Companhia das Letras no futuro); ora, seria até estranho se nenhum pascácio rancoroso não fizesse isso. Dada uma chance ao livro, é impossível não constatar as suas qualidades.

As narrativas (onze) de Discurso Sobre o Capim são bem homogêneas. Por mais que os personagens e seus ambientes variem (uma vendedora de doces, um garçom, uma arrumadeira de hotel) eles compartilham sentimentos - um idealismo calado, sonhos que provavelmente não serão realizados, mas que são sonhados com prazer mesmo assim. As primeiras frases do livro sintetizam o espírito deles: "De lá tudo parecia pequeno. Menos eu".

Eles estão imersos na pureza, em um mundo ingênuo que não mais existe, que deu lugar ao cinismo. Um garoto judeu pergunta à mãe se o Deus da professora é o mesmo que o céu. A vendedora de doces descobre aquele que se chama "sonho", o que até então não sabia. Uma arrumadeira faz arranjos românticos na toalha de banho do hotel e deixa pétalas de rosa espalhadas pela colcha, sempre à espera de que, um dia, os clientes dêem algum sinal de gratidão pelo seu delicado esforço.

A predominância da primeira pessoa e o último conto, "Livro de Memórias" ("Todos os meus amigos escreveram suas memórias. Escreveram ou pagaram para outras pessoas escreverem") fortalecem a impressão de estarmos diante de elementos autobiográficos. Em "Palavras Cruzadas", Schwarcz homenageia o cineasta François Truffaut, seu ídolo, e que ele considera, na verdade, um escritor: "O azar dos editores é que ele escrevia para o cinema, com uma câmera na mão".

Os personagens de "Sétimo Andar" e "A Quinta Parede" parecem ser um só, com vários anos de diferença. No primeiro conto, um menino passa as tardes na janela do jardim-de-inverno de seu apartamento. De lá ele observa outras crianças jogando taco e tenta adivinhar qual será o próximo carro que virá da esquina ("Fusca amarelo, fusca amarelo, eu dizia, rangendo os dentes, antes de abrir os olhos, desfazer a figa e provar a minha capacidade de gerar coincidências, lá da altura do sétimo andar").

Até que sua mãe cede o aposento para senhoras desocupadas e ela própria assistirem a aulas de história da arte; é o começo do fim: "a rua exigia silêncio e compenetração. Eu não conseguia adivinhar carros e observar meninos enquanto ouvia suspiros sobre a Madonna de Rafael ou as bailarinas de Degas". A mágica se desvanece aos poucos ("Talvez tenha se tornado difícil disfarçar a predominância dos erros"), até que um incidente trivial estraga de vez seu prazer.

Em "A Quinta Parede" o personagem é bem mais velho. Vive há anos no mesmo apartamento - de fundos. Dali ele pode observar tudo o que acontece no pátio e no estacionamento do prédio, "tomando cuidado para não me deter em ninguém em particular, o que poderia me levar a criar algum tipo de laço com estranhos". Se a solidão do garoto do outro conto parece involuntária, a desse homem é proposital. Ele até cria uma técnica para ir da sua porta até o elevador em momentos em que não haja ninguém no corredor. E toma cuidado com os mensalistas: "Podem sempre precisar de um favor. Se eu tivesse carro, iam querer carona ou, quem sabe, pediriam o macaco emprestado para trocar um pneu. Se vissem onde moro, poderiam vir pedir um pouco de açúcar, chá, café, arroz".

É como se entre os dois períodos tivesse ocorrido um grande desencanto, uma frustração, alguma situação em que a sociedade mostrara que esse mundo próprio e solitário que habitam é errado - ou seja, diferente do lugar-comum, do que as outras pessoas fazem. Ainda assim nunca estão infelizes. Há sincero prazer na moça que vende doces no shopping, na arrumadeira que faz arranjos românticos, na entregadora de panfletos que sonha em morar em um daqueles condomínios maravilhosos que ela vê todos os dias no papel ("Nos folhetos nunca chove (...) Viver num prédio desses deve ser parecido com voar").

Em "A Biblioteca", uma moça, futura estudante de letras, ganha do pai uma estante vazia e um cheque em branco, para comprar os cem melhores livros que existem. "Os cem melhores, entendeu?". O conto é uma apologia à magia da leitura. A narradora muda a ordem dos livros nas estantes, inventando novas classificações o tempo todo - categorias como "sobre os raios do sol", "sobre o acaso", "injustiçados pela crítica" e "perfeição estilística". "Acapulco" é a história mais longa do livro. São duas narrativas paralelas, a do jovem que fica na casa dos avós enquanto os pais viajam e uma biografia de John Weissmuller, o mais famoso Tarzan.

Em um pequeno posfácio, Schwarcz destaca, desde as epígrafes (de Hemingway, Drummond e Marques Rebelo), que escrever é cortar. Pois bem, seu texto reflete essa filosofia. É uma prosa simples, livre de atavios e gorduras desnecessárias. O lirismo discreto, tímido como os personagens dos contos, impede que a simplicidade deixe o livro despersonalizado, coisa que não acontece, por exemplo, com Michel Laub.

No posfácio, ele informa ainda que chegou a escrever cem páginas de um romance. Delas, sobraram apenas vinte e duas linhas, que estão em "Livro de Memórias". Seria interessante ver como Schwarcz se sairia em uma narrativa de maior fôlego. Por outro lado, seu estilo é tão "polaróidico", tão hábil em captar instantes curtos e intensos, que dá até dó cobrar que ele faça qualquer outra coisa.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 24/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I de Gian Danton
02. Um Ano Feliz (!) de Ricardo de Mattos
03. A poesia de pedra de Beatriz Luz de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cidade limpinha de Elisa Andrade Buzzo
05. Xampu de Guga Schultze


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
02. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
03. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ANJO DOS ESQUECIDOS
KONSALIK
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



O JOGADOR
F. M. DOSTOIEVSKI
LISBOA
R$ 10,00



O HOMEM QUE MATOU GETULIO VARGAS: BIOGRAFIA DE UM ANARQUISTA
JO SOARES
COMPANHIA DAS LETRAS
(1998)
R$ 10,00



TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - A ARTE DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
BERNARD BOAR
BERKELEY BRASIL
(2002)
R$ 10,00



JOIAS DA ALMA
ADEILSON SALLES
BOA NOVA
(2010)
R$ 10,00



O CAÇADOR DE DIAMANTES - 8741
VITTORIO CAPELLARO
IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO
(2004)
R$ 10,00



STEVE JOBS: A BIOGRAFIA
WALTER ISAACSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 10,00



A FAZENDA DE FIM DE SEMANA 3890
RUBENS DE ALBURQUERQUE
NOBEL
(1989)
R$ 10,00



CASAMENTO QUASE PERFEITO - COLEÇÃO AUTOESTIMA
STEPHANIE DOWRICK
GMT
(2010)
R$ 10,00



OS SONHADORES COMPETENTES
VÍTOR HUGO DE CARVALHO
IGLU
(1996)
R$ 10,00





busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês