Perto do coração da linguagem | Claudia Lage

busca | avançada
61534 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
>>> Cebrián sobre o fim
>>> Nem tudo é pessoal
>>> Jeff Beck em Big Block
>>> 10 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Chama Atenção
>>> 9 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Scott Weiland (1967-2015)
>>> 7 de Setembro
Mais Recentes
>>> Dicionario juridico de bolso de Paulo roberto benasse pela Bookseller
>>> Terapia da depressao de Linus mundy pela Paulus
>>> El si de las ninas de Leandro fdez. de moratin pela Via grafica
>>> A maquina do tempo de H. g. wells pela Ediouro
>>> Nintendo world--62--prince of persia--the sands of time de Conrad pela Conrad
>>> Reagan reviews his first year--dont go away im alive de Readers digest pela Readers digest (1982)
>>> Das beste--jewels wegzum ruhm de Readers digest pela Readers digest (2000)
>>> Hoje--os melhores livros--6--a liberaçao da mulher de Francisco alves pela Francisco alves (1978)
>>> Pesquisa Em Educação: Abordagens Qualitativas de Menga Lüdke e Marli E. D. A. André pela Epu (2003)
>>> Metodologia da Pesquisa Educacional de Ivani Fazenda (Org.) pela Cortez (1994)
>>> O Que Sabe Quem Erra? Reflexões Sobre Avaliação e Fracasso Escolar de Maria Teresa Esteban pela DP&A (2002)
>>> Pesquisa na Escola – O Que É, Como Se Faz de Marcos Bagno pela Loyola (2004)
>>> Pesquisa Participante de Carlos Rodrigues Brandão (Org.) pela Brasiliense (1999)
>>> Educar Pela Pesquisa de Pedro Remo pela Autores Associados (2002)
>>> Inclusão e Avaliação na Escola de Alunos Com Necessidades Educacionais Especiais de Hugo Otto Beyer pela Mediação (2006)
>>> Magia, Ciência e Religião de Bronislaw Malinowski pela Edições 70 (1984)
>>> Pesquisa – Princípio Científico e Educativo de Pedro Demo pela Cortez (2001)
>>> o físico, o xamã e o místico: os caminhos espirituais percorridos no Brasil e no exterior de Patrick Drouot pela Nova Era (1999)
>>> Avaliação da Aprendizagem Numa Abordagem Por Competências de Gérard Scallon pela Pucpress (2015)
>>> Sociedade e Improviso: Estudo sobre a (des) estrutura social dos índios Maku de Jorge Pozzobon pela Museu do Índio (2011)
>>> La Filosofía de Hegel de Heleno Saña pela Gredos (1983)
>>> O Trono de Fogo - as Crônicas de Kane 2 de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> Pensar a Educação – História, Filosofia e Linguagens – Volume 2 de Eliana Maria do Sacramento Soares e Neires Maria Soldatelli Paviani (Orgs.) pela Educs (2012)
>>> Santo Daime Fanatismo e Lavagem Cerebral de Alícia Castilla pela Imago (1995)
>>> Santo Daime revelado de Gideon dos Lakotas pela Corpo Mente - Curitiba (2007)
>>> O Poder Que Brota da Dor e da Opressão Empowerment, Sua História, Teorias e estratégias de Eduardo Mourão Vasconcelos pela Paulus (2003)
>>> Kardecismo e Umbanda de Candido Procopio Ferreira de Camargo pela Pioneira (1961)
>>> Educação e complexidade: os Sete Saberes e outros ensaios de Edgar Morin pela Cortez (2018)
>>> Bhagavad Gita: Canção do Divino Mestre de Rogério Duarte pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Problema Epistemológico da Complexidade de Edgar Morin pela Europa América (2020)
>>> Contos de Grimm - Volume 1 - Ilustrações A. Archipowa de Maria Heloísa Penteado pela Ática (2000)
>>> Sofrimento Psíquico: Modalidades Contemporâneas de Representação e Expressão de Marília Antunes Dantas pela Juruá (2009)
>>> Gestão de Pessoas para Concursos Volume 1 e 2 de Enrique Rocha, Karina da Rocha e Cristiana Duran pela Campus Concursos (2009)
>>> A Pirâmide Vermelha - as Crônicas dos Kane 1 de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana de Edgar Morin pela Cortez (2009)
>>> Anatomia e Fisiologia Aplicadas ao Hatha Yoga - Volume 1: Sistema Locomotor de Danilo F.Santaella, Gerson D`Addio da Silva pela Carthago (2011)
>>> Trevas no Eldorado: como cientistas e jornalistas devastaram a Amazônia e violentaram a cultura Yanomami de Patrick Tierney pela Ediouro (2002)
>>> A Sombra da Serpente - as Crônicas dos Kane 3 de Rick Riordan pela Intrinseca (2012)
>>> Regras da Comida, Uma Manual de Sabedoria Alimentar de Michael Pollan pela Intrínseca (2010)
>>> A Casa de Hades - os Heróis do Olimpo 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2013)
>>> A Marca de Atena - os Heróis do Olimpo 3 de Rick Riordan pela Intrínseca (2013)
>>> Você Sabe se Desintoxicar? de Dr,Soleil pela Paulus (1993)
>>> Masnavi de Maulana Jalal Al-Din RUMI pela Dervish (1992)
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Filho de Netuno - Os Heróis do Olimpo 2 de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> O Herói Perdido - os Heróis do Olimpo 1 de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> Império de Michael - Antonio Negri pela Record (2003)
>>> Oxford Advanced Learnes Dictionary of Current English de A. S. Hornby pela Oxford University Press (1988)
>>> O Matuto de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (1997)
>>> The Secret - O Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/12/2008
Perto do coração da linguagem
Claudia Lage

+ de 6000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Só nos diz a verdade quem não gosta da gente ou nos é indiferente", Clarice escreveu ao amigo Fernando, desolada, sozinha no apartamento vazio, rodeada de caixas como o deserto de uma ilha rodeada de mar. "E tudo o que ele disse é verdade." Estava na Suíça, de mudança com o marido para um novo apartamento em Berna. A visão dos aposentos nus e da imensidão de caixas fechadas lhe dava vertigens. Pegara então numa bolsa a correspondência, como quem se apóia na parede para não desequilibrar na própria náusea. O que encontrou numa das cartas, porém, não lhe deu nenhuma estabilidade, pelo contrário, aumentou a sensação de que afundava no vazio do apartamento e na profundeza das caixas.

Um amigo enviara do Brasil um ensaio chamado "A experiência incompleta", do crítico Álvaro Lins, sobre Perto do coração selvagem, o primeiro romance de Clarice Lispector, lançado em 1943, quando a escritora tinha 23 anos, e O lustre, o segundo, publicado em 1946. Antes de ler o ensaio, Clarice precisou se sentar sobre uma das caixas, já abatida pelo título. Naquela mesma manhã, havia pensado que gostaria de trabalhar sem parar, escrever árdua e constantemente, mas as coisas vinham para elas em retalhos, fragmentos de frases e imagens, situações nebulosas, sempre esparsas, sempre... incompletas.

"Um romance", afirmou Álvaro Lins, "não se faz somente com um personagem e pedaços de romance. Romances mutilados e incompletos são os dois livros publicados pela sra. Clarisse (sic) Lispector, transmitindo nas últimas páginas a sensação de que algo essencial deixou de ser captado ou dominado pela autora no processo da arte da ficção".

Clarice desviou os olhos do papel para a sala. A casa mutilada em caixas fechadas, as paredes brancas sem vestígios, o chão liso sem móveis que fazem da sala o lugar onde se come, do quarto o lugar onde se deita. Partes de um todo que caberia a ela organizar, dar formas e cores, luzes e sombras. Organização que lhe dava vertigens antecipadas. Se pudesse, deixaria as caixas fechadas, e o que havia dentro delas intacto, tesouros intocados, protegidos e vigiados sem descanso. Apenas o vestígio de ouro e prata na superfície. Mas não podia, ela sabia que a sua tarefa maior era trazer à luz o segredo mais guardado, revelar sem corromper o tesouro mais escondido.

Álvaro Lins, ao fazer a sua crítica, baseava-se no conceito tradicional do gênero do romance, fundamentado em uma sólida estrutura de lógica temporal, espacial e eventos seqüenciais, onde não se encaixava uma obra fragmentária sem unidade lógica, solução final e uma progressão dos fatos.

"Mas o que é que se torna fato?", Clarice escreveu a Fernando, "Devo interessar-me pelo acontecimento?". Para ela, os acontecimentos eram secundários, já que nasciam das pessoas, e não ao contrário. "Por que deveria encher as páginas com informações sobre os 'fatos'?" Não devia, Fernando afirmou. Apesar de pensar como o amigo, ela não conseguia esquecer as palavras do crítico sobre os seus romances, "mutilados", repetia olhando as caixas fechadas em seu apartamento, "incompletos". Nada a havia preparado, porém, para o que viria a seguir. Em certa parte do ensaio, Lins deixou o livro, para se concentrar em outro aspecto. "O leitor menos experiente confundirá com a obra criada aquilo que é apenas o esplendor de uma personalidade estranha, solitária e inadaptada, com uma visão particular inconfundível." Clarice levou um choque ao ver que o crítico se referia a ela. Era a nebulosidade da personalidade da escritora que impregnava o romance, ele disse. Tão sentada ela estava sobre uma caixa que nessa hora se levantou. A sensação de que o crítico tirava o dedo do livro e o virava com firmeza para o seu rosto.

Forma própria
"É um cretino!", Fernando vociferou por carta à amiga. E exigiu que Clarice não se abalasse, "Você avançou na frente de todos nós, passou pela janela, na frente de todos", disse, não como consolo, mas como constatação. Para o escritor Fernando Sabino, Clarice Lispector havia alcançado uma forma muito própria de escrever, na qual a linguagem nascia da experiência mais íntima da personagem. Em primeiro plano, não estavam os episódios, mas o fluxo palpitante da subjetividade. O que Álvaro Lins havia visto como excesso de introspecção e individualidade eram para Sabino originalidade e renovação na criação de um romance. Apesar das suas palavras, Clarice sentiu um desânimo profundo. Em pé, entre as caixas e o espanto, assumia a observação do crítico como uma fatalidade, "O que sou está acima da linguagem, mas como posso escrever sem mim?".

Para outro crítico, Antonio Candido, Perto do coração selvagem era uma tentativa impressionante de levar a "nossa língua canhestra a domínios pouco explorados, forçando-a a adaptar-se a um pensamento cheio de mistério, para o qual sentimos que a ficção não é um exercício ou uma aventura afetiva, mas um instrumento real do espírito, capaz de nos fazer penetrar em alguns dos labirintos mais retorcidos da mente".

"Escrever é tão perigoso", Clarice escreveria mais tarde, "o perigo de mexer no que está oculto ― e o mundo não está à tona. Está oculto em raízes submersas nas profundezas do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Nesse vazio é que existo intuitivamente, mas é um vazio terrivelmente perigoso, dele arranco sangue". Clarice sabia, o vazio era a sombra do seu próprio mistério que se realizava na escrita.

O escritor Guimarães Rosa disse, uma vez, "A linguagem e a vida são uma coisa só. Quem não fizer do idioma o espelho de sua personalidade, não vive". Naquele dia, em seu apartamento novo, que de tão novo nada tinha ainda de seu, Clarice reconhecia que o que Álvaro Lins criticara era a característica maior de sua literatura. O seu defeito era na verdade a raiz de sua natureza de escritora. E seria a fonte maior de toda a sua obra. "Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso", escreveu depois à irmã, Tania Kaufmann, entre caixas abertas, segredos e tesouros trazidos à tona cuidadosamente para não se partirem, "nunca se sabe qual deles que sustenta o nosso edifício inteiro".

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no jornal Rascunho, na edição de novembro de 2008.


Claudia Lage
Niterói, 22/12/2008

Mais Claudia Lage
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/12/2008
20h57min
Ah, que bom este ensaio na véspera de natal. Sempre muito bom lembrar que a diferença de estilo, em Clarice, tamanha personalidade, dava o que falar. Os incomodados que se mudem ou, apesar dos julgamentos precipitados, que a caravana sempre passe, linda. Guardo o artigo pra reler e reler e repassar. Um abraço da leitora do DF ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
26/12/2008
15h16min
Este ensaio é de uma pureza e beleza palpitante. Clarice de fato dá uma tonalidade de beleza e mergulha na linguagem com uma tal pungência que nos constrange em nossa própria solidão.
[Leia outros Comentários de well]
6/1/2009
02h07min
Parabéns, Claudia Lage, o seu texto afastou o horror da minha insônia, vivificou-me! por meio da bela linguagem. Gratíssimo! Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
7/1/2009
11h40min
Belo ensaio. A frase inicial foi uma escolha feliz. O tempo mostrou que Álvaro Lins estava errado e que Fernando Sabino e Antonio Candido estavam certos: vislumbraram a grandeza de Clarice.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATENDIMENTO AO CLIENTE "O RECURSO ESQUECIDO"
NANCI PILARES
NOBEL
(1989)
R$ 9,00



PONTE DAS LEMBRANÇAS
ELIANA MACHADO COELHO PELO ESPÍRITO SCHELLIDA
LÚMEN
(2010)
R$ 15,00



MENTES ANSIOSAS - MEDO E ANSIEDADE ALÉM DOS LIMITES
ANA BEATRIZ BARBOSA SILVA
FONTANAR
(2011)
R$ 28,00



CANCRO DA MAMA - O QUE DEVEMOS SABER?
LÚCIO LARA SANTOS, BASÍLIO LOPES
LIDEL
(2014)
R$ 95,00



PLANEJAMENTO COMO FATOR DE SUCESSO
MAURICIO CASTELO B. VALADARES
QUALITYMARK
(2005)
R$ 45,00



CARLOTA JOAQUINA (A RAINHA INTRIGANTE)
MARCUS CHEKE
JOSÉ OLYMPIO
(1949)
R$ 20,00



LÚCIA ROCHA DUMMAR GUARDIÃ DA MEMÓRIA
ORG. LAURISA NUTTIHG
ARMAZÉM DA CULTURA
(2018)
R$ 60,00



JOAQUIM NABUCO RETRATO DE UMA ÉPOCA
MOISÉS GICOVATE
EDIÇÕES MELHORAMENTOS
(1959)
R$ 7,00



PREPARE WORKBOOK B1 LEVEL4
GARETH JONES
SECOND
(2019)
R$ 100,00



QUESTÃO DE PESO
VÉRONIQUE SKAWINSKA/ DEMIS ROUSSOS
AGE
R$ 5,00





busca | avançada
61534 visitas/dia
2,1 milhões/mês