Dê uma lidinha | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIP 2006 IV
>>> Como você vê a internet?
>>> Inimigos da política
>>> God save the newspapers!
>>> O homem visto do alto
>>> O homem visto do alto
>>> A quinta temporada de Lost
>>> Os primeiros volumes da Penguin Companhia
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Princípio ativo
Mais Recentes
>>> Quatro-olhos e um Sorriso Metálico de Thomas Brezina pela Ática (2006)
>>> O Destino de Perseu - Série Aventuras Mitológicas de Luiz Galdino pela Ftd (1999)
>>> A Perseguição de Sidney Sheldon pela Record (1994)
>>> Muito Barulho por Nada - Série Reencontro de William Shakespeare Adap Leonardo Chianca pela Scipione (2006)
>>> The Picture of Dorian Gray - Level 4 de Oscar Wilde pela Penguin (2008)
>>> The Diary of a Young Girl - Level 4 de Anne Frank pela Penguin (2008)
>>> O Mundo de Crestomanci Vida Encantada de Diana Wynnejones pela Geração (2001)
>>> Três Mistérios: Série Clássicos Juvenis Três por Três de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2008)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E L James; Adalgisa Campos da Silva pela Intrinseca (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas - Texto Integral de Machado de Assis pela Ftd (2010)
>>> Healing Grief de James Van Praagh pela New American Library (2000)
>>> Enquanto o Papa Silenciava de Alexander Ramati pela Clube do Livro (1985)
>>> Onde Andara Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu pela Cia das Letras (1990)
>>> Arte e Manhas da Seducão de Marion V Penteado pela Saraiva (1993)
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (1988)
>>> A Revolução do Silêncio de Mario Benevides pela Design (2007)
>>> Persian Painting de Sheila R. Canby pela British Museum Press (2008)
>>> Edmund Dulac de Colin White pela Cassel & Collier Macmillian Publishers (1976)
>>> Dominando a Técnica do Esboço - Curso completo em 40 lições de Judy Martin pela Martin Fontes (2014)
>>> The Mysterious Affair At Styles (Poirot's First Case) c/CD de Agatha Christie pela Collins (2012)
>>> Marvellous to Behold: Miracles in Illuminated Manuscripts de Deirdre Jackson pela The British Library (2007)
>>> Muder in Mesopotamia (em inglês) de Agatha Christie pela Harper Collins (2016)
>>> The Fine Art of Chinese Brush Painting de Walter Chen pela Sterling Publishing (2006)
>>> Comunicação em Prosa Moderna de Othon Moacyr Garcia pela fundação Getúlio Vargas (1988)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/9/2012
Dê uma lidinha
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos

No momento em que escrevo esta linha, acabo de ouvir "vou dar uma olhada", e minha alma sente um estremecimento. É uma frase que ressoa com a implacabilidade de um famoso verso épico, "As armas e os barões assinalados", ou que me deixa num ambíguo sentimento de desventura, como no início de certos sonetos camonianos − "Tanto de meu estado me acho incerto", "Aquela triste e leda madrugada". Tal é o poder das palavras que, unidas − ferinas, sensatas, amadas −, podem causar sensações e opiniões díspares.

Mas não condeno ninguém que fale assim e "dê uma olhada" nas coisas. O dia a dia do século XXI parece impor um "passar de olhos", no máximo. Para quando ficará o "olhar" e a leitura, não sei. Quem sabe estes conceitos estejam se reformulando mais do que nunca e eles deverão persistir, mas de outra forma, transversalmente. Um dia, talvez, assim se escreverá, pelo pastiche da coisa, depois, pela norma que será a culta. Nem julgo, pois eu mesma já me peguei pecando (mas, afinal, é errado dizer assim?) e, depois de pronunciar a frase, me veio um grande sentimento de culpa. Mesmo eu, que presto atenção às palavras e tento lhes dar o valor que lhes é devido, que reparo tanto nesse vício, recaio vez ou outra sobre ele e, finalmente dou uma bela de uma olhada. Só se for assim.

Mas o que é ruim sempre dá para piorar. Pior que "Vou dar uma olhada" é "Vou dar uma olhadinha", pior que "vou dar uma lida", uma "lidinha". E nas situações mais improváveis me deparo com variantes desta expressão, ao que parece, mais do que consagrada pelo uso escancarado. Na culinária, "dar uma refogada", e então, imagino que a comida deve ficar crua, no cabeleireiro, "dar uma secada", e o penteado fica seriamente comprometido, na editoração, "dar uma lida", e o texto fica male e mal revisado. Parece mesmo que há apenas dois verbos passíveis de aceitarem as condições precárias já mencionadas, pois então seria possível "dar uma escrevida" ou "dar uma morrida"? Quando o caso é de vida ou morte são necessários meios reais e coragem.

Só consegui chegar a duas conclusões diante desse fantasma rondando os seres falantes. Como a explicação é frouxa, nada científica, e não quero me comprometer, creio que posso dizer que vou "dar uma tentada". Há dois pontos: o vício veio da língua inglesa, como no caso já largamente comentado "eu estarei fazendo [isso]" (I will be [...]). Não, meu amigo professor me dissuadiu da ideia de que "vou dar uma olhada" viria de "I will take a look", por exemplo. A tradução para o português desta expressão seria "vou olhar". Nosso problema, portanto, dificilmente trata-se de um anglicismo. Então, agora podemos seguir a segunda linha de raciocínio e considerar um aspecto mais sutil da origem de tal expressão, ao tentar adentrar na mentalidade do brasileiro.

Tal conceito de "dar uma + verbo" surpreendentemente abarca diversas classes sociais e aqui podemos considerá-lo como parte do tal "jeitinho brasileiro". Pelo que percebi durante o tempo em que o ouvia, sua premissa é o ato de fazer algo sem comprometimento. Caso algum erro passe, não há maiores implicações, pois de antemão foi avisado que seria apenas "uma olhada", uma olhada "básica", talvez alguém poderia emendar. Pois então, no momento mais crítico, em que mais se precisa de atenção é que se opta pela espiada despojada?

Outras facetas da língua portuguesa falada em São Paulo também me intrigam, e o ponto que as liga é a porção emocional que a língua faz transparecer, quem sabe sutilmente. Ônibus lotado. Alguns passageiros se exaltam ao perceber que podem perder seu ponto de parada. Um grita, ou então, é em coro, "Vai, descer!!!". Quem "vai", "ele"? Não, "eu", logo o mais lógico seria dizer "Vou descer" (ou "vamos descer", num pitoresco ímpeto coletivo). Uma das características sempre ditas do povo é sua capacidade de se solidarizar nas situações emergenciais, e essa pode ser uma delas. Depois do aperto, tudo volta ao normal e a paz do empurra-empurra reina nos coletivos. Assim, também terei meus momentos de solicitude e vou entender as limitações do olhar.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 6/9/2012


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
03. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Inquérito e a Ação Penal
Oswaldo Lim Rodrigue
La Cava (niterói)
(1980)



Magistratura do Trabalho: Sentenças de Concursos Resolvidas
Otavio Calvet (2ª Edição)
Elsevier
(2005)



Ingenium - um Curso Rápido e Eficaz Sobre Criatividade
Tina Seelig
Virgiliae
(2012)



Salvem os Monstros
Fernando Paiva
7 Letras
(2010)



Agropecuária Orgânica Em Dose Homeopáticas e Romantizadas
Santiago Dorremim
Do Ré Mi
(2007)



Desenho Geométrico Métodos e Exercícios Volume 2
Rubens
Loyola
(1980)



O Outro Lado da Memória
Beatriz Cortes
Novo Século
(2015)



Soldados de Papel - Cine-romance
Raul Paulo da Rocha e Miklós Palluch
Do Autor
(2003)



Na Alcova: Três Histórias Licenciosas
Guilleragues, Crébillon e Denon
Companhia das Letras
(2001)



Concise Oxford American Dictionary
Oxford
Oxford
(2006)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês