Otto Lara Resende sobre Vinicius de Moraes | Digestivo Cultural

busca | avançada
61604 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Precioso Livro da Miriam
>>> Perfil (& Entrevista)
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo I
>>> Violões do Brasil
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
Mais Recentes
>>> A Canção no Tempo: 85 Anos de Musicas Brasileiras de Jairo Severiano pela 34 (1997)
>>> Sociologia Aplicada a Administração de Delorenzo Neto pela Atlas (1972)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (2006)
>>> Voodo Island de Michael Duckworth pela Oxford Bookworms 2 (1989)
>>> Psicologia da Educação de Irene Carmen pela Iesde
>>> Desconforme-se de Marcelo Mello pela Ideias Ação (2005)
>>> Mensagens de Amor e Sabedoria de Seicho Taniguchi pela Seicho no Ie (2009)
>>> Hotelaria à Luz do Direito do Turismo de Rui Aurélio de Lacerda Badaró pela Senac (2006)
>>> A Grande Jogada de Renato Marques; Molly Bloom pela Intrinseca (2017)
>>> Discurso Sobre a Origem e Fundamentos da Desigualdade Entre os Homens de Jean Jacques Rousseau pela L&pm Pocket (2019)
>>> Marcada de P. C. Cast e Outros pela Novo Seculo (2009)
>>> Babbitt N° 44 de Sinciair Lewis pela Abril
>>> O País das Uvas - Obras Imortais da Nossa Literatura de Fialho D Almeida pela Ed. Três (1973)
>>> A Queda da França - Volume II de William L. Shirer pela Record
>>> A Condição Humana de André Malraux pela Cultural
>>> Quem Ama, Educa! de Içami Tiba pela Gente (2002)
>>> Uma Vida Em Segredo - História de uma História de Autran Dourado pela Francisco Alves (1990)
>>> O Que é Trabalho Infantil de Jane Araújo pela Brasiliense (2010)
>>> Museu da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo de June Locke Arruda pela Laserprint (2009)
>>> Autores de Cordel - Literatura Comentada de Marlyse Meyer pela Abril Educação (1980)
>>> X-men 3: Guerra entre mundos de Chris Claremont; Salvador Larroca pela Panini / Marvel (2002)
>>> The Last True Story I`ll Ever Tell de John Crawford pela Riverhead (2006)
>>> Ninguém é Feliz no Paraíso de Miriam Mambrini pela Imã
>>> Public Philosophy And Political Science de E. Robert Statham pela Lexington (2002)
>>> Terra Brasileira - Cores, Formas e Texturas de Cristina Oldemburg pela Camera Books (2010)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Sexta-feira, 24/4/2009
Otto Lara Resende sobre Vinicius de Moraes
Julio Daio Borges

+ de 7300 Acessos
+ 3 Comentário(s)




Digestivo nº 412 >>> Otto — "o mineiro só é solidário no câncer" — Lara não gostava do primeiro livro de versos de Vinicius, O Caminho para a Distância, lançado em 1933, quando o poeta contava então 20 anos. Classificava-o ironicamente como "um caminho que se pretendia para a distância, mas não foi". Otto se incomodava com o que chamou de "a embriaguez causada pela vertigem das grandes alturas e abstrações". Eram muitas maiúsculas para o seu gosto (Verdade, Espírito, Mistério) e ele, inclusive, achava que o "poeta altíssimo", na sua compaixão pelo gênero humano, queria pairar acima dos homens. Antecipando uma tese — à qual Ruy Castro daria continuidade no verbete de Ela é Carioca sobre Vinicius de Moraes — Otto Lara sinalizava a mudança transformadora a partir de "Ausência": quando o lírico driblaria o "cipoal de angústias metafísicas" em que andara enredado. Direto do "reino do sublime", aterrissando no "plano do real", nasceria um novo poeta, um novo Vinicius. Deixaria então de se inspirar em Rimbaud, o "vidente", para aproximar-se de Neruda, "sensual e social", e de Lorca, "valorizado pelo martírio". Já a linguagem partiria para o natural, o coloquial, à moda dos modernistas, e a mulher — claro, a mulher — deixaria de ser "musa incorpórea" e passaria a ser "gente, companheira, amiga" (sem "nada de idealização"). Afinal, para Otto, os "eflúvios místicos", do jovem Vinicius, nunca passaram de "inequívocos arrancos sexuais" (reprimidos?). Voltando-se para o "tempo presente", o poeta abandonaria definitivamente as "profecias de timbre apocalíptico". E Vinicius de Moraes se estabeleceria como "um protagonista que nunca se esconde nos bastidores" (para o bem e para o mal). "Rompendo as últimas cadeias", depois do encontro histórico com Antonio Carlos Jobim, a palavra enfim se faria canto e o poema, canção. Vinicius não cederia mais à "tentação do refinamento" e se dissolveria no "sentimento geral" (do povo?). O poeta — outrora, altíssimo — estaria, finalmente, na boca das multidões... Este ensaio, belo e revelador, de Otto Lara Resende está na nova edição do Livro de Sonetos, de Vinicius de Moraes.
>>> Livro de Sonetos
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee (Literatura)
02. A Arte de Meditar, de Matthieu Ricard (Além do Mais)
03. Música em 2000-2009 (Música)
04. Passado, presente e futuro das mídias sociais, por Erik Qualman (Internet)
05. Little Joy, o disco (Música)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/4/2009
04h28min
De uma precisão sintética e elegância concisa - um micropanorama, essa nota; de rara felicidade pela forma como coloca em e-vidência a vidência de Lara e o encontro epifânico Vinícius-Tom Jobin. Parabéns!
[Leia outros Comentários de M. A, Araújo Bueno]
24/4/2009
10h16min
A frase do Otto, acabei conhecendo numa obra de Nelson Rodrigues que virou filme, e se não me engano era "Bonitinha mas ordinária". Quanto ao Vinícius, o endeusamento que ele fazia da mulher é algo exuberante, a ponto de usar toda a sua versatilidade de poeta trovador, com versos setessilábicos, combinando a primeira linha com a terceira, e sem pé quebrado, ou seja, versação completa. E isto eu acho um charme.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
24/4/2009
20h52min
Vinicius não escrevia qualquer poema sem ter um violão à disposição. Tinha estilo próprio de tirar o verso da melodia poética que o violão captava. Antes dele declamar, cantava o verso pela melodia poética. Sua natureza era bem maior que a de um simples poeta. Era um compositor musical nato, que já acasalava versos a melodias. Apenas não sabia. Tom Jobim veio bem depois da amizade que tinha com outro pianista, Ernesto Nazareth, que percebendo a sua natureza o incentivava ao acasalamento de poesia com melodia. E foi desses incentivos que Vinicius criou coragem e compôs "Rancho das namoradas", muito antes de "Chega de saudade". Vininha sempre foi chegado num rabo de saia padrão, mas preferia, como todo poeta que se preza, compor para musas inatingíveis. Me surpreende o Otto dizer que ele abandonou a idéia da mulher mística. E a composição "São demais os perigos dessa vida", feita bem depois com Toquinho? Era uma homenagem à deusa grega Harmonia, à qual ele sonhava em desposar como Cadmo.
[Leia outros Comentários de Dalton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alice no País das Maravilhas - Clássicos Disney para Ler e Ouvir
Disney
Abril Coleções
(2009)



Olha para o Céu, Frederico!
José Cândido de Carvalho
José Olympio
(1976)



Coleção Propasquale Explica - Crase 9
Pasquale Cripo Neto
Gold



O Pintor das Sombras
Jane Urquhart
Bertrand Brasil
(2003)



Ecad e Direitos Musicais Interpretados Pelos Tribunais
Jair Lot Vieira
Edipro
(2010)



A Vida como performance
Kenneth Tynan
Companhia das Letras
(2004)



O menino que achou uma estrela
Marina Colasanti
Global
(2017)



Vivencie Positivo 6º Ano Vol 4
Cione dos Santos
Positivo
(2019)



Ensinar Aprendendo
Icami Tiba
Gente
(1998)



Amigos e Vinhos, Mulheres Á Parte
Rex Pickett
Rocco
(2006)





busca | avançada
61604 visitas/dia
1,8 milhão/mês