Perto do coração da linguagem | Claudia Lage

busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ao vivo do Roda Viva, pelo Twitter
>>> Os Eleitos, de Tom Wolfe
>>> O Bigode
>>> A dor do inexplicável
>>> Caiu na rede, virou social
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Mas afinal, o que é podcasting?
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Nhô Guimarães
>>> Destaques da Mostra Internacional de Cinema
Mais Recentes
>>> Manual de direito penal brasileiro
>>> História das Literaturas- Teatro Vivo
>>> História das Literaturas-Noções ds Literaturas Volume 2
>>> Filoctetes
>>> Enquanto a noite não chega
>>> Contabilidade de custos facil
>>> Sociologia aplicada a administração
>>> História das Literaturas-Clareza e Mistério da Crítica
>>> O Negrinho do Pastoreio - Conto popular
>>> Machado de Assis- histórias mal contadas e outros assuntos
>>> Afrânio Coutinho - Romances Completos
>>> Novas Prioridades Para o Currículo
>>> Revista Brasileira de História Nº 48 - Produção e Divulgação
>>> Educação - Modernização ou Dependência?
>>> Vida e Educação
>>> Hard Times
>>> Aspectos da Formação Brasileira
>>> Ensino, Sua Técnica - Sua Arte - 3ª Edição
>>> Cotidiano e Diferentes Saberes
>>> Educação Para Uma Vida Criativa - 2ª Edição
>>> Oxigênio
>>> Bombardeiros da 2ª Guerra Volume 1
>>> A Guerra do Fim do Mundo - 2ª Edição
>>> No Wonder They Call Him The Savior
>>> Ophélia Speaks
>>> Gaudí
>>> Foto-Grafismo
>>> Arte Moderna no Salão Nacional 1940-1982
>>> The Assassin - The Explosive Badge of Honor Novel
>>> The Wonderful Wizard Of Oz - Penguin Popular Classics
>>> Tempo de Médico
>>> Um Guia Para os Remédios Florais do Dr. Bach
>>> The Rainmaker
>>> The Trailsman - Montana Fire Smoke Nº 130
>>> The Final Diagnosis
>>> A Queda da França Volume 3 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 2 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 1 - O Colapso da Terceira República
>>> O Romano
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Cem Dias Entre Céu E Mar
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Viagens internacionais - O Nomadismo da Conscienciologia
>>> Vagamundo
>>> Os Lusíadas
>>> História de Mayta
>>> Erros Médicos
>>> Aspectos do Antigo Egito
>>> Saúde Natural Para Mulheres Gravidas
>>> Um Liberal da República - Volume 1
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/12/2008
Perto do coração da linguagem
Claudia Lage

+ de 5200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Só nos diz a verdade quem não gosta da gente ou nos é indiferente", Clarice escreveu ao amigo Fernando, desolada, sozinha no apartamento vazio, rodeada de caixas como o deserto de uma ilha rodeada de mar. "E tudo o que ele disse é verdade." Estava na Suíça, de mudança com o marido para um novo apartamento em Berna. A visão dos aposentos nus e da imensidão de caixas fechadas lhe dava vertigens. Pegara então numa bolsa a correspondência, como quem se apóia na parede para não desequilibrar na própria náusea. O que encontrou numa das cartas, porém, não lhe deu nenhuma estabilidade, pelo contrário, aumentou a sensação de que afundava no vazio do apartamento e na profundeza das caixas.

Um amigo enviara do Brasil um ensaio chamado "A experiência incompleta", do crítico Álvaro Lins, sobre Perto do coração selvagem, o primeiro romance de Clarice Lispector, lançado em 1943, quando a escritora tinha 23 anos, e O lustre, o segundo, publicado em 1946. Antes de ler o ensaio, Clarice precisou se sentar sobre uma das caixas, já abatida pelo título. Naquela mesma manhã, havia pensado que gostaria de trabalhar sem parar, escrever árdua e constantemente, mas as coisas vinham para elas em retalhos, fragmentos de frases e imagens, situações nebulosas, sempre esparsas, sempre... incompletas.

"Um romance", afirmou Álvaro Lins, "não se faz somente com um personagem e pedaços de romance. Romances mutilados e incompletos são os dois livros publicados pela sra. Clarisse (sic) Lispector, transmitindo nas últimas páginas a sensação de que algo essencial deixou de ser captado ou dominado pela autora no processo da arte da ficção".

Clarice desviou os olhos do papel para a sala. A casa mutilada em caixas fechadas, as paredes brancas sem vestígios, o chão liso sem móveis que fazem da sala o lugar onde se come, do quarto o lugar onde se deita. Partes de um todo que caberia a ela organizar, dar formas e cores, luzes e sombras. Organização que lhe dava vertigens antecipadas. Se pudesse, deixaria as caixas fechadas, e o que havia dentro delas intacto, tesouros intocados, protegidos e vigiados sem descanso. Apenas o vestígio de ouro e prata na superfície. Mas não podia, ela sabia que a sua tarefa maior era trazer à luz o segredo mais guardado, revelar sem corromper o tesouro mais escondido.

Álvaro Lins, ao fazer a sua crítica, baseava-se no conceito tradicional do gênero do romance, fundamentado em uma sólida estrutura de lógica temporal, espacial e eventos seqüenciais, onde não se encaixava uma obra fragmentária sem unidade lógica, solução final e uma progressão dos fatos.

"Mas o que é que se torna fato?", Clarice escreveu a Fernando, "Devo interessar-me pelo acontecimento?". Para ela, os acontecimentos eram secundários, já que nasciam das pessoas, e não ao contrário. "Por que deveria encher as páginas com informações sobre os 'fatos'?" Não devia, Fernando afirmou. Apesar de pensar como o amigo, ela não conseguia esquecer as palavras do crítico sobre os seus romances, "mutilados", repetia olhando as caixas fechadas em seu apartamento, "incompletos". Nada a havia preparado, porém, para o que viria a seguir. Em certa parte do ensaio, Lins deixou o livro, para se concentrar em outro aspecto. "O leitor menos experiente confundirá com a obra criada aquilo que é apenas o esplendor de uma personalidade estranha, solitária e inadaptada, com uma visão particular inconfundível." Clarice levou um choque ao ver que o crítico se referia a ela. Era a nebulosidade da personalidade da escritora que impregnava o romance, ele disse. Tão sentada ela estava sobre uma caixa que nessa hora se levantou. A sensação de que o crítico tirava o dedo do livro e o virava com firmeza para o seu rosto.

Forma própria
"É um cretino!", Fernando vociferou por carta à amiga. E exigiu que Clarice não se abalasse, "Você avançou na frente de todos nós, passou pela janela, na frente de todos", disse, não como consolo, mas como constatação. Para o escritor Fernando Sabino, Clarice Lispector havia alcançado uma forma muito própria de escrever, na qual a linguagem nascia da experiência mais íntima da personagem. Em primeiro plano, não estavam os episódios, mas o fluxo palpitante da subjetividade. O que Álvaro Lins havia visto como excesso de introspecção e individualidade eram para Sabino originalidade e renovação na criação de um romance. Apesar das suas palavras, Clarice sentiu um desânimo profundo. Em pé, entre as caixas e o espanto, assumia a observação do crítico como uma fatalidade, "O que sou está acima da linguagem, mas como posso escrever sem mim?".

Para outro crítico, Antonio Candido, Perto do coração selvagem era uma tentativa impressionante de levar a "nossa língua canhestra a domínios pouco explorados, forçando-a a adaptar-se a um pensamento cheio de mistério, para o qual sentimos que a ficção não é um exercício ou uma aventura afetiva, mas um instrumento real do espírito, capaz de nos fazer penetrar em alguns dos labirintos mais retorcidos da mente".

"Escrever é tão perigoso", Clarice escreveria mais tarde, "o perigo de mexer no que está oculto ― e o mundo não está à tona. Está oculto em raízes submersas nas profundezas do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Nesse vazio é que existo intuitivamente, mas é um vazio terrivelmente perigoso, dele arranco sangue". Clarice sabia, o vazio era a sombra do seu próprio mistério que se realizava na escrita.

O escritor Guimarães Rosa disse, uma vez, "A linguagem e a vida são uma coisa só. Quem não fizer do idioma o espelho de sua personalidade, não vive". Naquele dia, em seu apartamento novo, que de tão novo nada tinha ainda de seu, Clarice reconhecia que o que Álvaro Lins criticara era a característica maior de sua literatura. O seu defeito era na verdade a raiz de sua natureza de escritora. E seria a fonte maior de toda a sua obra. "Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso", escreveu depois à irmã, Tania Kaufmann, entre caixas abertas, segredos e tesouros trazidos à tona cuidadosamente para não se partirem, "nunca se sabe qual deles que sustenta o nosso edifício inteiro".

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no jornal Rascunho, na edição de novembro de 2008.


Claudia Lage
Niterói, 22/12/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A fé no maravilhoso de Carlos Alberto Dória
02. A virtude de não enviar de Lúcia Guimarães
03. O futuro do jornalismo de Marcelo Träsel
04. A volta de Gombrowicz de Flávio Moreira da Costa
05. A dança que passa por Curitiba de Emanuella Kalil


Mais Claudia Lage
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/12/2008
20h57min
Ah, que bom este ensaio na véspera de natal. Sempre muito bom lembrar que a diferença de estilo, em Clarice, tamanha personalidade, dava o que falar. Os incomodados que se mudem ou, apesar dos julgamentos precipitados, que a caravana sempre passe, linda. Guardo o artigo pra reler e reler e repassar. Um abraço da leitora do DF ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
26/12/2008
15h16min
Este ensaio é de uma pureza e beleza palpitante. Clarice de fato dá uma tonalidade de beleza e mergulha na linguagem com uma tal pungência que nos constrange em nossa própria solidão.
[Leia outros Comentários de well]
6/1/2009
02h07min
Parabéns, Claudia Lage, o seu texto afastou o horror da minha insônia, vivificou-me! por meio da bela linguagem. Gratíssimo! Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
7/1/2009
11h40min
Belo ensaio. A frase inicial foi uma escolha feliz. O tempo mostrou que Álvaro Lins estava errado e que Fernando Sabino e Antonio Candido estavam certos: vislumbraram a grandeza de Clarice.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TODO RISCO, O OFÍCIO DA PAIXÃO
DAMÁRIO DACRUZ
LIVRO COM
(2012)
R$ 25,00



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT 3 - FÉRIAS DO TERROR
HOROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2015)
R$ 28,00
+ frete grátis



MODERNAS TÉCNICAS EMPRESARIAIS VOL. 6 TÉCNICAS DE LIDERANÇA
OSWALDO DORIA
GRAFIPAR
(1970)
R$ 8,26



O RABI DE BACHERACH
HEINRICH HEINE
HUCITEC
(1992)
R$ 10,00



MEGUILAT ESTER
BEGUM SCHMUL OSHER
LUBAVITCH
(2010)
R$ 25,00



CARTA VIVA SEM LENHA O FOGO SE APAGARÁ Nº 62
R. R. SOARES
IGREJA INTERNACIONAL DA GRAÇA DE DEUS
(2001)
R$ 3,00



COLEÇÃO OS PENSADORES: NIETZSCHE
NIETZSCHE
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 20,00



TIEMPO CON SHAKESPEARE - MARIO RODRÍGUEZ ALEMÁN (EM ESPANHOL)
MARIO RODRÍGUEZ ALEMÁN
EDITORIAL LETRAS CUBANAS - CUBA
(1982)
R$ 25,00



MOISÉS
IVAN FRANKÓ
CIA BRASILEIRA ARTES GRAFICAS
(1981)
R$ 8,99



OS ENIGMAS DA SOBREVIVÊNCIA
JACQUES ALEXANDER
EDIÇÕES 70
(1977)
R$ 26,00





busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês