Os Livros que me Fizeram Mal na Infância | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Segunda-feira, 15/7/2013
Os Livros que me Fizeram Mal na Infância
Lisandro Gaertner

+ de 4100 Acessos

Um dos rituais que mais me agrada no início do ano é a limpeza das estantes. Confiando na velha máxima "comprar mais livros do que consigo ler é crer na imortalidade", abarroto, todo ano, a minha pequena biblioteca com mais do que ela pode comportar. Com aquele livro que comprei pra falar mal, e nem li; com a biografia daquele sujeito com o qual fiquei obcecado por exatamente 34 horas; ou com os jogos e quadrinhos que readquiri numa tentativa infrutífera de reviver tempos que não passam mais. Acreditem, no final contas, somando aos livros que mereciam ser comprados, não é pouca coisa. Chega uma hora que todo esse suporte emocional de papel começa a causar um peso excessivo nas minhas finanças e na estrutura física da minha casa. Por isso, preventivamente, tiro das minhas estantes tudo aquilo que farei circular pelo mercado de usados. É quase como um cateterismo em que as obstruções das minhas veias de leitor vão parar na lanchonete da esquina para o prazer alheio.

O engraçado é que tem livros já lidos que sempre sobrevivem a essa limpeza. A maioria por utilidade de consulta, desejo de releitura ou simples valor afetivo. Alguns, especialmente alguns infantis, escapam há anos desse ritual por serem, além de tudo, simplesmente meus livros de formação. Ou melhor, má-formação.

Depois de começar a acompanhar o blog da Heliana sobre literatura infantil, comecei a ficar mais atento sobre o tema. O livro que damos para uma criança pode ter um grande impacto sobre quem ela se tornará no futuro. Hoje, acredito, o impacto é ainda maior. Na medida em que todos os outros tipos de mídia são usados à exaustão, e portanto se tornam menos significativos, o momento de leitura, introspectivo e tranquilo, realmente pode pesar ainda mais na formação do futuro adulto.

Mas a principal razão para ter essa impressão é realmente a minha experiência. Todo ano ao limpar a estante e manter nela os mesmos livros da minha infância, consigo ver com mais clareza em mim as características irritantes que eles me educaram a ter. É, acho que boa parte das minhas idiossincrasias e chatices que importunam tanto os outros, mas me deixam muito feliz, vieram desses livros.

A minha crise com autoridade e com a sociedade, por exemplo, vem claramente de A Grande Fuga. O livro, bem hippie, diga-se de passagem, conta a história de um grupo de Crocodilos que são levados quando filhotes para Nova York como bichos de estimação. Quando crescem, os donos os jogam pela privada. Ao invés de morrerem, como esperado, eles formam uma sociedade subterrânea que rouba o que os humanos jogam fora para realizar sua fuga de volta pra Flórida. Alguns dos momentos que sempre ficam na minha memória são a escola subterrânea montada com livros jogados no lixo, o golpe que eles dão no banco para pagar suas passagens e o "sequestro" do avião. Não sei se os editores da época sacaram isso mas A Grande Fuga é quase um manual para futuros revolucionários: educação campesina, expropriação revolucionária e sequestro de aeronaves para crianças de 4 a 7 anos.

Minha cabeça dura, o que realmente incomoda muita gente, vem de Eu sou Construtor. Nesse, um menino tenta construir com blocos um castelo que suba até os céus. É óbvio que ele é frustrado pela irmãzinha, que derruba a sua construção, e por sua própria falta de habilidade, mas nunca desiste. Ele sempre cogita as maneiras usuais de lidar com o fracasso, como chutar os blocos ou reclamar com a mãe, mas sempre prefere continuar. Inclusive o livro termina apenas com a determinação de construir sem responder à questão óbvia: "E aí? Ele conseguiu?". Na verdade, não interessa, ele continuará tentando de qualquer maneira. Afinal, ele é construtor.

Dos nacionais, um dos mais importantes, não só pra mim, mas pra todos que tem mais de 30 anos, é o Menino Maluquinho. Esse livro, é óbvio, lhe reforça a ser autêntico. Onde mais vão te dizer que é bonito ter o olho maior que a barriga, fogo no rabo, vento nos pés, macaquinhos no sotão e tudo mais que faça seu avô lhe chamar de Subversivo? Hoje em dia, quando boa parte das crianças é planejada para o sucesso e não amada, isso não faz muito sentido, mas essas espontaneidade e liberdade transgressoras estavam bastante em voga nos psicanalizados anos 80. Ficou com saudade? O Ziraldo te liberou o livro de graça.

Talvez seja tudo um exagero meu. Pode ser que esses livros tenham sido os guardados por ressoarem à minha personalidade, e não o contrário; mas é interessante notar que os dois primeiros livros estão fora de catálogo e o terceiro virou um pastiche de si mesmo. Ou seja, eles provavelmente eram retratos de uma época mais contestadora e, hoje, não se adequam à formação de nossos futuros pequenos executivos criadores de start ups da Geração Z. Triste mundo em que vivemos.

Esteja eu certo ou não, não custa ter extremo cuidado ao comprar livros para as crianças à sua volta. Eles podem determinar as piores características dos adultos que irão cuidar de vocês na sua velhice. O negócio é tão sério que dá até vontade de escrever as minhas próprias histórias infantis. Se deu certo com o Tolkien...

Ô, pretensão. Será que tem algum livro da minha infância que explique isso?

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de Lisandro Gaertner.


Lisandro Gaertner
Belo Horizonte, 15/7/2013


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. A História das Notas de Rodapé - 3/1/2002
04. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> - 23/4/2008
05. Orkut: fim de caso - 10/2/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês