Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> The Jungle Book de Walt Disney pela Ladybird Books Limit (1996)
>>> Vibrações de Harmonia e Prosperidade de Antônio Carlos Rocha pela Pallas
>>> The Berenstain Bear Scouts and the Terrible Talking Termite de Stan & Jan Berenstain pela Scholastic Books (1996)
>>> Carassotaque de Alfredo Aquino pela Iluminuras (2008)
>>> Prevenção dos Problemas de Aprendizagem no Pré-escolar de Eny Léa Gass pela Enelivros (1994)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espíto Santo Neto - Espírirto Hammed pela Boa Nova (1997)
>>> Pelos Caminhos da Verdade de Márcio Fiorillo pelo Espírito Madalena pela Lúmen Editorial (2010)
>>> Os Grandes Líderes - Fidel Castro de John J. Vail pela Nova Cultural (1987)
>>> Playboy n60 Angelina Muniz - julho 1980 de Civita pela Abril (1980)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Olhar Acima do Horizonte de Luiz Alberto Py pela Rocco (2002)
>>> Psicanálises de Ontem e de Hoje - o Poder da Mente Humana 2 de Henri Gratton pela Loyola
>>> A Aparição de José Mauro Silva Dias pela Faer
>>> Nove Meses na Vida de uma Solteirona de Judith Rossner pela Record (1969)
>>> Homens Duas Sátiras e uma Fábula de Marilia Pacheco Fiorillo pela Arx (2004)
>>> Matemática 1 - Versão Beta de Edwaldo Bianchini e Herval Paccola pela Moderna (1995)
>>> Minha História : um Diário para Encontrar Sua Voz de Michelle Obama pela Objetiva (2019)
>>> Assis Brasil - um Diplomata da República Volume I de Alvaro da Costa Franco (org.) pela Fundação Alexandre Gusmão (2006)
>>> Fundamentos Socioantropologicos da Educação de Alexandre Vieira pela Fael (2013)
>>> Revista Guitar Player Janeiro de 2010 de N/d pela Melody
>>> Problemas Penais Concretos de Miguel Reale Júnior pela Malheiros (1997)
>>> Presentes da Natureza de Dione Mendes de Melo pela Do Autor (1998)
>>> Mães Confiantes, Filhos Realizados de Catherine Hickem pela Thomas Nelson Brasil (2010)
>>> Contabilidade para Concursos de Airto Ferronato pela Sagra (1989)
>>> Nações do Mundo - Israel de Vários Autores pela Cidade Cultural (1987)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Sexta-feira, 21/6/2013
Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos?
Adriana Baggio

+ de 3200 Acessos

Sempre que se começa uma argumentação dizendo "aqui na Europa...", parece que vem atípica desqualificação do Brasil por quem está morando fora. Para contribuir com o debate sobre as tarifas e a qualidade do transporte público no meu país, mais em pauta agora por conta dos protestos em São Paulo, queria trazer as minhas percepções sobre o transporte público de Bologna, que eu considero bom. O que não significa que viver em Bologna seja melhor do que viver no Brasil. Aliás, arrisco a dizer que morar em outro país nos ajuda a valorizar o nosso. Mas enfim, isso é digressão.

Bologna fica na área mais abastada da Itália, no centro-norte. É considerada uma cidade economicamente privilegiada. Mesmo assim, tem sofrido os efeitos da crise europeia. Sua população gira em torno dos 500 mil habitantes e recebe muitos imigrantes de países da África, Ásia e leste europeu. Apesar de não ser uma cidade grande, as linhas de ônibus são fartas e possuem uma frequência adequada.

A passagem de ônibus em Bologna varia de acordo com o local onde se compra o bilhete e a quantidade comprada. Estudantes e idosos possuem algumas bonificações, que acabam tornando o preço da passagem mais barato para esses grupos. Mesmo quem não tem a passagem subsidiada pode pagar menos, por meio da compra de cartões que valem por alguns meses ou um ano.

Se o bilhete for pago dentro do ônibus, custa 1,50 euro. Se for comprado antecipadamente, numa tabacaria ou banca de revista, custa 1,20. O cartão city pass, que vem com 10 "viagens", custa 11 euros, ou seja, 1,10 por passagem. É essa tarifa que eu pago, já que costumo usar esse cartão. Convertendo para a moeda brasileira, minha passagem custaria por volta de 3,10 reais.

Uma vez comprado o bilhete, ele vale por uma hora. Ou seja, posso trocar de ônibus nesse período, sem precisar pagar outra passagem. O mesmo vale para os cartões e o bilhete comprado antecipadamente. Por isso, uma regra estritamente seguida é validar o bilhete assim que se entra no ônibus. Não há cobrador: as pessoas são responsáveis por pagar sua passagem, validar seu ticket e cumprir as demais regras. Os coletivos são fiscalizados e, se um passageiro estiver viajando sem bilhete e for pego, leva uma multa bem alta.

(Ultimamente parece estar havendo uma incidência maior de "malandragens", porque há uma campanha publicitária mostrando a importância de as pessoas pagarem sua passagem.)

Bologna é uma São Joaquim do inverno e um Rio de Janeiro no verão. Os ônibus, então, têm aquecedor e ar condicionado. Passageiros e motoristas viajam com conforto. Em todas as paradas há uma tabela com o horário em que o ônibus passa naquele local, e esses horários são cumpridos. Por tudo isso, andar de ônibus em Bologna é muito conveniente.

Você já andou de ônibus em São Paulo num dia de verão, às cinco da tarde, enquanto o sol ainda está fervendo os miolos e o trânsito já está uma merda? Se a resposta for sim, meus sentimentos. Eu também já passei por isso. Mas apesar de todo o desconforto, pensava o seguinte, enquanto tentava abstrair o calor, o cheiro ruim e o barulho do motor no meio do engarrafamento: eu desço daqui a pouco. E esses dois coitados, motorista e cobrador, que vão continuar nessa linha infernal mais não sei quantas horas?

Primeira diferença entre os ônibus de Bologna e os de São Paulo (e de Curitiba): as condições de trabalho. Os motoristas dos ônibus daqui ficam numa espécie de cabine, protegidos inclusive da eventual violência de algum passageiro. Sobre cada porta, uma câmera mostra se o passageiro já subiu ou já desceu, sem que ele precise ficar esticando o pescoço pra olhar no espelho ou sem que tenha que esperar a batidinha de moeda do cobrador pra avisar que dá pra fechar a porta.

Segunda diferença: o escalonamento de preços das passagens. Quem usa com mais frequência, paga menos. Isso é uma prática comum de mercado. Se você compra algo lá no Sam's Club em quantidade, vai pagar menos por unidade. Não poderíamos fazer o mesmo no Brasil pra distribuir melhor os custos?

Terceira: em São Paulo o cartão permite que você troque de ônibus sem pagar nova passagem. Em Curitiba, não. A integração só acontece nos terminais e nos tubos - a não ser que algo tenha mudado a partir de fevereiro. O ônibus que passa na minha casa, por exemplo, não faz integração nenhuma. Ou seja, sai mais barato pagar gasolina e estacionamento do que comprar quatro ou mais passagens - se o trajeto exigir mais de uma linha de ônibus.

Quarta: na maior parte dos ônibus, são duas pessoas trabalhando. Em Curitiba, algumas linhas funcionam só com motorista, mas ele precisa fazer o papel de cobrador também. A parte "recursos humanos" impacta bastante no preço da passagem.

Sou contra a tarifa gratuita. Acho que pode haver subsídios pra quem precisa mais. Porém, pagar ajuda a valorizar (ao menos enquanto a gente não amadurece enquanto cidadãos). Mas quem cuida do transporte público poderia pensar em soluções alternativas, como desconto para compra de passagens em grande quantidade, por exemplo.

Outra coisa: se o transporte público for bom, muita gente vai passar a usar. E se o sistema passa a ter mais usuários e o trânsito passa a ter menos carros, o custo de operação dos ônibus vai baixar.

Acho que as empresas de ônibus são uma máfia, sim. Acho que a passagem é cara e o serviço é ruim. Porém, se queremos um serviço nível europeu, estamos preparados para agir como cidadãos europeus? Vamos comprar a passagem ou validar o bilhete mesmo se o ônibus não tiver cobrador? Vamos resistir à tentação de "tirar vantagem" e andar de ônibus sem pagar, já que não haverá ninguém nos controlando? E se os cobradores forem "abolidos", os sindicatos não vão se revoltar?

Coisas pra fazer a gente pensar, para que possamos embasar muito bem nossos argumentos e protestar com coerência. A começar pelo voto: a forma mais eficaz de mostrar que estamos fartos de ser tratados com desrespeito.


Adriana Baggio
Curitiba, 21/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para que serve a poesia? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Melhorando Sua Memória
Janet Fogler
Madras
(2010)



Quando Chega a Hora
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(1999)



Das Pirâmides aos Ciborgs
Gilberto Chaves da Silva
Fraternidade do Amor
(1997)



20 Histórias Escolhidas
Luis Fernando Veríssimo
O Dia
(1998)



Descaso do Acaso
Andréa Perdigão
Europa Livro
(2013)



Nova Perspectiva Sistêmica 44 - Dezembro de 2012 - Ano XXI
Vários Autores
Revista Nps
(2012)



39 Lei 8.112/90 Regimento Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União
José Antônio Severino
Máaxxima
(2003)



Compreender e Transformar o Ensino
J. Gimeno Sacristan
Artmed
(2007)



Cartas a um Jovem Publicitário
Roberto Duailibi
Alta Books
(2017)



Da Ética à Ética - Minhas Dúvidas Sobre a Ciência Econômica
Cristovam Buarque
Ibpex
(2012)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês