Olhos Cor de Chuva, de Felipe Machado | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/5/2003
Olhos Cor de Chuva, de Felipe Machado
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10100 Acessos

"Pois vivemos na sedução
mas morremos na fascinação
".

(Jean Baudrillard - Da Sedução)

"Diz a lenda que, no início do mundo, todos os seres humanos eram hermafroditas, com quatro mãos, quatro pernas e dois rostos, virados cada qual para um lado. Esses seres eram tão poderosos e arrogantes que Zeus resolveu separá-los, numa metade masculina e outra feminina. A partir daí, cada parte viveria eternamente à procura da outra metade, numa busca incansável e na maioria das vezes frustrante."

Esta lenda da antiguidade grega é usada no livro Olhos cor de chuva, de Felipe Machado, editado pela editora Escrituras, para explicar a personalidade artística e amorosa eternamente insatisfeita de Alex, principal personagem do romance.

Alex é um escritor que escolheu viver uma vida de solteiro, estando sempre pronto para se entregar a qualquer aventura sexual que a noite ofereça. Sua família não partilha de bons sentimentos quanto à "vida de artista" de Alex, marcada por este "estilo de vida" flutuante. Alex também reprova o modus vivendi de sua família, ajustada ao mais medíocre status quo social.

Dentro deste quadro de tensão entre o escritor e seus parentes vai se desenvolvendo um inesperado número de fatos que abalam a existência de Alex.

Sensível à beleza feminina, inicialmente Alex apaixona-se por uma jovem chamada Manoela, que encontra no bar que sempre freqüenta. Após o envolvimento íntimo, decidem morar juntos na casa do escritor.

A reflexão que surge deste momento da vida de Alex é a seguinte: "Não estavam preocupados com documentos ou registros. Viviam como marido e mulher, partilhando intimidades nunca antes divididas com ninguém, com todas as qualidades e defeitos que esse tipo de verdade pode suscitar. E um desses defeitos, como em qualquer relacionamento, era a inevitável aniquilação da personalidade dos dois indivíduos envolvidos, provocando a criação de um terceiro ser formado não necessariamente pelas qualidades dos dois, mas, ao contrário, pela eventual seleção dos piores defeitos de cada um. Alex entendia agora por que os casais recém-casados tinham tendência ao isolamento. Casar, podia constatar, é ver televisão juntos. É não se incomodar com o silêncio entre conversas. É gostar de ficar sozinho, mesmo estando ao lado de alguém. Com uma grande vantagem. Não era preciso um grande esforço de sedução para se conseguir sexo todas as noites."

Dias depois, ao voltar para casa, Alex encontra sua companheira assassinada em sua cama. Acaba por descobrir que seu nome não era Manoela, que ela havia mentido quanto à sua origem e que, além do mais, antes de conhecê-lo, vivia como garota de programa. Esta era a primeira falsa imagem que ludibriou nosso personagem dentro do romance.

Em seguida, apaixona-se pela amiga de Manoela, também garota de programa, que é levada a coabitar com o escritor. Insatisfeito com esta nova relação, encontra-se mergulhado nos braços e entre as pernas de outra mulher. No entanto, acha-se sempre à deriva, insatisfeito. Carrega consigo a idéia de que Manoela seria a verdadeira mulher de sua vida. Mas isto é apenas uma das ilusões que traz consigo. Se tivesse estendido a relação com ela, vivendo o massacrante cotidiano que acusa seus familiares e amigos de viver, com certeza deixaria de amá-la. Como ela desapareceu antes dessa decepção, a imagem que lhe restou foi a da paixão viva que puderam experimentar por curto tempo.

O que Alex procura nas mulheres é o que o artista que ele é também procura: a perfeição de uma imagem ideal, capaz de dar conta de todos os sentimentos e carências que a vida impõe. No entanto, a imagem perfeita que encontra não é real, mas fabricada por um computador: é a mulher ideal que sai da pasta de um produtor e que é colocada na mesa do bar onde estava com seus amigos. Apaixona-se por esta imagem de mulher perfeita, fabricada, comercial, tal qual as mulheres que desfilam diariamente em nossos vídeos e nas revistas femininas, banhadas em luz artificial, corrigidas por programas de computador e que acabam por causar extrema infelicidade em quem procura nessas "bonecas" o ideal de mulher.

Esse ideal, também procurado por milhares de mulheres que se sacrificam diariamente nas academias de ginástica e clínicas de cirurgia estética, não pode ser realizado, pois trata-se de um artifício programado por recursos fotográficos. Um corpo sem emoção, malhado para ser construído e consumido como objeto mercadológico, sem os riscos da emoção que a paixão pode trazer. O status quo agradece a preferência.

Ao fim de sua trajetória, Alex tranca-se com essa imagem no seu apartamento, exilando-se de qualquer contato humano real, mergulhando seus desejos nessa ilusão fabricada. Não lhe resta outra alternativa senão o suicídio, pois longe desta imagem apenas pode encontrar a realidade, com seus defeitos, suas misérias e, mais, seus riscos incontroláveis.

Olhos cor de chuva é um romance que pode ser pensado como uma alegoria da vida urbana que se traça nos nossos tempos, mergulhados que estamos em imagens que consomem nossos desejos e não nos trazem nada mais que uma eterna insatisfação. Triste sina a que se destina a vida urbano-social contemporânea: as pessoas tornaram-se imagens, querem se constituir como imagens e só podem ser consumidas enquanto tal.

Para ir além





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/5/2003


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês